Arquivo da tag: identidade nacional

Atualidades: 10 coisas que a mídia não vai mostrar sobre as Olimpíadas no Rio de Janeiro (Mas você deve saber)

Padrão

Curtam nosso facebook aqui.

Em poucas semanas as Olimpíadas no Rio de Janeiro iniciam. Depois dos fatos que polemizaram ainda mais o evento, muita gente vai falar sobre as Olimpíadas mas a a mídia não vai mostrar fatos relevantes vistos de modo pragmático. Na verdade, estejam preparados para muito nacionalismo de pessoas que acham que ser brasileiro é achar tudo relacionado ao Brasil legal, aceitar sem questionar por ser verde-amarelo e sem ter pensamento critico. Mesmo que reclame dos nossos problemas durante todo o ano.

Em eventos assim sempre surge nacionalismo brega e selvagem para peitar o mundo. 

Vamos entender fatos sobre este evento:

1- Olimpíadas no RJ existem por causa do Lula, o molusco bandido de 9 dedos com ego grande nacionalista socialista.

As Olimpíadas no Rio de Janeiro nasceram do desejo de Lula e de outros ligados ao governo que queriam mostrar como o Brasil é “poderoso” perante ao mundo. Naquela época, perto de uma crise mundial, o Brasil aparentava estar bem perante ao mundo pois o governo havia maquiado os dados da nossa economia, a China estava crescendo e comprando matéria prima do Brasil (O Brasil sobrevive de fornecer matérias primas pois na nossa cultura é quase que inexistente a mentalidade de desenvolver tecnologia que funcione de fato. Por isso o Brasil passa longe de se desenvolver). A crise atingiu outros lugares mas com a mentira de Lula e dados maquiados, a crise deixou de afetar o Brasil de modo severo na época. Bem, o Brasil vive em crise desde que o golpe da Republica foi dado.

Continuando…..Lula do ego grande queria arrotar para o primeiro-mundo que um partido nacionalista, socialista, aliado do Foro de SP e defensor do Estado corrupto brasileiro poderia se mostrar (na verdade, ostentar) perante o planeta que o Brasil poderia sediar um evento assim mesmo sem antes saber se poderia administrar os gastos e planos para sediar o evento.

Resultado? Dinheiro desviado e obras vergonhosas para os jogos. Valeu, Lula bandido dos 9 dedos.

2- Olimpíadas irão ser fonte de uma guerra entre brasileiros nacionalistas “Brasil, ame-o ou deixe-o” e de brasileiros deslumbrados com síndrome de vira-latas.

O brasileiro nacionalista acha que os jogos irão ajudar o Brasil mostrar a sua força ( falsa) perante o mundo. Este tipo de brasileiro tem forte cunho nacionalista de amar tudo relacionado ao estereotipo do Brasil (bunda, futebol, funk, carnaval e outras besteiras) e é em geral justiceiro social que diz lutar pelos mais pobres mas ofende quem faz serviços humildes (como este imbecil da foto). Ele para não ir contra esta ideologia, apoia Lula e evita criticar o governo que mente “lutar pelo Brasil do progresso”. Pode ter ido morar fora e visto algumas maravilhas (fique atento, nem todo lugar é melhor que o Brasil) mas a sua cegueira nacionalista o impede de ver falhas claras no sistema brasileiro. Ele é em geral adepto de energia positiva, acha que tudo é otimismo e acha todo mundo que mostra as falhas do Brasil um vira-lata puxador de saco de estrangeiro.

O outro tipo de brasileiro é o REAL brasileiro deslumbrado com síndrome de vira-latas. Uma pessoa revoltada e amargurada acha que todo lugar no estrangeiro é melhor que o Brasil. Fala mal do Brasil sem motivo e com motivo pois não sabe diferenciar o que deve ser criticado.

Ambos os tipos são danosos para o Brasil pois falam com emoção e sem razão.

3- Turismo sexual com o apoio das mulheres brasileiras.

Olimpíadas no Rio de Janeiro irão propagar ainda mais a imagem da mulher brasileira vulgar e prostituta.

