Policial carioca que dançou funk com bandido no programa da Globo tem fotos nuas vazadas na internet

Padrão

Lembram daquele programa lixo da Globo chamado esquenta? Pois bem, vamos recordar…

Durante um destes programas uma capitã da PM do Rio de Janeiro, Julia Liers, dançou funk com um bandido ex-traficante do Complexo do Alemão. Os outros militares que igualmente estavam no programa “cairam na gandaia” ao mesmo tempo que representavam a corporação.

Claro que as pessoas tem liberdade para fazer o que quiserem mas existe aquele ditado: Tudo é lícito mas nem tudo convém.

Imaginem a mensagem que aquele fato passou para o povo? Os mesmos policiais que dizem combater este estilo musical nojento chamado funk que promove o crime (passa longe do funk de verdade, anos 70) ao escutar aquele lixo saem mexendo como cachorros no cio.

Vergonhoso mas esse é o retrato atual da PMERJ e do estado do Rio de Janeiro que uma vez foi o lugar do nascimento do choro e do orgulhoso reino imperial brasileiro. O Rio de Janeiro virou uma favela ao aberto. Quanto mais vagabundo, bandido e piriguete, melhor. Os ricos do RJ pouco sabem o passado do RJ mas adoram fingir serem viajados e conhecedores dos museus da Europa. Adoram ostentar riqueza assim como os mais pobres.

As cariocas afirmam serem contra a imagem de mulher objeto mas ao escutarem um funk, rebolam sem parar. O carnaval mostra somente o lado pior do Brasil. Estamos generalizando sem totalizar. Tem muitas pessoas que detestam esta imagem do povo carioca mas infelizmente parecem ser poucos.

Se adicionarmos o tumor do Brasil, TV Globo, temos muita engenharia social que prega somente o pior dos piores. E tudo isso enfiando goela abaixo um estilo de vida carioca para outros estados que passam longe de ser o Rio de Janeiro.

O RJ por sinal é aquele lugar que adora criar uma imagem do Brasil culturalmente socialista. Os favelados “viraram oprimidos pelo capitalismo e a favela era um lugar bom e coletivista antes do homem branco”. Guerra entre classes e outros truques da esquerda viraram rotina no RJ e universidades cariocas. Funk inclusive virou tese de mestrado para mostrar a verdadeira brasilidade do Brasil “revolussaum”.

Neste relativismo moral e cultural a capitã da PM do Rio de Janeiro, Julia Liers, sofreu com criminosos.

Ela teve fotos vazadas na internet por bandidos que roubaram o celular da capitã. Ela tinha fotos nuas em poses sensuais. Ou seja, bandidos funkeiros vazaram as fotos da policial que estava rebolando com um bandido ao som do funk  carioca (estilo musical de bandidos).

E depois querem que levemos este Brasil com seriedade…..

Provavelmente, logo um grupo da morte vai ser criado para eliminar quem vazou as fotos e dar aquele jeitinho carioca de abafar o caso. Mas se negar a andar com bandidos e meliantes ? Isso, virou “preconceito”.

Esta parece ser a triste realidade do Brasil: falta de bons exemplos.

»

  1. A pequenez intelectual deste país: qualquer afirmação ou arrazoado que vá contra a corrente é “rebatido” por patrulheiros do pensamento com o epíteto de preconceito.

    Nada nesta postagem advém de conceituação prévia, mas de simples constatação. Como poderia, pois, ser preconceituosa e – pior – “muito preconceituosa”?

    Por outro lado, um “comentário” que se resume a xingar, sem a menor contra-argumentação, é que se mostra, a princípio, preconceituoso. Irônico, não?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s