A blogueira x contra as feministas: Sobre o App “Lulu”: Perdi a fé na humanidade (mais uma vez).

Padrão

Beijinho no ombro!

Por Bruna Roriz (texto original aqui)

Eu não tinha dado bola quando vi algumas pessoas falando sobre isso no Facebook ontem (pensei, como muitos, “afe, que perda de tempo”), até que dois amigos meus vieram ontem de noite me perguntar sobre o tal aplicativo. Eu disse a eles que nunca vi nem comi eu só ouço falar não tinha ele e não sabia como funcionava nem nada. Então eles começaram a me falar “ah, porque ouvi dizer que minha nota é 8,7 lá e me chamaram de sei lá o que”. Eu ri com eles, mais pelo fato do quão o ser humano consegue ser imbecil e ter tempo de sobra pra pensar em algo tão fútil quanto isso, mas também, claro, pela agonia dos meninos em saber que estão falando deles e os próprios não terem acesso à tais informações.

Foi daí que então, eu, fofíssima, me prestei a baixar o aplicativo pra dar print no que andavam falando sobre eles e depois enviar para eles, no caso, as ~vítimas. Fiquei chocada quando vi como funcionava o negócio. Você classifica os boys por situações com intuito de avaliar “Educação”, “Aparência”, “Sexo”, “Ambição”, etc. Sim. Ainda dá pra acrescentar umas #hashtags com frases tipo “#LindoTesãoBonitoeGostosão”, “#RespondeSMSRápido”, “SeAchaOCentroDoUniverso” e até coisas absurdas tipo “#CaideBoca” e outras lá que não me lembro mais. Gente, depois vocês tão aí fazendo marcha das vadias, sabe?

Eu juro que não entendo. Ainda mais porque o negócio não tem lógica. Se você avalia bem alguém, supõe-se que você tem um carinho e/ou gosta da pessoa. Então porque diabos você faria propaganda sobre o tal do boy, do tipo: “isso aí, meninas! ele é tudo de bom mesmo, go ahead!”. Existe também a hipótese de que seja para se gabar das outras e alimentar o seu próprio ego…assim até teria lógica para algumas infantilóides se a coisa não fosse anônima, sabe. Daí você pode também se ~vingar~ de alguém que você levou pé na bunda e esculachar a pessoa por lá nas classificações (quem adora falar mal do boy pelas costas…corram que eles garantem mil vezes no Lulu que é anonimo meeeixmo!) …mas cês não acham que isso só vai mostrar o tamanho recalque que vocês têm, tendo em vista que QUALQUER pessoa pode ir lá e falar QUALQUER coisa? Simplesmente não faz sentido pra mim.

O que me incomoda mais é a hipocrisia que tá nesse negócio, como já mencionei antes. E quando fizerem a versão masculina (ou feminina, depende do ponto de vista) do negócio? Vocês vão aceitar igualmente os caras avaliando como vocês são de ambição, sexo, aparência e inteligência? Quem responde que ‘sim’ tá sendo incoerente, óbvio. Olha o que a ~CEO~ do aplicativo declarou: “a ideia é divertir as mulheres, mas também criar um sistema que as ajude a tomar decisões mais inteligentes” HAHAHA OI? Isso, menininhas! Decidam seus ‘pretendentes’ com base em meninas recalcadas, homens que podem muito bem pegar o celular da irmã e se auto-classificar como “#TrêsPernas” e meninas tontas e apaixonadas fazendo propaganda de graça do boy-magya!

Meninas, vão trabalhar pelo futuro de vocês ou, se tá difícil isso, vão no mínimo ajudar a mãe a lavar a louça de casa.

Meninos, vocês devem tá até gostando isso, tendo em vista que tão até atualizando perfil por lá (sim, isso é a única coisa que eles têm liberdade de fazer no aplicativo..o mas to com preguiça de explicar). Wtf, sabe.

Humanidade, vamos voltar a focar na cura do câncer (que meu pai já teve 3 e não vai aguentar o quarto se vier) e menos em aplicativos para meninas sem conteúdo dedicarem seu tempo, ok? O Candy Crush ta aí pra ser usado como passatempo e pelo menos ajuda um pouco no raciocínio mais rápido.

Só esperando por uma versão do sexo oposto quando os homens vão classificar vocês (ou melhor, nós, todas as mulheres que têm Facebook) como “#FraquinhaNaCama”, “#EngoleTudo”, “#Silicone” e “#TemCelulite”.

Seria essa a 3a Guerra Mundial chegando mais cedo do que a falta de água no planeta?

Beijinho no ombro!

———————————————————————————————————————-

O que pensamos:

Bem vinda a nossa turma, Bruna.

Este post pode muito complementar os posts que escrevemos faz pouco tempo. A blogueira Bruna Roriz foi muito feliz no seu texto sobre o app Lulu. Pois bem, notamos que muitas feministas (para variar) defendem o app Lulu com unhas e dentes e colocam a culpa de se comportarem  como piriguetes e objeto por livre vontade colocando a culpa na “sociedade machista”.

Pessoas, observem o comportamento que sempre se repete no meio feminista:

1- Feministas  e simpatizantes dizem escolher, serem poderosas, “modernas e sem preconceitos”, que detestam dar e adoram distribuir, aborto, querem destruir o modelo familiar, etc. Importante: Feministas defendem as pirigutes a todo o custo. Postamos sobre isso no facebook e no nosso blog. Haters feministas sempre vierem defender o tipo de mulher que se comporta justamente como o tipo de homem que elas dizem detestar. Inclusive muitas destas mulheres jogam a fama da mulher brasileira ainda mais no lixo.

2-Feministas e simpatizantes dizem detestar homem galinha, o tal metido a pegador, etc.

3- As ditas feministas agora defendem um aplicativo vulgar, sexista, infantil e tudo o mais justamente copiando o tipo  de homem que elas dizem detestar. E isso que elas afirmarm serem “superiores, melhores, etc”. Entenderam? Aqui a liberdade mas uma vez vira muleta para falta de responsabilidade.

4-A blogueira Bruna ao usar de bom senso e ao deixar a mensagem que poderia ser esta de modo resumido :

“… É isso aí mulherada, vamos nos nivelar por baixo. Vamos nos submeter as mesmas coisas que os rapazes canalhas fazem com a gente. Vamos nos tornar vadias, piriguetes e fazer vitimismo mesmo que nos comportemos como  o tipo de homem que deveriamos evitar. É igualdade que procuramos, certo? Somos vadias, livres, feminsitas, modernas e queremos respeito? Só que não. Se queremos respeito, temos que respeitar também. Acredito que seja daí que as coisas vão começar a se ajeitar no mundo. Não é dando o troco e copiando o pior do pior que vamos receber o tratamento que queremos da sociedade. Ainda mais de forma infantil e fútil…”

acaba por sofrer patrulhamento e censura de feministas que defendem a marcha das vadias e o dito aplicativo como algo “moderno e de mulher emancipada”. Detalhe que muitas se revoltam com a blogueira pois “mulheres fortes, modernas e emancipadas” adoram falar mal de ex mesmo que estas mesmas modernas e emancipadas tenham ESCOLHIDO SE RELACIONAR com tal pessoa (o mesmo vale para os homens).

Quem leu sobre marxismo cultural sabe que o feminismo assim como qualquer movimento marxista (posts antigos), NUNCA acredita no que fala, prega ou escreve. Elas fazem vitimismo barato, usam de coletivismo idem, misturam o caso da mulher Ocidental com a Oriental, relativizam tudo, nunca respondem algo objetivo, falam de argumentos mas se contradizem a cada 5 segundos. Elas fazem mais: elas dizem lugar por liberdade, responsabilidade, igualdade e democracia mas basta UMA mulher pensar e ver a mentira deste movimento que representa elas mesmas e mente lutar pela nossa liberdade que tal mulher vai sofrer patrulhamento, ameaças e tudo o mais.

Foi assim com Erin Pizzey, é assim conosco, é assim com a Bruna do blog Garotas Direitas, as outras meninas do Mulheres Conservadoras, Mulheres Inteligentes e tantas outras mulheres que desmascaram o feminismo e começam a ver o fundo marxista cultural deste movimento fundado em hipocrisia, raiva de homem e mulher e fundando na guerra de classes.

Acordem, pessoas.

»

  1. é, o mundo melhora cada vez mais… muita futilidade e é óbvio que quando os homens começarem com a mesma futilidade e julgarem as garotas como pedaço de carne,todas vão se revoltar,feminismo é machismo ao contrário “nós podemos tudo e os homens não”

  2. MUITO OBRIGADO POR COLOCAR A MINHA INDIGNAÇÃO SOBRE ESSE APP EM FORMA DE TEXTO! ACABO DE COMPARTILHAR NO MEU FACEBOOK ESSE ARTIGO E ACHEI GENIAL, PARABENS!

  3. Só discordo quando ela manda as moças ajudar a mãe a lavar louça. Não. Quem faz isso aí tem mais é que lavar 50 calças jeans NO TANQUE, por dia!.

    Antes que me critiquem eu já lavei muita calça jeans no tanque, então eu sei que ocupa bastante tempo… mente ociosa, oficina do capeta!

    • Feminista fingindo ser contra a prosmicuidade, vulgaridade , pessoas objeto e sexismo quando o movimento feminista apoia prostitutas, Valeska Popozuda,etc?

      Garota, quando vcs podem iniciar a assumir o que fazem? Como vcs feministas adoram fugir da responsabilidade. A desculpa “isso se chama femismo “sempre sai da boca de uma cega que NUNCA LEU o que as gurus feministas dizem. Somente falta dizer agora que luta por igualdade……

      • Os gurus tipo lola que se acaso vc discordar de alguma coisa já bloqueiam o seus comentários. Todos os meus comentários em que digo que fidel Castro é um ditador (nao é acaso?) che guevara um assassino e estuprava mulheres, Stalin ditador…. Sao bloqueados…. Qd comento justamente isso que sempre comentamos aqui: falam mal da pior faceta dos homens mas querem copiar exatamente essa (pegador, falar mal do sexo oposto…) tudo culpa do patriarcado! Rsrsrs

      • tão distorcida das ideias que sinto um misto de desânimo e preguiça, mas vamos lá. básico do básico: o feminismo não promove promiscuidade, objetificação ou segregação. o feminismo luta pelo empoderamento da mulher que deve decidir ela mesma como usar o seu corpo. a objetificação é amplamente utilizada pelo machismo, seja com o ideal de esposa modelo, seja com a gostosa da propaganda de cerveja. o que o feminismo diz é: a mulher tem todo o direito de usar sua sexualidade como bem entender, sem ser julgada por isso, assim como acontece com os homens. o que não significa que devemos todas sair por aí praticando orgias. mas se algumas de nós quisermos, que mal faz? mulheres também têm desejos e também devem estar aptas a realizá-los. não é preciso ser nenhum gênio para entender a diferença entre É O TCHAN! cantando “tudo que é perfeito a gente pega pelo braço, joga ela no meio, mete em cima, mete embaixo” e VALESKA cantando “eu dou pra quem eu quiser que a porra da buceta é minha”. simples análise linguística e já fica claro. sujeito da primeira: a gente (os homens), objeto: ela (a mulher). sujeito da segunda: eu (a mulher). aí você entra com uma análise socio-antropológica e a coisa fica ainda mais maravilhosa.
        as pessoas comumente classificam de sexismo o processo de empoderamento feminino numa confusão tão besta que até parece falta de boa vontade. dizer que a mulher merece ter os mesmos direitos que os homens em nenhum momento sequer insinua que os homens devem ter menos direitos. o que acontece é que os homens JÁ TEM ESSES DIREITOS!!! ninguém precisa mais lutar por eles ou relembrar a todo instante que eles existem. com a mulher, a coisa muda completamente de figura. é por isso que o movimento feminista volta toda sua atenção para a mulher, para que ela cresça perante a sociedade, para que seja respeitada. o movimento feminista é um MOVIMENTO PELAS MULHERES E NÃO CONTRA OS HOMENS. décadas e décadas de luta e a gente ainda está tão aquém das possibilidades oferecidas ao homem no mundo que eu sinceramente não sei como alguém pode achar que a ideia é superá-los e torná-los a nova minoria. eu proponho um exercício diferente: no lugar de apontar que a igualdade é um mito no discurso feminista, aponte como isso pode ser provado. reclama que a distinção feminismo/femismo é sempre trazida à tona, mas também não sai desse blablablá de que o feminismo é coisa do demônio que quer acabar com a moral e os bons costumes tão bem ditados pelos homens que construíram nossa história até os dias de hoje.
        o feminismo é tão contrário ao ódio que reconhece que ele existe! AO CONTRÁRIO DOS MACHISTAS! diz: sim, existe gente distorcendo as ideias do movimento. e que movimento não sofre com isso? mas não nos cabe lutar contra o femismo, nós já temos nossa luta definida e ainda há muito a ser feito. o femismo, por exemplo, tem um número de adeptos ínfimo se comparado aos mascus, esses que, sim, precisamos combater. ainda assim, se os homens estão sentindo-se ameaçados pelo femismo, eles podem revoltar-se contra isso. não esperem das feministas esse papel, eles não nos pertence.
        e, bom, eu não sou nem uma guru do feminismo nem uma cega que nunca as leu. sou jornalista, faço mestrado em antropologia, leio muito e converso muito com as pessoas, esta última é uma das coisas que mais me enriquecem intelectualmente. minha vida é bastante confortável, mas no meu ofício de jornalista lidei com mulheres que sofrem diariamente e profundamente com os males do machismo. me dói ver esse blog feito também por mulheres que só podem desconhecer a realidade dessas outras tantas ou serem completamente desprovidas de solidariedade. mulheres que não conhecem ninguém que morreu devido a um aborto clandestino, que nunca foram forçadas a fazer sexo pelo namorado, que nunca se sentiram enojadas com cantadas na rua, que jamais foram julgadas como promíscuas porque se deixaram levar pela música e fizeram quadradinho de oito no baile funk (também vale descer até o chão na boate caríssima, equilibrando-se no louboutin). que bom que ainda existem mulheres que não passaram por essas experiências. que pena que elas são tão egoístas.

      • tão distorcida das ideias que sinto um misto de desânimo e preguiça, mas vamos lá. básico do básico: o feminismo não promove promiscuidade, objetificação ou segregação. o feminismo luta pelo empoderamento da mulher que deve decidir ela mesma como usar o seu corpo. a objetificação é amplamente utilizada pelo machismo, seja com o ideal de esposa modelo, seja com a gostosa da propaganda de cerveja. o que o feminismo diz é: a mulher tem todo o direito de usar sua sexualidade como bem entender, sem ser julgada por isso, assim como acontece com os homens. o que não significa que devemos todas sair por aí praticando orgias. mas se algumas de nós quisermos, que mal faz? mulheres também têm desejos e também devem estar aptas a realizá-los. não é preciso ser nenhum gênio para entender a diferença entre É O TCHAN! cantando “tudo que é perfeito a gente pega pelo braço, joga ela no meio, mete em cima, mete embaixo” e VALESKA cantando “eu dou pra quem eu quiser que a porra da buceta é minha”. simples análise linguística e já fica claro. sujeito da primeira: a gente (os homens), objeto: ela (a mulher). sujeito da segunda: eu (a mulher). aí você entra com uma análise socio-antropológica e a coisa fica ainda mais maravilhosa.
        as pessoas comumente classificam de sexismo o processo de empoderamento feminino numa confusão tão besta que até parece falta de boa vontade. dizer que a mulher merece ter os mesmos direitos que os homens em nenhum momento sequer insinua que os homens devem ter menos direitos. o que acontece é que os homens JÁ TEM ESSES DIREITOS!!! ninguém precisa mais lutar por eles ou relembrar a todo instante que eles existem. com a mulher, a coisa muda completamente de figura. é por isso que o movimento feminista volta toda sua atenção para a mulher, para que ela cresça perante a sociedade, para que seja respeitada. o movimento feminista é um MOVIMENTO PELAS MULHERES E NÃO CONTRA OS HOMENS. décadas e décadas de luta e a gente ainda está tão aquém das possibilidades oferecidas ao homem no mundo que eu sinceramente não sei como alguém pode achar que a ideia é superá-los e torná-los a nova minoria. eu proponho um exercício diferente: no lugar de apontar que a igualdade é um mito no discurso feminista, aponte como isso pode ser provado. reclama que a distinção feminismo/femismo é sempre trazida à tona, mas também não sai desse blablablá de que o feminismo é coisa do demônio que quer acabar com a moral e os bons costumes tão bem ditados pelos homens que construíram nossa história até os dias de hoje.
        o feminismo é tão contrário ao ódio que reconhece que ele existe! AO CONTRÁRIO DOS MACHISTAS! diz: sim, existe gente distorcendo as ideias do movimento. e que movimento não sofre com isso? mas não nos cabe lutar contra o femismo, nós já temos nossa luta definida e ainda há muito a ser feito. o femismo, por exemplo, tem um número de adeptos ínfimo se comparado aos mascus, esses que, sim, precisamos combater. ainda assim, se os homens estão sentindo-se ameaçados pelo femismo, eles podem revoltar-se contra isso. não esperem das feministas esse papel, eles não nos pertence.
        e, bom, eu não sou nem uma guru do feminismo nem uma cega que nunca as leu. sou jornalista, faço mestrado em antropologia, leio muito e converso muito com as pessoas, esta última é uma das coisas que mais me enriquecem intelectualmente. minha vida é bastante confortável, mas no meu ofício de jornalista lidei com mulheres que sofrem diariamente e profundamente com os males do machismo. me dói ver esse blog feito também por mulheres que só podem desconhecer a realidade dessas outras tantas ou serem completamente desprovidas de solidariedade. mulheres que não conhecem ninguém que morreu devido a um aborto clandestino, que nunca foram forçadas a fazer sexo pelo namorado, que nunca se sentiram enojadas com cantadas na rua, que jamais foram julgadas como promíscuas porque se deixaram levar pela música e fizeram quadradinho de oito no baile funk (também vale descer até o chão na boate caríssima, equilibrando-se no louboutin). que bom que ainda existem mulheres que não passaram por essas experiências. que pena que elas são tão egoístas.

      • Rita, também tem mulher que comete erros com os homens, só que o feminismo não reconhece isso, acham que as mulheres são santas e os homens são vilões

      • Rita, eu já vi feminista falando que TODOS os homens são estupradores , e você ainda acha que elas não odeiam os homens? Elas não querem igualdade coisa nenhuma

      • josy, respondi um comentário parecido abaixo. não creio que o dito foi que todos os homens são estupradores, mas que todos os estupradores são homens. ainda que generalizar seja arriscado nesse caso, em que muitos casos de estupro não são revelados por vergonha, as estatísticas apontam que mesmo quando a vítima é do sexo masculino, os estupradores costumam ser também homens. isso não quer dizer que todo homem é estuprador de maneira nenhuma. toda feminista conhece homens (pais, filhos, amigos, namorados, maridos) que não são estupradores. seria absurdo um comentário desses.

        nenhuma feminista acha que mulheres são santas e homens vilões. as feministas olham de modo geral para a sociedade, não para indivíduos. e nossa sociedade é, sim, muito injusta com as mulheres em diversos aspectos. óbvio que existem mulheres que não prestam e homens que servem de exemplo! nenhuma classe, minoria, clã, família, grupo, gênero ou movimento está livre de ter bons e maus representantes. o que o feminismo busca é tão somente a igualdade de liberdade entre homens e mulheres, para que todos tenhamos as mesmas possibilidades de progresso, realização e felicidade.

      • ……Nenhuma feminista acha que mulheres são santas e homens vilões……

        Mentira, Rita. Quem comanda vc pensa isso: https://mulherescontraofeminismo.wordpress.com/2013/03/06/o-que-as-lideres-feministas-pensam-sobre-sexo-casamento-e-sobre-o-homem/

        ….as feministas olham de modo geral para a sociedade, não para indivíduos….

        Verdade. Isso nasce da origem marxista do feminismo. https://mulherescontraofeminismo.wordpress.com/2013/08/12/quando-as-gurus-feministas-defendem-o-comunismo/

        …o que o feminismo busca é tão somente a igualdade de liberdade entre homens e mulheres, para que todos tenhamos as mesmas possibilidades de progresso, realização e felicidade…..

        Isso foi pra rir???

      • “mulheres contra o feminismo”, em primeiro lugar, eu não tenho comandante. no movimento feminista (em que há figuras de exponencia, porém não de liderança no sentido de comando), há pessoas que eu admiro e cujo pensamento partilho. chama-se identificação de causa. a mesma que vocês que gerem e leem esse blog partilham entre si.

        dito isso, eu já li mais sobre feminismo, gênero e sexualidade do que essas frases soltas, fora de contexto, datadas de 20, 30 anos. li livros inteiros, artigos e teses inteiros, além do blog da lola, que foi pega pra cristo, coitada. 🙂

        a grande maioria desses enxertos que você destacou podem ser resumidos em uma causa, que não é a de que toda mulher deve ser lésbica, como vocês quiseram dar a entender. e sim que, no sexo, a mulher também deve ter suas necessidades satisfeitas. que, para a mulher, a penetração não é sempre suficiente. que ela deve ser estimulada, que também deve gozar.

        em um estupro, apenas o desejo do estuprador está em jogo. quando esses artigos foram publicados, o mesmo ocorria nas relações consentidas. ainda hoje, há muitos homens que acreditam que a obrigação da mulher é satisfazê-lo e a dele é sentir prazer. que sempre que ele tiver vontade, ela deve estar disposta e que a recíproca não é verdadeira.

        sobre o estupro em si, espero que se note que em diversos momentos a palavra foi usada em sentido figurado. “todos os homens são estupradores” vem seguido de “eles nos estupram com seus olhos, suas leis e seus códigos”. não dá para separar essas duas frases. e isso é verdade. os homens (leia-se, a sociedade machista) nos estupram (leia-se, violentam) sempre que nos enxergam apenas como um pedaço de carne andando na rua, que nos impõem suas normas, que não nos enxergam como semelhantes.

        e sobre o casamento, por favor, está claríssimo que o que se condena é o casamento como forma de dominação e com a ideia de propriedade, que qualquer pessoa que tenha feito até o ensino fundamental tem conhecimento da origem. sou feminista, quero casar, ter filhos, me dedicar aos meus filhos e conheço tantas outras (mesmo a lola é casada COM UM HOMEM, viu?) que são como eu. o que eu não quero é que apenas eu me dedique aos meus filhos. meu marido terá de ser igualmente responsável por educá-los e dar a eles carinho.

        e meu último comentário não foi para rir, não. foi para tentar me fazer entender. já que se a gente vai um pouco além do medíocre, alguém sempre acha um jeito de distorcer. 🙂

  4. O post disse tudo.
    Nao conhecia o app mas sabia que em alguns sites de redes sociais de adolescentes vc pode ficar “julgando” e dando nota ao outro, horrível.

  5. Achei ridícula a ideia. Tanto homem dar notas para mulher quanto o contrário na minha opinião é coisa de quem não tem o que fazer, porra, vá ler um livro, vai no cinema, mas ficar perdendo tempo para dar notinha e criar hashtags muitas vezes ofensivas, só para mostrar “olha, eu também posso ser fdp, eu tenho o controle, olha como eu sou independente nas minhas opiniões”, entre outros mimimis. As pessoas são diferentes, o que é bom pra mim não é o mesmo para outras. Claro que tem algumas que são elogios, mas mesmo assim, achei a ideia absurdamente infantil e mesquinha. Parece coisa de aborrescente desmiolada e quem usa essa merda são “mulheres” bem crescidinhas, e o pior, usam discursos do feminismo totalmente distorcidos (feminazis… eca!) para justificar o uso do aplicativo, para dizer que a mulher evoluiu e também tem direito de ser filha da puta como os “homens”, “pq se os homens podem nos julgar e dar notas, nós também podemos assumir isso”. Poxa, se o cara é um bosta, cria a vergonha na cara e fale diretamente pra ele ao invés de ficar expondo sua revoltinha sob a maneira mais covarde do mundo, o anonimato. E tem gente que acredita que o aplicativo pode mudar as pessoas. Sim, a pessoa vai receber uma hashtag #OlhaParaTodas e o cara não vai mais olhar pra mulher. Todo mundo que faça um uso mediano da massa encefálica sabe que a coisa mais difícil do mundo, quando se fala em relacionamentos, é querer mudar algo na pessoa, seja homem ou mulher. Não vai ser um aplicativo que vai nos fazer enxergar os “defeitos” e nos fazer mudar. Eu tenho a impressão de que as mulheres que usam esse tal de Lulu são aquelas que ainda acreditam em príncipe encantado, no #bonito, #fiel, #cheiroso, #amoreterno, #sempredebomhumor, #máquinadosexo, #sabecozinhar, #SóTemOlhosPraMim, #NãoBrochaNunca

    O pior, é tudo no anonimato, quanta covardia! Acredito que a sinceridade por mais que seja dolorida, é muito melhor que no anonimato. Vá viver a vida, jogar Candy Crush, fazer a unha, tomar cerveja, falar com as amigas! Tanta coisa pra se fazer, quantos aplicativos melhores por aí para passar o tempo de ócio! É muito melhor do que ficar se escondendo no anonimato através de um aplicativo que só nos mostra a capacidade do quanto o ser “humano” pode ser ridículo e vazio. Coisa de mu-lher-zi-nha,,,.

    C’est la vie!

    • Falou e disse tudo Anna Idris. Também acho que é coisa de mulherzinha adolescente sem ter o que fazer que acredita no príncipe encantado. O cara te magoou? Deixa o cara pra lá, pra que ficar perdendo tempo com ele? Saia com os amigos, vai paquerar, assistir um filme, ler um livro, chorar tudo o que necessitar mas ficar nessa de vinganzinha se rebaixando? Pra que isso? Depois o cara ta com outra mulher que nem ta aí pros seus tags muito mais feliz que vc é vc se remoendo ao invés de aproveitar a vida.
      Ridiculo e fiquei envergonhadíssima de ser mulher.

      • E mesmo se for usado pra dar nota 10 pro cara também é coisa de adolescente sem ter nada o que fazer dos tipo “olha so meu namorado é 10, muito melhor que o seu” parece aquela coisa de criança de “eu tenho vc nao tem” RI DI CU LO

  6. Comentario

    Se as mulheres ficarem falando mau dos homens com esse app, os homens vao se sentir no direito de falar mau delas tbm…

    Mas esse app e pouco comparado com esse blog de odio feminista: http://odeiohomens.tumblr.com/ pregando o exterminio literal de todos os homens, se fosse um homem que escrevesse isso das mulheres ja estaria preso, mas como foi mulher e ainda feminista, escrevendo dos homens, e permitido, as feministas sao todas cumplices nisso, senao denunciariam o blog de odio, imagine se tivesse falando dos negros, mas esta, fala de todos os homens, e inclui negros, gays e todos os outros…

    • caro diego,
      se você está incomodado com o tumblr por que você mesmo não o denuncia? acho que nós feministas temos causas bem mais importantes para lutar do que patrulhar blog femista por aí. vocês homens sempre com o mesmo argumento: MAS E NÓS? querido, vá à luta e pare de se achar o centro do universo só porque nasceu com um caralho. feminista não apóia o ódio ao homem, mas nossa luta é para combater o ódio contra as mulheres que, um segundo de reflexão, e você descobre que é infinitamente superior, mais difundido e sorrateiramente incorporado ao cotidiano. denuncie esse tumblr e se dispa você mesmo do seu ódio contra nós, mulheres que não aceitamos seu ódio, mas nem por isso odiamos você.