Mulher brasileira tem fama de put@ perante o mundo e provamos aqui com muitos posts sobre o assunto, quer seja por dormir com gringos para carimbar o passaporte de mulher viajada e moderna “prazamiga”, quer seja por se mostrar de modo vulgar. A mulher brasileira tida como “forte, moderna e poderosa” na verdade pouco tem noção do mundo afora que nos cerca pois ela em geral é burra, vende-se por qualquer passaporte ou coisa do exterior, é mal vista no exterior e deslumbrada (por isso eu sempre evito de dizer que sou desta laia mesmo por um acaso do destino ter nascido no Brasil. Nunca fui piriguete e vulgar como 97% das mulheres do Brasil demonstram).

Mas adivinhem quem vai acabar abrindo as Olimpíadas e mostrando a imagem do Brasil perante ao mundo? A funkeira Anita, conhecida por sua vulgaridade.

E depois queremos acabar com o turismo sexual, né? Isto nunca vai acabar pois a mulher brasileira se comporta de modo vulgar e o Brasil, tendo tantas coisas boas gosta de mostrar somente lixo e vulgaridade para o mundo.

4- Obras mal feitas e super faturadas. A ciclovia Tim Maia foi inaugurada em 17 de janeiro e custou R$ 44 milhões. O local foi atingido por uma forte onda. 2 pessoas morreram e uma 3ª vítima é procurada. Isto é algo comum que acontece no Brasil por falta de planejamento, frieza e esta maldita cultura de praia, sol, carnaval e achar que tudo é brincadeira. Somente brasileiro nacionalista vai defender isso com mil e uma desculpas. Sinceramente, é revoltante.

Aprendam a ser sérios e planejar as coisas sem viver de improviso. Seriedade no trabalho sem esta idiotice de brasileiro bobo alegre mas fingindo ser feliz. FOCO E OBJETIVIDADE.

5-Governo distribuirá na Olimpíada 9 milhões de camisinhas ( e vai gastar uma banana de dinheiro com isso).

Sinceramente, é o fim e de causar vergonha alheia. Camisinhas custam pouco e cada um pode comprar. Nunca vi em nenhum outro lugar do mundo, de Londres a Barcelona, esta idéia imbecil de distribuir preservativo para o povo durante os jogos. Para os atletas, embora ache de mal gosto até vai mas para o povo?

Passa a idéia que o RJ, o seu povo  e Brasil em geral  vivem em uma zona ao céu aberto. Ou realmente o RJ é assim e gosta de ser visto deste modo?

6- Falta de segurança e planejamento das obras entregues no ultimo momento. Vai sobrar falta de segurança do trabalho e risco de acidentes.

Respeitamos muito os trabalhadores e apostamos que estes terão o sangue sugado pelo governo para acabar as obras em tempo (duvidamos que irão ser fiscalizadas em tempo e aprovadas). Muita corrupção rolou ou vai rolar para aprovar as obras.

7- O RJ vai se vender como um sinônimo de favela, selva e zoológico humano aonde alguns gringos pagam para se sentirem pobre por um dia. A mídia adora vender a favela como sinônimo de um paraíso socialista (né, Regina Casé).

Alguns atletas e artistas para serem mais populares com o povo brazuca que adora um vitimismo mentem que eram favelados e tudo o mais para terem mais seguidores. Quanto mais miserável, mais exemplar a pessoa na torta cabeça de um brazuca vitimista. Muitas destas pessoas eram pobres, classe média baixa mas nunca foram faveladas mas mentem para causar mais emoção no emotivo povo brasileiro que adora reclamar de ser mal visto no exterior mas adora mostrar crime, favela, carnaval, desorganização, bundas e futebol como exemplo. Mostrar as coisas boas que existem ninguém quer.

Dilma, nossa ex-presidenta que fala coisas sem pé e nem cabeça assim como outros presidentes traz governantes internacionais aonde: na favela.

