Arquivo da tag: zoofilia

Banco Santander de Porto Alegre promove exposição com quadros de pedofilia, zoofilia e similares

Padrão

Vejam as fotos acima aonde em uma delas 2 CRIANÇAS fazem sexo com um animal e outras mostram CRIANÇAS em poses sensuais e mensagens relacionadas ao movimento gay. Isto foi considerado arte em Porto Alegre.


Mais uma vez o Rio Grande do Sul se supera em atos nojentos. Mas o que esperar de quem possui faculdades de idiotas zumbis do Estado, pessoas que possuem o sonho de virarem concurseiros e figuras como Luciana Genro que apoiam ditaduras? E nem iremos citar a Maria dos Bandidos aqui que nem cuidar da filha sabe…..

Mas tudo isso foi superado…….e para a pior.

A exposição Queermuseu, feita no Santander Cultural de Porto Alegre/RS chamou a atenção não apenas pelos quadros com pedofilia e zoofilia, como também por seu financiamento: R$ 800.000,00 financiados por meio da Lei Rouanet.

A exposição foi  cancelada após mobilização da sociedade nas redes sociais pois algumas pessoas questionaram as mensagens das obras.

Detalhe: Tal amostra nojenta era destinada a CRIANÇAS. Leiam o edital da captação de recursos e esta lá  a quem foi destinado: escolas e crianças.

Muito preocupante o que consideramos como “Arte”. Hoje em dia qualquer imbecil pelada e gritando xingamentos virou arte (Funk carioca, que inclusive se trasnformou em tese de mestrado neste Brasil aonde tudo que for errado se torna modelo). Mais preocupante é não ter filtro algum ao selecionar o que será exposto ao público.

A fonte do financiamento, entretanto, foi pouco comentada: o próprio Grupo Santander Brasil financiou a obra por meio da Lei Rouanet, doando com isenção fiscal para que fosse realizada em suas dependências. Em outras palavras: o grupo deixou de destinar o valor – tirado de seus clientes pagadores de impostos – ao governo, destinou para uma exposição nas suas próprias instalações e obteve retorno com o capital “investido” por meio da venda das entradas. Um “negócio da China” que tem sido um padrão do grupo no Brasil. Fonte: ILSP

O editor do Zero Hora, jornal local do sul, inclusive quer “meter bala” em quem quiser boicotar esta tal amostra de arte. O rapaz para variar defende o esquerdismo total.

Mas relativistas morais, justiceiros sociais e idiotas esquerdistas de todo o Brasil agora iniciam a falar de ditadura e censura….Nudez e atos sexuais sempre foram usados como arte em pinturas e esculturas lindas que visavam mostrar a habilidade do artista com tintas, madeira e pedra. A nudez e o sexo pouco tem a ver com a revolta do povo contra esta atitude imbecil do banco Santander. O maior problema aqui é deixar a entender que tudo é possível em nome da arte. Incluindo as mais perversas ideias do ser humano pode ser exposto em nome da arte. Pode-se fazer peça teatral com pessoas sendo abusadas em nome da arte, podem ter animais abusados em nome da arte. Ou como fizeram os atores da obra de arte “macaquinhos” cheirar e enfiar o dedo na bunda alheia. E tudo se agrava quando destinamos esta obra paga com o nosso dinheiro  e visando atingir menores e escolas. Um objetivo sinistro existe com certeza.

Os relativistas morais que acham tudo liberdade, vivem na ilha da fantasia e chamam questionamentos objetivos de censura demonstram a mais baixa desonestidade intelectual. A falta de empatia ao notar um menor de idade sendo obrigado por professores zumbis da esquerda a visitar uma amostra dessas aonde um outro menor faz sexo com animais e outro se veste de forma sensual deixaria qualque familiar revoltado, mas este bando de idiotas acha tudo liberdade. Podem afirmar serem intelectuais defensores da liberdade sem limite, mas este grupo duvido que deixa os filhos sem limites. Acabam sendo manipulados pela esquerda que tanto dizem odiar.

Um ponto positivo: Finalmente a sociedade reage a revolução marcuseana. O engenheiro social Herbert Marcuse foi um sinistro iniciador de obras assim e cita a teoria no seu livro que ainda modela o pensamento de professores de universidades infelizmente.  É um alento para uma socidade de valores invertidos que  o povo democraticamente reagiu.