    • caro diego,
      se você está incomodado com o tumblr por que você mesmo não o denuncia? acho que nós feministas temos causas bem mais importantes para lutar do que patrulhar blog femista por aí. vocês homens sempre com o mesmo argumento: MAS E NÓS? querido, vá à luta e pare de se achar o centro do universo só porque nasceu com um pênis. feminista não apóia o ódio ao homem, mas nossa luta é para combater o ódio contra as mulheres que, um segundo de reflexão, e você descobre que é infinitamente superior, mais difundido e sorrateiramente incorporado ao cotidiano. denuncie esse tumblr e se dispa você mesmo do seu ódio contra nós, mulheres que não aceitamos seu ódio, mas nem por isso odiamos você.

  7. Acabei de ler sobre o app (na própria pagina deles mesmo) e simplesmente fiquei HORRORIZADA. Entao estao tratando aos homens como pedaços de carne…. Dando nota se a bistec é mais apetitoso ou nao… Isso me lembra uma vez que fui a uma agencia de casamento e havia um catálogo com a foto dos caras suas qualidades e defeitos e o que eles esperavam da mulher dos sonhos deles (maioria uns normalzinhos querendo mulherões) nessa hora eu me senti um fazendeiro comprando gado e quando pediram para que eu deixasse a minha foto para ser avaliada por “possíveis pretendentes” me senti uma prostituta, dei meia volta e nunca mais voltei

    Horrível!

  8. Eu vi a reportagem sobre esse aplicativo que passou no Jornal da Globo e a mulher que inventou isso (provavelmente é feminista) disse que não vai haver versão pra homens, ou seja, sexismo.

  9. rita

    vcs dizem lutar contra a objetificação das mulheres mas acham o máximo essas funkeiras que se apresentam semi nuas,muita coerência… elas mesmas se colocam como um pedaço de carne,tem centenas de cantores de verdade(pq nem cantar bem elas cantam),que se apresentam vestidos.
    já viu funkeiro se apresentando sem camisa com uma sunga enfiada no rabo?eu nunca vi.
    a super exposição do corpo da mulher só ajuda a nos tornar em objetos.
    vcs feministas são muito hipócritas,cansei de ver vcs alegarem que lutam por TODOS,agora vc vem e diz q é só pelas mulheres,vcs se vitimizam sempre,todo erro q a mulher comete ,ela nunca é a culpada,para vcs praticamente todos os homens são estupradores.
    e vcs só respeitam quem concorda com todas as suas asneiras cegamente.

    • não, suelen. feministas lutam por mulheres, cis ou trans. obviamente, em coerência com o pensamento de uma sociedade igualitária, apoiamos também as causas de outras minorias, como homossexuais, negros e pessoas de baixa renda. contudo, cada minoria tem o seu movimento. o feminismo é o movimento pelas mulheres. não é muito difícil entender.
      não acreditamos que todos os homens são estupradores. isso não faz o menor sentido. acreditamos que a sociedade (homens e mulheres) oprimem e violentam a mulher e o estupro é mais uma forma de violação. agora o que nós acreditamos é que sempre que um estupro acontece a culpa é do estuprador, nunca da vítima, seja esta homem, mulher ou transexual. parece bem lógico não, é? mas o senso comum sempre vai buscar justificativas para o estupro (tamanho da roupa, ebriedade, reputação) quando a justificativa é apenas uma: a permissividade resultante da ideia de que o corpo do outro pertence ao desejo do ser dominante, em quase 100% dos casos, um homem (pode conferir estatísticas).
      nós não respeitamos só quem concorda conosco cegamente. tanto que dentro do próprio feminismo há discordâncias. há, por exemplo, feministas que acreditam que os homens simpáticos à causa devem manter-se como coadjuvantes na luta, afinal esta é protagonizada pela mulher e pode passar a imagem de que a luta só vale a pena porque existe homens apoiando. outras feministas acreditam que as vozes podem gritar no mesmo tom, contanto que gritem.
      qualquer debate sobre o movimento, qualquer questionamento de ideias é bem-vindo. estou aqui respondendo a você não é à toa. o que as feministas, logicamente, não aceitam é a deturpação do que propomos, como por exemplo dizerem que não queremos a igualdade de gêneros. a luta toda é baseada nesse princípio. também não é por acaso que justo ele é atacado, compreende? destruindo nosso princípio básico o movimento se enfraquece. por isso, temos que retrucar. e essa situação é muito corriqueira. algumas pessoas talvez não tenham tanta paciência e sejam mais grosseiras. eu compreendo. mas ando muito zen ultimamente e bem, estou aqui tentando desconstruir o mito da bruxa má.
      é sobre a objetificação que você discorda, certo? deixa ver se consigo ser didática. um objeto é algo passivo, está ali apenas para realizar o desejo do outro. é assim que a mulher tem sido retratada há várias décadas. algumas, são usadas para o desejo sexual. outras, para o desejo da esposa perfeita, mãe, dona de casa e casta. a mulher só tem o direito de erotização quando é conveniente ao sexo masculino. quando as feministas defendem uma funkeira ou qualquer outra mulher que não reprime sua sexualidade, o faz porque é a voz dela que está sendo ouvida. ela é ativa, não é o objeto. ali, é o desejo dela, não do outro que importa. isso é um empoderamento feminino, uma libertação da opressão.
      você nunca viu um funkeiro se apresentando sem camisa (que tem muito, aliás) e com a sunga enfiada no rabo porque esse não é o papel dele na sociedade atual. ele está cantando que vai foder a novinha, ele tem que ser másculo, ele é o pegador, não a presa. ele nunca vai ser a presa. só que advinha só! a funkeira que a feminina defende também não é a presa. ela diz: “eu tenho esse corpo, mas ele é meu. eu decido como vou usá-lo”.
      o feminismo não diz que todas as mulheres devem expor o corpo e fazer sexo com dezenas de homens, mas que elas podem fazer isso SE ELAS QUISEREM. assim como os homens hoje em dia fazem se eles quiserem. tem homens mais retraídos, tem homens mais atirados. mas ninguém impõe como eles devem ser. isso depende da personalidade de cada um. o feminismo defende que com a mulher o princípio deve ser o mesmo. ninguém, se não a própria, tem o direito de decidir sobre como ela deve se portar.
      isso também não significa que o feminismo defende uma sociedade promíscua, sem moral ou valores. então só cabe a mulher reprimindo seus desejos manter a sociedade nos trilhos? isso não faz o menor sentido. o mundo não vai desandar porque a mulher é livre. vão continuar existindo pessoas retraídas e liberadas e tudo bem. mas todos fieis às suas respectivas essências.

  10. eu mesma vi no blog da lola,várias feministas dizendo que quase todos os homens são estupradores,várias vezes que postei algo discordando delas meu comentário n apareceu e quando aparecia era só para elas dizerem que eu não era mulher,devia ser homem e mascu e em outros elas dizendo o que eu deveria pensar,tá bem claro que só respeitam que concorda com tudo que vcs dizem.

    várias provas de que feminismo é machismo ao contrario,como dois post que li,um de um homem e o outro de uma mulher como o mesmo comportamento psicótico e agressivo com o parceiro.
    o resultado do post sobre o homem= piscopata que vai matar a namorada em breve, o da mulher= coitadinha que só precisa de um pscicólogo e remedinho para se acalmar.

    e quanto a roupa curta,n tem jeito,vc pode achar o máximo,para mim continua sendo exploração do corpo da mulher.
    essas funkeiras n tem o minimo de talento,acha mesmo q estariam na midia se cantassem vestidas? é como essas “ajudantes de palco’ que só servem para mostrar o corpo e as geyse arruda da vida,que se n for exibindo o corpo n aparece na midia.
    sem talento nenhum,é isso que sobra para elas,servir de pedaço de carne para os homens.

    • não digo amém pra tudo que lola acredita, embora a respeite muito como feminista e a ache coerente a grande maioria das vezes. também não vi esses comentários, não sei o contexto e nem nada mais. mas até onde eu tenho conhecimento, para o feminismo, relacionamento abusivo será sempre um relacionamento abusivo. seja quem for o abusador, ele precisa de punição e a vítima de assistência. a grande questão é que o feminismo não existe para patrulhar relacionamentos, entende? ele existe para dizer a mulher: não tema, não se permita ser abusada, você não merece. relacionamentos abusivos são apenas uma das vertentes do machismo, que são inúmeras.
      também não acredito que alguma feminista tenha dito que todo homem é estuprador. isso é muito absurdo. é impossível alguém dizer isso. feminista tem pais, irmãos, filhos, amigos, namorados que elas sabem que não são estupradores, jamais pensariam nisso. o que pode ter sito dito é a sentença ao contrário: TODOS OS ESTUPRADORES SÃO HOMENS. não é uma verdade absoluta, porque não há registro de todos os casos de estupro do mundo. mas a quase totalidade dos dados de estupro registrados apontam que os estupradores eram do sexo masculino, mesmo quando a vítima era um homem (o que ocorre principalmente em crimes contra homossexuais e em situações de guerra). veja que o contrário não é verdadeiro. NÃO SÃO TODOS OS HOMENS QUE SÃO ESTUPRADORES.
      exploração pressupõe alguém tirando vantagem de outro alguém ou algo. um programa de TV com mulheres nuas rebolando é, sim, exploração do corpo feminino. aquelas mulheres só estão lá para garantir o prazer da audiência masculina. não têm nenhuma outra função. mulheres-frutas também são objetificação. elas estão lá para servir o desejo sexual masculino. valeska popuzuda tem uma postura completamente diferente. como expliquei antes, o corpo à mostra dela, o discurso sexual manda uma mensagem completamente contrária: “eu não estou aqui para satisfazer os homens”. é preciso olhar criticamente e separar as coisas. não dá para colocar tudo no mesmo pacote. as feministas vão além do corpo e pensam na mensagem.
      sobre as roupas, o que o feminismo diz é uma coisa muito simples: não importa como uma mulher esteja vestida, isso não dá direito a nenhum homem de assediá-la. geisy arruda não é exemplo pra ninguém, mas ela não merecia ser praticamente linchada porque estava com um vestido curto. por que as pessoas se sentem no direito de fazer isso com uma mulher? se pergunte: se fosse um homem naquela faculdade, caminhando pelos corredores só de cueca, as pessoas iriam se juntar para linchá-lo? certamente não. algum incomodado poderia até chamar um segurança, solicitar que o rapaz se retirasse, mas tenho certeza absoluta que não seria usada violência. então, certamente, a questão vai além de um pouco mais de corpo à mostra.
      por fim, apenas alguns motivos de porquê o feminismo não é o machismo ao contrário. o feminismo não diz que uma mulher pode se juntar com todas suas amigas numa esquina e gritar para um cara o quanto ele seria bem vindo na cama de todas elas; ele não diz que o homem que anda sem camisa está pedindo para ser estuprado. ele não diz que homem limpo é aquele que depila as costas e o peito, também não diz que um homem pra ser bonito tem que ter barriga tanquinho. o feminismo não diz que se um filho/filha faz algo errado a culpa é do pai, que é o responsável por lhe dar educação. o feminismo também não diz que é bacana fazer festa em que homem paga meia-entrada ou ganha clone de bebida porque aí vai ter muito homem e todos facinhos pra mulherada se esbanjar. o feminismo não diz que homem direito é aquele que só transa pra fazer filho – e no escuro, por favor! o feminismo não diz que homem não sabe cozinhar ou que é uma vergonha receber ordens de um homem no trabalho… poderia escrever bem mais coisas, mas não quero encher o saco tanto assim.

      • Falar que todos os estupradores são homens é de qualquer forma mais uma falacia do feminismo (http://edition.cnn.com/2013/10/09/living/chris-brown-female-on-male-rape/ entre outros casos), o que acontece é que muitos casos em que as mulheres são as autoras de estupros são subreportados já que que ninguem acredita que um homem poderia ser forçado a ter relação com uma mulher.
        O feminismo usa de dados falsos e tendenciosos para criar varios de seus “argumentos”, muitos dos quais já foram derrubados ( para uma explicação mais detalhada você pode procurar por videos e depoimentos de varias pessoas sobre o assunto http://www.youtube.com/watch?v=bdCj-nf-izY, deixo também um link interessante de um video com um depoimento interessante sobre o feminismo http://www.youtube.com/watch?v=sTD1Vp3Zv28).
        No mais passar bem

      • jamilson, ainda não tive tempo de analisar seus links. mas irei fazê-lo. enquanto isso, se lhe interessar, leia os outros comentários e entenda que a sentença não significa que todos os estupros são cometidos por homens. eu digo isso no texto acima, mas não desenvolvo. em outros comentários nessa página, explico um pouco melhor a ideia.

        passar bem você também. até.

      • ok, conferi o material com a maior boa vontade do mundo.
        sobre os estupros, qualquer pessoa com um mínimo de bom senso jamais poderá dizer que apenas mulheres são vítimas de estupros e que apenas homens são estupradores. isso é fechar os olhos para o básico do mundo de que toda generalização é burra. embora eu acredite que os estupros masculinos demandem atenção e que os homens que passam por esse trauma devem receber assistência tanto quanto as mulheres, isso não me faz ser menos crítica quanto à situação quanto um todo. nessa matéria, a estatística não poderia ser mais clara: 1 em cada 5 mulheres são estupradas, enquanto o número de homens é de 1 em 71. nesse número (1 em 71), ainda estão mixados estupros praticados por homens e mulheres. então alguém vir me dizer que minha luta para acabar com o estupro de mulheres diariamente no mundo inteiro é perpetuar um mito, sinceramente, é ser muita cara de pau. e antes que se comente que a maioria dos estupros cujas vítimas são homens não são relatadas porque não são consideradas estupros, aqui vai uma novidade: grande parte dos estupros cujas vítimas são mulheres também não são relatados, porque se o estuprador é namorado ou marido, não é estupro, o sexo é obrigação. porque para uma mulher não é menos humilhante do que para um homem contar um trauma numa delegacia só porque a sociedade não nos diz que a gente tem que ser macho alfa.
        e os vídeos do youtube, meu deus, não dá nem pra levar a sério como levei essa matéria, apesar de nos comentários dela a maior preocupação dos homens não ser de que estupros acontecem com eles também, mas que uma mulher pode se aproveitar deles para engravidar e depois cobrar a paternidade. uma pessoa vir dizer que as mulheres trabalham mais em casa, mas os homens trabalham mais fora para contra-argumentar as ideias do feminismo é dar um tiro no pé, no mínimo. claro que isso é verdade, cara pálida!!!! o feminismo diz isso o tempo todo e é justamente isso que tenta mudar. aí depois outro argumento genial: “os homens são maioria das vítimas de violência”. e que disse o contrário? agora quando se trata de “VIOLÊNCIA SEXISTA” que é o mote do feminismo, me diga quantos homens são mortos só porque são homens? e o argumento do racismo de negros que matam negros foi a coisa mais estúpida que ouvi nos últimos tempos. ô, meu querido, por acaso esses negros que se matam na violência cotidiana, se mataram por que tinham desprezo porque o outro era negro ou em decorrência de violência social, crime, que vocês adoram se regojizar porque bandido que mata bandido é ótimo? uma dica: a resposta não é a primeira opção. o homicídio de negros é considerado racismo porque a sociedade é preconceituosa e não permite que esses negros saiam da miséria, empurrando-os para uma vida violenta, e não porque o assassino também era negro. e essa feministas idiotas que não lutam para que vocês não sejam obrigados a se alistar no exército, hein? será que elas não lutam por isso porque têm milhares de outras causas mais urgentes e porque nada impede vocês de se unirem e lutarem a favor dessa causa e tantas outras que julgarem necessárias no lugar de ficar inventando motivo para desmerecer o feminismo o tempo todo? aí coloca um vídeo de uma outra cabeça de vento dizer que a sociedade tem o senso comum de que qualquer pessoa é mais importante que o homem por conta do SUPER MACHISTA DITADO DE “crianças e mulheres primeiro” (porque, óbvio, são incapazes). ai não dá pra assistir mais do que dois minutos, né?
        queria mesmo levar essa discussão a sério, mas com isso que vem sendo apresentado, confesso que tá bem complicado manter a postura crítico/argumentativa. mais priduência na alopração, por favor.

      • Acha a Lola coerente? hahaha. Feminista sabe o significado desta palavra (assim como de realidade??

        A Lola defendeu o Netinho (que bate em mulher) por ele ser de esquerda e negro. A mulher defendeu estuprador e estupradora por algum outro motivo feminista etc.

        Feminista desconhece o significado de ser coerente e de realidade.

        Quer depois falar de argumento rsrsrs

        Piada rsrsrsrsrs

  11. Adorei o app,agora engulam o próprio veneno homens!
    Sempre julgam a mulher por tudo,aparencia,comportamento,dai mulheres fazem o mesmo e eles ficam putinhos?kkkkkk hipócritas

  12. a sua resposta rita ,mostra a desonestidade das feministas,eu e outra pessoas vimos feministas dizendo que TODOS OS HOMENS SÃO ESTUPRADORES EM POTENCIAL, se vc n pensa isso,que bom,mas agora querer dizer que nenhuma feminista acha isso e que nós é que entendemos errado é demais.
    é aquela história de que mulher nunca erra e nem faz merda,provavelmente vai dizer q isso foi escrito por homens,esse é o costume de vcs ,no fim tudo é culpa deles.

    • dizer que é EM POTENCIAL não é o mesmo que dizer que é. dizer que todos os homens são estupradores em potencial significa dizer que, enquanto se defender a ideia de que o desejo do homem é imperativo, que ele é um animal que não consegue controlar seus extintos, que se a mulher anda com saia curta em uma rua escura ou pouco movimentada ela tá “pedindo para ser estuprada” ou que se ela bebe demais ou convida o homem para sua casa depois não pode reclamar se ele não aceitar um “não” como resposta, todos os homens poderão, sim, se sentir seguros – e até mesmo certos – para praticar atos de violência contra a mulher. não significa dizer que eles vão praticar. EM POTENCIAL não pode ser eliminado da frase. isso é uma deturpação de discurso.

  13. ”é aquela história de que mulher nunca erra e nem faz merda,provavelmente vai dizer q isso foi escrito por homens,esse é o costume de vcs ,no fim tudo é culpa deles.”

    Suelen, certa vez eu estava em uma discussão no blog de Lola sobre estupro. Uma feminista histérica falou que eu era um burro que não entendia nada de estatística, que a maioria dos estupros acontecia em casa.

    Eu refutei dizendo que ela está certa, só que ela não falou que as estatísticas também dizem que em muitos casos A MÃE,TIA,AVÓ ETC…. DA VITIMA TEM CIÊNCIA DOS ABUSOS E NÃO FAZ NADA!!!

    Agora, eu te dou um doce se vc adivinhar o que aconteceu com o meu comentário??? A resposta está certa se vc pensou na opção CENSURADO!

    Hoje infelizmente eu li uma noticia na globo.com que me fez desacreditar na humanidade. Uma ”mãe” vendeu a virgindade da filha de 9 anos por 50 reais!

    • Vou esperar o doce pq eu acertei kkkkk com certeza a culpa dessas mulheres q sabem do abuso e n falam nada é dos homens…
      É o vitimismo sem fim, n sei como n te chamaram de mascu.
      De quem será a culpa dessa mãe vendendo o corpo da filha? Nem preciso dizer q vc já sabe.

      • Vc é homem hyoga? Agora li direito q elas te chamaram de burro.então esquece a parte delas n terem duvidado que vc seja mulher .mas comigo isso aconteceu várias vezes como n concordava com elas só podia ser homem.

    • hyoga, não faço a menor ideia do motivo por terem censurado seu comentário. mas já que ele não foi discutido lá, eu o faço aqui.

      se a mãe, a tia, a avó, etc não fazem nada contra esse abuso, isso é apenas mais um sintoma do machismo. não o fazem por medo, por vergonha, pela ideia propagada de que a culpa é da vítima, não do estuprador. se o abuso aconteceu, certamente a mulher fez algo para merecê-lo. mulheres são vítimas e algozes da sociedade machista. nenhuma feminista diz o contrário. o que nós queremos é, justamente, que elas não sejam mais nem uma coisa nem outra.

      • Rita, eu sei que isso que eu vou falar agora vc vai negar até a morte, mas os fatos estão aí e provam que eu não estou mentindo, vamos lá: Vocês feministas defendem o fim do preconceito conta a mulher,homossexuais,transexuais etc… Até aí tudo bem, vcs estão certas. Mas acontece que vcs TEM PRECONCEITO COM HOMENS, ESPECIALMENTE SE ELE FOR HETEROSSEXUAL. É claro que vc não vai admitir isso, mas basta analisar friamente o discurso de suas colegas ideológicas (inclusive de Lola) e vera que eu não estou mentindo.

        Vcs dizem que existe a cultura do estupro, onde se a mulher for estuprada a culpada é a vitima que estava com roupa curta que ”estava pedindo” e a sociedade condena a mulher.

        Agora por que vcs não dizem que o principal grupo QUE NÃO TOLERA ESSE TIPO DE CRIME SÃO OS HOMENS? Por que vcs se calam diante desse fato?

      • eu acho muito compreensível essa ideia de que feminista tem preconceito com o homem porque sempre que se fala do homem em nosso discurso é para apontar o que ele faz de errado, que é o que queremos mudar. mas isso não significa que acreditemos que o homem não faz nada certo. acontece que em um movimento você precisa estabelecer metas e lutar por elas. por exemplo, quando as pessoas vão protestar contra um governo na rua, elas não dizem: “os salários dos concursos públicos são bacanas, o desemprego caiu, a divida externa foi extinta, a economia está estável, mas a gente não tem hospitais decentes e ensino público qualificado”. elas dizem: “queremos escolas e hospitais!!!”. entende? isso não significa negar todos os benefícios do governo, mas para conseguir a mudança é preciso focar no que precisa ser modificado.

        o mesmo ocorre do discurso feminista. precisamos mostrar que a sociedade oprime, sim, a mulher até os dias de hoje, em decorrência da visão machista. muitas pessoas acham que o feminismo só tinha razão de ser no passado, agora mulher vota, pode trabalhar fora de casa, tá ótimo. e não é assim. precisamos mostrar que a gritante maioria das vítimas de violência doméstica são mulheres, que nossos salários continuam mais baixos, que nosso corpo continua a mercê da opinião dos outros e não da nossa, que nossos direitos continuam esbarrando nos limites do patriarcalismo. se você enxerga apontar essas disparidades como um preconceito contra o homem heterossexual, então infelizmente não posso fazer nada. mas afirmo que não, não há preconceito contra a figura do homem heterossexual. há uma luta para acabar com o que ela representa quando posta como norma de conduta para as demais figuras da sociedade que vivemos.

        sobre o estupro, é senso comum da sociedade que o estupro é mal visto pelos homens. que pais mandam matar o estuprador; que este, quando é preso, vira a “mulherzinha” (é justamente essa a palavra que usam) na cadeia. contudo, também são os homens que estupram. parece paradoxal, mas não é. essa revolta é menos pela solidariedade à vítima que pela ideia de posse de outro homem sendo violada. e esse é o problema. enquanto tudo for julgado pela ótica masculina, a violência contra a mulher não terá fim. os estupros não param porque cobiça é muito mais perdoável na nossa consciência que violentar, mantar. e na cabeça desses homens o que acontece é justamente apenas sucumbir ao olho grande sobre a mulher alheia, um mero corpo passando na rua. se você não concorda com essa explicação, mostre-me outra. porque transtorno mental exclusivo de homens é que eu não acredito que seja.

  14. Pingback: Como se livrar do Lulu ou do Tubby? | Mundo em Pauta - Rafael Junqueira

  15. mas vcs atribuem o “estuprador em potencial’ exclusivamente aos homens,então dá no mesmo,estão dizendo q ser estuprador é característica masculina, mas na realidade onde vcs n vivem ,mulheres também estupram,matam,roubam,traficam…
    nunca vi feministas dizendo que existem estupradoras em potencial e n tem como saber se mulheres estupram menos pq isso nem é muito divulgado.
    alias nem é considerado estupro,se a mulher forçou a barra e transou com o cara ou até ameçou e esfaqueou para ter sexo(já vi uma noticia dessa)ele devia estar é feliz,porque nem foi estupro,o cara só se deu bem,isso sim é culpa do machismo que diz q homem de verdade tem que pegar todas e se n faz isso é chamado de gay.

    • Essa Rita é louca, não é tudo mundo que acha que a culpa do estupro é da mulher, tem gente que acha isso mas também tem muita gente que não acha, tanto que os estupradores são os que mais sofrem na cadeia

      • nayara, peço que leia atentamente todos os meus comentários acima. inclusive, comentei esse argumento da prisão.

    • Sim Gisele eu sou homem. Apesar de o nick parecer ser de mulher. Eu escolhi esse nome pra homenagear o meu primeiro herói de infância o ‘Hyoga de Cisne’, do anime Cavaleiros dos Zodiaco.

      Olha, pelo que eu pude perceber a dona daquele blog se recusa acreditar que existem mulheres que são contra o feminismo. Para ela o blog ‘odeio homens’, e grupos de mulheres que se juntam na internet, se posicionando contra o feminismo, na realidade são homens, os ”mascus”, como ela chama.

      Lá vc só tem duas opções: ou vc está por mim (e concorda com tudo que elas falam, e é uma pessoa ”descolada”) ou está contra mim (não concorda com as asneiras que elas falam e é um mascu ou reaça).

      Lá não existe liberdade de expressão. É um blog de uma pessoa manipuladora e tendenciosa.

      • eu via esse anime quando era criança,mas nem lembrava dos nomes e é assim mesmo com as feministas,concorde comigo ou cale a boca,vc deve ser homem,mascu,racista,homofóbico e está cheio de ódio no coração kkkkkkkk

      • eu nem comento mais nada lá,quando eu concordava com o que elas diziam meu comentário aparecia,quando n concordava era ignorada e quando deixavam aparecer,era só para dizer q eu era homem ,pq mulher de verdade tem que pensar exatamente como elas.
        e elas ainda tem a cara de pau de continuar dizendo que lutam por respeito e tolerância para todas as pessoas.

      • a palavra “mascus” vem de uma corrente chamada “masculinismo”, que acredita justamente que existe uma campanha anti-homens levantada pelo feminismo e que prega atitudes violentas contra a mulher para por fim a esse levante feminino.

        mas essa campanha anti-homens dentro do feminismo NÃO É VERDADE! talvez falte informação, eu realmente não entendo essa confusão sem fim.

        existe um movimento formado por mulheres que procuram acabar com o machismo por meio da inversão da lógica do patriarcado e construir uma sociedade matriarcal. esse movimento é chamado FEMISMO, não FEMINISMO. ele é infinitamente menor que o feminismo e, inclusive, menor que o masculinismo.

        talvez seja por isso que para Lola seja tão difícil entender que existe mulheres contra o feminismo, como você diz. eu nem acredito disso, porque com a formação que Lola tem, ela deve estar cansada de saber que tem muitas mulheres que acreditam que feministas são bruxas más que querem acabar com a família, a moral e os bons costumes.

        contudo, fingindo que a gente não sabe que essa visão contrária ao feminismo é justamente decorrente do machismo diluído em tudo no nosso cotidiano, é meio perturbador de entender como uma mulher pode ser contra o feminismo que só prega liberdade para o oprimido (a mulher) e para o opressor (o homem), ambos acorrentados ao machismo dos pés à cabeça.

        para vocês que acham que o feminismo é tudo de ruim no mundo, uma pergunta: vocês acreditam que a sociedade está bacana como tá? que nada precisa ser feito? que homens e mulheres gozam do mesmo direito? se não, que tudo vai se resolver sozinho? se não, o que vocês propõem? eu sinceramente não entendo. desqualificar um movimento que tem séculos de tradição, que só trouxe frutos positivos, que renova suas causas, mas não os seus princípios e não propor nada em troca. só criticas, sem soluções. para mim, não faz sentido. prefiro acreditar que falta informação mesmo. que vale a pena gastar meu tempo e meu juizo sendo chamada de louca em sites como esse para tentar debater e 1) ou entender como vocês pensam ou 2) vocês entenderem como nós pensamos. porque do jeito que as coisas estão é de perder a fé na humanidade mesmo e juro que não quero isso.