Gringos ricos, classe média ou pobres, para tirarem um peso da consciência e se sentiram mais “humanos e legais”, adoram dizer que a favela é legal, excelente e tudo o mais para passar férias mas SEMPRE VOLTAM  para a própria terra natal aonde possuem uma base firme sem passar extrema necessidade. Os cariocas provavelmente irão adoram dizer que a favela é um lugar perfeito para morar durante as Olimpíadas.

O fato é: pobreza, miséria, campo livre para o crime e falta de qualidade de vida é stress, risco de vida e nunca vai ser ser coisa boa. E isto é o existe na favela. Pouco importa a paisagem linda para o mar, o povo trabalhador e gentil ou qualquer outra desculpa.

Aprendam com Seu Jorge (um ex-favelado): Favela não é lugar para ninguém. Favela não é legal. Não tem segurança, não tem saneamento, não tem hospital, não tem porra nenhuma. Favela só sofre preconceito. Eu quis sair mesmo. Eu não quis ficar enterrado na favela. Nasci lá, mas não quis ficar enterrado lá. Favela não é meu mundo, meu tudo, porra nenhuma. A favela é o abandono que o governo deixou pra gente. E hoje eu não quero tocar na favela para não me envolver com tudo que está errado lá dentro.

😯 uniforme de Olimpíadas mais jeca do mundo em nome deste nacionalismo imbecil aonde o brasileiro de ego grande pensa ser diferente.

Enquanto umas pessoas querem coisas discretas, de bom gosto para mostrar sem se mostrar e dar um tom neutro e agradável em um evento, o governo nacionalista socialistas do Brasil quer causar e ser o diferente.

Resultado: um uniforme feito, de mal gosto e brega que passa longe de ser algo digno de uma Olimpíada. Parece coisa de São João mal feita.

9-Baía de Guanabara contaminada e mosquitos a solta.

O Brasil teve 8 anos (repetimos, (8 ANOS) para descontaminar a Baía de Guanabara, lugar aonde atletas irão competir em esportes aquáticos. Nada disso foi feito.

Fora isso mosquitos que transmitem a zica estão a solta no RJ e nada foi feito. Fora colocar a saúde dos atletas e pessoas em risco. E aonde foi parar o dinheiro para para limpar a Baía de Guanabara?

10- O péssimo trabalho do Ministério do Turismo do Brasil que vai vender ainda mais uma imagem fantasiosa do Brasil

O Brasil não vai conseguir acabar com esse estereotipo de como é visto no exterior (algo importante, pessoal) e apesar dos nacionalistas metidos a otimistas negaram o evento vai ser uma vergonha. Os gringos talvez gostem por conseguir vir transar com as brasileiras de graça loucas para engravidar de um gringo e pegar um passaporte dando o golpe da barriga. Brasil (e em especial o RJ do funk) é sinônimo de zona bagunçada aonde o povo tem orgulho nacionalista de acha bagunça tudo engraçado porque é malandro. E graças a eles e elas (piriguetes afetadas pelo feminismo) que os estrangeiros vem com a esperança de pegar alguma mulher brasileira e contar pros amigos (algo que se repete em cascata). Lembram quando o Van Damme veio para o Brasil e a Gretchen fez uma dança sensual para ele? Porque em todo programa de TV, entrevista e afins com estrangeiros, alguma jornalista ou repórter  pergunta “O que achou da mulher brasileira?”. Isto é que o estrangeiro gosta do Brasil, a zona aonde ele pode usar, abusar e inclusive cometer crimes que é tudo bem e o povo aplaude. Dura realidade.

Indo além, hoje até técnicas de cirurgia e depilação no traseiro e genitais recebem o nome Brazilian no meio: é Brazilian Boot (aumento de nádegas com gordura corporal), Wax Brazilian, Bikini Brazilian (calcinha fio dental)…Isto diz muito sobre como somos vistos e vistas mundo afora.

O Ministério do Turismo do Brasil faz um péssimo trabalho pois não faz um trabalho de turismo gastronômico, cultural, de aventura ou experiências. Fazem na verdade o oposto. A imagem que vendem do Brasil é sol, praia, futebol, carnaval e prostitutas.

