Arquivo mensal: maio 2014

Hipocrisia feminista: homens objetos podem, piriguetes viram modelo de mulher.

Padrão

O modelo de beleza para homens e mulheres sempre mudou com o passar dos anos. Mas em geral, homens sempre foram homens e mulheres sempre foram mulheres. Nestes debates feministas sobre culpado-opressor/ pessoa oprimida-coitada  (feministas levam a guerra entre classes para qualquer debate) feministas afirmam que o homem sempre “objetifica a mulher e mulher sempre vira uma coisa objetificada”.

Seria isso verdade ou mentira nos dias de hoje?

Respondemos: mentira descarada somada a hipocrisia feminista de pessoas desonestas

Simpatizantes do feminismo que desconhecem das gurus feministas que pregam o estupro, incesto e toda uma doutrina marxista nesta propaganda vitimista negam os fatos que qualquer mulher pode escutar no banheiro feminino na balada, no salão de beleza ou em conversas com amigas em um bar, etc.

” Esse eu pegava”, “esse eu chupava todo”, “Multiplica, Senhor,” “Para esse eu dava toda a noite e de primeira, etc” são frases comuns nestes ambientes. Frases ditas por mulheres para mulheres e por escolha. No carnaval em Salvador, RJ e Brasil afora meninas contam quantos homens “elas pegaram”.

Este mesmo tipo de desonesta apoia Valesca Popozuda por tabela que diz que trair, dar, distribuir e “pega a bebida que pisca”, que quer dar para 5 , transar de primeira com desconhecido na balada e depois quer falar de amor, intimidade (coisas que precisam de tempo para acontecer) .

O mesmo tipo de garota que vai ver o X-men, 300 e outros filmes somente para ver os atores sem camisa. O mesmo tipo de garota que “quer ser estuprada por um segurança bonito”.

segurança-gato-metro feministas

Sinceramente, depois querem fazer vitimismo e dizerem que “a mulher vira objeto”?

Screen-Shot-2013-08-07-at-2.55.39-PM

NUNCA  afirmamos que mulheres ou homens devam ser tratados como objeto. O fato que afirmamos: existem homens e mulheres QUE QUEREM SER TRATADOS COMO OBJETO  e que ambos os sexos PODEM SER TRATADOS COMO OBJETO.

seguranca do metro

No shows da cantora Ana Carolina inclusive as adeptas do lesbianismo se soltam e ficam gritando “gostosa, essa eu pegava, etc” mas nesse caso pode? O que falar dos gays que fazem a mesma coisa entre eles ou pior?

O que acontece nestes casos: Lembrem, se um grupo se apoia na falaciosa mentira de “minorias oprimidas” e politicamente correto ( como as feministas e GLBT) fazem, TUDO VIRA LIBERADO. TUDO. E este mesmo povo depois quer ditar regra e fazer vitimismo quando eles podem usar o ato para fins de propaganga “contra o sistema).

Exemplos de “pegadoras que pegam e distribuem abaixo”. Por favor, sejam menos desonestas e larguem a hipocrisia  antes de fazer vitimismo.

acabarcomseuex.blogspot.com.br/2010/11/ai-ai-esse-ate-presta-e-eu-pegava.html

http://bruberries.com/blog/top-5-voltava-no-tempo-e-pegava/

Nigéria: Ao sequestrar meninas chamam a Delta Force. Ao matar meninos, ninguém se importa

Padrão

AFP 528338493

Alguém anda acompanhando o caso do sequestro das meninas na Nigéria?

O grupo radical islâmico Boko Haram (cujo nome significa figurativamente “a educação do Ocidente ou não-islâmica é pecaminosa”) está numa empreitada contínua a mais de 5 anos para implantar a ferro e fogo o califado na Nigéria. Querem acabar com o modelo educacional Ocidental por este ser do “mal e opressor”. Seriam os Ocidentais que nos obrigam a usar burcas? Que nos apedrejam? Ah, claro toda cultura é relativa, né? Ninguém pode julgar ninguém, tudo é certo e nada é errado, né?

Tais “revoluças de uma cultura diferente” queimam igrejas, matam cristãos e se opõem à educação ocidental (baseada no cristianismo). Eles já implantaram a Sharia no norte da Nigéria e tentam com todas as forças implantar a Sharia no Sul, que até então possui resistência cristã, que rejeitam a Sharia.

Pois bem, religiosos assassinados em massa, igrejas queimadas… estava tudo delicioso demais para o establishment, ATÉ que o grupo resolveu sequestrar cerca de 200 garotas (muitas delas cristãs) em oposição à educação das mulheres, alegando que estas “seriam vendidas para serem esposas e renunciar a imoralidade ocidental”.

Foi o que bastou para o establishment e todo o beautiful people lançar campanhas e hashtags: #bringbackourgirls (“tragam de volta nossas garotas”). A partir daí está havendo um pandaemonium midiático em torno do grupo Boko Haram: quem são, o que querem, o que as autoridades internacionais precisam fazer, etc.