    • suelen, mulheres também podem estuprar, sim. mas isso é irrisório se comparado ao número de homens que estupram. assim como a grande maioria dos caras que já transaram a força não contam, a grande maioria das mulheres também não contam. sexo é tabu na nossa sociedade, por mais que tente se dizer e mostrar o oposto. e, mesmo quando se sabe dessas falhas de coleta de dados, o número de mulheres e homens estuprados por homens é infinitamente superior, então não há como reverter o quadro. é como em uma pesquisa por amostragem. embora não se tenha acesso ao todo, as partes analisadas o representam (sondagem sobre votos em eleições, por exemplo).
      então o que se pode fazer diante disso, que é um fato, é tentar entendê-lo. por que os homens são mais propícios a cometerem estupros? você pode responder como quiser. o feminismo acredita que isso é decorrente da cultura machista. eu, particularmente, vejo todo o sentido nisso. estou aberta, contudo, a uma outra visão. só não fui apresentada a ela até hoje, no alto dos meus 25 anos.
      concordo que homens também são vítimas do machismo. o feminismo diz isso o tempo todo. assim como também há mulheres machistas. é muito difícil na cabeça de vocês entenderem isso, porque vocês enxergam uma batalha entre homens x mulheres, quando na verdade é uma batalha entre mulheres e homens simpatizantes x machismo (de homens e mulheres, da sociedade como um todo).

      • Sobre o masculinismo. Apesar de eu não fazer parte nesses grupos de homens na internet, eu sei de toda (ou quase toda) historia deles, pois eu acompanho a muito tempo. Te pergunto: Vc procurou saber a fundo sobre esses grupos ou se baseou pelo que a Lola fala?

        Sim, porque pela característica que vc deu sobre eles no teu comentário, quem age assim com atitudes violentas são os ”sanctos” e não esses outros grupos de homens.

        Olha Rita, mesmo sem perceber vc a todo momento está confirmando o que eu falo, que vcs sim tem preconceito contra os homens.

        Quando vc fala a palavra ”MACHISMO”, vc está querendo associar essa palavra a algum ruim. Machismo vem de macho, logo se alguém me chamar de machista eu como homem não vou achar ruim. Pra mim o certo seria SEXISTA.

        Pela logica que vcs usam um branco que tem preconceito contra negros, não está sendo ”RACISTA”, está sendo ”BRANQUISTA”. Os negros sofrem por causa da ”SOCIEDADE BRANQUISTA”. E não, não faz muito sentido né colega? O mesmo vale pra palavra ”MACHISMO”.

        Por mais que vc diga que a mulher é a ”oprimida da historia e o homem o opressor”, as estatísticas provam o contrario. O homem é o que mais sofre de depressão e o que mais comete suicídio no mundo, se não me engano só perde em números de suicídios femininos pra China.

        HÁ, já sei o que vc vai falar, que isso ocorre porque o homem ”também é vitima do machismo”. Bom, eu posso falar como homem que o ”machismo” não me afeta em nada, o que me afeta é a hipocrisia (principalmente vindo de suas irmãs ideológicas).

        Agora, infelizmente eu tenho que concordar com vc: os homens são a maioria dos estupradores, isso é um fato! E também concordo que é preciso entender e discutir esse fenômeno, SÓ QUE SEM PRECONCEITO PRA QUEM TEM OS CROMOSSOMOS XY.

        Muitos psicólogos dizem que muitos homens estupram, porque ele tem algum problema como disfunção erétil, complexo de inferioridade etc.. esses homens não conseguem enfrentar esses problemas, e fazem essas loucuras como forma de desespero.

        Primeiro, é preciso entender que esse tipo de crime infelizmente existe e sempre vai existir! O que eu defendo é que se os pais,professores,amigos etc.. perceberem algum de errado com os meninos seja no caráter,autoestima etc… Essa criança seja encaminhada para psicólogos para passar por tratamento, e principalmente TENHA O APOIO DA FAMÍLIA QUE É A BASE DE TUDO!

        Se fizerem isso pelos nossos meninos quando pequenos, pode ter certeza que a violência física e sexual contra as mulheres não vai acabar, MAS VAI SER REDUZIDA PELA METADE OU ATÉ MAIS!

        Olha Rita, confesso que a tua idade me surpreendeu(eu sou mais novo que vc em 1 ano). Eu pensava que vc era uma mulher de meia idade. Se expressa super bem e tem ótimos argumentos, e não é uma feminista histérica.

        Mesmo assim eu considero um debate com vc algum infrutífero, por dois motivos:

        1- Eu já acompanho esse blog a um bom tempo, e já pude perceber que o publico alvo desse blog SÃO AS MULHERES. Não que os homens não possam comentar aqui não é isso. Mas eu prefiro ficar de camarote só assistindo o debate de vcs mulheres. As que são contra e as que defendem o feminismo.

        2 – Eu já me meti em muita discussão com feminista. Eu tenho certeza que eu não vou conseguir mudar tua forma de pensar E TÃO POUCO VC VAI MUDAR A MINHA.

      • hyoga,

        eu não sei tanto sobre o masculinismo quanto sei sobre o feminismo porque tenho menos literatura a respeito, mas sei o suficiente pra conseguir argumentar contra o movimento. a violência a que me referi acima não era necessariamente física (embora a possível confusão nem seja significativa, sendo os sanctos uma derivação extremista do masculinismo com a diferença de planejar/usar ações diretas como ameaças a expoentes dos movimentos feminista e de defesa LGTB). me referia à conotação que o movimento tem aqui no brasil mesmo, que até onde tenho conhecimento não vai além de difamar mulheres e feminismo, seja porque as acham perigosas, seja porque as acham indefesas (que contradição louca!). apoiaria com o maior prazer um movimento organizado pelos homens que se centrasse em reivindicar os direitos deles, como fim do alistamento obrigatório ao exército ou o privilégio de guarda da criança para a mãe quando de uma situação de divórcio. aliás, se você acompanha mesmo o feminismo, deve saber que feministas colocam em suas pautas reivindicações como ampliação da licença paternidade, por exemplo. é o que dizia o velho freire: ao se libertar o oprimido, se liberta também o opressor. uma sociedade igualitária, ao menos no mundo das ideias (ai, platão, como te entendo!), seria o melhor para todos.
        mas, ao contrário, os mascus não levantam por aqui nenhuma bandeira a não ser a do ódio e vitimismo (justamente as que nos acusam de levantar, sem nenhum argumento que se segure em pé a respeito). então, bem, não tenho nenhum respeito por mascus e seus derivados aqui pelo brasil. não debato com mascus, eles não estão dispostos. para mim, a única maneira de manter minha serenidade é ignorando-os.
        quanto ao machismo que você questiona, é necessário entender que o termo vem de séculos atrás e já está cristalizado. entendo que te incomode, mas acredito que nesse caso é a mesma coisa que falar chiclete no lugar de bala de goma, é tudo seis por meia dúzia. o que importa é o que se prega quando se fala de machismo referindo-se ao privilégio sexista conferido ao homem pela nossa sociedade. o que combate o feminismo não é a figura masculina e tampouco se prega que homem é sinônimo de tudo que não presta. o que se combate é o reflexo dessa postura de macho (de preferência alfa) no seu extremo sexual (a mulher) e nas relações sociais. quanto ao racismo, na verdade esse termo me incomoda mais ainda. porque ao se falar de racismo, presume-se imediatamente a raça negra, sendo que esta raça somente uma entre milhares. que pena, não é? ao menos em termos de sexo só temos masculino e feminino, pelo menos oficialmente.
        sinto muito, hyoga. mas tenho que dizer que o sofrimento masculino é, sim, decorrente do machismo. os homens morrem mais que mulheres em confrontos, porque prega-se que eles que devem ir à luta, seja em guerras, seja no tráfico, seja na polícia militar. os homens morrem mais em acidentes de carro, porque prega-se que eles são invencíveis e devem impressionar uns aos outros indo até o limite de velocidade. os homens entram em depressão porque eles são incríveis, não podem falhar, não podem contrair dívidas, não podem deixar faltar o sustento da família, não podem ser vistos por aí depois de tomarem um pé na bunda, pior: não podem conceber como a mulher se atreveu a não lhe querer.
        eu acredito piamente que seja um desvio psicológico ou alteração do quadro psíquico (via drogas, por exemplo) que cause o estupro, se não todos os homens estariam mesmo mandando a ética para as cucuias estuprando por aí, como alguns disseram aqui acreditarem as feministas. mas a minha pergunta é: por que os homens estão tão mais suscetíveis a esse desvio?
        agradeço o elogio a minha escrita. como disse anteriormente, antes de me dizer feminista, mergulhei de cabeça no que era o movimento. estudei tudo sobre ele, prós e contras. sou graduada em jornalismo e tenho mestrado na área de gênero e sexualidade. meu estudo foi mais sobre sexualidade do que gênero, mas a bibliografia a que tive acesso foi bastante enriquecedora. não formo minhas opiniões por meio de leituras do blog da lola, embora volte a dizer que a admiro demais e, salvo rara exceções, tendo a concordar com as coisas que ela escreve. acho o blog dela importantíssimo para o feminismo no brasil e como fórum de discussão, já que se você observar por lá, os comentários são ainda mais proveitosos que as próprias postagens (que também são escritas por convidados, vez ou outra, dinamizando ainda mais as temáticas e visões).
        dito isso, é justamente por esse meu último argumento que vim aqui nesse blog. descobri meio sem querer, tentando entender essa loucura do ‘lulu’, e achei campo fértil para discutir ideias. justamente porque ele é voltado para as mulheres. quero entender o que elas veem de errado no feminismo. mas não nesse feminismo torto que vejo sendo pintado por aqui. e não quero mudar cabeça de ninguém. odeio catequizar. minhas convicções são minhas. mas para melhorar minha postura mesmo e, ao menos, gerar reflexão. eu, que sempre fui defensora fervorosa da marcha das vadias, por exemplo, balanceei muito minha opinião sobre a ação depois de um debate no facebook sobre se a marcha era efetiva para passar a mensagem que o feminismo quer ou se é mais um desserviço ao movimento. acho (ou prefiro achar, para o mundo ter mais graça) que ninguém é imutável, nenhuma cabeça é só preto no branco – nem mesmo a minha.

      • outra coisa, antes que se possa ter uma interpretação errada do que eu falei. o fato de eu ter ressaltado minha formação acadêmica aqui em nada me faz mais importante que uma mulher que não teve como frequentar uma universidade e se interessa pelo feminismo ou se diz feminista. não é preciso ler simone de beauvoir para se perceber vítima do sexismo. ele está na cara de todas as mulheres todos os dias, quando pegamos ônibus ou metrô lotado e um cara se aproveita para roçar em nosso corpo; quando tentamos conseguir um emprego, temos um currículo maravilhoso, mas a empresa prefere contratar um homem que não engravida e contribui mais tempo; quando precisamos agendar uma hora depois do horário de expediente na clínica de estética para fazer depilação porque queremos pegar um sol na praia no outro dia e deus me livre, né, ir com os pelos todos lá aparecendo, essa coisa nojenta de mulher suja. qualquer mulher pode reconhecer isso e, se quiser, deve lutar para combatê-lo tendo o mesmo direito de ser ouvida quanto eu, que posso citar um autor ou dois. 🙂
        ressaltei minha formação aqui porque para a maioria dos pensantes nessa página, até onde pude observar, nós feministas somos todas “massa de manobra” de algumas líderes muito escrotas que fazem lavagem cerebral na gente para odiar homens, entonar odes ao funk e pregar que mulher liberada é mulher que dá pra todo mundo, que abomina o casamento e que acha que filho é carma. quis mostrar que tenho total conhecimento de onde estou metida e li todas essas “barbaridades” ditas por lola com olhos bem críticos, ainda assim assino embaixo de quase todas.

  16. Rita ,como vc quer que a gente acredite num movimento que diz lutar pelas mulheres mas que só respeitam aquelas que concordam cegamente com o que vcs acreditam?
    Eu sempre fui contra machismo e achava que era feminista até ver a hipocrisia e incoerencia no discurso de vcs.
    E n preciso ser feminista para ser contra machismo,até porque para vcs eu nem podia me declarar feminista por ser contra aborto,por achar que mulheres semi nuas só aumentam nosso status de objeto sexual ,por não endeusar valeska popuzada e por outras coisas.
    E comigo aconteceu o mesmo que os que comentam aqui.tem város relatos da hipocrisia feminista que vc esta fingindo que n esta vendo.
    Enquanto eu concordava com a lola sabe tudo e suas seguidoras estava ok,quando n era assim de repente eu virava homem e mascu e meus comentários sumiam misteriosamente…
    Dizem querer igualdade e respeito a todos,inclusive homens mas n é bem assim,vou falar dois casos.
    Quando tem mulher reclamando de bullying todas apoiam,uma vez um cara nos comentários estava dizendo que sofreu bullying,que n confia em ninguém,felicidade n existe.melhor ficar sozinho,claramente ainda estava traumatizado e qual foi o apoio?
    “vc é um fresco,mimimi de mascu,já devia ter superado,para de choramingar”
    dificil crer no discurso paz e amor e respeito a todos depois dessa.

    E outro caso um post rindo de uma piada de homens de penis pequeno,algumas foram contra mais a maioria adorou e ainda contaram outras piadas ,como tinha gente contra tentaram amenizar dizendo que rir n tem problema,o errado é fazer a piada e como n foram elas que fizeram estava ok.
    Como se tivesse diferença…
    Dias depois aparece um post com todas revoltadas com uma piada sobre uma mulher que doava leite,dizendo que o comediante era nojento,tinha q ser processado,morrer.ficar sem emprego.
    Hipocrisia pura e nojenta,ridicularizar homens pode mas mulher não.

    Feminismo é um movimento tão hipócrita quanto o machismo.

    • você não precisa ser feminista, elen! realmente, existem pautas bem marcantes no feminismo que você é contrária! o aborto é mesmo um tema bastante polêmico. eu mesma, embora seja totalmente a favor da legalização por acreditar que ela fiscaliza e oferece estrutura psicológica a mulher, evitando assim mortes de mulheres e também diminuindo o número de abortos (pode ver os estudos e comprovar que esses números diminuem), não consigo me imaginar em uma situação em que abortaria um filho meu. mas isso porque eu estou olhando para mim agora, no meu contexto de vida, que é confortável, em que encontro bases financeiras e amorosas para criar um filho com tudo que ele precisa, sem causar traumas para mim ou para ele. não sei se pensaria do mesmo jeito caso fosse uma adolescente apaixonada e sem muitas informações que engravidou do namorado e nenhum dos dois tem estrutura financeira ou psicológica para cuidar da criança (nem estou supondo que o pai foi embora, para não dizer que é preconceito) ou se eu fosse uma dona de casa de baixa renda com quatro filhos para criar e grávida do quinto de um marido beberrão que me forçou a fazer sexo com ele ou ainda se eu fosse uma pobre menina vítima de um estupro cometido por um estranho na rua, e mesmo se fosse uma falha da camisinha (acontece) ou uma gravidez de risco de uma criança anencéfala. realmente não sei o que faria. além disso, nossa lei permite o aborto em casos como esse último citado e se for fruto de um estupro. ora, e que diferença faz para o feto se ele é fruto de um estupro ou de uma relação consensual? ainda continua sendo um feto do mesmo jeito, não é? com as mesmas características, células nervosas nascendo na mesma semana, desenvolvimento completamente normal. então porque o feto do estupro pode morrer e o feto da relação consensual não pode? na minha cabeça não faz sentido outra resposta a não ser que no segundo caso é uma espécie de “punição” à mulher, pra ela aprender a arcar com as consequências de seus atos. mas eu não acho que nenhum filho mereça ser visto como uma punição. além disso (religião nem devia entrar em discussão, já que o estado é laico, mas vamos lá), a “alma” estaria lá do mesmo jeito tanto no caso da criança sem cérebro quanto na fruto de estupro. então porque essas duas podem ser abortadas e tudo bem? não faz o menor sentido para mim. acho que a legalização do aborto é, no mínimo, coerente.
      mas, enfim, voltando à sua pergunta. não quero que você acredite no feminismo de modo a ser seguidora do movimento dizendo amém pra tudo que ele pauta etc e tal. você tem todo o direito do mundo de discordar do que a gente diz e de não se ver representada por quem somos. contudo, isso não significa que você possa distorcer todo o significado do feminismo em uma pré-noção de que ele é o contrário do machismo porque não é isso que ele é. não pode sair por aí dizendo que feminista odeia homem e que quer que toda mulher ande de top e minissaia. aliás, só de você se dizer contra o machismo já é muito incrível para mim e para a maioria das feministas, acredite. queríamos mesmo que todas as mulheres o reconhecessem e se posicionarem contrárias a ele, dentro do feminismo ou não! e que esse “contrárias” por favor seja lido no sentido de combater a opressão e não de fazer com os homens as mesmas coisas que o machismo faz com as mulheres.
      eu vejo alguns comentários prazerosos de algumas feministas quando o homem sofre na pele o que nós mulheres sofremos, como imagino que tenha sido o caso dessa piada que você comentou. por exemplo, nessa história do ‘lulu’, vi feministas dizendo que o app replica com os homens o que as mulheres estão cansadas de sofrer na vida real. eu, cá com os meus botões, não gosto dessa atitude e não a teria. apesar de reconhecer que o peso é diferente quando se analisa os contextos de oprimidos e opressores, não me agrada a ideia de rir do sofrimento ou vergonha de nenhum ser humano (não gosto de videocassetadas, por exemplo). contudo, me deparar com isso por parte de algumas (ou muitas, não estou usando o indefinido aqui para amenizar) feministas não muda de nenhuma maneira minha relação com o movimento. porque existe todos os tipos de pessoas em todos os lugares. algumas, são mais vingativas, outras são sádicas, outras são pacíficas e viram o outro lado da face se alguém lhe dá um tapa. estamos sujeitos a essa diversidade em todos os ambientes, grupos, etc. o que importa para mim é o que prega o movimento em todos esses séculos de protestos pacíficos. mesmo com todas essas diversidades, nunca o feminismo disse que as mulheres devem agir com os homens da mesma maneira que eles agem conosco, nunca pregou atos violentos, nunca levantou nenhuma bandeira que diz que eles devem ter menos direitos que as mulheres nem nada do tipo. isso é o que conta. todas as bandeiras do feminismo são para libertar a mulher e garantir a ela uma equanimidade em nossa sociedade. mesmo essas mulheres mais ácidas, quando vão para rua, vão para gritar que a mulher consiga seu empoderamento para que todos sejamos iguais. distorçam como quiserem, a verdade é que é esse o grito que será ouvido.

  17. Engraçado, sou mulher e nunca passei por essa tal “opressão” que essas feministas tanto falam, e também não conheço mulher nenhuma que tenha passado por isso… tá certo que ainda existe machismo, mas as mulheres são maioria nas escolas, faculdades, possuem direitos exclusivos pra si, vivem mais, se aposentam mais cedo, então que espécie de “opressão” é essa? Ah, e mulheres também falam dos homens pras amigas SIM, não adianta alguém vim com esse papinho feminista de que depende desse tal de Lulu pra se “vingar” deles porque esse argumento não cola.

    • verdade e muitas coisas que elas alegam ser sofrimento exclusivo das mulheres e q a culpa é do machismo é pura mentira.

      para elas mulher que aguenta relacionamento com cara que n vale nada é culpa do machismo,só que tem vários homens na mesma situação.
      na minha rua tem um homem que é chamado de corno manso pelas costas pq ele sabe que é traido ,a esposa é tão maravilhosa q nem faz questão de disfarçar e o bairro inteiro sabe,dá em cima de qualquer um e alega que tem que curtir a vida…
      o marido finge que n sabe de nada pq até tiraram uma foto dela com outro e ele teve coragem de falar q era montagem ,tá com ela até hj e ainda fica fazendo declaração de amor no meio da rua para traidora,isso é culpa do machismo tb?
      para mim quem aguenta isso n tem um pingo de auto estima,seja homem ou mulher.

      outra opressão,homens que tratam mulher como objeto,como pedaço de carne,tem mesmo mas também tem mulher tão fútil quanto certos homens,que só quer cara rico,sarado,cheio de anabolizante e se n for assim elas ignoram ou ridicularizam.

      • eu respondi aqui com um monte de links pra checagem de informações, mas o comentário ainda aguarda ser aprovado. vou copiar sem o http pra agilizar o debate, porque só de ontem quando eu deixei o comentário até hoje, quando posto esse novo, 15 mulheres morreram por conta dessa opressão que é pura lenda.

        você não enxergar, nayara, não significa que não existe. se para você tá tudo bem, beleza. você não precisa mover uma pena se não quiser. contudo, além dos vários exemplos de opressão que eu citei em outros comentários acima (não vou ficar me repetindo tanto que o bom senso reclama), existe um, em destaque, que vem bem ao caso nesse seu argumento sobre escolas, faculdades e aposentadoria: MULHERES SÃO MENOS CONTRATADAS NO MERCADO DE TRABALHO. isso é um fato, não sou eu que tô dizendo. e sabe por que? além do senso comum de que o homem é mais capaz que nós, mulheres, coerentemente os empregadores preferem contratar a pessoa que trabalha mais tempo, já que se aposenta mais tarde, não engravida e não tira licença maternidade. e esta pessoa, é claro, é o homem. é por isso que as mulheres são maioria nas universidades, não porque elas são privilegiadas. já estando em desvantagem no mercado de trabalho somente por serem mulheres, elas buscam uma saída no mundo acadêmico. obviamente, a maioria também se dá porque é difícil conciliar um emprego com uma universidade. o homem tem o emprego. é um raciocínio bem simples.
        quer um exemplo da preferência ao candidato masculino nas vagas de trabalho? veja esse estudo que mostra que o mesmo currículo analisado, com as mesmas competências, mas com a distinção de gênero entre masculino e feminino. não surpreendentemente, apesar de ter sido EXATAMENTE O MESMO CURRÍCULO o objeto de análise, as avaliações foram mais positivas quando o gênero estava especificado como masculino e os salários estipulados também foram mais altos nesse caso. (blogs. discovermagazine. com/cosmicvariance/2012/09/19/ scientists-your-gender-bias-is-showing/#. Up4qh8RdXkE). infelizmente, está em inglês, mas eu acho essa matéria super confiável e clara. a revista é de prestígio e o experimento realizado foi muito pertinente. se você tiver algum problema de tradução que o google não consiga resolver, pode dizer aqui que traduzo sem o menor problema. os gráficos por si só, entretanto, já deixam a diferença de tratamento bem nítida.
        e se depois de saber disso você ainda está achando que a aposentadoria antecipada é um privilégio para a mulher, confira essa outra pesquisa do nosso IPEA datada de 2012, não de décadas atrás quando as coisas eram diferentes, como quem é contra o feminismo costuma argumentar: apesar de trabalharem fora tanto quanto os homens (jornada de trabalho não é menor do que 8h porque somos mulheres), mulheres passam mais do que o DOBRO de horas trabalhando em casa após o expediente quando se compara com o tempo despendido pelo sexo masculino: ( www. ipea. gov. br/portal/index .php?option=com_content&view=article&id=14321 ). foi baseado nesse fator de jornada dupla de trabalho que o critério para a aposentadoria foi definido e isso é mais uma migalha do que uma conquista para as mulheres.
        “e por que as feministas não lutam contra isso?”, você pode perguntar, acrescentando ainda que, quando nos é favorável, ser tratado diferente do homem é ótimo. a resposta é bem óbvia: porque as mulheres morrendo diariamente por culpa da violência sexista são uma luta bem mais importante. afinal, como eu disse no início desse comentário, você pode até não enxergar (e ainda bem que as mulheres ao seu redor estão assim seguras!!!!), mas POR DIA, mais de 15 MULHERES MORREM DE FORMA VIOLENTA NO BRASIL (www. correiobraziliense. com.br/app/noticia/brasil/2013/09/25/interna_brasil,389940/ por-dia-mais-de-15-mulheres-morrem-de-forma-violenta-no-brasil.shtml). a matéria não diz, mas elas não morrem porque são traficantes, assassinas ou assaltantes. elas MORREM EXCLUSIVAMENTE PORQUE SÃO MULHERES! (www. ipea. gov. br/portal/images/ stories/PDFs/130925_ sum_estudo_ feminicidio_leilagarcia. pdf)
        a lei maria da penha, que é muitíssimo importante, não foi capaz de reverter essa realidade. imagina garantir que agora a mulher está protegida contra tudo e contra todos e que, qualquer bate boca com o parceiro, o “coitado” é que vai parar na delegacia.
        você que está aí tão distante dessa realidade em que infelizmente as mulheres continuam sendo oprimidas e violentadas talvez não esteja acompanhando as notícias, mas o caso é tão sério, mas tão sério, que está tramitando no senado uma proposta para tornar o femicídio crime hediondo.
        afora isso, queria saber que direitos exclusivos são esses que as mulheres têm que são mais proeminentes que, por exemplo, o básico direito exclusivo dado aos homens de fazerem o que bem entenderem com nosso corpo por “liberdade de expressão”. e isso pode ser desde passar a mão na nossa bunda em espaços públicos até o “ê, lá em casa” e o “fiu-fiu” que se julga ser tão inocente. coitado, né? não tá fazendo mal a ninguém, só tá exercendo a liberdade de dizer o que ele pensa, mesmo que seja sobre o corpo de outra pessoa que não está nem um pouco interessada em saber o quão prazeroso para ele seria beber a menstruação dela de colherinha. engraçado que a mesma liberdade de expressão não permite ser tão aceitável se tais palavras são dirigidas a uma criança (e muitas vezes são, sofro com isso desde que comprei meu primeiro sutiã). também não tornaria menos digna de reprovação (ou no mínimo de estranhamento) minha atitude se eu resolvesse parar uma pessoa estranha na rua e dizer: “caramba, essa sua calça aí não combina de jeito nenhum com essa camisa que você escolheu! mas esse teu cabelo tá bacana! o cabelo tem minha aprovação”. é uma opinião não solicitada no mesmo jeito e ainda muito menos agressiva que muitos “elogios” que somos obrigadas a ouvir todos os dias. mas os “elogios” são considerados normais, afinal são dirigidos a uma mulher, né? para ela pode.
        não sei se consegui responder à sua pergunta, mas pelo menos tentei ir mais além que simplesmente reduzir todo a pauta do feminismo em “vitimismo feminista, propaganda marxista cultural feminista e massa de manobra burra feminista”, sem nenhum argumento (ainda um refutavelzinho que seja) para isso.

    • verdade, nayara. também acho um absurdo que as meninas brancas tenham preferência na adoção porque o mundo é racista e sexista. muito tristes essas ideias de que brancos são mais bonitos e mulheres são mais obedientes e fáceis de moldar. vou sugerir às minhas líderes feministas colocar isso na pauta imediatamente. espero que elas estejam mais calminhas amanhã, depois de perseguirem vários homens e torturá-los para ensinarem como é ser oprimido, e aceitem a sugestão. sabe como é… precisamos respeitar a hierarquia, ainda que eu ache que esclarecer a população de que os meninos são menos adotados que meninas pelo senso comum acreditar que eles são mais independentes seja muito mais importante do que lutar contra o femicídio, objetificação, salários díspares e essas outras bobagens.

      e desculpe se eu não estou tão paciente para responder sem ironia sobre esses grandes privilégios femininos às 6h17 da manhã de uma noite sem dormir depois de ver que tudo que eu escrevi nessa página parece não ter sido, nem ao menos, lido, quanto mais levado em consideração para análise.