O estrangeiro que quer conhecer as belezas naturais está mentindo. Pode ser que um ou outro queira se aventurar no Amazonas e realmente conhecer a nossa rica cultura, mas para ver praia bonita, cultura e historia da América Latina basta ir para outros lugares porque o nosso Ministério do Turismo nunca vendeu isso. Eles vendem é selvageria, coisas bregas, vulgaridade e sinônimo de ser vagabundo- prostituta- bandido. O Ministério do Turismo do Brasil somente vende turismo sexual e inclusive as mulheres competem para ver quem pega mais estrangeiros no carnaval e eventos assim. Medalha para prostitutas oficiais ou via Tinder. Complicado.

Deveríamos aprender alguma coisa como o pessoal dos esportes como o Judo que ganhavam algumas medalhas no passado e hoje possuem um exército visando medalhas, tudo resultado de planejamento. Estes atletas mostram uma certa seriedade e profissionalismo que passam longe do Oba-Oba selvagem nacionalista do Brasil em geral. Talvez seja por se originarem das forças armadas ou pelo próprio esporte ensinar disciplina e planejamento desde jovens. Mas se um deles honrar de onde veio, os nacionalistas socialistas zumbis acham que é “ditadura”.

Vou adicionar uma nova feita pelo prefeito do RJ Eduardo Paes que demonstra que o coronelismo não existe somente no Nordeste de Ciro Gomes e que certos brasileiros são incapazes de lidar com criticas, possuem falta de educação, arrogância e em eventos assim ficam mais cegos por causa deste nacionalismo socialista. O time australiano fez certos comentários sobre a falta de estrutura, sujeira e segurança da vila Olímpica. Em um evento deste porte aonde atletas são as estrelas nada mais justo reclamar. Pois bem, o prefeito arrogantemente desdenhou do time australiano (como se o Brasil fosse melhor que a Austrália) e falou que iria trazer cangurus para deixar os australianos mais felizes.

Uma pessoa assim pode comandar um evento deste tipo? Nunca.

O que falta nestes jogos é acabar com aquela imagem maldita e que atrasa a nação de Brasil mato, praia, futebol, carnaval, prostitutas, sorriso fácil que beira a idiotice e improviso. Quando me perguntam sobre a diferença maior entre os Estados Unido e o Brasil sempre cito isso. No Brasil, ser um bobo alegre, sem planejamento de nada, vagabundo que vive na praia, com longos feriados todo o ano e com esta imbecilidade de falta de planejamento e improviso é algo tido como normal. Tudo mascarado com esta fantasia de tenho problemas mas antes de resolve-los vou fingir que sou feliz. Nossos governantes mostram incapacidade de lidar com criticas, possuem falta de educação, arrogância e em eventos assim ficam mais cegos por causa deste nacionalismo socialista.

Sinceramente, o problema do Brasil é esse. Perdoem as duras palavras mas nunca fui a favor das Olimpíadas no Rio de Janeiro e nunca irei tapar o sol com a peneira. Fatos vencem emoções nacionalistas e hipocrisia.

Fonte original: Povo deslumbrado

NOTA das mulheres contra o feminismo: O artigo é de outro blog chamado ‪#‎Opovodeslumbrado‬ e estamos somente reproduzindo.

Feministas brasileiras estranhamente defendem o uso da burca na Europa.

Padrão

Pesquisando sobre o caso dos refugiados na Europa achamos este blog de brasileiros que moram no exterior. E notamos uma blogueira que escreve para uma rede de blogs de brasileiros que moram no exterior defendendo o uso da burca na Europa. A blogueira parece ter forte tendências “revoluça estranhas”. Postaremos frases dela que parecem ser mais importantes e comentaremos depois:

Burqas e niqab: o debate encoberto pelo véu

Desde o dia 11 de abril, as mulheres muçulmanas estão proibidas de usar a burqa ou o niqab nos espaços públicos franceses. A proibição se apoia em inúmeras,  infinitas, incessantes e incandescentes alegações, mas as mais recorrentes delas são: o respeito ao principio do Estado Laico, a preservação da liberdade e do  direito da mulher e, claro, a segurança do pais que estaria em risco graças a terroristas que poderiam se utilizar tanto da burqa como do nijab para garantirem seus anonimatos para, posteriormente, se explodirem por ai.

