Arquivo da tag: O mito da Violência doméstica

Érica Paes, lutadora global feminista promove vitimismo e falácias sobre violência doméstica/ feminicídio

Padrão

Muitos pais e mães querem que filhos pratiquem artes marciais. Uns escolhem o judo ou jiu jitsu. Outros preferem capoeira, boxe, krav maga ou caratê . Parece que artes marciais ensinam disciplina, educam e passam uma certa etiqueta de conduta. Mas sabemos que existem bandidos no meio como foi o caso do professor de jiu jitsu que estuprou um menino.

No Facebook das #mulherescontraofeminismo surgiu um texto sobre violência doméstica recomendado por uma leitora de uma tal lutadora global Érica Paes que fala em auto-defesa. Tudo estava indo bem quanto notamos que a lutadora iniciou com postagens completamente feministas.  Postamos um texto bem antigo sobre como feministas se infiltram nos meios masculinos e depois demonizam os homens que as acolheram e este parece ser mais um caso. Ao investigarmos o Facebook da “lutadora” fica clara a ideologia feminista aonde mulheres são anjo e homens são o diabo.

Mais uma vez na maior hipocrisia, a feminista fala mal de homens sendo que quem criou as artes que ela luta foram homens lutadores, os lutadores da família Gracie, apoiadores de #JairBolsonaro. As feministas defensoras do socialismo hoje se apoiam nas artes marciais criadas por homens para ganhar dinheiro com as mulheres e vendem para o mundo que qualquer coisa se torna abuso e estupro.

Sim, sabemos de casos violentos de estupro, abuso e assassinato que podem envolver homens e mulheres (fatos que as feministas negam).

No Brasil (em si um lugar violento aonde feministas defendem bandidos) existe o crime de homicídio (assassinato) aonde engloba-se homens, mulheres, gays, heteros, brancos, negros. Ou seja, qualquer pessoa. A culpa é do bandido e nunca da vítima. Ambos podem ser  homens, mulheres, gays, heteros, brancos, negros. Ou seja, qualquer pessoa.

Mas o que fazem as feministas e o resto da esquerda. Criam a tal mentira do feminicídio. Ao entrarmos no Facebook da “lutadora da Globo” notamos que ela faz politicagem e se envolve com outras feministas que fazem parte do governo. Ocupando espaços como sempre faz a esquerda para depois impor leis e regras.

Fica o alerta: tem muita mulher que pensamos ser conservadora ou que apoia o correto por andar em um ambiente que em teoria possui certa honra e respeito. Mas esta mesma mulher pode ser feminista infiltrada. E os homens que apoiam este tipo de mulher tendem a levar uma bela punhalada pelas costas.

Por fim, deixamos a aula do mito do feminicídio com a #mulhercontraofeminismo Thais Azevedo

Thais Azevedo destrói a mentira do feminicídio. Assitam abaixo.

E sobre violência doméstica…

Você já ouviu falar em Erin Pizzey?

Preocupada com violência doméstica, ela foi a criadora do primeiro abrigo para mulheres vítimas dessa situação na Inglaterra no início dos anos 70.
No início era uma feminista engajada, até que percebeu que entre as 100 primeiras mulheres que recebeu no abrigo, mais de 70% delas era tão ou mais violentas do que os parceiros que estavam pretendendo fugir.
E que a violência doméstica possui índices similares tanto para homens quanto para mulheres e não apenas o homem era o agressor como divulgam até hoje.
Ela começou a divulgar este fato que foi reprovado pelo movimento feminista pois ameaçava a sua agenda de dominação ideológica e podia interferir na arrecadação de dinheiro.
O resultado: Erin e seus familiares foram ameaçados de morte, seu abrigo foi tomado pelo movimento e até mesmo teve sua correspondência desviada pelo esquadrão antibombas. Um dia, seu cachorro foi encontrado morto na propriedade da família. Temendo por todos, ela teve que fugir do país com toda a família. Mas continua a dar palestras e entrevistas
desmascarando e revelando as táticas sujas da agenda feminista.
Separe três minutos e meio do seu tempo para ver o vídeo em que ela conta brevemente a história.
Erin não é mais feminista.
PENSE: Feminismo não é um movimento por direitos iguais.
#mulherescontraofeminismo