      • não. eu era a feminista apenas com algum saco pra tentar debater seriamente um assunto, desenvolvendo ideias, mostrando fatos que embasam minha opinião e completamente inocente que poderia sair daqui algo mais produtivo do que vomitarem um monte de senso comum, não rebaterem nenhum de meus argumentos e partirem pra agressões que se resumem na velha ideia de bruxa má, louca e motivada a tornar o mundo cego por uma ideologia.
        felizmente, cruzei com muita gente interessada na minha vista, super disposta a sair da zona de conforto e conhecer bem o que é contra e o que é a favor antes de tomar um partido. sou também uma dessas pessoas e acredito que não há como chegar a uma sociedade mais justa se não tentarmos juntos descobrir a melhor maneira para isso. já mudei de opinião muitas vezes na minha vida e acho isso uma coisa bastante positiva.
        vim aqui de peito aperto buscando um só argumento que fugisse à via de regra tantas vezes já rebatida esmiuçadamente, cuja exaustão de tanta repetição faz a maioria das feministas largarem a postura crítica e partirem pra debochada. porque quando a coisa tá preta mesmo, só o humor pode salvar. mas, mais uma vez, o que se sucedeu foi um povo batendo na mesma tecla e sem se dar ao menor trabalho de retrucar quando as críticas eram rebatidas. continuei muito pacientemente explicando porque acredito no que acredito e esperando um contra-argumento. nunca veio.
        pra mim, isso não é debate. pra mim, isso é igual criança contrariada quando tem uma conduta posta em cheque. olhos fechados, mãos tapando os ouvidos: “BLABLABLA!!! SAI DAQUI NÃO QUERO TE OUVIR, SEU CHATO”. como disse no começo, minha intensão aqui não era catequizar ninguém, apenas entender como pensa a cabeça de que pensa diferente de mim. mas já que a cabeça do outro não pensa, só repete o que ‘ouviu dizer’ e tomou para si como verdade, não há porque insistir, né? continuem com suas certezas. vou buscar outros espaços para questionar as minhas. sejam felizes.

      • por sinal, o aborto já foi comentado anteriormente. quer que eu comente de novo o estupro, a aposentadoria, o mercado de trabalho, valeska poposuda e o suposto ódio aos homens também? não entendo o motivo, já que falei sobre esses assuntos mais de uma vez cada e ninguém nunca contra-argumentou. o único respiro de tentativa de questionamento que não é baseado nesse mesmos princípios tantas vezes já comentados foi do hyoga, em uma questão mais léxica que sociológica, mas ainda sim pertinente.

      • Monaro,

        Infelizmente, pro seu azar, o inverno europeu me trouxe de presente uma faringite, daí estou de molho em casa desde quinta-feira e com muito tempo livre para vir por aqui. Como o seu comentário anterior tinha sido muito de boa e eu havia sido mais chatinha no meu, resolvi responder esse mais na esportiva. Trato as pessoas de acordo como sou tratada, sabe? Mas baixar a guarda pra machista é foda. Vocês acham logo que tão por cima de novo e começam a agir feito idiotas no mesmo instante. Resultado foi que eu tive que ler esse monte de estupidez em série…

        Então, para você que é meio limitado pelo ego do seu caralho, deixa eu explicar. O dado sempre esteve correto, meu caro. Você que não conseguiu entender. Eu estava explicando para Pedro porque diferenciar o assassinato de mulheres por homens e o de homens por mulheres era necessário. Disse que era porque, no caso feminino, não era um homicídio qualquer, era femicídio. E expliquei: ‘o femicídio trata de mulheres mortas por seus parceiros em crimes ditos “passionais”, em brigas matrimoniais, em estupros seguidos de assassinatos. se você não sabe, mulheres entre 15 e 44 anos morrem mais em decorrência disso do que a soma das mortes por câncer e acidentes de trânsito’. Não é preciso ser um gênio para entender que num contexto de mortes TOTALMENTE de mulheres, eu estava comparando com outras mortes de mulheres. Não faz sentido nenhum usar mortes em geral para contrapor a um dado de femicídio, querido. Misturar alhos e bugalhos para justificar um ponto é coisa de anti-feminista fazer: “Ah, mulheres são mais vítimas de violência doméstica, mas homem morre mais por conta de violência urbana. Mimimi!”. Parabéns pela constatação, gênio, só que não tem nada a ver uma coisa com a outra. Não, Monaro, muito obrigada. A lógica que você não enxerga é porque você não tem. A minha tá aqui e tá funcionando direitinho. Entendeu agora, babe? Não tinha erro para admitir porque ele foi seu, tá? Tanto que eu deixei evidente que “o dado está certo” e que “não ficou claro para você”. 🙂

        É importante pensar no que vou dizer porque tem doido que pode distorcer o que eu disser como ele bem entender na cabeça doida dele, né? E pode transformar um copo d’água numa tempestade só pra regar a hortinha de má intenção dele. Mas eu não me importo de rebater, nem retiro o que eu disse naquele parênteses. Se falei é porque me interessa. E, sim, acredito que você não têm argumentos muito contundentes para discutir sobre os outros assuntos, já que vários dos meus estão aqui espalhados por essa página e você não rebateu nenhum, fora um dado que você não compreendeu e uma prova residual de uma opressão institucionalizada que continua ocorrendo ainda que não necessariamente devido à instituição: o casamento. Uma pessoa que ignora isso provavelmente nunca ouviu falar em ciência da família; não sabe o que representam casamento por grupos, casamento sindiástico e monogamia; não tem conhecimento de que antes de ricos e pobres, negros e brancos, direitistas e esquerdistas, o primeiro antagonismo que existiu foi homem e mulher; e tem uma visão muito limitada de mundo que não lhe permite entender que não importa quantos séculos passaram, o sistema continua o mesmo. Em intensidades diferentes, as mesmas ideias permanecem. Acredito, aliás, que você não tem argumentos contundentes nem para discutir os assuntos que se propôs.

        E, bom, se os homens não querem casar porque para eles é muito duro ter que conviver com mulheres que não são submissas e que não os colocam num pedestal porque eles são homens, coitadinhos, né? Se casamento não serve mais para dar autoridade, então melhor nem casar, né? Amor, o que é isso? Como ele vai garantir que ela PRECISE ficar com ele, não que ela QUEIRA, se ela for independente para pagar suas contas e souber fazer uma ligação quando não conseguir consertar a pia? Mas apesar de acreditar que muitos homens não saberiam lidar com uma mulher completamente ciente de seus direitos e do papel que ela pode ocupar numa relação amorosa, numa família e na sociedade, eu tenho que ser justa com vocês. Conheço muitos que não são assim tão babacas e não exigem estarem em uma posição de superioridade, a igualdade para eles cai bem. Também conheço vários que não dão mais importância a com quantos caras a mulher transou do que à relação que eles construíram. Conheço outros tantos que acham bacana dividirem direitos e responsabilidades com os filhos e com a casa. Então, acredito eu, a humanidade está salva. Ufa!

        Não, Monaro, muitos homens machistas não gostam de agradar as mulheres; eles gostam de achar que estão agradando! Se você soubesse como é de querer chorar de emoção depois de fazer sexo com um homem que está preocupado DE VERDADE com o prazer da parceira, além do gozo dele, você jamais diria isso. Espero que você tenha feito essa afirmação porque você é assim com as mulheres com quem você transa. Muito bem! Se possível, faça propaganda disso com os amigos e diga como é muito mais bacana o sexo desse jeito porque TÁ LONGE DE SER REGRA!

        Sou completamente a favor de liberdade religiosa. Acredite no que quiser! Agora o que eu não permito é usar moral cristã para impor padrão de comportamento fora de sua igreja. E tô começando a achar que, ou você conhece poucos machistas ou você é muito demagogo, porque tô pra ver um que não queira saber quantos parceiros a menina já teve e fica escandalizado se passa de um número que ele acha ok, de preferência que caiba numa mão. Acredito também que você não lê muitos comentários em matérias como as que falaram sobre o caso da menina do Piauí que se suicidou depois de ter vídeo íntimo divulgado, de Fran e de todos esses exemplos. Certo você. Porque eu geralmente caio na besteira de ler e sinto vontade de pular pela janela quando constato o quanto nosso comportamento ainda é moralizado e o quanto nossa sexualidade é reprimida.

        E as ideias sobre o estupro eu tiro de estudos mesmo. Numa das vezes que eu fui narcisista eu falei que meu mestrado é nessa área, tá lembrado? Escrevi um capítulo todinho sobre essa cultura do estupro que você não acredita que existe e que é só quem tem tesão por isso é psicopata. Explica, então, porque os entrevistados de Margo Paine pro livro “Body Wars”, disseram que: 30% estuprariam caso não houvesse consequências legais; 8% revelaram já ter estuprado ou tentado estuprar, e 83% concordaram com a expressão “algumas mulheres estão pedindo para ser estupradas”. Explica os caras planejarem fazer isso e o primeiro comentário: http:/ /g1. globo. com/sao-paulo/sorocaba-jundiai/noticia/2013/09/trio-e-indiciado-por-estuprar-menina-de-13-anos-e-colocar-video-na-internet. html
        Depois fala sobre esse aqui com link para o video: http:// www. clmais. com. br/informacao/64330/trio-estupra-adolescente-e-posta-v%C3%ADdeo-na-internet
        Depois veja esse caso: http: // www1. folha. uol. com. br/folha/cotidiano/ult95u467425.shtml e só uma das comunidades do orkut onde era possível ver gente procurando/comentando o vídeo: http :// webcache. googleusercontent. com/search?q=cache:6tTwvSz2PfAJ:www.orkut.com/CommMsgs%3Fcmm%3D14088426%26tid%3D5268476970112780716%26na%3D4%26nst%3D31%26nid%3D14088426-5268476970112780716-5268484808428095916+&cd=6&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br
        Pronto. Agora soque seu “eupirismo” no cu!

        Querido, mostrar casos de homens que sofrem violência doméstica não reverte lógica nenhuma porque isso nunca foi negado. Você tava tentando provar uma coisa que nunca foi questionada. Além disso, se você acha 10 links, eu acho 50 links do contrário e isso não leva ninguém a lugar nenhum. O que falta é um DADO que negue que o número de mulheres mortas em decorrência de violência doméstica é infinitamente maior! Obviamente, se fosse uma matéria, que fosse uma matéria contendo esses números né, meu bem? Não casos específicos que se pode achar sobre qualquer tipo de crime no mundo.

        E a Lei Maria da Penha não tá fazendo homem apanhar mais que mulher não, meu amor. Pelo visto não é só o que eu escrevo que você não consegue interpretar. O que tinha na matéria que você postou é que em 30% dos casos de agressão, as mulheres TAMBÉM eram agressoras ou as principais agressoras. Entendeu? Lá no final da matéria, você deve ter esquecido de ler e a pessoa que escreveu foi mal intencionada de não trazer isso pro lead, mas tá escrito: O NÚMERO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER CONTINUA MUITO MAIOR. E, como eu tava de muito bom humor ontem, nem entrei no mérito de que essa notícia é de 2005, antes da Lei Maria da Penha, portanto. A verdade é que, embora seja uma conquista feminina, tem homem sendo beneficiado pela Maria da Penha por aí: http://delas. ig. com. br/comportamento/2013-05-24/lei-maria-da-penha-coloca-140-mulheres-na-cadeia.html

        O outro site continua não sendo de confiança.

        Sobre o exemplo de Pedro, muito me admira você analisar algo de modo sociológico, psicológico e biológico sem nenhuma informação para isso. Que psiqué você analisou aí? Ahaha! E a biologia? Será que o irmão dela era irmão cis ou trans? Bora, embasadinho! Ahaha! Diante da ausência de informações sobre um caso específico, o que resta é partir pra generalização, pro coletivo. Por isso, disse que minha análise não era, necessariamente, correta. Ao contrário de você, não finjo que uso ferramentas que não tenho. 🙂

        Se ele fizesse isso com a vizinha, no lugar da irmã, aí eu pensaria de outro jeito. Mas como você disse, é um “caso concreto”. E, dentre as pouquíssimas informações que eu tenho, uma certeza é de que era um cara, uma mulher e o irmão dela. É isso que eu tenho que olhar, não vizinha, sobrinho, chefe, o diabo a 4.

        Eu acreditaria, sim, que você leu o poema. Mas jamais me dignaria a questionar o que você achou dele.

        E eu sei que pra você é difícil uma mulher ficar te lembrando o quanto ela é foda porque você prefere achar que ela é insignificante, mas não sei… Pra certos machistas eu gosto de ficar jogando isso na cara, sabe? Principalmente quando é um daqueles que fica puto quando a GM não dá bola, ou o que não aceita perder discussão pra mulher ou o que acha que só porque eu sou mulher eu vou ficar amedrontada se ele for agressivo ou debochado. Fazer o que se eu sou inteligente, né? É ainda mais prazeroso quando um machista fala de ironia e depois não enxerga quando uma é aplicada. 🙂

        No mais, eu que não deveria perder tempo com uma pessoa que é tão incapaz que não consegue imaginar como é que se faz essa carinha: 🙂

  18. Queria que as feministas explicassem a hipocrisia em dizer que quando um homem mata uma mulher é opressão e crime de genero e quando é o contrário é um crime qualquer?
    Para mim quem é capaz de matar é desequilibrado.

    Um vizinho meu estava pegando uma mulher,depois de um tempo ele deu um fora nela,ela n aceitou .veio discutir com ele no meio da rua e ainda foi embora ameaçando.
    Dias depois ele foi assassinado pelo irmão dela q caiu n conversa da fdp que alegou ter sido estuprada e a verdade todo mundo viu na briga deles,ela ficou puta pq levou um fora.
    E ai,ele foi morto só por ser homem?não né,morreu pq essa mulher é mau carater,desequilibrada,que n aceita rejeição,o mesmo vale para os homens que agem igual a ela.
    E tem vários casos assim mas isso feministas não gostam de falar,pq isso vai contra a imagem de que são as únicas sofredoras no mundo.

    • eu vou explicar, pedro, agora vamos ver se depois disso você vai rebater o que digo com algum raciocínio e não com sequências de adjetivos nada simpáticos sobre o feminismo.

      a ideia é a seguinte: no femícidio o que se leva em consideração não é a mulher vítima de um latrocínio ou confronto armado. o femicídio trata de mulheres mortas por seus parceiros em crimes ditos “passionais”, em brigas matrimoniais, em estupros seguidos de assassinatos. se você não sabe, mulheres entre 15 e 44 anos morrem mais em decorrência disso do que a soma das mortes por câncer e acidentes de trânsito. em uma sociedade em que o parceiro ainda se acha dono da mulher (o marido chama a esposa de ‘minha mulher’, a esposa jamais o chama de ‘meu homem’. a posse é só dele) e o estupro é visto como fetiche em sites pornográficos não é de se espantar tanto, mas é de causar revolta. invertendo a ordem, com qual frequência você escuta falar o contrário? faça um exercício rápido: procure no google “homem morto pela esposa/mulher” e veja os resultados. então procure: “mulher morta pelo marido” e compare. cuidado que nessa última busca aparece também umas fotos bem sangrentas. e se você acha que é falta de divulgação, como jornalista posso assegurar que a mídia teria todo interesse do mundo de dar isso como manchete. se tem coisa que faz vender jornal é notícia de algo que não acontece todo dia!

      agora vamos ao seu exemplo específico. no caso em questão, se foi mesmo como você contou, a mulher foi uma escrota, filha da puta. mas quem matou o seu vizinho foi um homem, não ela. matou para vingar a honra e você se engana bastante se acredita que essa honra é a da irmã dele e não a dele próprio. matou porque todo mundo disse a ele a vida toda que bandido era defendido por esse povo idiota dos direitos humanos e que se ele não fizesse alguma coisa, o safado jamais iria sofrer tudo o que devia. fazer a denúncia a polícia e esperar a investigação policial resguardando a segurança do acusado de estupro e assegurando seu direito à ampla defesa ninguém defende. mas tem fila para atirar a primeira pedra quando se descobre que um inocente foi injustiçado. no caso que você contou, a vítima foi seu vizinho, um homem, e não a mulher. mas o assassino também foi um homem. isso não significa que uma mulher não seria capaz de assassinar um homem nunca na vida. ela é capaz, há mulheres que fazem isso. contudo, essa não é a regra. a regra é mulher ser morta porque é mulher. me mostre um argumento que destrua isso. procure uma notícia, uma pesquisa, qualquer coisa que aponte que essas estatísticas que te dei não justificam lutar contra o fim dessa violência direcionada a um gênero sexual. eu aceito até com alegria.

      • Quer saber o porquê de ninguém te levar muito a sério? É porque seus argumentos esdrúxulos já foram desmascarados em outros posts desse blog, que pelo visto vc nem se deu ao trabalho de ler. Ficar repetindo as mesmas coisas pra todas as feministas é cansativo, mas farei um último esforço já que vc é uma “feminista diferenciada e aberta a novas ideias”, de acordo consigo mesma lol.

        “a ideia é a seguinte: no femícidio o que se leva em consideração não é a mulher vítima de um latrocínio ou confronto armado. o femicídio trata de mulheres mortas por seus parceiros em crimes ditos “passionais”, em brigas matrimoniais, em estupros seguidos de assassinatos. se você não sabe, mulheres entre 15 e 44 anos morrem mais em decorrência disso do que a soma das mortes por câncer e acidentes de trânsito.”

        R: Aqui já começa a angústia e o motivo de não se perder tempo debatendo com feminista, vc nem se dá ao trabalho de pesquisar direito, né? Aqui fica comprovada a típica vitimização extrema e distorção de dados e estatística feminista. Sinto muito te dizer, mas a morte de mulheres por “femicído” é infinitamente menor do que mortes de trânsito. Morrem 43 mil pessoas por ano no trânsito, enquanto que homicídio feminino equivale a cerca de 4,5 mil mulheres por ano, ou seja, mortes no trânsito superam quase 10 vezes mais os dados de homicídio feminino.

        1ª Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/estatisticas/mapa-da-violencia-2013-acidentes-de-transito-e-motocicletas

        2ª Fonte: http://mapadaviolencia.org.br/pdf2012/MapaViolencia2012_atual_mulheres.pdf

        3ª Fonte (Opcional e secundária): http://www.almg.gov.br/acompanhe/noticias/arquivos/2013/12/02_debate_publico_violencia_mulher_tarde.html

        ” em uma sociedade em que o parceiro ainda se acha dono da mulher (o marido chama a esposa de ‘minha mulher’, a esposa jamais o chama de ‘meu homem’. a posse é só dele)”

        R: Vc está falando sério? Nunca ouviu uma mulher se referir a um homem como “meu marido”? Em que diabos de mundo vc vive? Isso é um termo possessivo para se indicar uma pessoa que se tem um relacionamento afetivo, o que nem de longe signifique que um se acha dono do outro, logo esse seu argumento é sem sentido, baseado em sua pura interpretação utópica.

        “e o estupro é visto como fetiche em sites pornográficos não é de se espantar tanto, mas é de causar revolta.”

        R: Vc já ouviu falar em “fantasias”? Vcs não defendem a liberdade e etc? De cada um poder fazer o que quiser? Apesar de achar tosco, eu n critico quem gosta dessas porcarias, eles estão agredindo alguém? Não? Então deixe-os pra lá. E pelo visto, pelo seu raciocínio, vamos interferir em todas as fantasias alheias então, já ouviu falar em 50 TONS DE CINZA? Dê uma olhada no quanto que ele vendeu, mulheres tbm possuem suas fantasias toscas e bizarras.

        ” invertendo a ordem, com qual frequência você escuta falar o contrário? faça um exercício rápido: procure no google “homem morto pela esposa/mulher” e veja os resultados. então procure: “mulher morta pelo marido” e compare. cuidado que nessa última busca aparece também umas fotos bem sangrentas. e se você acha que é falta de divulgação, como jornalista posso assegurar que a mídia teria todo interesse do mundo de dar isso como manchete. se tem coisa que faz vender jornal é notícia de algo que não acontece todo dia!”

        R: Agora vc já está atingindo um nível cômico. Primeiro vc vem com um apelo à autoridade (…como jornalista posso assegurar…bla bla bla).A mídia tá pouco se lixando pra morte dos homens minha filha, parece que vc não consegue ver que o homem na sociedade atual é completamente descartável, a não ser que tenha determinado status social, SOMENTE NESSE CASO é que a mídia vai publicar este tipo de assunto. Vc acha que uma notícia de “seu jõao, pedreiro assassinado a facadas pela esposa” vai vender alguma coisa? Para né, nem vc acredita nos seus absurdos. Agora casos “Eloás” vendem um bocado, na verdade, quanto maior a violência, mais venderá, o povo brasileiro é regado a sexo e sangue. Para provar o que digo, veja se algumas dessas notícias abaixo:

        Fonte: http://sexoprivilegiado.blogspot.com.br/2013/07/atualizacao-assassinatos-e-agressoes-cometidos-por-mulheres-contra-homens-em-2013.html

        “agora vamos ao seu exemplo específico. no caso em questão, se foi mesmo como você contou, a mulher foi uma escrota, filha da puta. mas quem matou o seu vizinho foi um homem, não ela. ”

        R: Tá vendo o porquê de não levarmos feministas a sério? Mesmo sendo culpa da mulher que foi a responsável principal por esse homicídio, você insiste em diminuir a responsabilidade dela, as vezes me esqueço que assumir responsabilidades nunca fez parte da agenda feminista, mas ok, o que mais me choca é o COMBO que vc emenda logo abaixo lol …

        “…matou para vingar a honra e você se engana bastante se acredita que essa honra é a da irmã dele e não a dele próprio. matou porque todo mundo disse a ele a vida toda que bandido era defendido por esse povo idiota dos direitos humanos e que se ele não fizesse alguma coisa, o safado jamais iria sofrer tudo o que devia.”

        R: HAHAHA tenho de rir, quer dizer que ele matou o cidadão pra lavar a “honra” dele né? Que cara machista esse cidadão em, quando sua irmã falou que havia sido estuprada, em momento nenhum ele se colocou no lugar dela, ele não possui empatia emocional, ele não se colocou no lugar da irmã dele e imaginou toda a cena, esse tipo de coisa não afeta o homem, né? Homens não são seres humanos, afinal de contas somos machistas insensíveis, estamos pouco nos lixando com a dor que uma pessoa próxima a nós sentiu e experienciou, apenas queremos “lavar nossa honra”. Fica mais do que evidente aqui a sua misandria. O cidadão (apesar de errado em sua atitude) foi claramente manipulado por alguém que confiava (a irmã), que usou dos sentimentos dele para cumprir seus objetivos sórdidos, e vc ainda tem a pachorra de vir aqui culpar PRINCIPALMENTE o homem? nem vou mais comentar…

        “no caso que você contou, a vítima foi seu vizinho, um homem, e não a mulher. mas o assassino também foi um homem. isso não significa que uma mulher não seria capaz de assassinar um homem nunca na vida. ela é capaz, há mulheres que fazem isso.”

        R: Veja como as coisas funcionam. A hipocrisia feminista chega a níveis assustadores, a mulher UTILIZOU o irmão, da pior forma possível, usando os sentimentos dele. Em que isso diferencia um homem que paga outro homem pra matar um terceiro? Não tem diferença nenhuma, a diferença é que um usa o dinheiro, o outro usa as emoções, mas o autor principal (aquele que deu origem ao processo de assassinato) está mais do que evidente, agora me diga se essa irmã mentirosa será responsabilizada por alguma coisa? Jamais, quem se fode é só o irmão retardado que será preso, enquanto ela vai continuar tranquila.

        “me mostre um argumento que destrua isso. procure uma notícia, uma pesquisa, qualquer coisa que aponte que essas estatísticas que te dei não justificam lutar contra o fim dessa violência direcionada a um gênero sexual. eu aceito até com alegria.”

        R: Ok, se segura firme aí. Pra começar, homens também são vítimas de violência doméstica, como já postei acima mas vou repetir aqui:

        Fonte: http://sexoprivilegiado.blogspot.com.br/2013/07/atualizacao-assassinatos-e-agressoes-cometidos-por-mulheres-contra-homens-em-2013.html

        …tem mais essa aqui de lambuja, demonstrando a agressividade feminina, só pra complementar:

        Fonte: http://revistaepoca.globo.com/vida/noticia/2011/10/elas-batem-eles-apanham.html

        …mas calma, ainda n terminou, veja o que a chefe da Divisão de Polícia Especializada da Mulher, Idoso e Deficiente tem a dizer sobre os casos de denúncia de agressão:”Em 30% dos casos constatamos que a mulher também é agressora, isso quando não fica claro que é o companheiro quem sofre nas mãos dela”.

        Fonte: http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI549579-EI306,00-Mulher+agride+marido+com+acido+sulfurico+em+MG.html

        …ainda não acabou, 5 em cada 30 casos são registrados por mau uso da Lei Maria da Penha:

        Fonte: http://www.folhavitoria.com.br/policia/noticia/2012/04/mulher-faz-mau-uso-da-lei-maria-da-penha-para-prejudicar-companheiro-em-vitoria.html

        Está mais do que evidente acima que homens tbm sofrem com violência por parte das mulheres. Chocada? Suas amigas feministas nunca te mostraram isso? Pois é né, foda-se os homens, são cidadãos de segunda categoria, quem liga se eles tbm sofrem com isso ou não, certo? Mulheres até mesmo possuem o apoio da Justiça pra ferrar os homens, mas quem liga, né?

      • Pelo contrário, Monaro, TUDO que eu vi por aqui já vi também em dezenas de outros blogs anti-feministas e mesmo livros publicados por aí. De fato, fiquei impressionada como uma pessoa pode ser tão capaz de escrever todo um livro se pretendendo real sobre um mote que não há nenhuma possibilidade histórica de sair do universo fantasioso como Van Creveld. Eu já desisti de ser a feminista mente aberta aqui nesse espaço. Não funciona. Quanto mais eu falo por aqui, mais feminista cabeça fechada eu me torno porque não tem como me abrir para o que vem sendo dito.

        Primeiro que vocês não conseguem fazer a coisa básica que é separar um crime hediondo de um acidente ou violência urbana. Sempre a mesma argumentação que morre mais gente de isso ou daquilo. Quero saber quem algum dia disse o contrário. Agora quantas dessas vítimas de acidentes de trânsito morreram, por exemplo, sabotadas por uma maioria ambientalista que não aceita o transporte motorizado? Entenda o que você critica, antes de criticar. Tem mais gente morrendo por conta de doença cardiovascular no mundo do que por conta de tráfico, nem por isso se deixa de combater o segundo.

        Engraçado como de 1.000 argumentos que eu dei nessa página você destaca logo esse, que não é nem de longe o mais importante. Mas sim… Remete à ideia de casamento como posse, etc, etc. Procure a origem do tratamento.

        Ouvi, sim, falar em fantasia. Acho fetiche ótimo. Tem que ter. E espero que você seja assim tão cabeça aberta quando sua parceira quiser realizar os dela. 🙂 Agora não acho que seja sintoma de uma sociedade saudável é dois garotos filmarem um estupro de uma menina desacordada, o vídeo ir parar na internet e quando ele é tirado do ar a indignação ser por causa da falta de acesso ao vídeo e não ao estupro que aconteceu. Também não achei nada bacana os comentários monstruosos ao vídeo brutal de estupro de Ingrid Betancourt pela FARC…

        A Maria catadora de lixo assassinada pelo marido bêbado também não é capa de jornal não, meu caro. E se fosse uma mulher fazendo o namorado refém e dando show pra imprensa, falando com Sônia Abraao pelo celular, o espetáculo seria o mesmo. Estou muito por dentro dos critérios de noticiabilidade, não se preocupe em me ensinar. Aliás, fui estagiária em um jornal cujo carro chefe era um tabloide só de crimes registrados na cidade. Sei bem do que estou falando e sei que há notícias de mulheres que matam seus parceiros. Elas só são infinitamente menos recorrentes. E não cometa o mesmo erro de não saber separar os crimes. Crime de mulher que mata filho, que esfaqueia sogra, babá que bate em criança, desacata policial não está no mesmo bolo de mulher que mata o marido, tá? Ou vocês querem que a gente insira também pai que assedia criança, homem que atropela e foge, homem que mata vizinho, homem que esfaqueia dono de bar? Dica: não vai ficar muito bom para o gênero masculino e a gente nem precisa misturar com notícias do pessoal dos EUA, como fez a galera do site que você linkou. 🙂 Acontece, que ao contrário do que os anti-feministas fazem, ressaltando a violência da mulher, as feministas não buscam ressaltar a violência do homem. O que a gente chama a atenção é para a violência do homem contra a mulher. E só. Não sei como pode ser tão difícil entender uma coisa tão lógica.