Não é a primeira vez que me vejo frente à este tema. Lembro de uma conversa calorosa que tive com Pierre, logo que chegamos à Aix, sobre a regulamentação do uso dos trajes mulçumanos. Isso foi ha uns seis meses atrás, quando a lei ainda não tinha saído às ruas.

Continuo não achando justo tirar de uma mulher o seu direito de usar as roupas da sua religião, de portarem a sua cultura, sobretudo, os seus valores. Entendo a boa intenção da lei, mas ela é deficiente mesmo assim.

Quando Nicolas Sarkozy afirmou que tanto a burqa como o niqab não são símbolos religiosos, mas sim a forma mais pura de submissão feminina, ficou evidente naquele momento que o objetivo desta lei era o de libertar a mulher oprimida pelos panos. Mais ainda: tirar dos homens a autoridade a eles concedida pela religião de obrigarem às suas esposas a usarem a burqa ou o niqab.

E o presidente se deu mal porque usar a burqa ou o niqab é para muitas mulçumanas um ato de profundo respeito pela religião que elas professam, algo
que vai bem além da submissão. Quando o Estado tira o direito de cada uma dessas mulheres usarem os seus véus, ai sim elas se tornam, enfim, submissas, mas da lei. Para nós, trata-se de um amontoado de panos. Para elas, não.

Outra informação bem importante: a França é o país europeu que tem o maior número de mulçumanos: alguma coisa perto de 5 milhões. Bem distante desse número, estão as cifras referentes à população feminina que usa a burqa e o niqab: 2 mil. Tanto barulho por causa de uma minoria?

Por fim, o terceiro e último forte argumento da lei: a segurança nacional. Neste quesito, vou ser bem sucinta. Desde quando terrorista para se explodir e explodir os outros precisa esconder o rosto? Se eu andar na rua de óculos escuros, chapéu e cachecol, deverei também pagar multa? Motoboys proibidos então de usar capacete? Máscaras proibidas no carnaval de Annecy? Não, o argumento da tal segurança nacional não me convence.

Ao que tudo indica, o buraco é mais embaixo e é politico. Eu tenho a impressão, assim como muitos que eu conheço aqui, que esta lei tem uma mensagem escondida nas entrelinhas: diminuir a influência dos países mulçumanos no território francês. Garantir a soberania da França, da sua cultura e dos seus valores. Algo haver com a tal “Identidade Francesa”. No país que mais recebe imigrantes mulçumanos na França, essa lei nem de longe parece ser assim tão boazinha.

—————————————————————————————————-

Mulheres contra o feminismo:O texto é antigo mas serve para debatermos o caso de brasileiros/as sem noção que acham tudo lindo.

A blogueira saiu da sua nação (Brasil), um lugar fortemente conhecido por escolas que doutrinam pessoas na arte da utopia e um lugar praticamente isolado na questão de terrorismo internacional. Esta não é uma realidade nossa que sentimos na pele todo o dia. Possuímos já os nossos criminosos que fazem terrorismo doméstico por aqui.

Ou seja, existe um povo (neste caso o povo francês) que sofre esta violência diretamente na pele e cria uma maneira de evitar isso com  uma lei justa. Mas para uma brasileira paz e amor isso é “opressão.”

A França possui uma forte identidade nacional. Indo mais longe, a Europa possui assim como os EUA. Aquela coisa de orgulho de serem de lá. Nada errado nisso. Ninguém tem a obrigação de abrir mão da sua identidade, costumes e leis para agradar os politicamente corretos. Brasil é Brasil, Estados Unidos é Estados Unidos, Inglaterra é Inglaterra, França é França.  Ponto. Todos são Ocidentais mas cada lugar tem suas leis e costumes QUE DEVEM SER RESPEITADOS. Se você não esta feliz com estes costumes, retorne a sua terra natal.