O que a mídia feminista (que apoia os terroristas) NÃO CONTA é que, MUITO ANTES do Boko Haram sequestrar as 200 garotas, eles já participavam a anos de ataques em escolas para massacrar com requintes de crueldade EXCLUSIVAMENTE MENINOS.

Os garotos que tentam fugir tomam tiro na nuca, os que não fogem têm suas gargantas cortadas ou são queimados vivos por serem “infiéis” ou “hereges”, enquanto os militantes muçulmanos poupam as garotas dizendo para elas saírem dali seguras, para que “se casem, sejam submissas aos maridos e renunciem a educação ocidental.”
Algumas delas foram levadas às suas casas em segurança pelos próprios militantes muçulmanos.

Enquanto apenas garotos estavam sendo massacrados, para o establishment ocidental não houve problema algum. NINGUÉM do establishment mencionou uma única vez os garotos executados, degolados e incinerados.

A psicopatia feminista é flagrante e abre margem para várias considerações:

– Feministas do Ocidente exigem que as garotas sejam libertadas: QUEM É que terá de ir combater os radicais islâmicos para libertar essas garotas inocentes? O Jean Wyllys? A Lola? Ou o homem ocidental, de valores cristãos, “machista”, “estuprador em potencial”, “opressor” e “escravizador de esposa” apoiado por esposas que sabem o valor da liberdade e por piedade querem resgatar alguém?

Feministas “fortes e independentes” tiram a roupa e querem dar para 6 e ainda abortar rsrsrsrsrs. Muito guerreiras que mentem ser. Mas o mais engraçado que nesta luta por “igualdade pelo mundo paz e amor” as feministas nunca falam sobre assassinato de meninos justamente por serem homens. Meninas que podem vir a ser simpatizantes do feminismo ou usadas como massa de manobra sempre possuem “umas feminista paz e amor” como “defensora”.

PS: A comunidade antifeminista lançou a hashtag #avengeourboys (“vinguem nossos garotos”).

Mais uma mulher anti-feminismo, Erin Pizzey, se pronunciou na Inglaterra:

“I am furious. The Guardian newspaper today in their G2 magazine wrote a three page article on The Nightmare in Nigeria. They mention only girls have been kidnapped. They refer to “girls” and “pupils” no a word about the boys that have been slaughtered and some burnt alive. Please everyone email to guardian.letters@theguardian.co.uk

Add your name your full postal address and your telephone number. They do not print private details”.

Ou seja, se a criança for menino pode ser morto, queimado, degolado que nem a mídia se importa.

A jornalista Costanza Miriano e a mulher submissa: Ser ou não ser, eis a questão

Padrão

Mulher submissa: Ser ou não ser, eis a questão.

Costanza Miriano, uma jornalista de 43 anos, casada e mãe de 4 filhos escreveu um livro de auto-ajuda fundamentado em princípios da Bíblia Hebraica. No livro ela aconselha as mulheres a serem submissas aos seus maridos dentro do casamento para o bem da estrutura familiar. O livro, com o nome de “Cásate y sé sumisa“, traduzido paraCasa-te e Sê Submissa, fez muita feminista infartar.

As feministas gurus, massas de manobra, simpatizantes ou indecisas odiaram o livro e querem a cabeça de Constanza. Ao mesmo tempo o livro é muito popular em lugares como Espanha e em Itália.

O que as feministas não entendem sobre ser submissa?

Primeiro, as feministas acabam sempre por revelar a sua natureza comunista sempre que uma mulher se atreve a dar uma opinião que não está de acordo com “O Partido”. Existem mulheres que querem ser submissas. Se cada mulher faz o que quer “meu corpo, minhas regras” porque as feministas querem patrulhar a vida alheia? Ah, esquecemos. .Mulheres podem fazer o que quiser desde que acordo com o feminismo, que aplica a ditadura das minorias (desde quando hoje somos minorias??) quando convém. Ser put@,vadia, prostituta  e abortar como uma cadela no cio financiado por um estado socialista  hoje é ser “linda, poderosa, moderna”. Logo, feminista. Ser mãe, esposa, companheira e em alguns casos se submeter ao marido? Isso é absurdo mimimimi.

Ou seja, segundo o feminismo, as mulheres são livres para dar a sua opinião, desde que a sua opinião esteja de acordo com a ideologia feminista. Isto é cada vez mais claro.

Segundo, ser submissa é MUITO DIFERENTE DE SER ESCRAVA. A pessoa é submissa porque QUER ser.

Terceiro, homens e mulheres se intercalam o papel de submissos na vida de casal. Desde o sexo até a vida social. Podemos notar inúmeros exemplos de homens que levam no bom humor o assunto submissão e afirmam coisas como ” a patroa manda, ela decide, ela é a chefa, etc”. Por sinal, um casal em harmonia saber a hora de brincar, debater e que a vida nem sempre é um mar de rosas. Mas o engraçado é que nenhum destes homens saem nus protestando na rua. Ao mesmo tempo existe feminista lésbica que nem de homem gosta querendo ditar regras na hora do sexo como ” mulheres não podem fazer sexo em tal posição pois isso é sinal de submissão”. Bem depois de defender incesto, pedofilia e morte o que mais vocês pensam deste movimento?