        Meu filho, se tem uma coisa que eu não faço é julgar alguém culpado ou inocente sem prova nenhuma. Sei lá qual foi a intenção da mulher? O menino contou a história toda troncha. Sei lá se ela queria que o irmão matasse, batesse, denunciasse pra polícia, obrigasse a casar! Por mim pode ser qualquer coisa dessas. Simplesmente a informação não tava ali. Tenho plena convicção que ele teve empatia pela irmã, sentiu a dor dela. Agora matou porque tinha que vingar a honra, Por favor, também não se faça de idiota. Todos esses crimes de dar o troco não têm outra explicação se não vingar a honra. E digo isso falando de homens e mulheres. Essas brigas intermináveis entre famílias você acha que é o que? Agora imagine se no lugar do estupro, o crime fosse um espancamento. Qual a probabilidade que você acha desse irmão ir lá matar o cara e ficar fugitivo da polícia? A dor da irmã seria digna de solidariedade do mesmo jeito. Mas os homens matam para vingar o estupro muito mais do que para vingar violência doméstica. Então me diga mesmo de quem é essa honra posta em jogo… No mais, a mulher foi cúmplice, mandante, o diabo a 4, mas não foi a assassina. Quis, de um jeito educado, dizer pro rapaz que o exemplo que ele deu não tinha porra nenhuma a ver com o fato discutido. A pergunta dele partia de um pressuposto de mulher matando homem e homem matando mulher e não foi essa a história que ele contou. Vocês têm uma visão muito limitada de interpretação de texto mesmo.

        Sobre a Lei Maria da Penha, apesar de sua importância, ela se mostra com diversas falhas estruturais que precisam ser reparadas. O Brasil tem problemas para aplicar leis, todas elas, com essa não é diferente. Por exemplo, ela não foi capaz, sozinha, de reduzir o femicídio. Quanto ao mau uso, reconheço que ele existe. Mas não por essa matéria que você, que questionou meu conhecimento sobre jornalismo, tomou como verdade mesmo que a fonte para os dados do mau uso tenha sido “um promotor”. No jornalismo, a menos que a pessoa seja menor de idade ou testemunha de crime em situação de risco, os entrevistados têm nome, tá? Mas já vi reportagens sobre o fato. Como já disse também, existe gente escrota em tudo que é canto. As mulheres também tem suas representantes. Quem quer que mulher seja santa são os machistas, não a gente. :*****

      • Até que pra uma feminista, vc possui um mínimo de etiqueta, apesar da incoerência textual (não rebateu as questões indagadas e fica mudando de assunto) e da desonestidade intelectual (…já era esperado), além do excesso de ironia e agressividade( assim é que é bom, caso contrário, não teria graça). Mas vamos lá…

        “Sempre a mesma argumentação que morre mais gente de isso ou daquilo. Quero saber quem algum dia disse o contrário.”

        R: Ahnn?! Bebestes? vou te relembrar aqui o que vc mesma disse >>>>” se você não sabe, mulheres entre 15 e 44 anos morrem mais em decorrência disso (femicídio) do que a soma das mortes por câncer e acidentes de trânsito”. Foi vc quem disse o contrário filhinha.

        ” Agora quantas dessas vítimas de acidentes de trânsito morreram, por exemplo, sabotadas por uma maioria ambientalista que não aceita o transporte motorizado? Entenda o que você critica, antes de criticar. Tem mais gente morrendo por conta de doença cardiovascular no mundo do que por conta de tráfico, nem por isso se deixa de combater o segundo. ”

        R: Rapaz, infelizmente, vc escolheu a pessoa errada pra zoar. Quem diabos quer saber de outras estatísticas de trânsito? Quem diabos quer saber quem ta morrendo de doença cardiovascular ou o caralho a quatro? Vc não vai escapar com essa, nem tente fugir do assunto. O fato aqui é que vc disse que morrem mais mulheres por femicídio do que a soma das mortes de trânsito e câncer juntas ( o que não é verdade, como já comprovei). Então aqui vc tem duas escolhas, admita seu erro/exagero, que não é vergonha nenhuma, ou vamos parar por aqui, sem o uso da analítica não haverá progresso nessa discussão.

        “Engraçado como de 1.000 argumentos que eu dei nessa página você destaca logo esse, que não é nem de longe o mais importante.”

        Traduzindo >>> ‘ vc rebateu o meu argumento, que sacanagem, então usarei uma tática manjadíssima, diminuirei o valor do meu próprio argumento ( evidente em “que não é nem de longe o mais importante”), dessa forma tiro o seu mérito e ainda saio por cima’.

        “Mas sim… Remete à ideia de casamento como posse, etc, etc. Procure a origem do tratamento. ”

        R: E vc ainda insiste em teimar? Nunca viu na sua vida uma mulher se referir a um homem como “meu namorado”, “meu homem”, “meu esposo”, etc etc…já falei, esse seu argumento não tem embasamento algum, a não ser que vc viva no século xv ou numa sociedade escravista. Hoje em dia, é um termo possessivo usado para indicar um pessoa que se tem um relacionamento íntimo/afetivo. “Remeter à ideia” não significa que “o é de fato”. Traduzindo >>> Só estamos interessados no significado que possui hoje em dia e não no passado.

        “Ouvi, sim, falar em fantasia. Acho fetiche ótimo. Tem que ter. E espero que você seja assim tão cabeça aberta quando sua parceira quiser realizar os dela.”

        R: Feministas tem fantasias? Sério? Jurava que não podia por ser algum tipo de “opressão patriarcal” do maldito homem em objetificar/realizar o desejo da mulher ,contribuindo para o machismo. Vc traiu a sua pátria, perdi a fé em vc… lol

        ” Agora não acho que seja sintoma de uma sociedade saudável é dois garotos filmarem um estupro de uma menina desacordada, o vídeo ir parar na internet e quando ele é tirado do ar a indignação ser por causa da falta de acesso ao vídeo e não ao estupro que aconteceu.Também não achei nada bacana os comentários monstruosos ao vídeo brutal de estupro de Ingrid Betancourt pela FARC…”

        R: E você acha que alguém desse blog aqui acha isso bom? Melhor ainda, vc acha que algum ser humano com um mínimo de consciência vai achar isso bom? Comentário irrelevante.

        “Estou muito por dentro dos critérios de noticiabilidade, não se preocupe em me ensinar. Aliás, fui estagiária em um jornal cujo carro chefe era um tabloide só de crimes registrados na cidade. Sei bem do que estou falando e sei que há notícias de mulheres que matam seus parceiros. Elas só são infinitamente menos recorrentes.”

        R: Quem disse que não são menos recorrentes? Obviamente que homens que matam mulheres ganha estourado, ninguém duvidou disso. A proporção é cerca de 6 vezes maior.

        Fonte: http://jornaltribunadonorte.net/noticias/dados-da-violencia-domestica-no-brasil/

        “E não cometa o mesmo erro de não saber separar os crimes. Crime de mulher que mata filho, que esfaqueia sogra, babá que bate em criança, desacata policial não está no mesmo bolo de mulher que mata o marido, tá?”

        R: Desonestidade intelectual 1000. Minha filha, eu postei aquela fonte pra mostrar especificamente que homens também são vítimas de violência doméstica, fui bastante específico, basta olhar no meu post anterior. Em momento nenhum eu usei aquele link pra enquadrar todos os crimes citados lá como “violência doméstica” lol. Em momento nenhum eu falei “olhe nesse site aqui, uma lista SOMENTE de crimes de violência doméstica”, o que eu disse foi “olha, homens também sofrem com violência doméstica”. Agora vc vem aqui tentar me reduzir? Para né, vc não está falando com menino. Agora, diferente do que eu disse, sinta a especificidade dessa frase absurda abaixo:

        “mulheres entre 15 e 44 anos morrem mais em decorrência disso do que a soma das mortes por câncer e acidentes de trânsito.”

        R: Sente a diferença?

        “Ou vocês querem que a gente insira também pai que assedia criança, homem que atropela e foge, homem que mata vizinho, homem que esfaqueia dono de bar? Dica: não vai ficar muito bom para o gênero masculino e a gente nem precisa misturar com notícias do pessoal dos EUA, como fez a galera do site que você linkou.”

        R: Veja como funciona a desonestidade intelectual feminista. Em momento nenhum ela rebate a minha afirmação de “homem também sofre com violência doméstica”, o que ela faz? Muda o assunto pra temas irrelevantes que todos já estão carecas de saber, insinuando que homens são responsáveis pela maioria dos crimes (jura gênia? Não sabia! :O) etc, etc. Isso aqui não é um concurso pra saber quem mata mais ou quem mata menos não filhinha. Pode tentar mudar de assunto aí, mas o fato é que HOMENS CONTINUAM SOFRENDO COM VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, e vc nem tocou no assunto lol.

        “Acontece, que ao contrário do que os anti-feministas fazem, ressaltando a violência da mulher, as feministas não buscam ressaltar a violência do homem. O que a gente chama a atenção é para a violência do homem contra a mulher. E só. Não sei como pode ser tão difícil entender uma coisa tão lógica.”

        R: Ou seja, o feminismo é um movimento egoísta que só se preocupa com a mulher em si, tanto que se uma lei que protege a mulher prejudicar os homens, não vão estar nem aí, afinal de contas uma sociedade é composta por mulheres, crianças e…ahh…o resto é resto. A prova do quanto o feminismo se importa com os homens está logo abaixo:

        Fonte: http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2013/10/leitor-chateado-porque-feminismo-e-um.html

        “Meu filho, se tem uma coisa que eu não faço é julgar alguém culpado ou inocente sem prova nenhuma. Sei lá qual foi a intenção da mulher? O menino contou a história toda troncha.”

        R: No texto passado vc insinuou que a culpa era do homem (do irmão), agora vc já vem com relativismo moral, dizendo que “não julga”, que não tem os fatos, é pra rir? Pois estou rindo, me desculpa, mas diferente de vc, n sei colocar essa carinha de risos, me ensina? lol

        “Tenho plena convicção que ele teve empatia pela irmã, sentiu a dor dela. Agora matou porque tinha que vingar a honra, Por favor, também não se faça de idiota.”

        R: Não, vc não tem plena convicção de nada, sua inteligência emocional é na melhor das hipóteses, discutível, vc reduz os sentimentos humanos a uma simples construção social (evidente na insistência em dizer que é para “vingar a honra). O que ele provavelmente pensou e sentiu foi algo do tipo “eu sou homem e tenho de proteger a minha irmã, ela não pode se defender, ela sofreu e não pode devolver na mesma moeda por ser mais frágil, então eu, irmão, homem e mais forte, farei isso por ela” (sentimento esse que a mulher tem conhecimento e soube muito bem como usar a seu favor). Agora me faz um favor e troque o nome “irmã” ali em cima por “irmão mais novo”, ou “pai” ou “mãe” que vai dar no mesmo. A ira masculina é despertada perante a injustiça de ver um ente querido “mais frágil” sofrendo, os mais descontrolados sempre acabam fazendo besteiras. Agora vc tenta colocar uma situação desse tipo sob a perspectiva sociológica, simples assim né? “Ele queria vingar a honra e pronto…culpa do machismo” lol. Me recuso a continuar discutindo esse assunto, pois não pode ser discutido sob a perspectiva sociológica ( que é de influência mínima), mas sim sob a perspectiva da Psicologia/Psicanálise em conjunto com a Biologia/Medicina materialista (…estudando o campo das emoções/comportamento/instintos e a mente humana).

        “Sobre a Lei Maria da Penha, apesar de sua importância, ela se mostra com diversas falhas estruturais que precisam ser reparadas. O Brasil tem problemas para aplicar leis, todas elas, com essa não é diferente. Por exemplo, ela não foi capaz, sozinha, de reduzir o femicídio. Quanto ao mau uso, reconheço que ele existe. Mas não por essa matéria que você, que questionou meu conhecimento sobre jornalismo, tomou como verdade mesmo que a fonte para os dados do mau uso tenha sido “um promotor”. No jornalismo, a menos que a pessoa seja menor de idade ou testemunha de crime em situação de risco, os entrevistados têm nome, tá?”

        R: Desisto de vc. A Fonte é simplesmente a chefe da Divisão de Polícia Especializada da Mulher, Idoso e Deficiente, Olívia de Fátima Braga Melo, pelo visto vc não andou lendo os links, mas vou postar só uma frase dela >>> “Em 30% dos casos constatamos que a mulher também é agressora, isso quando não fica claro que é o companheiro quem sofre nas mãos dela”.

        Fonte: http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI549579-EI306,00-Mulher+agride+marido+com+acido+sulfurico+em+MG.html

        Foi divertido brincar com vc, agora se me der licença, como homem privilegiado do patriarcado capitalista vou ali realizar a minha função social e oprimir algumas pessoas como de costume, ainda não tive tempo de cumprir a agenda…(normalmente eu colocaria a sua carinha de risos aqui, mas enfim lol)

      • Ah, Monaro, não entendi que você estava especificamente falando da minha informação quanto aos números de mortes por femicídios. Talvez porque eu estivesse influenciada pela resposta que eu tinha acabado de dar a Wolf em um comentário mais abaixo, li seu argumento como uma comparação entre as mortes de mulheres e as mortes de vítimas de trânsito em geral.

        Pois bem, sobre esse dado que eu dei, ele é real. O que parece não ter ficado claro para você e que, coerentemente, despertou sua desconfiança, é que eu estava falando especificamente das mulheres. Mulheres entre 15 e 45 anos morrem mais em decorrência de violência doméstica do que em decorrência de acidentes de trânsito ou câncer. Melhora assim? Pode ser conferido aqui, junto com vários outros dados: http :// www. unfpa. org. br/Arquivos/cartilha_direitos_mulher. pdf

        Eu achei engraçado você ter falado sobre o termo “minha mulher” porque em todos os meus comentários eu falei de violência, de situação no mercado de trabalho, de repressão sexual, de assédio público, de falsos privilégios e justo quando eu menciono a ideia da origem do casamento como posse num parênteses bem tímido no meio de uma frase, ela se sobressai. Como se ser feminista fosse ser contrária ao casamento, que é a ideia que quem é anti-feminista tenta passar. Aqui mesmo nessa página já tive que argumentar contra essa ideia uma vez. Sou feminista e quero casar, de branco, com minha família ao redor, do jeito que manda o figurino. Milhares de feministas são casadas. Inclusive a própria Lola que parece que é o bode sempre.

        Eu continuo defendendo a importância do termo, sim. Você fala como se não fosse o hoje o reflexo da história. É impossível entender como uma sociedade se comporta sem conhecer suas origens. O casamento e a monogamia serem construções sociais/religiosas para garantir herdeiros legítimos, terem sido instituídos com a premissa de bens dados ao pai da mulher em troca da filha e de tornar aquela união pública aos olhos de todos para avisar que tal moça já não estava mais disponível têm tudo a ver com a ideia de posse que persiste em diversos níveis até hoje. O “minha mulher” vem daí. Não sei se é tão comum a esposa apresentar o marido para os outros dizendo: “esse é o meu homem”. Não me lembro de ter presenciado. De todo modo, mesmo você achar a referência absurda é sintomático dessa naturalização para mim. Sem implicância nenhuma com o termo. Uso o tempo todo “a mulher” no lugar de “a esposa”. Os homens também podem chamar as esposas de “minha mulher” o quanto quiserem, contanto que não se achem donos delas.

        Tu jura que tu achava isso das feministas mesmo? Como se pode lutar por libertação sexual e fazer cara feia para fetiche? Agora eles não podem ser realizados só de um lado. Sexo tem que ser troca de tudo, incluindo fetiches e orgasmos. Por sinal, quem fica meio escandalizado com fetiche da mulher é machista, né? Afinal, ela tem que ser pura. Imagina a mulher dizer que a fantasia dela é o marido presenciá-la transando com um negão? O machista vai entrar na terapia, no mínimo. 🙂

        Sobre o estupro, pode ter certeza que tem gente que acha normal sim. Você acha que esses comentários são todos de psicopatas? Claro que não. Tem uma coisa muito determinante entre um fetiche de sadomasoquismo e um de estupro. Porque o sexo pode ser violento o quanto for, maluco o quanto for, usar os acessórios mais estranhos que forem, se ele for consentido. A diferença é que o estupro não é. Ao assistirem encenações de estupros em sites pornográficos, as pessoas naturalizam a violência como parte do prazer. E procuram os estupros reais como fetiche, esquecendo do crime. Do mesmo jeito que assistem aos vídeos vazados na internet sem se darem conta das pessoas sofrendo por conta desse vazamento. Contudo, pelo menos o sexo foi consentido, nesse segundo caso.

        Olha, tem muito anti-feminista por aí dizendo que a mulher é mais perigosa para o homem, viu? Mas quando eu falei das mortes femininas, eu falei para explicar para o Pedro porque quando as mulheres são assassinadas isso é considerado crime de gênero e quando a mulher mata o homem geralmente não é. Expliquei que isso acontecia porque mulher matando o parceiro é muito menos recorrente do que homem matando a mulher. O parágrafo que você destacou estava totalmente relacionado a isso, seu recorte que decidiu mostrar sem o início. E você rebateu com crimes cometidos por mulheres, como se em algum momento eu tivesse negado essa informação. Se ambos dissemos que mulheres são mais vítimas de violência doméstica do que os homens, embora eles também sejam vítimas em menor escala; se seu link não tinha a intenção de ressaltar a violência feminina em geral; então, sinceramente, não entendo o motivo de você tê-lo postado. Da próxima vez, antes de postar um link que defende uma ideia que não é a que você passar, deixe isso claro – principalmente se você não tiver deixado claro sua ideia. [Ainda não compreendi. Juro]

        Eu não rebati sua afirmação de que homem também sofre violência doméstica porque, como eu disse, eu nunca neguei. E se há alguma desonestidade intelectual, ela reside no link que você postou que, como eu disse, mistura violência de gênero com violência em geral. A única coisa que eu fiz foi rebater o que é dito nesse link porque ele foi inserido no seu comentário e porque eu entendi que você concordava com ele. Esclareci que são coisas distintas e por que são coisas distintas. Não haveria porque fugir de um argumento como esse né, Monaro, por favor. E engraçado você dizer que eu NUNCA disse que homem sofre violência doméstica quando duas das minhas frases que você destacou vêm dizendo claramente que há crime em que “mulher mata marido”.

        Olha, eu não sei por que é tão difícil para vocês que o feminismo se preocupe com o sofrimento da mulher e não com o sofrimento de todos os oprimidos. Você questiona por que os movimentos LGBT defendem os interesses dos homossexuais e não os interesses dos homossexuais e das crianças? Ou porque o movimentos contra a discriminação do negro lutam contra injustiças cometidas contra negros e não contra negros e ruivos? O raciocínio é o mesmo para o feminismo. Cada minoria tem o seu movimento. Cada uma luta pelos seus interesses. Muitas se apoiam entre si. Ser feminista não me impede de fazer parte do movimento negro, por exemplo. E, como feminista, devo dizer que tenho muito mais interesse em uma sociedade justa para todo mundo do que boa parte dos machistas. Tanto que embora nem todas as feministas sejam de esquerda, quanto mais comunistas, esse é o senso comum principalmente dos anti-feministas.

        O que eu disse foi que o irmão é o assassino. E tem como negar isso? Aliás, quem disse isso foi o próprio Pedro. E o que eu disse também é que iria fazer um julgamento raso diante das poucas informações que me foram dadas. Que poderia ser muito mais complexo do que o que eu iria dizer. Vocês são tão contra feministas que usaram uma tentativa minha de abrandar a certeza do que eu estava dizendo como se fosse uma certeza de inocentar a mulher. Se eu soubesse que seria tão polêmico, nem teria deixado claro o benefício da dúvida ali. Eu não sou criminalista, o que eu conheço é sociologia. Se ainda tivesse a cena do crime, poderia usar o que aprendi com o CSI. Mas nem isso. Tinha que ser sociologia mesmo nera, cara? Você está supondo com as bases em que acredita, que tudo que um homem quer é proteger a mulher e a família (por sinal a teoria que muitos anti-feministas costumam defender, mas que se você quiser rebato inteira – não que seja definitivo, você certamente vai retrucar, claro, e isso que é bom), que foi isso que isso que motivou o cara. Eu estou supondo com as bases em que eu acredito (que a ideia de proteção não difere em nada da de posse) que foi isso que motivou o cara. Nenhum de nós dois temos como saber quem está certo. Sigamos, pois, com nossas convicções.

        Sobre a Maria da Penha, eu nunca desconfiei da sua informação do site do Terra. Apenas disse que o segundo site que você postou ,com a notícia de que 5 em cada 30 casos são de mau uso, não era de confiança. 🙂 Por sinal, eu reafirmei sua informação de que a lei é mal aplicada e disse sê-lo em diversas instâncias, contrárias e a favor da mulher.

        Eu tento, mas é difícil resistir à ironia. E só porque você disse que poderia ser que Glória Kalil me aprovasse, vou deixar o poema que me inspirou a ser irônica assim. Boa leitura para depois que voltar da sua sessão de opressão de hoje.

        Consolo na Praia
        (Carlos Drummond de Andrade)

        Vamos, não chores.
        A infância está perdida.
        A mocidade está perdida.
        Mas a vida não se perdeu.

        O primeiro amor passou.
        O segundo amor passou.
        O terceiro amor passou.
        Mas o coração continua.

        Perdeste o melhor amigo.
        Não tentaste qualquer viagem.
        Não possuis carro, navio, terra.
        Mas tens um cão.

        Algumas palavras duras,
        em voz mansa, te golpearam.
        Nunca, nunca cicatrizam.
        Mas, e o humour?

        A injustiça não se resolve.
        À sombra do mundo errado
        murmuraste um protesto tímido.
        Mas virão outros.

        Tudo somado, devias
        precipitar-te, de vez, nas águas.
        Estás nu na areia, no vento…
        Dorme, meu filho

        (Tá vendo como eu sou feminista e feminina? Ainda sou sou gata também.)

      • ahhnn…mas que feminista eufórica, sempre respondendo na velocidade da luz, me dando trabalho, mas é a vida, nem vou choramingar aqui se não vc pode me confundir com um de seus colegas do mesmo movimento lol

        “Pois bem, sobre esse dado que eu dei, ele é real. O que parece não ter ficado claro para você e que, coerentemente, despertou sua desconfiança, é que eu estava falando especificamente das mulheres. Mulheres entre 15 e 45 anos morrem mais em decorrência de violência doméstica do que em decorrência de acidentes de trânsito ou câncer. Melhora assim? ”

        R: Agora sim é um dado verídico, precisou de quase 2 posts pra vc admitir o erro, em. Já estava perdendo a esperança em vc. #tinhadeserfeminista

        “Eu achei engraçado você ter falado sobre o termo “minha mulher” porque em todos os meus comentários eu falei de violência, de situação no mercado de trabalho, de repressão sexual, de assédio público, de falsos privilégios e justo quando eu menciono a ideia da origem do casamento como posse num parênteses bem tímido no meio de uma frase, ela se sobressai.”

        R: É por isso que é importante pensar antes de escrever ou falar, sabe? E ademais, o que vc está insinuando? Violência, situação no mercado de trabalho, de repressão sexual, de assédio público, de falsos privilégios…qualquer hora que vc quiser discutir sobre esses assuntos, pode ter certeza que eu vou responder, pro seu azar…

        “Como se ser feminista fosse ser contrária ao casamento, que é a ideia que quem é anti-feminista tenta passar. Aqui mesmo nessa página já tive que argumentar contra essa ideia uma vez. Sou feminista e quero casar, de branco, com minha família ao redor, do jeito que manda o figurino. Milhares de feministas são casadas. Inclusive a própria Lola que parece que é o bode sempre. ”

        R: Antifeministas não acreditam necessariamente que feminista é contrária ao casamento em si, tanto que existem feministas casadas, apesar de que as feministas mais radicais são sim contra o casamento, pois é uma forma de “opressão” à mulher. O que antifeministas acreditam (e com razão) é que as atitudes das feministas tornam os homens céticos e consequentemente os afastam da ideia de casar, o que é verdade, prejudicando todas as mulheres em si, principalmente as não feministas. Se vc duvida, dê uma olhada nos países em que o feminismo é forte. Nos EUA, nem se fala, a taxa de casamento diminuiu e a de divórcio atinge níveis elevadíssimos, a ponto dos jornais ressaltarem que os homens estão fazendo “greve de casamento” (marriage strike), na Suécia, os homens estão rejeitando se casar com as suecas e “importando” tailandesas pra casar. E no pior cenário, que é o Japão, temos os “herbívoros”, que são quase metade dos homens entre 23 a 34 anos que não se interessam por mulheres e casamento, estão revolucionando a cultura japonesa a um ponto em que até 2050 não existirá mais Japão, sem falar no desastre crescente para a economia.

        “Eu continuo defendendo a importância do termo, sim. Você fala como se não fosse o hoje o reflexo da história. É impossível entender como uma sociedade se comporta sem conhecer suas origens. O casamento e a monogamia serem construções sociais/religiosas para garantir herdeiros legítimos, terem sido instituídos com a premissa de bens dados ao pai da mulher em troca da filha e de tornar aquela união pública aos olhos de todos para avisar que tal moça já não estava mais disponível têm tudo a ver com a ideia de posse que persiste em diversos níveis até hoje. ”

        R: Jura? Uau, eu não sabia disso, afinal faz tempo que terminei o ensino médio, ou seria o fundamental? Vc é quase uma gênia incompreendida. #carinhaderisosaqui

        “O “minha mulher” vem daí”

        R: E daí de onde vem a origem? Até quando vc vai continuar teimando? O fato é que isso não se aplica à realidade contemporânea, então ficar falando sobre o processo histórico não vai tornar seu argumento mais coerente, uma vez que não muda o fato de que ATUALMENTE ESSE TERMO NÃO REMETE À IDEIA DE PESSOA COMO POSSE.

        “Tu jura que tu achava isso das feministas mesmo?”

        R:E vc jura que vc jurou que eu jurava que achava isso?

        “Como se pode lutar por libertação sexual e fazer cara feia para fetiche? Agora eles não podem ser realizados só de um lado. Sexo tem que ser troca de tudo, incluindo fetiches e orgasmos. Por sinal, quem fica meio escandalizado com fetiche da mulher é machista, né?”

        R: Não sei, homens, inclusive os que vc denomina “machistas” geralmente gostam de agradar suas mulheres. Agora, fetiches são DESEJOS ocultos, que ademais podem falar muito sobre a personalidade da pessoa.

        “Afinal, ela tem que ser pura.”

        R: A “pureza” é um requisito entre os cristãos. O que vc tem contra homens que exigem “pureza”? Desde que eles tbm o sejam, eu acho justo, estão seguindo a fé deles e eu não vejo nenhum “machismo” nisso, o problema é que a hipocrisia reina dos dois lados. Feministas acham essa exigência absurda, enquanto que os “machistas” acham que podem pegar 63253623 mulheres e ainda ter respaldo para exigir uma “mulher pura”…enfim, tema discutível. Você não prega a liberdade? Mulher não pode fazer o que quiser? Então homens, pegadores ou não, também podem escolher quem quiser para casamento, e nenhuma feminista tem moral pra choramingar em relação a isso, viva a liberdade de escolha, não?