Um detalhe importante que a blogueira paz-amor justiceira social e defensora do uso da burca possui um namorado/ marido que se chama Pierre, francês, europeu. Ele e ela possuem valores ocidentais que valorizam  a liberdade de escolha. Não possui um marido chamado Mohamed. Ela não é de uma religião um tanto estranha que obriga mulheres a se comportarem de tal modo e muitas vezes humilha e violenta quem discorda. Ou mata.

Bom mesmo é ser livre mas querer a REAL opressão das outras pessoas para se fingir progressista.

Outras blogueiras progressistas que comentam no texto misturam o ateísmo militante (aquela conversa de estado laico quando convém) mas batem de frente com as colegas que defendem o islamismo por terem MEDO de serem taxadas de defensora dos valores ocidentais. Estes progressistas são uma piada. Uma sem noção compara um simples crucifixo com a burca. Hello, crucifixos e afins não impedem o reconhecimento do rosto da pessoa.

Outra blogueira (a mesma que acha o crucifixo opressor) opina que as mulheres devem escolher fazer o que quiserem pois tudo deve ser baseado na liberdade e direito de escolha. Que devem se libertar dos maridos opressores e do Ocidente. Que cada cultura é relativa e quem discorda é racista.

Hoje mulheres feministas escolhem correr com o sangue da menstruação aparecendo ou passar tal sangue na boca. Veja isto na Women Against Feminism UK.  Logo, para esta outra blogueira justiceira social que vive em algum planeta tudo se justifica com a palavra liberdade. 

Ela deve tentar ir ao Oriente Médio com um simples crucifixo no pescoço ou ir tentar beber uma cerveja em um bar sozinha no Oriente Médio. Engraçado. Os muçulmanos quando vem para o Ocidente causam sempre e na nossa casa devemos nos adaptar a eles. Quando ocidentais viajam para o Oriente Médio novamente os ocidentais devem se adaptar. NUNCA os muçulmanos. Que liberdade é essa??

Outra diz que a burca  não impede a identificação.  Imaginem pegar um avião com pessoas vestindo esta coisa. NEVER.

https://brasilcomz.files.wordpress.com/2011/05/burqa.jpg

A blogueira diz que tudo é culpa da “extrema direita”. A blogueira esquerdista deve ESTUDAR mais. A extrema direita francesa é amiga de Vladimir Putin (ex-agente da KGB e que ainda odeia o Ocidente e seus valores).  Que raios de direita é essa?

Outro detalhe é que os esquerdistas adoram pagar de progressistas e justiceiros sociais em nação alheia e redes sociais. Mas na própria casa limitam a vida de quem não quer se adaptar por lá. Procurem um vídeo de Putin que fala sobre quem quiser ir morar na Rússia.

O alto índice de muçulmanos na França mostra o provável caos que infelizmente vai existir na Europa em alguns anos. Isto é matemática e infelizmente uma provável realidade. As filhas destas blogueiras feministas que vivem na terra da utopia (caso, elas não abortarem os fetos em nome da modernidade) se caso permanecerem na Europa irão ter maridos e namorados muçulmanos visto a migração em massa de nações muçulmanas, a baixa taxa de natalidade dos europeus e Ocidentais sem noção que acham tudo lindo e assim abrem as suas portas para quem quer que seja.

A burca vai ter que ser vestida querendo ou não.

O que notamos no texto da blogueira uma pessoa perdida com relação ao mundo real e que mistura feminismo, esquerdismo caviar, utopia e relativismo cultural. E mais uma vez a prova que quando ideologias similares como feminismo e progressistas eles criam uma fantasia para culpar. Esta pode ser “a direita, o marido, o Ocidente, patriarcado” quando na verdade eles mesmos possuem culpa ou medo de encarar os fatos.

Texto original aqui