Queremos dar os parabéns para todos que se mobilizaram para mostrar que ali, no Santander Cultural, não se tratava de arte coisíssima alguma; muito menos de algo relacionado a “liberdade de expressão”, como alguns querem fazer parecer e assim triunfar no seu limpismo virtual, o que estava a disposição de excursoes de crianças naquele banco, é a continuidade de um plano nefasto.

Questionar, denunciar esse plano, boicotá-lo e dar nomes aos culpados. Este sempre vai ser o caminho. Arte boa deve ser louvada. Lixos deste tipo, boicotados.

A sociedade finalmente ainda respira um pouco de ar puro e senso comum. Obras de “arte” deste tipo deve ser boicotadas e achamos que o dinheiro deveria ser melhor usado.

 

O arrependimento, sociedade machista, princípios, liberdade, bizzarices e feministas

Padrão

gretchen-15032013

v2

Oi meninas. Tudo bem?

Encontrei o blog mulheres contra o feminismo e me identifiquei completamente. Nunca fui defensora das feministas e as teorias delas. Sempre fui educada na maior parte do tempo por homens e muito aprendi com eles. Perdi a minha mãe cedo mas isso nunca me impediu de também valorizar a minha feminilidade e ter me transformando em um Zézinho.  Sigo o blog e leio quando possso. Hoje decidi escrever este e-email para contar sobre o que presenciei por estes dias. O maior exemplo de cara-de-pau sobre o uso da liberdade.

Tenho 22 anos e estou na faculdade. Tenho uma amiga muito bacana e ela me apresentou uma conhecida que iria começar a estudar na nossa faculdade. A menina parecia gente boa mas eu gosto de ter mais tempo para realmente fazer amizade. Apresentamos mais pessoas para ela e tudo estava indo bem.

Pois bem, esta aluna nova  ficou balançada pelo garoto que aqui é conhecido como o “pegador”. Acho que toda universidade, escola possui os mesmos tipos, né? Eu namoro, sou super na minha e sempre fui educada pelos meus tios, tias e o meu pai que podemos escolher quem entra nas nossa vidas. Ou seja, muita vezes a responsabilidade é nossa. Tenho hoje o meu segundo namorado (na verdade o primeiro namoro sério) que é um cara super legal e embora ainda sejamos jovens, fazemos alguns planos para um futuro. Mas tudo sem pressionar um ao outro.

Continuando sobre a nova garota, avisamos a ela que o “pegador”  era chave-de-cadeia. O “pegador” é um cara escroto, mulherengo, trai namoradas com melhores amigas, fala mal das garotas depois, etc. Na minha cabeça a garota tinha entendido a mensagem que o “pegador” era um garoto que deveria ser evitado. A garota disse que odiava homens assim, que era forte, livre, decidida, nunca quis homens assim, queria ter intimidade com alguém antes de fazer sexo, etc. Pois bem, descobri esta semana que faz 15 dias que a garota transou com o cara e este começou agora a falar dela.

Aviso aqui que não estou defendendo ou defenderei o garoto de nenhum modo, ok? Pois bem….

Fomos falar com ela e tudo o mais e ela estava triste. Disse que saiu com o cara e transou de primeira. Tentamos dar força e falamos que haviamos avisado ela. Para a nossa surpresa ela quis brigar com a gente e começou a falar que a culpa era da sociedade, dos homens, machismo, do patriarcado e tudo o mais. Por isso, decidi escrever este e-mail.

Nem sei muito sobre o feminismo pois tenho que estudar coisas mais importantes,  fora o meu trabalho. Sei algumas coisas que todo o mundo sabe e li alguns livros feministas que por sinal detestei. Não quero patrulhar a vida sexual ou julgar ninguém mas para mim é um tanto claro de quem é a culpa nestas horas sobre o que aconteceu: da garota que agora é minha ex- amiga. Ela foi avisada sobre o risco de se envolver com um homem canalha escroto. Ela sabia de todos riscos que falamos para ela como aviso mas ela não quis ouvir. O pensamento é: se o fogo queima porque vou mexer com fogo?  Se a sociedade é assim como ela diz porque eu nunca sofri com isso? Porque outras também não? Se os homens são assim porque eu nunca sofri com eles? Simples: porque eu tenho responsabilidade dos meus atos e tenho os meus valores e princípios. Eu escolho as pessoas que entram na minha vida, homens, mulheres e tenho noção do que faço. Ou seja, eu sei fazer escolhas.