        “Ao assistirem encenações de estupros em sites pornográficos, as pessoas naturalizam a violência como parte do prazer. E procuram os estupros reais como fetiche, esquecendo do crime.”

        R: De onde vc tira essas ideias? Vc se refere a essas pessoas ainda como “normais”? Que tipo de pessoa vai querer assistir estupro real? As mentalmente saudáveis pelo menos não. No mínimo, ao invés de excitação, o filme geraria angústia/ódio/indignação. Para né, tem uma definição não oficial para isso que vc tá fazendo: Eupirismo.

        “… E você rebateu com crimes cometidos por mulheres, como se em algum momento eu tivesse negado essa informação. Se ambos dissemos que mulheres são mais vítimas de violência doméstica do que os homens, embora eles também sejam vítimas em menor escala; se seu link não tinha a intenção de ressaltar a violência feminina em geral; então, sinceramente, não entendo o motivo de você tê-lo postado. Da próxima vez, antes de postar um link que defende uma ideia que não é a que você passar, deixe isso claro – principalmente se você não tiver deixado claro sua ideia. [Ainda não compreendi. Juro]”

        R: Vou explicar, na verdade vc disse o seguinte no final >> “me mostre um argumento que destrua isso. procure uma notícia, uma pesquisa, qualquer coisa que aponte que essas estatísticas que te dei não justificam lutar contra o fim dessa violência direcionada a um gênero sexual. eu aceito até com alegria.” <<< Então eu postei VÁRIOS dados e pesquisas que mostravam que homens sofrem tanto com violência doméstica ou violência nos relacionamentos quanto mulheres (embora em se tratando de violência doméstica, as mulheres obviamente sofram mais). Logo, não justifica lutar pelo fim da violência apenas pra um gênero específico, mas sim pelo fim da violência doméstica em si. A luta pelo fim da violência doméstica apenas pra um gênero acabou gerando violência para o outro (mal uso das leis e etc).

        "Eu não rebati sua afirmação de que homem também sofre violência doméstica porque, como eu disse, eu nunca neguei. E se há alguma desonestidade intelectual, ela reside no link que você postou que, como eu disse, mistura violência de gênero com violência em geral."

        R: Nem vem que com essa vc não escapa. Quando eu postei o link, eu me referi muito bem a HOMEM SOFRE COM VIOLÊNCIA DOMÉSTICA. Se no link tinha crimes de outras categorias (que obviamente tem, pois na verdade é um site que reúne vários links com várias categorias de crimes), quem se importa? As categorias estão misturadas, obviamente. Ninguém quer saber da mulher que matou outra mulher nos EUA, o foco são nos crimes de violência doméstica que ocorreram no Brasil praticados por mulheres contra homens, e que estão exemplificados lá. O que vc quer que eu faça? Hackear o blog e separar os crimes em categorias? #LÓGICAFEMINISTA

        "Olha, eu não sei por que é tão difícil para vocês que o feminismo se preocupe com o sofrimento da mulher e não com o sofrimento de todos os oprimidos."

        R: Estamos pouco ligando se o feminismo luta somente pela mulher, se fosse só isso, estaria bom demais (ao menos pra mim). O problema é que nessa luta, esse movimento tosco e desorganizado acaba atingindo pessoas que não têm nada a ver (através de leis injustas), sem falar que ainda desperta vários preconceitos (em desfavor especialmente dos homens), ou seja, é um movimento baseado no egoísmo/ódio, que só olha pro próprio umbigo sem se preocupar com as consequências.

        " Você questiona por que os movimentos LGBT defendem os interesses dos homossexuais e não os interesses dos homossexuais e das crianças? Ou porque o movimentos contra a discriminação do negro lutam contra injustiças cometidas contra negros e não contra negros e ruivos? O raciocínio é o mesmo para o feminismo."

        R: Não, o raciocínio não é o mesmo. O feminismo e o movimento LGBT atingem outras pessoas, buscam privilégios pra eles mesmos e não se preocupam com as consequências ou com as outras pessoas, por exemplo, o movimento LGBT insiste em aprovar leis absurdas, tempos atrás, se o projeto de lei deles fosse aprovado, eles poderiam até mesmo se beijar dentro de locais particulares (como dentro das igrejas, desrespeitando as crenças alheias), nem vou citar aqui as outras aberrações. Enfim, movimentos egoístas e intolerantes, por isso não são respeitados.

        " E, como feminista, devo dizer que tenho muito mais interesse em uma sociedade justa para todo mundo do que boa parte dos machistas."

        R: Não sei dizer, mas não duvido de você…

        " Tanto que embora nem todas as feministas sejam de esquerda, quanto mais comunistas, esse é o senso comum principalmente dos anti-feministas."

        R: E o que vc quer que os/as antifeministas acreditem? Na lenda da feminista conservadora? Que tal a da feminista testemunha de Jeová? ( como se coloca as carinhas de risos mesmo? hahaha) Nesse caso, o senso comum condiz com a realidade, pois feministas que não são de esquerda ou comunistas são a exceção, não a regra, não acha?

        "Você está supondo com as bases em que acredita, que tudo que um homem quer é proteger a mulher e a família… "

        R: ERRADO. Eu nunca disse que tudo que um homem quer é isso, eu disse que isso era uma tendência natural do homem querer proteger aqueles que são próximos, porém isso não se estende apenas à família. Depende de cada caso isolado, onde muitos fatores influenciam, mas alguns homens perante a injustiça podem se arriscar até mesmo por desconhecidos, como por exemplo, o caso desse cara que ajudou um mendigo, e acabou espancado:

        Fonte: http://extra.globo.com/casos-de-policia/estudante-espancado-por-cinco-jovens-ao-defender-mendigo-que-estava-sendo-agredido-em-praca-na-ilha-do-governador-3863854.html

        E vc quer saber o que esse estudante disse em uma entrevista depois de sair do hospital todo quebrado? Me lembro que foi algo do tipo: "Eu estava defendendo uma pessoa e se pudesse voltar ao passado teria feito tudo de novo".

        "(por sinal a teoria que muitos anti-feministas costumam defender, mas que se você quiser rebato inteira – não que seja definitivo, você certamente vai retrucar, claro, e isso que é bom), que foi isso que isso que motivou o cara."

        R: Seu problema é insistir em ficar pressupondo que eu sou um "antifeminista igual a todos os outros", por isso tende a sempre se dar mal, eu não menosprezo sua inteligência (…mentira, não acredite nesse salafrário, ele menospreza sim : P), então não despreze a minha. Eu não defendo essa teoria que tudo que homem quer é proteger a mulher e a família. O que eu defendo é o estudo e compreensão dos instintos, emoções e psique masculina em relação o caso concreto, especialmente sob a ótica sociológica, biológica e psicológica. É aqui que eu acho no mínimo engraçado, em como vc se limita a analisar o masculino apenas sob a ótica sociológica, sendo que a Sociologia em si é uma ciência cujo o foco é o coletivo, não se focando no indivíduo em si, diferente das outras ciências citadas acima. Na verdade, sem vc perceber, a previsível aqui é você, pois já consigo até pensar em pelo menos umas 3 prováveis teses que vc vai usar pra formular sua teoria, então não fique acanhada, se quiser "rebater", experimenta aí lol.

        "Eu estou supondo com as bases em que eu acredito (que a ideia de proteção não difere em nada da de posse) que foi isso que motivou o cara. "

        R: Pode até ser, mas essa base em que você acredita é no mínimo uma piada, nem o mais maconheiro dos sociólogos ousaria aplicá-la a esse caso concreto, quer dizer que o ser humano é facinho assim de se compreender, né? Eles tentariam aplicar essa tese em cima de um homem que matou outro homem pra "vingar" o estupro da mulher/namorada, aí sim possuiria uma mínima plausibilidade, porém a mulher na questão é a irmã. Então me responde uma coisa, se ele (irmão assassino) fizesse a mesma coisa por uma vizinha, que é amiga de infância dele a quem ele é muito próximo como amigo, embora não possua um relacionamento íntimo com ela, vc tbm atribuiria isso à ideia de posse? Ele iria vingar a honra dele matando o cara pra vizinha? lol Não existe conectividade e empatia, de acordo contigo, fora do âmbito familiar, né? #LÓGICAFEMINISTA

        Nenhum de nós dois temos como saber quem está certo. Sigamos, pois, com nossas convicções."

        R: Claro, te deixar nessa ilusão ideológica aí já é mais do que um castigo : P

        "Sobre a Maria da Penha, eu nunca desconfiei da sua informação do site do Terra. Apenas disse que o segundo site que você postou ,com a notícia de que 5 em cada 30 casos são de mau uso, não era de confiança. 🙂 Por sinal, eu reafirmei sua informação de que a lei é mal aplicada e disse sê-lo em diversas instâncias, contrárias e a favor da mulher. "

        R: Não era de confiança? Como não? O Depoimento da Delegada (primeiro site) apenas reforça o que esse site (segundo site) afirmou…por isso que normalmente não uso apenas uma única fonte como referência.

        "Eu tento, mas é difícil resistir à ironia. E só porque você disse que poderia ser que Glória Kalil me aprovasse, vou deixar o poema que me inspirou a ser irônica assim. Boa leitura para depois que voltar da sua sessão de opressão de hoje."

        R: Sendo um homem opressor e capitalista do patriarcado , se eu disser que li esse poema, vc acredita? Sabe como é né, eu gastaria uns 20 segundos para ler, mas minha filosofia opressora capitalista não permite, afinal de contas, tempo é dinheiro.

        "(Tá vendo como eu sou feminista e feminina? Ainda sou sou gata também.)"

        R: …e pelo visto muito modesta, né? Além de possuir orgulho excessivo, dificuldades em ceder, personalidade histriônica, narcisismo clássico, e talvez outros complexos do CID-10 e DSM-IV, que no momento estou com preguiça de pesquisar, afinal de contas, vc não está merecendo esse meu investimento de tempo, que deveria estar sendo utilizado para a produção de dinheiro, explorando a força de trabalho alheia, para satisfazer os meus instintos opressores machista e capitalista, e contribuir para o patriarcalismo como todo bom cidadão deve fazê-lo lol.

    • Monaro,

      Infelizmente, pro seu azar, o inverno europeu me trouxe de presente uma faringite, daí estou de molho em casa desde quinta-feira e com muito tempo livre para vir por aqui. Como o seu comentário anterior tinha sido muito de boa e eu havia sido mais chatinha no meu, resolvi responder esse mais na esportiva. Trato as pessoas de acordo como sou tratada, sabe? Mas baixar a guarda pra machista é foda. Vocês acham logo que tão por cima de novo e começam a agir feito idiotas no mesmo instante. Resultado foi que eu tive que ler esse monte de estupidez em série…

      Então, para você que é meio limitado pelo ego do seu caralho, deixa eu explicar. O dado sempre esteve correto, meu caro. Você que não conseguiu entender. Eu estava explicando para Pedro porque diferenciar o assassinato de mulheres por homens e o de homens por mulheres era necessário. Disse que era porque, no caso feminino, não era um homicídio qualquer, era femicídio. E expliquei: ‘o femicídio trata de mulheres mortas por seus parceiros em crimes ditos “passionais”, em brigas matrimoniais, em estupros seguidos de assassinatos. se você não sabe, mulheres entre 15 e 44 anos morrem mais em decorrência disso do que a soma das mortes por câncer e acidentes de trânsito’. Não é preciso ser um gênio para entender que num contexto de mortes TOTALMENTE de mulheres, eu estava comparando com outras mortes de mulheres. Não faz sentido nenhum usar mortes em geral para contrapor a um dado de femicídio, querido. Misturar alhos e bugalhos para justificar um ponto é coisa de anti-feminista fazer: “Ah, mulheres são mais vítimas de violência doméstica, mas homem morre mais por conta de violência urbana. Mimimi!”. Parabéns pela constatação, gênio, só que não tem nada a ver uma coisa com a outra. Não, Monaro, muito obrigada. A lógica que você não enxerga é porque você não tem. A minha tá aqui e tá funcionando direitinho. Entendeu agora, babe? Não tinha erro para admitir porque ele foi seu, tá? Tanto que eu deixei evidente que “o dado está certo” e que “não ficou claro para você”. 🙂

      É importante pensar no que vou dizer porque tem doido que pode distorcer o que eu disser como ele bem entender na cabeça doida dele, né? E pode transformar um copo d’água numa tempestade só pra regar a hortinha de má intenção dele. Mas eu não me importo de rebater, nem retiro o que eu disse naquele parênteses. Se falei é porque me interessa. E, sim, acredito que você não têm argumentos muito contundentes para discutir sobre os outros assuntos, já que vários dos meus estão aqui espalhados por essa página e você não rebateu nenhum, fora um dado que você não compreendeu e uma prova residual de uma opressão institucionalizada que continua ocorrendo ainda que não necessariamente devido à instituição: o casamento. Uma pessoa que ignora isso provavelmente nunca ouviu falar em ciência da família; não sabe o que representam casamento por grupos, casamento sindiástico e monogamia; não tem conhecimento de que antes de ricos e pobres, negros e brancos, direitistas e esquerdistas, o primeiro antagonismo que existiu foi homem e mulher; e tem uma visão muito limitada de mundo que não lhe permite entender que não importa quantos séculos passaram, o sistema continua o mesmo. Em intensidades diferentes, as mesmas ideias permanecem. Acredito, aliás, que você não tem argumentos contundentes nem para discutir os assuntos que se propôs.

      E, bom, se os homens não querem casar porque para eles é muito duro ter que conviver com mulheres que não são submissas e que não os colocam num pedestal porque eles são homens, coitadinhos, né? Se casamento não serve mais para dar autoridade, então melhor nem casar, né? Amor, o que é isso? Como ele vai garantir que ela PRECISE ficar com ele, não que ela QUEIRA, se ela for independente para pagar suas contas e souber fazer uma ligação quando não conseguir consertar a pia? Mas apesar de acreditar que muitos homens não saberiam lidar com uma mulher completamente ciente de seus direitos e do papel que ela pode ocupar numa relação amorosa, numa família e na sociedade, eu tenho que ser justa com vocês. Conheço muitos que não são assim tão babacas e não exigem estarem em uma posição de superioridade, a igualdade para eles cai bem. Também conheço vários que não dão mais importância a com quantos caras a mulher transou do que à relação que eles construíram. Conheço outros tantos que acham bacana dividirem direitos e responsabilidades com os filhos e com a casa. Então, acredito eu, a humanidade está salva. Ufa!

      Não, Monaro, muitos homens machistas não gostam de agradar as mulheres; eles gostam de achar que estão agradando! Se você soubesse como é de querer chorar de emoção depois de fazer sexo com um homem que está preocupado DE VERDADE com o prazer da parceira, além do gozo dele, você jamais diria isso. Espero que você tenha feito essa afirmação porque você é assim com as mulheres com quem você transa. Muito bem! Se possível, faça propaganda disso com os amigos e diga como é muito mais bacana o sexo desse jeito porque TÁ LONGE DE SER REGRA!

      Sou completamente a favor de liberdade religiosa. Acredite no que quiser! Agora o que eu não permito é usar moral cristã para impor padrão de comportamento fora de sua igreja. E tô começando a achar que, ou você conhece poucos machistas ou você é muito demagogo, porque tô pra ver um que não queira saber quantos parceiros a menina já teve e fica escandalizado se passa de um número que ele acha ok, de preferência que caiba numa mão. Acredito também que você não lê muitos comentários em matérias como as que falaram sobre o caso da menina do Piauí que se suicidou depois de ter vídeo íntimo divulgado, de Fran e de todos esses exemplos. Certo você. Porque eu geralmente caio na besteira de ler e sinto vontade de pular pela janela quando constato o quanto nosso comportamento ainda é moralizado e o quanto nossa sexualidade é reprimida.

      E as ideias sobre o estupro eu tiro de estudos mesmo. Numa das vezes que eu fui narcisista eu falei que meu mestrado é nessa área, tá lembrado? Escrevi um capítulo todinho sobre essa cultura do estupro que você não acredita que existe e que é só quem tem tesão por isso é psicopata. Explica, então, porque os entrevistados de Margo Paine pro livro “Body Wars”, disseram que: 30% estuprariam caso não houvesse consequências legais; 8% revelaram já ter estuprado ou tentado estuprar, e 83% concordaram com a expressão “algumas mulheres estão pedindo para ser estupradas”. Explica os caras planejarem fazer isso e o primeiro comentário: http:/ /g1. globo. com/sao-paulo/sorocaba-jundiai/noticia/2013/09/trio-e-indiciado-por-estuprar-menina-de-13-anos-e-colocar-video-na-internet. html
      Depois fala sobre esse aqui com link para o video: http:// www. clmais. com. br/informacao/64330/trio-estupra-adolescente-e-posta-v%C3%ADdeo-na-internet
      Depois veja esse caso: http: // www1. folha. uol. com. br/folha/cotidiano/ult95u467425.shtml e só uma das comunidades do orkut onde era possível ver gente procurando/comentando o vídeo: http :// webcache. googleusercontent. com/search?q=cache:6tTwvSz2PfAJ:www.orkut.com/CommMsgs%3Fcmm%3D14088426%26tid%3D5268476970112780716%26na%3D4%26nst%3D31%26nid%3D14088426-5268476970112780716-5268484808428095916+&cd=6&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br
      Pronto. Agora soque seu “eupirismo” no cu!

      Querido, mostrar casos de homens que sofrem violência doméstica não reverte lógica nenhuma porque isso nunca foi negado. Você tava tentando provar uma coisa que nunca foi questionada. Além disso, se você acha 10 links, eu acho 50 links do contrário e isso não leva ninguém a lugar nenhum. O que falta é um DADO que negue que o número de mulheres mortas em decorrência de violência doméstica é infinitamente maior! Obviamente, se fosse uma matéria, que fosse uma matéria contendo esses números né, meu bem? Não casos específicos que se pode achar sobre qualquer tipo de crime no mundo.

      E a Lei Maria da Penha não tá fazendo homem apanhar mais que mulher não, meu amor. Pelo visto não é só o que eu escrevo que você não consegue interpretar. O que tinha na matéria que você postou é que em 30% dos casos de agressão, as mulheres TAMBÉM eram agressoras ou as principais agressoras. Entendeu? Lá no final da matéria, você deve ter esquecido de ler e a pessoa que escreveu foi mal intencionada de não trazer isso pro lead, mas tá escrito: O NÚMERO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER CONTINUA MUITO MAIOR. E, como eu tava de muito bom humor ontem, nem entrei no mérito de que essa notícia é de 2005, antes da Lei Maria da Penha, portanto. A verdade é que, embora seja uma conquista feminina, tem homem sendo beneficiado pela Maria da Penha por aí: http://delas. ig. com. br/comportamento/2013-05-24/lei-maria-da-penha-coloca-140-mulheres-na-cadeia.html

      O outro site continua não sendo de confiança.

      Sobre o exemplo de Pedro, muito me admira você analisar algo de modo sociológico, psicológico e biológico sem nenhuma informação para isso. Que psiqué você analisou aí? Ahaha! E a biologia? Será que o irmão dela era irmão cis ou trans? Bora, embasadinho! Ahaha! Diante da ausência de informações sobre um caso específico, o que resta é partir pra generalização, pro coletivo. Por isso, disse que minha análise não era, necessariamente, correta. Ao contrário de você, não finjo que uso ferramentas que não tenho. 🙂

      Se ele fizesse isso com a vizinha, no lugar da irmã, aí eu pensaria de outro jeito. Mas como você disse, é um “caso concreto”. E, dentre as pouquíssimas informações que eu tenho, uma certeza é de que era um cara, uma mulher e o irmão dela. É isso que eu tenho que olhar, não vizinha, sobrinho, chefe, o diabo a 4.

      Eu acreditaria, sim, que você leu o poema. Mas jamais me dignaria a questionar o que você achou dele.

      E eu sei que pra você é difícil uma mulher ficar te lembrando o quanto ela é foda porque você prefere achar que ela é insignificante, mas não sei… Pra certos machistas eu gosto de ficar jogando isso na cara, sabe? Principalmente quando é um daqueles que fica puto quando a GM não dá bola, ou o que não aceita perder discussão pra mulher ou o que acha que só porque eu sou mulher eu vou ficar amedrontada se ele for agressivo ou debochado. Fazer o que se eu sou inteligente, né? É ainda mais prazeroso quando um machista fala de ironia e depois não enxerga quando uma é aplicada. 🙂

      No mais, eu que não deveria perder tempo com uma pessoa que é tão incapaz que não consegue imaginar como é que se faz essa carinha: 🙂

      • “Infelizmente, pro seu azar, o inverno europeu me trouxe de presente uma faringite, daí estou de molho em casa desde quinta-feira e com muito tempo livre para vir por aqui. Como o seu comentário anterior tinha sido muito de boa e eu havia sido mais chatinha no meu, resolvi responder esse mais na esportiva. Trato as pessoas de acordo como sou tratada, sabe? Mas baixar a guarda pra machista é foda. Vocês acham logo que tão por cima de novo e começam a agir feito idiotas no mesmo instante. Resultado foi que eu tive que ler esse monte de estupidez em série…”

        R: Ohhh…já está começando a ficar sentimental? Eu ainda peguei leve contigo lol

        ” O dado sempre esteve correto, meu caro. Você que não conseguiu entender.”

        R: O dado nunca esteve correto, minha cara. Triste é vc insistir nisso.

        “E expliquei: ‘o femicídio trata de mulheres mortas por seus parceiros em crimes ditos “passionais”, em brigas matrimoniais, em estupros seguidos de assassinatos. se você não sabe, mulheres entre 15 e 44 anos morrem mais em decorrência disso do que a soma das mortes por câncer e acidentes de trânsito’. Não é preciso ser um gênio para entender que num contexto de mortes TOTALMENTE de mulheres, eu estava comparando com outras mortes de mulheres.”

        R: Desonestidade intelectual? Começo a perder meu respeito por você, com essa você não vai escapar. A sua frase original jamais passou a ideia de que se tratava de um contexto de mortes TOTALMENTE (palavra que faz toda a diferença) de mulheres (o que ainda assim, seria discutível, uma vez que não posso falar nada, pois ainda não pesquisei a respeito). Mesmo assim, por orgulho bobo, vc ainda insiste no erro e começa a buscar justificativas esdrúxulas. Por essas e outras é que não perco tempo discutindo com feministas, para fluir, far-se-á necessário que os dois lados entrem em consenso e tenham a mínima maturidade de admitir os erros.

        “Não faz sentido nenhum usar mortes em geral para contrapor a um dado de femicídio, querido. ”

        R: E não foi isso o que vc fez? Associou o dado do femicídio a um dado geral e ainda tem a pachorra de vir aqui me responsabilizar por “falta de interpretação”.#ÉPRARIR

        “Misturar alhos e bugalhos para justificar um ponto é coisa de anti-feminista fazer: “Ah, mulheres são mais vítimas de violência doméstica, mas homem morre mais por conta de violência urbana. Mimimi!”. Parabéns pela constatação, gênio, só que não tem nada a ver uma coisa com a outra. ”

        R: Eu não misturei nada, eu não faço constatações ou tento justificar fatos dessa forma, se mulher sofre mais com violência doméstica, eu admito e pronto, e ainda posto fontes pra provar, inclusive já discuti com pessoas antifeministas a respeito disso, diferente do que você pensa, feministas não são um grupo especial pelo qual possuo aversão, o grupo especial que possuo aversão são os mentirosos e desonestos, ocorre que, infelizmente ou felizmente, as feministas são, em boa parte, um subgrupo dessa categoria.

        “Não, Monaro, muito obrigada. A lógica que você não enxerga é porque você não tem. A minha tá aqui e tá funcionando direitinho. Entendeu agora, babe? Não tinha erro para admitir porque ele foi seu, tá? Tanto que eu deixei evidente que “o dado está certo” e que “não ficou claro para você. ”

        R: Como diria um antigo chegado meu: “O inferno é o outro”. Você não consegue admitir seu erro, e como forma de defesa tenta, de forma desesperada e ilógica, jogar a culpa pra cima de mim por falta de interpretação, sendo que o fato é que você, em seu post original, passou a informação errada(embora no seu segundo post, tenta justificar o erro, então tudo bem). Era pra esse assunto estar enterrado, mas como está com raivinha aí, você voltou a decair, tentando montar justificativas incabíveis, tentando me responsabilizar pelo seu erro. Vai entrando em contradição aí…nem preciso fazer esforço, você mesma está a demonstrar a incoerência feminista.

        “E, sim, acredito que você não têm argumentos muito contundentes para discutir sobre os outros assuntos, já que vários dos meus estão aqui espalhados por essa página e você não rebateu nenhum, fora um dado que você não compreendeu e uma prova residual de uma opressão institucionalizada que continua ocorrendo ainda que não necessariamente devido à instituição: o casamento.”

        R: hahaha vejam como funciona a mente feminista >>> ad hominem, ad hominem e mais ad hominem. Eu não rebati os argumentos espalhados por essa página pelo simples fato de você ter posts demais, e eu não tenho paciência ou tempo pra jogar no lixo assim, já que eu não estou de faringite 24 horas na cama. Mas deixei bem claro, e se você quiser debater a respeito de qualquer uma dessas coisas, basta citá-las aqui que irei contestá-las, ou não, se não tiver conhecimento a respeito.

        “Uma pessoa que ignora isso provavelmente nunca ouviu falar em ciência da família; não sabe o que representam casamento por grupos, casamento sindiástico e monogamia; não tem conhecimento de que antes de ricos e pobres, negros e brancos, direitistas e esquerdistas, o primeiro antagonismo que existiu foi homem e mulher; e tem uma visão muito limitada de mundo que não lhe permite entender que não importa quantos séculos passaram, o sistema continua o mesmo. Em intensidades diferentes, as mesmas ideias permanecem. Acredito, aliás, que você não tem argumentos contundentes nem para discutir os assuntos que se propôs.”

        R: Ao invés de ficar me insultado, da próxima vez coloque o tema em destaque. Seu ad hominem, questionar a minha capacidade de debater não vai fazer com que você saia por cima, apenas mostra pra todos que estão lendo que você está com medo, e que na falta de argumentos, usa como tática defensiva insultos pessoais e irrelevantes, somente para mudar o foco e fugir do debate.

        “E, bom, se os homens não querem casar porque para eles é muito duro ter que conviver com mulheres que não são submissas e que não os colocam num pedestal porque eles são homens, coitadinhos, né? Se casamento não serve mais para dar autoridade, então melhor nem casar, né?”

        R: E mais uma vez você se utiliza do seu eupirismo para interpretar esse fato. O raciocínio feminista pelo jeito não consegue ir muito além disso. Análises sob uma perspectiva diversa do feminismo não existe.

        “Amor, o que é isso?”

        R: Tema subjetivo, embora eu o ache divertido, mas irrelevante pra essa discussão atual.

        “Sou completamente a favor de liberdade religiosa. Acredite no que quiser! Agora o que eu não permito é usar moral cristã para impor padrão de comportamento fora de sua igreja. E tô começando a achar que, ou você conhece poucos machistas ou você é muito demagogo, porque tô pra ver um que não queira saber quantos parceiros a menina já teve e fica escandalizado se passa de um número que ele acha ok, de preferência que caiba numa mão.”

