Feministas gaúchas protestam urinando no chão da Universidade Federal de Pelotas

Padrão

Querem saber mais sobre este câncer chamado feminismo? Comprem este livro adiantado a ajudem a publica-lo para dar mais um passo na luta contra o feminismo no Brasil. O livro o outro lado do feminismo foi publicado do mesmo modo.  Existem diversos planos. Clique aqui. Informação é sempre a melhor opção.

Agora vamos falar das feministas do RS e suas tradicionais atitudes nojentas que fazem pelo “nosso bem”.

Que fique bem claro: FEMINISTAS NUNCA NOS REPRESENTARAM.

As feministas mais uma vez fazem atos nojentos compatíveis com a personalidade de uma feminista. E quem paga mais uma vez é o povo. Mais uma vez isto se origina no Rio Grande do Sul, provavelmente o estado mais feminista do Brasil.

O saguão de entrada ao Instituto de Ciências Humanas (ICH) da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) foi palco de um ato de estudantes feministas. A manifestação contou com jovens sem roupas ou seminuas e teve como objetivo chamar a atenção para a violência contra a mulher e protestar contra o androcentrismo. O ato provocou a suspensão das aulas no ICH.

Pelo menos dez jovens dançaram e cantaram, encenaram situações de violência contra mulheres, como estupros, espancamentos e feminicídio. Algumas urinaram em baldes e jogaram nas paredes do prédio do instituto para protestar contra homens que urinam nas ruas. Outras consumiram bebidas alcoólicas durante o protesto e há relatos de uma jovem que teria se masturbado na rua.

Em uma postagem no Facebook, o Grupo Auto Organizado de Mulheres da UFPEL, que reivindicou o ato, declarou que a manifestação foi uma demonstração de “resistência” e serviu como “instrumento de arte” para divulgar a causa e a luta. Em um dos trechos, o grupo ironizou a reação das pessoas diante do protesto que “provocou desconforto em alguns, êxtase em outros e raiva — expressas em deboches, xingamentos e agressões físicas”.

“Aterrorizadas as pessoas não compreendiam, porque ‘meninas’ sem roupas, gritavam e urinavam em baldes — cena deprimente — ouvíamos a todo instante. Deprimente é a realidade dos fatos que apontam que nós mulheres somos expostas diariamente a homens urinando em público, mas isso é normativo em uma sociedade da normose, da doença da normalidade (sic)”, diz o texto da publicação.

Nas redes sociais, a repercussão foi grande. Muitas pessoas foram contrárias ao ato: “Isso não foi um protesto, foi um ato de vandalismo. Quiseram chamar atenção e conseguiram, mas vocês não estão sendo vistas como mulheres que estão lutando por direitos e sim por um grupo de baderneiras e ainda sujam o nome da nossa universidade.”

Uma mulher, também contrária ao ato, disse: “Não representam os direitos das mulheres, isso não é ser mulher. Não preciso fazer esse tipo de coisa pra fazer valer meus direitos. Deplorável!”

O Blog tentou contato com a assessoria de imprensa da UFPel, mas não recebeu retorno.

Mais uma vez repetimos: nenhuma feminista merece respeito. Os atos delas falam por elas mesmas.

»

  1. Acham que atraíram a atenção para suas causas?
    Acho que as pessoas estão a pensar o que elas representam e se actos assim devem ser admitidos pois os outros tbm tem direitos

  2. Na sociedade há espaço para toda forma de protesto e pensar. Há mulheres que convivem com homens que as levam a pensar que todo eles urinam na rua. Mas estas mesmas que protestaram contra isso urinando em baldes, fumam maconha junto com esses tais mijadores de rua. E se beijam na boca, e são farinha do mesmo saco. Vê-se e se compreende, que há mulheres admiráveis, como também há mulheres deploráveis. E é fácil distinguir-se umas das outras!

  3. Quando eu digo que faculdade de ” Ciencias humanas ” deveriam ser varridas do sistema universitário e os incentivadores desses atos ,se estatutários, postos em observação psiquiátrica em cela acolchoada.

  4. Pois é, depois essas porcas sem educação e sem moral falam equidade de gênero. Vão se catar suas inúteis degeneradas. Não me representam.

    • Tirando a parte de discrição ok. Pq cada mulher tem sua personalidade e feminilidade, portanto, tem várias facetas. Não tornemos o ‘ser mulher’ em algo tão restrito, pois algo assim iguala a mulher ao que dizen as feminazis.

  5. AS FEMINAZIS ASSIM COMO A MAIORIA DAS MULHERES COMUNISTAS SÃO MULHERES HORRENDAS, COMPLEXADAS E ALGUMAS SÃO LÉSBICAS RADICAIS.
    AS FEMINAZIS TÊM INVEJA E ÓDIO DE MULHERES BONITAS E FEMININAS E POR ISSO QUEREM ARREBATÁ-LAS PARA O GRUPO DELAS E TRANSFORMÁ-LAS EM FEMINAZIS HORRENDAS.
    MAS O QUE ELAS MAIS ODEIAM SÃO OS HOMENS, POIS ESTES, ALÉM DE NÃO QUERER FORNICAR COM ELAS, QUANDO O FAZEM, É PARA TIRAR O MÁXIMO DE DINHEIRO E VANTAGEM DESSAS TRIBUFUS.

  6. Que nojo! Nesta hora tenho vergonha de ser mulher. Ter uma classe deste tipo representando as mulheres é um fiasco. Elas são nojentas e sem educação. Se um homem faz xixi rua , fas por estar apurado e por não ter vergonha de se expor e qto a elas, cadê a vergonha e eh escolas fazendo porcarias porque quer, aff que moral tem este nível de gente?