Outro entrevista bem interessante sobre o tema no Brasil. Se as feministas refletissem com sinceridade essa questão de que não importa o gênero, violência é inaceitável, elas deixariam seu movimento. Só que é necessário haver a maldita luta de classes e alimentar o marxismo-cultural. Assim, cria-se os “movimentos sociais para minorias”, gastando o dinheiro público para dar privilégios à grupos que deviam ser vistos como iguais perante a Lei.

 

 

 

Violência doméstica: O mito da violência contra a mulher feita por meninos e homens

Padrão

Em uma campanha anti-violência contra a mulher, um jornalista pede que garotos de seis a onze anos deem um tapa em uma menina. Todos os garotos se negam a fazer isso e rasgam muitos elogios a garota. Para muitas pessoas isso é algo comum. Mas para as feministas e idiotas úteis é uma amostra de que o mundo é opressor contra a mulher e que o dito jornalista criador da campanha é um machista estuprador em potencial que fez nada mais que o seu dever. Interessante notar que o jornalista apesar de  querer passar uma mensagem bonita acaba alimentando ainda mais o mito da violência doméstica que enxerga os homens como “maus, opressores” e as mulheres como “coitadas, oprimidas”em mais um exemplo de guerra entre classes via filosofia do tio das feminazi Karl Marx.

Mas qual é o mito desta campanha? Vamos desmascarar todos.

1/Homem bater em mulher é algo normal desde cedo?  O primeiro mito é que bater em mulher é algo comum e normal .Mentira. Assim como os meninos não quiseram bater na mulher muito homem igualmente não quer. Se fosse comum nós iríamos apanhar com hora marcada por “direito do homem em nos bater”. Meninos iriam bater em meninas por instinto. A propagnda em si desmistifica este ponto. Os meninos são fofos e super educados com a garota. Podemos ir mais longe. Isso acontece faz muito tempo.  Existem inclusives ditados bem antigos que afirma que “Em mulher não se bate nem com uma flor” e outros mais.

2/ Os homens são violentos opressores machistas capitalistas que oprimem a mulher?

Mentira. Erin Pizzey comprovou que a violência doméstica é igualmente praticada por homens e mulheres. Homens violentos atraem mulheres violentas e vice-versa.

3/ Os homens são mais fortes fisicamente e logo batem mais nas mulheres que são mais fracas ?

Aqui as feministas caem do cavalo mais uma vez. Argumento a) Se somos todas e todos iguais e a biologia “opressora” é mera construção social como que agora para favorecer as mentiras feministas o homem é mais forte?? Decidam-se, feminazi. O fato real é que homens e mulheres NUNCA serão iguais e que a maioria dos homens é mais forte mas NEM TODOS são mais fortes.

Argumento b) Nem sempre o mais forte é o agressor e a pessoa mais fraca é a agredida. E em casos aonde existem objetos, arma de fogo ou facas que viram armas e pouco adianta ser forte? E quando usa-se de manipulação emocional para contratar terceiros para bater em outra pessoa? E o terrorismo e a violência psicológica aonde mulheres sempre superam os homens e usam os filhos muitas vezes? Erin Pizzey também achou nas suas pesquisas que mulheres são mais violentas com idosos e menores de idade.

Obviamente as feministas nunca falam sobre o assunto pois elas usam do jogo marxista da guerra entre classes para atrair mais seguidoras. A culpa é do homem, dos meninos, do masculino. Por isso elas atacam mulheres como o nosso grupo, Erin Pizzey, Simone Alvim e tantas outras que lutam contra as mentiras do feminismo.

Vejam uma especialista sobre o assunto, Simone Alvim, a Erin Pizzey brasileira que desmascara as mentiras marxistas das feministas.