        R: Juro que não entendo essa sua lógica. Me diz uma coisa então, quer dizer que uma pessoa não cristã, que seja “não promíscuo” que queira uma parceira “não promíscua”, não tem esse direito? E se um “homem machista” quiser uma parceira “não promíscua”, o que tem de mais? É a liberdade de escolha dele, se você quiser se relacionar com um deles, basta se adaptar às exigências oras, agora se não, basta ignorá-los, afinal vocês possuem convicções diferentes. A única coisa que eu acho incoerente aqui, como já falei é a hipocrisia, por isso existe a frase feminista clichê de “ahh, se homem pode, mulher também pode”. Não, eu não acredito que homem pode, a pessoa não pode exigir da outra aquilo que ela não o é. Se as pessoas querem viver uma vida plena de aventuras sexuais, ótimo, nada de mais nisso. Agora o que é ilógico é tentar mudar a preferência de outras, tentando restringir os tipos de mulheres/homens que eles podem ou não escolher.

        “Acredito também que você não lê muitos comentários em matérias como as que falaram sobre o caso da menina do Piauí que se suicidou depois de ter vídeo íntimo divulgado, de Fran e de todos esses exemplos. Certo você. Porque eu geralmente caio na besteira de ler e sinto vontade de pular pela janela quando constato o quanto nosso comportamento ainda é moralizado e o quanto nossa sexualidade é reprimida.”

        R: Eu estou ciente de todos esses casos e em momento nenhum eu apoio esse tipo de atitude, acho que esses indivíduos deveriam estar presos a anos. Se bem que quando eu olho o “nível” das pessoas que sempre estão envolvidas nesses vídeos eu fico cético. É homem casado traindo a esposa com amante (sendo que a amante sabe que ele é casado), é mulher casada traindo o marido (sendo que o amante sabe que ela é casada). Enfim, só gente da pior índole. As pessoas sabem com quem se relacionam então já deveriam esperar resultado semelhante, mas a burrice dessas mulheres não isenta os homens da culpa e do fato que eles devem pagar, nada justifica a exposição da pessoa ao ridículo, sendo uma forma de agressão moral criminosa.

        “Escrevi um capítulo todinho sobre essa cultura do estupro que você não acredita que existe e que é só quem tem tesão por isso é psicopata.”

        R: Veja bem, você está interpretando que essa é a minha interpretação. O que eu acredito é que vivemos, especialmente nos dias de hoje, numa sociedade extremamente violenta, cujo principal incentivo é a competitividade e o egoísmo. Uma sociedade violenta forma pessoas violentas, e obviamente que homens/mulheres violentos/as vão existir, e a forma que eles expressam essa violência são muitas, no caso das mulheres, com o estupro. Se existe uma “cultura do estupro”, é apenas uma subcategoria das formas de expressão da violência em si. Eu me foco no problema mais amplo, e não na especificidade. Se existe uma “cultura do estupro”, a forma que vcs usam para combatê-la, na minha opinião é, na melhor das hipóteses, bastante ineficaz.

        “Explica, então, porque os entrevistados de Margo Paine pro livro “Body Wars”, disseram que: 30% estuprariam caso não houvesse consequências legais; 8% revelaram já ter estuprado ou tentado estuprar, e 83% concordaram com a expressão “algumas mulheres estão pedindo para ser estupradas”.

        R: Quantos entrevistados foram? Como eram esses entrevistados? A que classe pertenciam? Qual é a definição de “estupro” dada aos entrevistados (pois estupro pode ser considerado, por exemplo, passar a mão na bunda da mulher).São muitos os fatores que influenciam uma pesquisa, eu não tiro decisões precipitadas sem uma análise adequada, caso contrário isso são apenas números. Imagina aí se os entrevistados dessa pesquisa foram 100 presidiários de uma prisão de segurança máxima lol. Ou mesmo que sejam 1000 pessoas de um determinado bairro de apenas uma determinada classe social, você acha que essa pesquisa teria respaldo? lol E ademais, existe um exagero óbvio e ilógico nessa pesquisa cômica, pois de acordo com ela, você pode falar orgulhosamente aí que “todos os homens são estupradores em potencial”, agora compreendo a origem dessa frase hahaha. Veja bem, eu não questiono que a violência e estupro contra a mulher não seja algo grave e que não precise de atenção, agora o que eu não posso concordar são com esses dados desonestos que, numa escala local (Brasil) nem de longe refletem a realidade.

        “Pronto. Agora soque seu “eupirismo” no cu!”

        R: Quanto ódio no coração feminista hahaha. Já está perdendo a compostura? Foi mais rápido do que pensei lol. Ainda continua sendo eupirismo, pois você pega casos isolados (estou falando das pessoas que procuram vídeo ou apoiam esse tipo de conduta) e generaliza, com base no seu ódio (experiência pessoal) criando um grande terror psicológico (tática favorita feminista), como se isso se aplicasse à realidade social e todos os homens possuíssem essa perversão. Nem vou entrar no detalhe de que homem também é estuprado, especialmente nas prisões, e que isso não aparece nas notícias e nem gera indignação de ninguém, sem falar que ninguém tá lá lutando por eles. É como falei, uma sociedade violenta vai gerar pessoas violentas. Particularmente, sou a favor da castração química para esses criminosos, duvido se em um único ano esses crimes não cairiam, é uma pena que seu precioso “direito dos manos” não permite esse tipo de coisa. Precisamos é de soluções objetivas como essa, e não ir ridiculamente gritar pelados no meio da rua com cartazes de “homem, por favor não estuprem”, como se um estuprador fosse ligar pra esse tipo de coisa, ou como se fosse mudar a realidade fática.

        “E a Lei Maria da Penha não tá fazendo homem apanhar mais que mulher não, meu amor. Pelo visto não é só o que eu escrevo que você não consegue interpretar. O que tinha na matéria que você postou é que em 30% dos casos de agressão, as mulheres TAMBÉM eram agressoras ou as principais agressoras. Entendeu? Lá no final da matéria, você deve ter esquecido de ler e a pessoa que escreveu foi mal intencionada de não trazer isso pro lead, mas tá escrito: O NÚMERO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER CONTINUA MUITO MAIOR. E, como eu tava de muito bom humor ontem, nem entrei no mérito de que essa notícia é de 2005, antes da Lei Maria da Penha, portanto. A verdade é que, embora seja uma conquista feminina, tem homem sendo beneficiado pela Maria da Penha por aí:”

        R: Se essa notícia foi antes da Maria da Penha, e naquela época as agressões femininas já estavam assim, imagina hoje? Que elas possuem total proteção da lei. Está a dar um tiro no próprio pé? lol E mais uma pérola essa notícia, outro tiro no próprio pé: 140 mulheres foram presas nos últimos 5 ANOS´, sem falar que dessas 140, não se sabe o número específico dessas que estão presas por agredir o parceiro, uma vez que o parceiro não é a categoria alvo referente à pesquisa mas sim “contra pessoas que convivem no mesmo ambiente familiar”, o que inclui crianças, parentes mulheres, etc etc. Sendo que o número de agressoras é infinitamente maior do que isso, vc nem precisa ser boa na matemática pra notar, eu até colocaria os cálculos aqui, mas eu quero evitar a fadiga lol. O Fato é de que fica comprovado que a Lei Maria da Penha aplicada a favor de homens é a extrema exceção. Ademais, você não anda lendo este blog, né? Olha isso:

        Fonte: https://mulherescontraofeminismo.wordpress.com/tag/maria-da-penha/

        “Sobre o exemplo de Pedro, muito me admira você analisar algo de modo sociológico, psicológico e biológico sem nenhuma informação para isso. Que psiqué você analisou aí? Ahaha!”

        R: Ad hominem, você sabe a área de minha formação? lol E independente disso, a área de formação não reforça a veracidade dos argumentos (apelo á autoridade). Em relação a psique, me refiro a analisar determinados padrões costumeiramente presentes na mente masculina.

        “E a biologia? Será que o irmão dela era irmão cis ou trans? Bora, embasadinho! Ahaha!”

        R: Vou te dar o prazer da satisfação. Quando me refiro à biologia, mais especificamente eu queria me referir principalmente à Neurociência, ou seja, quais são os principais hormônios/neurotransmissores que influenciam o comportamento masculino, e como eles influenciam. Aí sim, com base nessas ciências, teríamos um debate sério e interessante, focado no ser humano em si, e não em generalizações embasadas numa ciência que estuda a coletividade e possui um mínimo respaldo para analisar o caso em questão.

        “Diante da ausência de informações sobre um caso específico, o que resta é partir pra generalização, pro coletivo.”

        R: Tem frase mais feminista que essa? Generalizar é uma especialidade desse movimento político. (provocação light, não apela lol)

        “Ao contrário de você, não finjo que uso ferramentas que não tenho.”

        R: Sinto muito, mas blefar nunca fez parte da minha agenda, pode ter certeza que eu tenho todo conhecimento necessário, especialmente para opinar em relação a isso (ser humano), pois uma das ciências que têm respaldo pra isso também constituem uma das minhas áreas de formação.

        “E eu sei que pra você é difícil uma mulher ficar te lembrando o quanto ela é foda porque você prefere achar que ela é insignificante, mas não sei… Pra certos machistas eu gosto de ficar jogando isso na cara, sabe?”

        R: Eu não acho que vc seja insignificante, ao menos não muito…brincadeirinha. Vc é uma feminista muito sensível, isso sim, pra vir aqui nesse blog e lançar suas provocações, já era esperado uma “pequena” troca de farpas, né? Mas vc tem razão em certos aspectos, se eu exagerei ou fui exageradamente grosseiro contigo, eu peço desculpas, sinto muito. Nada justifica eu te tratar de forma ríspida, somente porque possuímos convicções diferentes. Também retiro as minhas piadinhas em relação à sua personalidade (…menos a do histrionismo…aliás, acho que também a do narcisismo clássico, enfim, podemos negociar…brincadeira).

        “No mais, eu que não deveria perder tempo com uma pessoa que é tão incapaz que não consegue imaginar como é que se faz essa carinha”

        R: Na verdade, esse não é o caso. A verdade é que eu gosto de me fazer de sonso e fingir que desconheço certas coisas, para despertar o senso de superioridade feminista, é divertido observar esse traço comportamental (mentira, a verdade é que meu “ego machista, patriarcal, opressor e capitalista” se recusa a “ceder” pra uma “feminista egocêntrica, matriarcal, vítima e comunista” lol). 🙂 :):):):):):):):):)

        Agora, se me der licença, voltarei para minha opressão diária.

      • É o mesmo dado. A mesma comparação. Nunca saí do universo “mulheres” e ponto. E se você não acredita no dado, a fonte tá lá, mas também serve colocar “violência doméstica mulheres câncer” no Google e você vai encontrar matérias falando a respeito. Isso é um dado de conhecimento geral, tem campanha da ONU baseada nisso, etc, etc. Costumo colocar fontes quando não é um dado assim tão senso comum.

        O destaque a que eu tinha me proposto foi feito: diferenciar feminicídio de homícidio comum. Você que implicou com o parênteses. Expliquei ele pra você e você que continuou achando que o tempo é só o agora. Não tenho medo nenhum de debater contra você nem contra ninguém ou então estaria assistindo meus episódios atrasados de “Homeland” no lugar de estar aqui rebatendo suas grosserias. E meu tom não foi em nada diferente do seu, com o plus de que quem partiu pra insultos pessoais primeiro foi você. 🙂

        Embora eu adore filosofar sobre a vida, eu guardo meus pensamentos para mim ou vou escrever poesias. Quando é para falar de assunto sério, não saio chutando para ver se acerto um golpe, não. Eu já li várias teorias de por que as feministas vão acabar sozinhas. Todas muito bem embasadas em pensamentos como esse aqui, que falou com “homens de toda a América”. HAHAHA! http :// feminismodiabolico. blogspot. ie/2013/09/8-razoes-para-um-homem-nao-se-casar.html

        E você, antes de vir falar sobre liberdade de escolha do machismo, do cristianismo, etc, aconselho estudar sobre regra normativa, ok? Não vou nem rebater esse seu argumento de quem não entende que é muito diferente uma escolha pessoal para a mulher que lhe atrai do que o que se determina que todas as mulheres sejam para serem “atraentes”. E o seu moralismo, para ficar em um termo suave, no que você argumentou logo em seguida mostram que como analista comportamental você é um ótimo biólogo.

        Sabe o que era melhor você ter feito antes de pagar de ignorante questionando os entrevistados do livro? Googlado rapidamente e entendido a relevância da pesquisa de Maine justamente porque foi feita com jovens universitários (e esclarecidos) de um país moralista como os EUA. E eu espero muito que você não seja idiota o bastante para realmente acreditar que os exemplos que eu mostrei se tratam de casos isolados. Dei um exemplo recente e um que eu me recordava porque não tenho tempo nem estômago de ficar procurando links sobre isso para lhe provar que não é algo “isolado”. Você achar que tudo o que eu te falei sobre estupro até agora não significa nada é mais um exemplo de como a cultura do estupro está enraizada nesse mundo. Não importa o quanto você diz que abomina estupro, o que importa é o que você faz para modificar o fato de que eles continuam acontecendo. Mas para você é mais fácil ficar no conforto de seus achismos enquanto me acusa de “eupirismo”.

        Não estou a dar tiro em pé nenhum. Estou me retendo aos fatos no lugar de fazer projeções. Eu acompanho os debates sobre a Maria da Penha, li o que Iriny disse na imprensa, e não em blogs, e concordo completamente com o que ela falou. A Lei foi algo extra que PRECISOU ser criado porque a nossa legislação não estava sendo suficiente para evitar as mortes de mulheres em decorrência de violência doméstica. Mesmo assim, a Lei ainda não conseguiu reduzir esses números, de tão crítica que é a situação e a proposta de crime hediondo está aí. Contudo, mesmo a Maria da Penha sendo uma lei para as mulheres, tem homens sendo beneficiados por ela, ainda que eles não precisem disso. Fora essa matéria que te mostrei, já vi a lei sendo aplicada a favor do homem várias vezes.
        http:/ /www. istoe. com. br/ reportagens/154804_PROTEGIDOS+PELA+LEI+MARIA+DA+PENHA

        A polêmica em torno disso não surgiu à toa.

        Sobre sua formação, se não for na escola dos X-Men não faz a menor diferença. Você não tinha informações para aplicar seus conhecimentos de psicologia ou biologia.

        Mas sabe o que é bonito na sociologia? Só em casos bem específicos ela falha. As pessoas seguem padrões de comportamento em todos os lugares do mundo. Quanto mais se conhece gente, mais se percebe como independente de classe, nação ou crença, as pessoas tendem a ser bem previsíveis. Vários livros de espiões partem desse princípio, incluindo Sherlock. Assim como várias investigações criminais. Não por acaso os primeiros suspeitos de assassinatos dos cônjuges são sempre os viúvos.

        Sou muito ciente sobre que eu sou e até onde posso ir, não se preocupe. Pode ir, mas não vá ficando muito à vontade.

      • “É o mesmo dado. A mesma comparação. Nunca saí do universo “mulheres” e ponto. E se você não acredita no dado, a fonte tá lá, mas também serve colocar “violência doméstica mulheres câncer” no Google e você vai encontrar matérias falando a respeito. Isso é um dado de conhecimento geral, tem campanha da ONU baseada nisso, etc, etc. Costumo colocar fontes quando não é um dado assim tão senso comum.”

        R: Não duvidei do dado, duvidei de você. Você errou, ponto final, vc disse: “se você não sabe, mulheres entre 15 e 44 anos morrem mais em decorrência disso (femicídio) do que a soma das mortes por câncer e acidentes de trânsito”. E isso é mentira e ponto, quem quer saber se o dado que você apresentou depois é da ONU, se é senso comum ou não? Pouco importa, ninguém é obrigado a saber. Se é um dado de conhecimento geral ou não, isso não retira o seu erro. Se vc não pode admitir isso, então eu encerro esse assunto aqui, e que fique evidente o motivo de não se levar uma feminista a sério, inflexibilidade é um defeito que não tenho paciência pra lidar.

        “Eu já li várias teorias de por que as feministas vão acabar sozinhas. Todas muito bem embasadas em pensamentos como esse aqui, que falou com “homens de toda a América”.

        R: Mas que fonte horrível essa em. Mas é verdade, Helen Smith tem uma ótima teoria mesmo do porquê homens estão rejeitando o casamento.

        “E você, antes de vir falar sobre liberdade de escolha do machismo, do cristianismo, etc, aconselho estudar sobre regra normativa, ok? Não vou nem rebater esse seu argumento de quem não entende que é muito diferente uma escolha pessoal para a mulher que lhe atrai do que o que se determina que todas as mulheres sejam para serem “atraentes”. E o seu moralismo, para ficar em um termo suave, no que você argumentou logo em seguida mostram que como analista comportamental você é um ótimo biólogo.”

        R: Errado. Você não vai rebater porque não dá conta. Logo tudo o que lhe resta é me insultar, fugir do assunto, e passar vergonha na frente de todo mundo que está assistindo essa sua choradeira. Se seu movimento defende a “liberdade de escolha” para todos, então homens e mulheres podem escolher os tipos de parceiros que quiserem, e se vc está nesse grupo específico de “feminista”, então nenhuma tem condições de reclamar disso, pelo menos logicamente, não. Se não consegue responder coerentemente a isso, nem precisa responder.

        “Sabe o que era melhor você ter feito antes de pagar de ignorante questionando os entrevistados do livro? Googlado rapidamente e entendido a relevância da pesquisa de Maine justamente porque foi feita com jovens universitários (e esclarecidos) de um país moralista como os EUA. E eu espero muito que você não seja idiota o bastante para realmente acreditar que os exemplos que eu mostrei se tratam de casos isolados. Dei um exemplo recente e um que eu me recordava porque não tenho tempo nem estômago de ficar procurando links sobre isso para lhe provar que não é algo “isolado”. Você achar que tudo o que eu te falei sobre estupro até agora não significa nada é mais um exemplo de como a cultura do estupro está enraizada nesse mundo. Não importa o quanto você diz que abomina estupro, o que importa é o que você faz para modificar o fato de que eles continuam acontecendo. Mas para você é mais fácil ficar no conforto de seus achismos enquanto me acusa de “eupirismo”.”

        R:Cara, você é o cúmulo da desonesta, e eu desisto de continuar perdendo meu tempo nesse tópico. Só digo uma coisa. Para acabar com a violência, sendo mais específico, nesse caso, o estupro, eu já falei várias vezes que tem que derrubar essa porcaria de “direitos humanos” e implantar a castração química, você sabe o que é isso? O método que proponho, feminista, é muito mais eficaz do que os métodos que seu movimento está propondo, como já disse, ir gritar no meio da rua “homens, por favor não estuprem” é coisa de retardado e não vai mudar a realidade fática. Se você não possui uma solução melhor para propor, então nem precisa responder esse post, n tenho tempo pra ficar vendo seus insultos. E nem vou perder meu tempo falando dessa pesquisa também, o que tinha de dizer eu já disse no post passado, ter sido realizada por um grupo de universitários dos EUA, não torna a pesquisa mais séria (apelo à autoridade). O que a torna séria são os fatores que já citei. Vou dar um exemplo de como é fácil distorcer dados:

        Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=hXS4v3gFmfg&feature=share

        ” Contudo, mesmo a Maria da Penha sendo uma lei para as mulheres, tem homens sendo beneficiados por ela, ainda que eles não precisem disso. Fora essa matéria que te mostrei, já vi a lei sendo aplicada a favor do homem várias vezes.”

        R: Você não leu o que falei no post passado, né? Comprovei lá que Maria da Penha aplicada a favor do homem é exceção, de acordo com o próprio link que vc mandou, em 5 anos, só existem 140 mulheres presas por violência doméstica, sendo que o número verdadeiro de agressoras é infinitamente maior que esse. Você está vendo o absurdo que você falou?”…Tem homens sendo beneficiado por ela (Lei Maria da Penha), ainda que eles não precisem disso”, sério que você pensa assim? haha. Se você não pode concordar, ou rebater uma afirmação tão simples, nem precisa responder. Vamos chegar a um consenso logo, pois pra mim está perdendo a graça continuar essa discussão contigo que pelo que estou vendo, nunca vai chegar a lugar algum.

        “Sobre sua formação, se não for na escola dos X-Men não faz a menor diferença. Você não tinha informações para aplicar seus conhecimentos de psicologia ou biologia.”

        R: Como que não? Vou te dar só um pequeno exemplo. Existe uma grande diferença se a mulher que mentiu sobre o estupro fosse a namorada ao invés da irmã. Biologicamente falando, os sentimentos que esse cidadão (irmão assassino) teria seria diferente, uma vez que, partindo da suposição que eles tinham um relacionamento saudável, em relação à namorada ele possui um sentimento de conectividade, um dos efeitos da vasopressina (neurotransmissor) que o faz quase que associar o crime a si mesmo, levando para o lado pessoal (se quiser eu entro mais a fundo nesse assunto, mas vou deixar apenas esse simples exemplo), o que respaldaria, nesse caso, e bastante, a sua teoria de que ele o fez para “vingar a honra.” Mas pelo visto, você não quer nada com nada, seu post inteirinho foi basicamente dedicado a insultos, mais uma vez.

        “Mas sabe o que é bonito na sociologia? Só em casos bem específicos ela falha. As pessoas seguem padrões de comportamento em todos os lugares do mundo. Quanto mais se conhece gente, mais se percebe como independente de classe, nação ou crença, as pessoas tendem a ser bem previsíveis.”

        R: Só em casos específicos ela falha? hahaha eu nem vou responder esse absurdo, pois sei que a sua resposta vai se dedicar a atacar o autor do argumento ao invés do argumento em si.

        Foi muito divertido brincar contigo, feminista, mas essas discussões já se tornaram improdutivas, perderam a graça, como você está indignada aí, basicamente a partir de agora a discussão perde a objetividade (debate sobe os temas em si) e começa a virar mera troca de insultos explícitos, e me recuso a jogar esse seu jogo. De qualquer forma, boa sorte na sua recuperação aí.

      • Ai, carajo! Olha só: “no femícidio o que se leva em consideração não é MULHER vítima de um latrocínio ou confronto armado. o femicídio trata de MULHERES mortas por seus parceiros em crimes ditos “passionais”, em brigas matrimoniais, em estupros seguidos de assassinatos. se você não sabe, MULHERES entre 15 e 44 anos morrem mais em decorrência disso do que a soma das mortes por câncer e acidentes de trânsito”. Só na cabeça de quem é muito crazy mesmo que nesse universo INTEIRO de mulheres, do nada, eu iria passar para mortes em geral. Hahaha! Mas tudo bem, Monaro, às vezes a gente não presta atenção no que lê. Eu mesma entendi no seu primeiro comentário que você que estava fazendo essa comparação entre femicídios e mortes em geral e expliquei a você que comparar os dois era comparar alho com bugalho.

        Sobre Helen Smith, nunca a li (o livro). Vi só gente replicando o que ela diz. Tem um videozinho no YouTube, tem diversas traduções das seis razões em blogs anti-feministas. Perder o respeito, fazer menos sexo, perder dinheiro em caso de divórcio. Nobres razões.

        Eu não fugi do que você disse, Monaro. Tampouco chorei. Acho que você precisa ler os comentários do Wolf ali embaixo para entender o que é choradeira. Eu disse que “liberdade de escolha” é muito diferente de impor uma regra normativa de como TODAS as mulheres devem ser para que sejam escolhidas. Mas já que você acha que isso não é suficiente, nem quer ler sobre regra normativa, deixa eu destrinchar pra você. Meu ideal de marido é um cara estudado, com quem eu possa ter conversas legais o tempo inteiro. Mas não tô por aí dizendo que marido para casar é marido que tem PHD. Sacou la différence? Nossa sociedade, contudo, separa mulher para casar de mulher para se divertir levando em consideração o quão recatadas elas são. É que, pro machismo, mulher só serve como reprodutora. Casamento não é com a mulher, é com a mãe dos filhos.

        Você que questionou se a pesquisa era com prisioneiros ou a renda dos entrevistados. Eu apenas disse. E acrescentei que (não que a pesquisa seja mais SÉRIA com esses universitários do que com prisioneiros) ela foi tão RELEVANTE porque destruiu justamente essa ideia que o povo tem que estupro só acontece na prisão. Eram pessoas “normais”, filhos de “boas famílias”, com acesso à informação, dizendo que estuprar é ok. Você e Marcos Feliciano defendem a castração química. Uma ideia que já é absurda em si porque parte do suposto de que só psicopatas cometem estupros, como eu já mostrei que não é verdade. E que psicopatas vão deixar de ser psicopatas só porque não têm libido. Também que não resolve porra nenhuma da cultura do estupro. É o mesmo que criar vagão para mulher em transporte público no lugar de educar o homem a não assediar a mulher. Prefiro gritar que mulher não é pedaço de carne. Vai que um dia vocês entendem, né?

        Não tô com muita paciência para ver esse vídeo do YouTube agora não, tá? Acabei de desconstruir uma doidice ali de Wolf que os números da violência doméstica mentiam, sei que. Estatística boa é só a da Lei Maria da Penha quando à favor da ideia de vocês de que homem sofre. 🙂

        Aliás, sobre ela, não sei se você leu quando eu disse que concordo TOTALMENTE com a ideia de que a Maria da Penha é para ser usada a favor mulheres porque ela foi criada justamente devido à ineficiência do nosso código penal para proteger as MULHERES da violência doméstica. De modo que esses casos de homens beneficiados são falhas de aplicação da lei, nem deveriam ter ocorrido. Ainda assim, são sintomáticos de como é difícil a mulher ter uma vantagem que seja sobre o homem nessa sociedade, mesmo que essa vantagem não tenha sido capaz de nos fazer morrer menos nas mãos de parceiros.

        Existe isso no código penal brasileiro:

        Art. 129. Ofender a integridade corporal ou a saúde de outrem:

        Pena – detenção, de três meses a um ano.

        Lesão corporal de natureza grave

        § 1º Se resulta:

        I – Incapacidade para as ocupações habituais, por mais de trinta dias;

        II – perigo de vida;

        III – debilidade permanente de membro, sentido ou função;

        IV – aceleração de parto:

        Pena – reclusão, de um a cinco anos.

        § 2° Se resulta:

        I – Incapacidade permanente para o trabalho;

        II – enfermidade incuravel;

        III – perda ou inutilização do membro, sentido ou função;

        IV – deformidade permanente;

        V – aborto:

        Pena – reclusão, de dois a oito anos.

        Lesão corporal seguida de morte

        § 3° Se resulta morte e as circunstâncias evidenciam que o agente não quis o resultado, nem assumiu o risco de produzi-lo:
        Pena – reclusão, de quatro a doze anos.

        Diminuição de pena

        § 4° Se o agente comete o crime impelido por motivo de relevante valor social ou moral ou sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida a injusta provocação da vítima, o juiz pode reduzir a pena de um sexto a um terço.

        Substituição da pena

        § 5° O juiz, não sendo graves as lesões, pode ainda substituir a pena de detenção pela de multa:

        I – se ocorre qualquer das hipóteses do parágrafo anterior;

        II – se as lesões são recíprocas.

        Lesão corporal culposa

        § 6° Se a lesão é culposa: (Vide Lei nº 4.611, de 1965) Pena – detenção, de dois meses a um ano.

        Daí criou-se a Maria da Penha:

        Art. 5o Para os efeitos desta Lei, configura violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no GÊNERO que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial.

        A Lei versa, principalmente, sobre proteção à mulher, que denunciava o agressor depois precisava voltar para casa com ele e acabava morrendo; sobre registrar os dados dessa violência para verificar avanços ou retrações; atendimento psicossocial às mulheres vítimas de violência doméstica, bem como aos seus filhos.

        Olhando os números de violência doméstica você percebe claramente que essa Lei não prejudica o sexo masculino de maneira alguma. Ele continua respaldado pelo código penal.