Alguém talvez diga: sim, mas ele transou com ela e com muitas outras mas não vai ser julgado por isso por ninguém. Sinceramente isso é algo que podemos chamar de inveja do mal. Primeiro, este cara escroto também é julgado por pessoas como eu, outras mulheres e outros homens que condenamos o que ele faz. Segundo,  para ele transar com alguém a mulher tem que aceitar/ escolher e querer pois do contrário é estupro segundo as leis brasileiras ou leis ocidentais. O que me causa supresa é que mesmo avisadas as garotas ainda transem com ele que é um escroto completo. Terceiro, não é porque ele faz que é uma coisa certa e devemos copiar. Quarto, é muita covardia tirar o corpo fora e colocar a culpa no mundo ou no sistema, ainda mais hoje.

Desculpem o desabafo mas isso é o que mais vejo. Umas garotas e arrisco dizer maioria pensam serem as mulheres maravilhas uma hora, depois de agirem de modo errado ou compactuarem com algo errado choram como crianças e culpam a sociedade. Mas agiram porque queriam, né? E também vi amigas, amigos e pais aconselharem garotas com problemas deste tipo. Elas acham isso machismo (um conselho ou uma dica), agem errado porque querem e depois colocam a culpa no machismo novamente.

Bjos

Milene.

________________________________________________________________________

Fora este e-mail podemos divagar sobre o mesmo tema pois ao abrir um portal da internet vimos algo mais ou menos assim: “Gretchen e a pornografia. Quero esquecer os filmes pornôs que eu fiz. A única coisa que eu me arrependo foi de ter feito aqueles filmes. É uma coisa q eu não gosto de comentar. Isso vem contra os meus princípios. “

Como disse a Milene acima não queremos patrulhar a vida sexual ou julgar ninguém mas é muita cara-de-pau e apelar para o relativismo que feministas adoram. Se realmente fosse contra os princípios dela, ela jamais teria feito, né? Liberdade na hora de agir, é forte para gritar que é feminista mas na hora da responsabilidade por se envolver com coisas duvidosas bate o arrependimento e o choro. Olhem, ninguém é obrigada a fazer o que não gosta hoje, salvo raros casos que a lei comum pune. Sem hipocrisia mas na hora de receber o cachê ela gostou, agora que o dinheiro já deve ter acabado vem falar que está arrependida ou que ninguém pode julgar. Isto é muito feminista. E outra porque feministas adoram dizer que ninguém pode julgar nada? Talvez seja por isso que para feministas  é algo normal usar crianças em marchas vulgares, defender piriguete funkeiras ou quem sabe condenar criminosos no Brasil seja algo errado pelos direitos humanos (em geral, comandados por feministas). Se tudo é relativo, nada é errado, nem o crime, né?

Claro, tudo hoje virou normal e nada pode ser julgado. E viva o caos da nossa sociedade, praticamente uma anarquia.

Mas ok, sem falar de arrependimento e falando de princípios. Quem tem princípios, jamais os perde. Quem valoriza algo e o acha nobre, não se vende, salvo em casos de extrema miséria e mesmo assim muitas vezes nem pessoas assim se vendem. Já pensaram se todas mulheres ou homens que passassem por necessidades fizessem isso. O que seria? O poder de decidir que possuimos hoje é usado de modo leviano e quando convém a culpa é “do patriarcado”. Sinceramente, ou alguém possui responsabilidade pelo que faz ou não. Uma coisa ou outra. Ficar nesse meio-termo é o fim e a maior amostra de covardia. O mesmo serve para o caso da garota que a Milene escreveu.

E para acabar este caso aqui muito bizzaro: “ESPOSA denuncia marido que a trocou por uma cachorra”

http://w180graus2-teste.tempsite.ws/geral/esposa-denuncia-marido-que-a-trocou-por-uma-cachorra-587182.html

Fora o absurdo deste doente aonde na Alemanha e outros lugares algumas pessoas querem legalizar  e achamos errado (mas segundo as feministas talvez seja permitido, afinal, “meu corpo, minhas regras”  e “ninguém pode julgar o que é certo e errado”) é interessante observar uma coisa:

a) A esposa ainda continua com o marido (um doente);

b) Ela foi denunciar ele a Delegacia da mulher (deveria ser alguma entidade ambiental) porque foi trocada por um animal e não para proteger o animal;

c) A culpa é do machismo e da sociedade (????);

d) As pessoas podem se divorciar, logo, porque continuar junto?