Quarto, imaginem a comoção internacional que aconteceria se um homem  tentasse censurar um livro só porque não concorda com a tese do mesmo. Mas é precisamente isso que as feministas estão a fazer ao tentarem censurar um livro só porque não concordam com a sua mensagem. Liberdade feminista total, né? #SQN

Nas palavras da própria Costanza Miriano:

“…Não gosto da forma como a palavra é entendida em inglês, mas eu não a uso com conotação negativa; ela é uma palavra extraída do Livro de Efésios e de maneira nenhuma significa ser um tapete do marido. Eu uso-a no sentido etimológico de ser alguém abaixo, ou debaixo, fornecendo apoio tal como uma coluna apoia o telhado visto que nós, como mulheres, somos mais fortes. Nós somos capazes de colocar a personalidade na relação…..”

A palavra submissa aqui entra no sentido de suporte. Ou seja, segundo Contanza, a mulher tem seu papel na sociedade e no casamento, assim como o homem e aqui ela suporta o marido ao invés de competir com ele. Ou seja, a mulher passa longe de ser uma escrava em qualquer sentido. A mulher fornece ao marido suporte sendo um pilar ou talvez sendo o principal pilar na tradição do casamento. Se formos pensar no quesito filhos, educação e valores, a mulher ocupa um papel muito importante desde a antiguidade. Ela não é pior ou melhor que o homem, apenas exerce uma função diferente mas não menos importante.

Mas porque as feministas desejam morte de  Costanza Miriano?

A) Assim como Erin Pizzey, Rachel Sheherazade e tantas outras, Costanza anda contra as feministas e demonstra muita coragem ao afirmar preferir a companhia do marido do que de um bando de lésbicas marxistas frustradas que inclusive pregam fazer sexo com os filhos, pai, mãe, etc.

B) Feminismo é marxismo e marxismo é feminismo. Na utopia destes dois movimentos coletivistas existe a mentira que devemos todas/os ser iguais de qualquer modo. Isto é uma neurose marxista. Tanto o feminismo como o marxismo não valorizam a liberdade individual, as diferenças peculiares de cada pessoa e os diferentes papéis que exercemos na sociedade. Bem, estas pessoas doentes não consideram nem a biologia. Segundo eles, a teoria deve se adequar a realidade e não o inverso.

C) Feministas nessa luta insana que prega absurdos usam a guerra de classes para dividir ainda mais homens e mulheres. Qualquer motivo é motivo para fazerem vitimização.

D) Costanza Miriano fala o óbvio e sem faltar ao respeito a ninguém: ela defende  os valores ocidentais que vieram de raízes judaico-cristãs.  Neo-ateus e feministas odeiam ela igualmente. Claro, o feminismo e o ateísmo militante organizado (anti-religioso) ambos possuem a mesma fonte. 

E) Feministas dizem odiar o casamento  como boas lésbicas que são (mas se dizem oprimidas pela Igreja não deixar elas se casarem entre si rsrrs vai entender rsrsrss). O casamento é si é uma das bases do Ocidente que permitiu a família ser formada e filhos serem gerados. A família é o primeira sociedade do indivíduo. Acabem com a família , acabem com a sociedade. Para saber mais, cliquem aqui neste nosso post antigo.

A mesma autora escreveu um livro com o título de “Marry Her and Die for Her” [Casa-te Com Ela e Morre Por Ela], mas não há notícia de manifestações masculinas acusarem-na de promover a morte dos homens.

Respondendo a uma questão do porquê algumas mulheres ficarem tão zangadas com o livro, ela disse:

Talvez nós não sejamos livres da necessidade de sermos reconhecidas. Quando uma mulher está em paz com ela mesma, e está totalmente realizada, ela não tem necessidade de ter reconhecida e como tal, ela pode escolher tomar uma posição de menor autoridade, não no sentido de ser o tapete mas sim no sentido de ser uma coluna.

Quando lhe perguntaram se o seu livro alegava que o feminismo havia destruído o casamento, ela respondeu:

Eu trabalho. Sou jornalista durante o dia, e à noite escrevo livros. Tenho 4 filhos. Acho que as mulheres que querem os mesmos direitos que os homens têm falta de imaginação e ambição uma vez que nós somos tão diferentes dos homens.

A mesma autora escreveu um livro com o título de Marry Her and Die for Her” [Casa-te Com Ela e Morre Por Ela], mas não há notícia de manifestações masculinas acusarem-na de promover a morte dos homens. – See more at: http://omarxismocultural.blogspot.co.uk/2014/01/porque-e-que-as-feministas-odeiam.html#sthash.FWeUvdiF.dpuf
aconselha as mulheres a serem submissas aos seus maridos dentro do casamento – See more at: http://omarxismocultural.blogspot.co.uk/2014/01/porque-e-que-as-feministas-odeiam.html#sthash.FWeUvdiF.dpuf