Preparem-se, funkeiras e piriguetes. O governo vai abrir as fronteiras para muçulmanos com o apoio das feministas.

Padrão

O Brasil anda sempre na contra mão do planeta. E reza a lenda que as pessoas que moram no exterior e aquelas mais viajadas e estudadas trazem para o Brasil somente aquilo que não presta.  No exemplo acima podermos ver a esquerda caviar e feminista Fátima Bernardes vestindo véu muçulmano. Postamos sobre um blog de blogueiros esquerdistas que as mulheres brasileiras socialistas que defendiam a burca e os muçulmanos mas se casavam com europeus (talvez turistas sexuais) bem de vida. Aquela hipocrisia de sempre.

Pelo jeito isso é verdade e os nossos políticos também fazem parte desta corja.

O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira (18) o projeto de lei que institui o novo Estatuto de Migração.

Olhem o começo da coisa: O projeto prevê que os princípios da política migratória brasileira serão pautados pelos “….direitos humanos, repúdio à xenofobia, ao racismo e à não criminalização da imigração…..”

Lembra muito aquela conversa das feministas e da Europa (que hoje anda sendo dominada pelos muçulmanos), não? Postamos sobre o caso da Itália e a hipocrisia da esquerda que faz mimimi sobre o Cristianismo mas fica calada quando muçulmanos jogam gays de prédios e espancam mulheres.

Que fique claro uma coisa: O Brasil faz parte de um dos novos continentes, América do Sul e é um país formado por imigrantes. Mas não é antagônico querer que nossas fronteiras sejam protegidas nos tempos de hoje com tantos perigos. Na verdade, o imigrante legal que for visitar qualquer país vai ter oportunidade. Porém, bandido e ilegal tem que ser banido, seja no Brasil, Europa ou Estados Unidos.

Mas qual seria o problema afinal desta nova medida?

O problema é que cada lei que promete tudo e é criada com palavras como “direitos humanos, repúdio à xenofobia, ao racismo” nasce da esquerda (no caso da lei do Brasil veio do PSDB). Este povo que como o Obama abrem a porta para ilegais e possíveis criminosos.

E sabemos que tipo de imigrante sempre vem nessa onda: os muçulmanos. Uma coisa é virem aqui pra aceitar nossa cultura por qualquer defeito que tenha como muitos fazem. Outra é querer implantar a Sharia, como eles tem feito na Europa.

Os intelectuais brasileiros por sinal adoram tirar fotos na Europa mas para negar a origem européia do Brasil adoram querer trazer pessoas do Brasil de lugares menos desenvolvidos. Tudo pela “justiça social”.

Na verdade nossa cultura tem muito disso desde. O Brasil sempre quer negar tudo o que é civilizado para mostrar a sua “brasilidade selvagem”: do carnaval ao funk. Tudo o que for mais bestial aqui gera frutos. Nada a toa gringos aqui fazem suruba, turismo sexual é algo condenados mas muitas mulheres adoram pegar um gringo para contar para outras feministas empoderadas. Mas depois ficam de mimimi quando aquela imagem nos persegue.

Agora ficamos a imaginar as feministas e simpatizantes: funkeiras, piriguetes que rebolam até o chão e adoram copiar as feministas da Europa (aborto, poucos filhos, mulheres promíscuas que fazem prostitutas passar vergonha) e adoram falar mal do homem “machista branco opressor capitalista” mas que apoiam os muçulmanos.

Preparem-se para usar burca, queridas.

Ao mesmo tempo é impossível comparar os imigrantes de antigamente como nossos bisavôs que vieram aqui  para o Brasil em um outro momento aonde faltava mão de obra com o momento de hoje aonde existem filas cada vez maiores de desempregados.

Andamos notando muita gente ligada a esquerda comemorando o acontecimento e dizendo para quem for contra imigrantes devolver a terra aos índios e culpando o homem branco. Que argumento idiota. Primeiro, quem estou historia sabe que existem aquelas pessoas que conquistam e conquistados. Da Europa até a Oceania é assim. Segundo, que os índios guerreavam entre si assim como os africanos. O maior traficante de escravos do planeta foi um NEGRO BRASILEIRO. Ficar nesta conversa de divida histórica tipicamente esquerdista é de uma desonestidade sem fim. Tem muito mestiço metido a africano aqui no Brasil que é mais branco que um fantasma.

Como vai sempre acontecer, muita feminista “poderosa, lutadora e moderna” querendo na hora do aperto que homens as defendam. Porém, aqui como acontece na Europa cresce a quantidade de MGTOW – men going their own way (homens que seguem o seu próprio caminho) que depois de tanto serem julgados pelas feministas, acabaram lavando as mãos e ignorando os pedidos de ajuda da sociedade (principalmente das mulheres).

Este é um possível cenário para o Brasil a médio e longo prazo. Basta observar a Europa.

No campo econômico o país não esta tendo emprego para os brasileiros o nosso povo esta passando necessidade, nossos hospitais parecem um caos e falta muita coisa para os brasileiros que nem mesmo querendo chegam perto de um primeiro mundo. Ao invés de nosso governo abrir empresas estimulam concursos públicos. Falta emprego de verdade, que gere riqueza. Mas os nossos governantes querem mais imigrantes. Seria isso solução?

Uma resposta »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s