    • Desculpa mas, porque terias vergonha de ser mulher? Um homem honrado não tem vergonha de ser homem por causa dos erros dos outros. Nestes pensamentos nós mulheres temos mesmo de evoluir.

  7. Estas mulambentas não são pessoas dignas de serem reconhecidas como representantes do gênero feminino. São apenas indivíduos desequilibradas e sem nenhuma educação e dignidade, tentando usurpar o direito de representar as mulheres agindo como criaturas dementes expondo suas intimidades fazendo suas necessidades fisiológicas como se isto fosse uma atitude normal.

  8. vcs são um lixo uma vergonha pras mulheres .. e para a nação gaúcha .. esperam ter algum direito .. se rebaixando .. aos porcos .. cadê sua família seus pais. . e sua mães. .

  9. Porcas, repugnantes. Isso não é ser mulher, as prostitutas da boca do lixo têm maior respeito pela condição feminina. Não passam de lixo fétido.

  10. Para mim isso sim é um ato de atentado ao pudor. Em um país decente elas estariam presas ou pagando multas consideráveis.
    Nossos pais, em outras épocas, conteplava com uma boa surra de couro cru.

    • Mas na república das bananas é assim mesmo e o problema é que a população contribui. As pessoas ficam horrorizadas com uma mulher que fala firme em sua profissão ou que amamenta seu filho em público, mas isso aí não, isso são capazes até de achar normal.

  11. Mulher desse naipe que se diz feminista, é uma vergonha para nós mulheres que reivindicamos nossos direitos! Isso é vadiagem, falta de escrúpulo!

  12. Efeito colateral danoso ou não: Saudade de 64! Meia dúzia de policiais militares em ação e, a UFPEL, as mulheres pelotenses e a cidade de Pelotas não passaria por tal situação de vergonha e constrangimento! Saudade da educação “repressora” que criou tantos homens e mulheres dignos, trabalhadores, responsáveis, íntegros e, psiquiatricamente, saudáveis. Deveriam exigir destas “manifestantes” um atestado de sanidade mental para a continuidade de suas atividades acadêmicas.

  13. Simplesmente detestável, envergonham nós mulheres, a faculdade que estudam e a nossa cidade. O que elas pensam, lutar por direitos, é lutar com dignidade. Como chegaram a Faculdade ? Deve de ter sido na base da cola. Deveriam ser expulsas da Faculdade, presas por atentado ao pudor e causar constrangimento nas pessoas de bem e de respeito e obrigá-las a limparem tudo que sujaram. A pergunta que não quer calar, – Onde estão os pais destas mal educadas ?

  14. É so nao dar ibope, todos virarem as costas e deixa-las fazendo a porcaria delas sozinhas.Uma babaquice esse lance de luta contra os homens, é só se darem valor e se repeitarem , como alguém vai querer uns lixos desses?Eu teria vergonha e nojo de ter uma filha assim.Como cobrar algo para elas se nao se valorizam ?Ficam nuas e nao querem assedio, sao desleixadas e sujas .De femininas nao tem nada.Se nao gostam de homens esqueçam deles e vivam suas vidas.

  15. Não se corrige um erro cometendo outro…
    Bem assim me foi ensinado.
    Essa visão retrograda de querer se equiparar é coisa do século passado, onde realmente mulheres oriundas de uma sociedade patriarcal não tinham voz publica.
    Hoje elas trabalham, e vivem de forma independente em uma sociedade em que a lei as ampara.
    A justiça não é igual senhoras!
    Ela pende muitas vezes a seus interesses sem ser de fato “justa”.
    Quantas “Maria da Penha” falsas são usadas levianamente. Sem falar em guarda dos filhos onde sempre a mãe tem maior peso na “visão” da justiça.
    Essas jovens acham que essa exposição pública de atos desmedidos mudará algo?

  16. O que me causa mais horror é a forma que utilizam o termo feminismo e a causa feminista em situações que não têm nada de feminismo! Feminismo é a luta pela igualdade de gêneros, de direitos, de condições de trabalho, de liberdade. O que essãs mulheres estão fazendo, chama-se FEMISMO, que é igual ao machismo, que trata-se de acreditar na superioridade do proprio gênero. Por favor, não confundam as coisas.

  17. deveriam crescer pra mim estas bandos de sem q faser denominada feminista, nao passam de umas infelizes querendo de algumas forma chamar atenção, pois sem estas atitudes são umas esquecidas infelizes umas umas sem noção

  18. Chamar a atenção fazendo o que essas meninas fizeram, elas conseguem, mas não atingem o objetivo. Ter os mesmos direitos que os homens não é fazer xixi em pé. Elas não sabem o que querem. É uma pena terem chegado a esse ponto.

  19. Nossa, que aberração. E está foto, me parece um tanto quanto antiga,de décadas atrás kkk e talvez nem seja no Brasil….mas enfim tudo é possível. Entretanto, se assemelha a um antro,ou um grupo de viciados, menos um grupo de mulheres. Creio que nem na crackolandia se vê uma cena destas. Mas, de qualquer modo prefiro ser feminina do que feminista. Uma coisa é conquistar direito iguais um espaço e se fazer respeitar. Más ultimamente tenho visto tanta bizarrice e apelação , destas criaturas que se dizem “mulheres ” feministas, pois se vê de tudo,que meu sentimento , nestes casos,se resume em vergonha alheia.

  20. Eu confesso que nunca vi uma PUTA mijando em universidade. Essas ‘feministas’ são e nao pide comparar a uma PUTA . Qye grau de baixeza chegaram essas mulheres

  21. Raça do inferno, só estão gerando mais violência, onde ONDE O N D E essas atitudes vão trazer algum benefício??? Só vão incitar mais violência.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s