        Eu já tinha ouvido falar sobre a vasopressina em relação ao autismo. Talvez já tivesse lido algo sobre ela relação ao sexo também (não é?). Porém, interessante sua explicação, não tinha pensado nisso. Sobre irmãos, todavia, tudo que eu sei é da biologia evolutiva, daquela história dos dois irmãos se afogando no rio, sabe? Salvar se fossem dois, mas não se fosse um. Egoísmo disfarçado de altruísmo e tal. A psicologia corrobora pra isso: Jung ignorou quase que totalmente a irmã, afora o fato de que ela “sempre fora uma estranha” para ele. Quando falo de posse, falo mais com a propriedade de ter um irmão 5 anos mais velho do que eu do que com a experiência coletiva. Mas também já li sobre esse relacionamento na visão da psicanálise. Geralmente, gira em torno de uma relação paternalista com tolhimento à individualidade e à autonomização da irmã. Continuo pendente ao que disse anteriormente para analisar o caso proposto por Pedro. Mas explica aí tua teoria para esse caso. Gostei do que li dessa vez.

        Sobre a Sociologia, Monaro, ela contempla desde níveis macro a microssociológicos. É uma ciência riquíssima e essencial para entender o mundo. Eu estive te dando corda porque adoro a Sociologia e não me importo de utilizá-la. Mas o que venho utilizando é a Psicologia Social que analisa o comportamento de indivíduos de acordo com os estímulos sociais. É ela que é utilizada para versar sobre racismo, homofobia, terrorismo, etc. Não dá para analisar o indivíduo em sua singularidade em um caso como esse. 🙂

        E eu sei que eu fui dura contigo, mas foi só pra você aprender a ser legal. Tá vendo como fui mais boazinha dessa vez? Se você me trata com respeito, te trato com respeito. [Não sofra com uma ironia ou duas que eu deixei passar, entretanto. É difícil resistir o tempo inteiro]. Se você não responder é porque eu ganhei.

      • ” se você não sabe, MULHERES entre 15 e 44 anos morrem mais em decorrência disso do que a soma das mortes por câncer e acidentes de trânsito”. Só na cabeça de quem é muito crazy mesmo que nesse universo INTEIRO de mulheres, do nada, eu iria passar para mortes em geral.”

        R: Pode parar, um minuto de honestidade por favor, quer dizer que eu tenho que ser vidente agora? Lamento por você, mas sua frase remeteu a uma estatística de femicídio comparada com uma estatística de morte geral de duas determinadas categorias (trânsito e câncer). E todo mundo pode ver isso. Eu não tenho que pressupor nada, afinal, feministas desonestas é o que mais existe passando por aqui, logo eu não tenho que interpretar sua afirmação da forma que você quer, mas sim da forma que você escreveu. E ela está errada, como já provei. Se não for pra admitir seu erro, nem precisa mais citar esse tópico. No final, pega mau é pra você, já que vou ficar relembrando e relembrando toda vez dessa sua gafe. lol

        “Sobre Helen Smith, nunca a li (o livro). Vi só gente replicando o que ela diz. Tem um videozinho no YouTube, tem diversas traduções das seis razões em blogs anti-feministas. Perder o respeito, fazer menos sexo, perder dinheiro em caso de divórcio. Nobres razões.”

        R: Depende do ponto de vista que vc olha, eu acho um bocado, vou reforçar só estas que vc citou para não ficar parecendo que é pouca coisa. Perder o respeito: entre várias coisas, traições são mais do que frequentes nos casamentos, inclusive por parte das mulheres que aumentou tanto que já está virando senso comum, é aqui que me lembro que tem estatísticas que dizem que quase 50% das mulheres entre 18 e 25 anos já traíram seus maridos (preguiça de pesquisar, mas se quiser depois eu posto, apenas quero ressaltar o aumento do adultério feminino), sem falar que parece que é 70 ou 80% dos divórcios são iniciados por elas, grande incentivo pro casório, não? Fazer menos sexo: Um homem bem sucedido, com boa aparência, educação, status social, enfim, chove mulheres atrás dele, partindo do princípio que ele não tem princípios religiosos, ou fortes convicções relacionada a amor próprio e orgulho, o que te faz pensar que esse homem vai deixar de transar com várias mulheres lindas para ficar só com uma? A libertação feminina trouxe essa vantagem a esses homens, talvez quando estiver velho e carente ele pense no assunto, mas não é isso que está acontecendo, eles estão preferindo a solteirice, recebendo o que há de melhor das mulheres (atenção, sexo, paparicação, tudo o que as vezes nem receberia no casamento) com o bônus de não ter de assumir responsabilidades. Perder dinheiro em caso de divórcio: vc acha que no divórcio ele perde só dinheiro? E a guarda dos filhos? Que chutando pra baixo, aproximadamente 95% ficam com a mãe devido a um sistema judiciário preconceituoso (e nem venha me dizer que os pais não querem ficar com os filhos, teve um caso de um que se matou queimado pra protestar contra a justiça, que afastou a filha dele, se for rebater, nem venha com essa pra cima de mim, já antecipo) e sem falar nas dificuldades em vê-los, alienação parental (só falta vc dizer que a mulher é a maior vítima na alienação parental lol). Na minha opinião, podem até não ser “nobres razões”, mas só essas, do ponto de vista de grande parte dos homens, já são mais do que suficientes. A realidade de países que possuem esse desequilíbrio( EUA, Japão, Suécia e até Brasil) tá aí pra mostrar isso (baixíssimas taxas de casamentos).

        “Eu disse que “liberdade de escolha” é muito diferente de impor uma regra normativa de como TODAS as mulheres devem ser para que sejam escolhidas. Mas já que você acha que isso não é suficiente, nem quer ler sobre regra normativa, deixa eu destrinchar pra você.”
        R:… se eu ganhasse 1 real para cada vez que ouvisse isso…

        “Meu ideal de marido é um cara estudado, com quem eu possa ter conversas legais o tempo inteiro. Mas não tô por aí dizendo que marido para casar é marido que tem PHD.”

        R: Assim como o ideal de mulher para os homens seja uma mulher em que possam confiar, que possuam feminilidade, seja agradável e que possivelmente demonstrem sinais de que será uma ótima mãe (para aqueles que são mais tradicionais e querem filhos), obviamente que a maioria dos homens vão julgar a postura da mulher ao longo da vida, a forma como se comporta e como ela toma ou já tomou certas decisões (ou seja, diferente de feministas que vivem no mundo das ilusões, os homens não se casarão apenas por sentimentos, só os menos racionais e burros são impulsivos a esse ponto, se não gosta disso nos homens, case-se com uma mulher). Casamento, diferente do que você pensa não é “oba oba” não minha filha, não é um contrato que você faz com qualquer retardada por quem vc se apaixona depois de se sentir carente após anos pulando de galho em galho por relacionamentos vazios e sexo casual, é por isso que a taxa de divórcio e traições está tão em alta, pessoas assumindo compromissos onde um usa o outro de forma utilitarista para suprir suas necessidades egoístas. Casamento é uma instituição religiosa que visa a formação de família e cuidar dos filhos, esse era o objetivo original, que hoje em dia foi adaptado à realidade moderna . O que observo com toda essa choradeira feminista, é que vcs querem mudar todo um paradigma cultural que ainda por cima é respaldado pela biologia natural masculina. Até onde eu vejo, a maioria deles sempre vão preferir as mais conservadoras, e vocês se remoem aí porque querem ser “valorizadas” da mesma forma que as mulheres mais conservadoras o são, ou seja, pura inveja, tentativa de diminuir o valor daquelas mulheres que escolheram um estilo de vida diferente e que não seguem essa ideologia da hookup culture imposta por vcs.

        “Nossa sociedade, contudo, separa mulher para casar de mulher para se divertir levando em consideração o quão recatadas elas são. É que, pro machismo, mulher só serve como reprodutora. Casamento não é com a mulher, é com a mãe dos filhos.”

        R: Erradíssimo. Casamento é com a mulher E com a mãe dos filhos. Não existe separação nenhuma. Mas eu já sei onde você quer chegar, está tão cega por sua ideologia que não consegue ver algo tão simples. O que você quer é impor violentamente seus padrões ideológicos feministas (que homens não julguem mulheres pelo número de parceiros, pela forma que se comportam, pelas decisões que tomam ou tomaram), ou seja, feministas não querem assumir responsabilidades, a vida e o relacionamento pra elas são apenas um eterno oba oba, aí o feminismo dá essa ideologia perfeita que se enquadra como desculpa pra aliviar a frustração dessas mulheres (“ahh, então a maioria dos homens preferem mulheres recatadas por causa do machismo, então se eu acabar com o machismo, estarei em pé de igualdade com essas “recatadas”). Mas eu tenho uma péssima notícia pra você, essa característica masculina vocês nunca vão conseguir mudar pelos seus métodos violentos e tentativa de impor sua nova “cultura”, o problema das feministas é que elas são egoístas e não compreendem ou buscam compreender os homens, estão entupidas de teorias coletivistas e não vê o indivíduo em si a tal ponto de não compreender que homens e mulheres possuem semelhanças, mas são muito diferentes (biologicamente falando) e que a forma como os homens selecionam e formam vínculos é completamente diferente da forma que as mulheres o fazem. Em resumo, querem porque querem mudar os homens para se adequar à realidade delas e satisfazer seus desejos egoístas, feministas acham que os homens não tem sentimentos, preferências, jeito próprio de escolher, são meros objetos que servirão pra satisfação dos desejos egoístas delas, mas que no momento se encontram com defeito, já que não seguem a cartilha feminista, uma vez que estão “programados” pelo “machismo” e não pela ideologia feminista.

        “Você que questionou se a pesquisa era com prisioneiros ou a renda dos entrevistados. Eu apenas disse. E acrescentei que (não que a pesquisa seja mais SÉRIA com esses universitários do que com prisioneiros) ela foi tão RELEVANTE porque destruiu justamente essa ideia que o povo tem que estupro só acontece na prisão. Eram pessoas “normais”, filhos de “boas famílias”, com acesso à informação, dizendo que estuprar é ok.”

        R: Desviando do assunto de novo? Essa pesquisa foi relevante pra porra nenhuma, pergunte aqui no Brasil se alguém sabe dessa pesquisa, 99,99999% vão falar que não, então a pergunta, ela foi relevante pra quem? E como eu já disse, muitas coisas influenciam na pesquisa: tipo de pessoas entrevistas, classe social, número de entrevistados e O MAIS IMPORTANTE, QUAL O CONCEITO DE ESTUPRO QUE A ENTREVISTADO DEU? Estupro pras feministas vai desde conjunção carnal mediante força bruta até a passar a mão na garota na micareta, insistir em tentar beijá-las, etc. Aí os estudantes responderam que já estupraram ou pensaram em estuprar baseado nisso (tentou insistir em beijar uma garota) e a entrevistadora o cataloga como “estuprador”. Aí as pessoas que olham essa pesquisa ficam chocadas, pensando que todos esses estudantes são psicopatas, que eles são iguais aos indianos que estupraram a indiana dentro do ônibus enquanto faziam o namorado dela assistir e o espancavam. Puro terror psicológico, esse tipo de pesquisa, que nem de longe denota a realidade, apenas serve pra criar terror nas mulheres, criando segregação, medo dos homens, e atraindo-as para seguir a cartilha feminista. Já mostrei como estatísticas podem ser distorcidas pelas feministas, olha o exemplo (vídeo de 4 minutinhos só, que todo mundo deveria ter nos favoritos).

        Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=hXS4v3gFmfg&feature=share

        “Você e Marcos Feliciano defendem a castração química. Uma ideia que já é absurda em si porque parte do suposto de que só psicopatas cometem estupros, como eu já mostrei que não é verdade. E que psicopatas vão deixar de ser psicopatas só porque não têm libido.”

        R:Eu nunca disse que só psicopatas estupram, pessoas com disfunções hormonais e as vezes problemas no córtex pré-frontal também o fazem, nesses casos, só através de remédios controlados e castração química. Meu professor trabalhava nessa área e cansou de me falar que ex estupradores, pedófilos e etc, que tinham ainda vestígios de humanidade, eles sabiam que tinha algo de errado com eles e não queriam machucar ninguém, então pediam esse procedimento (castração química), pois não é um atentado aos direitos humanos porra nenhuma, é uma forma de contenção temporária da libido, basta parar com os medicamentos que a libido volta, ou seja, não tem problema nenhum em usá-la, inclusive como forma de pena.

        “Também que não resolve porra nenhuma da cultura do estupro.”

        R: Ahá! Eu sabia que tinha uma ideologia no meio.

        “É o mesmo que criar vagão para mulher em transporte público no lugar de educar o homem a não assediar a mulher. Prefiro gritar que mulher não é pedaço de carne. Vai que um dia vocês entendem, né?”

        R: Eu encerro esse tópico por aqui, eu compreendo que não existe argumento capaz de mudar uma mente alienada. Porém, meu método diminui o número de estupros, já o seu não muda nada, lide com isso. Ficar mostrando peitinhos na rua e carregar cartazes com mensagens de “homens não estuprem, por favor”, não muda nada, só vai servir pra virar motivo de chacota em diversos blogs, além do bônus de ainda conquistar a repulsa masculina e as vezes feminina, ao invés de tê-los como colaboradores.

        “Estatística boa é só a da Lei Maria da Penha quando à favor da ideia de vocês de que homem sofre.”

        R: Estatística boa não é quando elas mostram que o homem sofre, essa estatística é no mínimo triste e alarmante. Estatística boa seria se mostrasse que nenhum homem sofresse com a LMP lol.

        “Aliás, sobre ela, não sei se você leu quando eu disse que concordo TOTALMENTE com a ideia de que a Maria da Penha é para ser usada a favor mulheres porque ela foi criada justamente devido à ineficiência do nosso código penal para proteger as MULHERES da violência doméstica.”

        R:Argumento inválido. Pois se a lei foi criada devido à ineficiência do código penal para proteger as mulheres de violência doméstica, isso também significa que ele também era ineficiente para proteger os homens de violência doméstica, já que está comprovado que os homens também sofriam com essa modalidade de delito. Esse argumento não colou, mas admiro seu esforço lol.

        “De modo que esses casos de homens beneficiados são falhas de aplicação da lei, nem deveriam ter ocorrido.”

        R: Entendi sua forma de pensar, sem comentários, viva a igualdade.

        “Ainda assim, são sintomáticos de como é difícil a mulher ter uma vantagem que seja sobre o homem nessa sociedade, mesmo que essa vantagem não tenha sido capaz de nos fazer morrer menos nas mãos de parceiros.”

        R: Ok, o feminismo não quer igualdade, mas sim “vantagem” sobre o homem na sociedade, como vc mesma afirma. Parabéns, nem há o que discutir mais, essa é a sua opinião e eu a respeito. Tópico encerrado.

        “Olhando os números de violência doméstica você percebe claramente que essa Lei não prejudica o sexo masculino de maneira alguma. Ele continua respaldado pelo código penal.”

        R: Você não precisa colar esses artigos aí, já estou careca de saber, e ainda farei um resumo: Homem agride mulher, é enquadrado na LMP, tem a pena agravada, vai preso em flagrante ou ainda pode ter prisão preventiva decretada, e ainda tem uma delegacia específica só pra ela. Agora, mulher agride homem, é enquadrada (se o for) como agressão corporal leve, não vai presa em flagrante, não pode ter prisão preventiva decretada, o homem tem que prestar informação na delegacia comum, sendo que nem vão leva-lo a sério, será motivo de piada, e ainda mesmo que seja ouvido, a mulher responderá em liberdade, agredindo-o ainda mais em sua casa enquanto isso. Isso sem falar nas falsas acusações de agressão que podem prejudicar os homens de várias formas, inclusive profissionalmente falando. Viva a igualdade feminista.

        “Eu já tinha ouvido falar sobre a vasopressina em relação ao autismo. Talvez já tivesse lido algo sobre ela relação ao sexo também (não é?).”

        R: Na verdade, os neurotransmissores possuem diversas funções, que podem ser desde responsáveis na coordenação motora até como responsáveis na produção de sensações nas relações humanas. Quando cito a vasopressina, estou me referindo a função que ela exerce como produtora de sensações dentro dos relacionamentos (veja que uso a palavra “sensação” e não “emoção” ou “sentimento”, pois estes podem ser combinações de várias destas). Esse assunto é muito amplo, uma vez eu fiz um trabalho sobre isso: “o processo químico do comportamento humano nas relações afetivas”, difícil fazer uma síntese, se quiser, quando eu tiver tempo, faço um post pra você compreender as características masculinas dentro do relacionamento através desse neurotransmissor, e quem sabe, você compreende mais os homens e muda suas formas de abordagem. Mas pra esse caso em especial, o importante é saber que a vasopressina, em homens com baixo poder de racionalidade, causa o sentimento de posse (a vasopressina é responsável pela sensação de “territorialidade”). Logo não tem como você comparar as reações de um homem se fosse com a namorada (uma vez que o sentimento de posse estaria fortalecido e potencializado, inclusive, por causa da produção desse neurotransmissor no orgasmo, durante o sexo) e comparar com a irmã, cujos sentimentos se originam de outra fonte.

        “Sobre a Sociologia, Monaro, ela contempla desde níveis macro a microssociológicos. É uma ciência riquíssima e essencial para entender o mundo. Eu estive te dando corda porque adoro a Sociologia e não me importo de utilizá-la. Mas o que venho utilizando é a Psicologia Social que analisa o comportamento de indivíduos de acordo com os estímulos sociais. É ela que é utilizada para versar sobre racismo, homofobia, terrorismo, etc.”

        R: A ciência que mais tem respaldo pra aplicação ao caso citado da irmã aí seria a psicobiologia, que envolve todas as outras, ela é interdisciplinar, cobre todos os outros ramos da psicologia, aí você vem e diz que usa ciências sociais para explicar esses casos, mas se esquece que a cultura é formada pelos indivíduos e se adapta de acordo com as suas necessidades, os indivíduo são mais formadores da cultura do que a cultura o é do indivíduo pelo simples fato de que a cultura não pode ir contra a natureza humana básica, logo, temos de ir direto na fonte, como diabos você quer explicar o comportamento do indivíduo através de ciências que estudam o coletivo? É a mesma coisa que um médico tentar advogar.

        “E eu sei que eu fui dura contigo, mas foi só pra você aprender a ser legal. Tá vendo como fui mais boazinha dessa vez? Se você me trata com respeito, te trato com respeito.”

        R: Como é egocêntrica, oh Deus. Você jura que eu me importo se você é legal ou não? Como se eu fosse ganhar alguma coisa com isso. O que eu não aturo são pessoas que não se focam em rebater os argumentos e ao invés disso, além de não responder porra nenhuma, ainda ficam insultando, dessa forma é pura perda de tempo. Você pode me tratar do jeito que você quiser, filhinha, desde que responda coerentemente as perguntas, caso contrário, se eu sentir que ficou chato e improdutivo, vou simplesmente te ignorar.

        “Se você não responder é porque eu ganhei.”

        R: Típica manipuladora barata. Observando a minha forma de responder aparentemente arrogante, julga que eu sou orgulhoso e que cairei nesse tipo de provocação. Você acha que eu sou bobo em cair numa dessa?! …é, vc tem razão, maldito defeito que estou tentando superar lol.

  19. é incrível,falam tanto que as pessoas duvidam quando uma mulher diz q é estuprada mas quando contam das barbaridades q uma mulher faz ,vcs feministas logo vem com esse “se foi mesmo como você contou”
    ela n matou mas foi a mandante do crime,tão criminosa quanto o irmão.

    lembrei agora de um caso aqui no rj, a amante que matou o cara com as próprias mãos .
    achei o link http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/rj/justica+decreta+prisao+de+jovem+suspeita+de+enforcar+amante+em+motel+no+rio/n1596954613277.html

    só pq a gente n fica nesse vitimismo infinito,n quer dizer que a gente seja cega e n veja que mulheres são mortas pelos maridos,só que o inverso tb acontece.
    o pedro falou em estupro,na minha familia mesmo tem um caso de falso estupro,minha prima acusou o padrasto de ter abusado dela e tudo isso ela confessou depois,foi só para o cara perder a moral dentro de casa e ela ter desculpa para ir morar com um cara mais velho e foi isso q ela fez,mora com ele até hj,na epoca ela tinha 16 e o cara uns 30 e poucos.
    quer dizer,quase destrói a vida do padrasto por nada,quase ninguém fala com ela,eu nem quero ver,falsa dissimulada.

    um outro primo meu,a familia é grande, tem um relacionamento horrivel com a mulher,ela começou traindo ele,dai ele fez o mesmo,agora um agride o outro fisicamente e mesmo assim os dois ficam juntos.
    mas para vcs tenho certeza q quando ele bate nela é crime de gênero,quando ela faz o mesmo é só uma doida descontrolada.

    a realidade é que o mundo ta uma merda e tanto homens quanto mulheres cometem atrocidades.

    • suelen, você que tá presumindo que eu tô duvidando do estupro não ter acontecido. como não tenho acesso ao fato, apenas ao dito, quis deixar claro que eu estava dando minha opinião a partir das informações que tinham sido passadas. pode ser, por exemplo, que a mulher tenha dito ao irmão dela que o cara a estava ameaçando por ter revelado o estupro e o irmão tê-lo matado para tentar garantir sua segurança. mesmo essa ideia de que “ela foi a mandante do crime” que você apontou, não foi dita no comentário de pedro. do jeito que foi contado por ele “caiu na conversa de que ela foi estuprada”, a única análise que imagino é a de honra ou posse.

      de todo modo, é esperado e ululante encontrar casos de mulheres que mataram os parceiros ou forjaram os estupros. existe todo tipo de gente no mundo em todos os gêneros, raças, países, etc, etc, etc. mas não dá para argumentar contra estatísticas. usar uma exceção para rebater números comprovados não é nem um pouco inteligente. no dia que aparecer uma pesquisa dizendo que o femicídio zerou, aí será hipocrisia falar em crime de gênero. até lá, não é outra coisa se não um fato.

      “Dados da SPM apontam que entre 1980 e 2010, o índice de assassinatos de mulheres passou de 2,3 a cada cem mil pessoas para 4,6 a cada cem mil. Lourdes Barbosa rechaça os argumentos contrários à criação do Feminicídio, de que isso poderia ensejar pedidos de criação do “gaycídio” ou do “negrocídio”:
      — Não tem nenhum outro grupo social que tenha sido objeto de violência como são as mulheres. Isso é histórico no Brasil, temos uma cultura de barbárie muito forte. Isso não significa que outras categorias não tenham sofrido violência, mas historicamente o coletivo de mulheres sofreu mais a essa condição de subjugação do corpo, pela relação sexual, e pela intimidade dos relacionamentos. Essa é uma questão forte. Se você pegar entre 2000 e 2010, o Mapa da Violência (pesquisa do governo federal) mostra que quase 44 mil mulheres foram assassinadas. Qual é o outro grupo social nessa condição? – afirma Lourdes.

      Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/congresso-debate-criacao-do-feminicidio-9402474#ixzz2mYYB26LW
      © 1996 – 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização” (mais em: oglobo. globo. com/pais/congresso-debate-criacao-do-feminicidio-9402474)

  20. Rita
    seu comentário veio cheio de hipocrisia,n queria que eu falasse mal do feminismo mas n tem como.
    Vc ignorou completamente o crime da garota,se vc n sabe mandar matar alguém é crime,ela mandou e o irmão executou e como a justiça nesse país é uma merda duvido que sejam presos ,os dois covardes fugiram.
    O que irrita é vcs sempre querendo pagar de santas e puras e eu não sou alienado,sei bem dos crimes contra mulheres mas como sua resposta confirmou,vcs preferem ignorar as merdas e os crimes que as mulheres fazem.

    • ai, meu deus! primeiro, porque nascem mais homens. segundo, porque mulheres morrem mais ASSASSINADAS PELOS PARCEIROS, em crime de gênero, que é tão sério que está em via de se tornar crime hediondo. mas homem morre mais vítima da violência urbana. eles são maioria dos bandidos e dos policiais. também morrem muito devido acidentes de trânsito. talvez seja porque você não perde tempo lendo que entende tudo errado e sai falando besteira por aí.

  21. diante da situação tá claro que ele foi induzido por ela a fazer isso, a troco de que ela inventaria que foi estuprada,o que vc acha q ela estava esperando? q ele fosse conversar calmamente e falar para ele pedir desculpas?
    os dois fugiram,se ela inocente pq se esconder?
    não tem jeito,vcs querem a todo custo livrar a barra das mulheres psicopatas existentes nesse mundo.

    • Primeiro que você não disse os dois tinham fugido na primeira vez né, meu caro? Segundo que minha dúvida nunca foi se ela tinha induzido ele ou não. Óbvio que se não aconteceu uma história e a pessoa diz que aconteceu ela tá esperando algo em troca. Mas eu não sei todos os fatores que podem ter levado o irmão a cometer o crime, além do possível estupro. É difícil entender isso? Ai, minha gente! O que eu quis dizer foi que justamente pelo que você contou, apenas o estupro foi motivo suficiente para ele assassinar o cara e que eu iria falar baseada nisso. MAS QUE PODIA NÃO TER SIDO. Sei lá! Podia ter sido qualquer coisa. Podia o irmão ser apaixonado pelo cara, podia os dois terem discutido e no calor do momento o irmão acabou matando, podia ter a mulher já saber que o irmão não gostava do cara e se ela dissesse isso ele iria querer matar na certa. Há vários fatores que podem influenciar numa leitura de um crime. Que bobagem, meu velho! É não ter o que argumentar mesmo pra ficar batendo pé por uma frescura dessa.

      • cansei de vc sério,leia de novo o que eu escrevi que vc vai ver que eu disse que os dois fugiram,tenho certeza que se fosse o contrário,rapidinho as feministas diriam q ela foi induzida,dariam voltas e mais voltas para tirar a culpa da mulher

      • exatamente o que você disse: “Um vizinho meu estava pegando uma mulher,depois de um tempo ele deu um fora nela,ela n aceitou .veio discutir com ele no meio da rua e ainda foi embora ameaçando.
        Dias depois ele foi assassinado pelo irmão dela q caiu n conversa da fdp que alegou ter sido estuprada e a verdade todo mundo viu na briga deles,ela ficou puta pq levou um fora.
        E ai,ele foi morto só por ser homem?não né,morreu pq essa mulher é mau carater,desequilibrada,que n aceita rejeição,o mesmo vale para os homens que agem igual a ela.
        E tem vários casos assim mas isso feministas não gostam de falar,pq isso vai contra a imagem de que são as únicas sofredoras no mundo.”

        cadê a fuga aí?

      • E mais uma vez, quando eu disse “se foi assim mesmo como você falou”, eu não estava me referindo à mulher, sua indução ou não, sua escrotice ou não. Que ela é escrota, tava na cara. Eu estava me referindo ao assassinato cometido, à circunstância do assassinato e à motivação que poderia ir além de uma vingança. Mas, que eu iria pressupor que era apenas isso porque era tudo de informação que eu tinha. OMG…

  22. Acabei provando o lulu para ver como era para falar com conhecimento de causa: achei o app super bobinho cujo pior tag para os homens era #filhinhodamamae.
    Achei totalmente desproporcional e violento a resposta masculina para esse app, o tubby (cuja lei maria da penha acaba de pronunciar-se contra) cujos tags eram #curtetapas #engoletudo
    entrando na pag do facebook do tubby a apologia de odio contra as mulheres é brutal.

    Vendo esse panorama me desvinculo totalmente do mulherescontraofeminismo. Não sei até que ponto as feministas estao totalmente erradas ao afirmar que homem ocidental tambem apedreja mulheres… com essa resposta desproporcional e criminosa parece que estao a nos falar “ei vcs ousaram nos julgar? agora vao tomar no c* literalmente” e todo mundo sabe que homem trepa com mil é garanhao,mulher é vagabunda. é totalmente desproporcional

    Eu estou contra lulu tb por achar que viola a privacidade mas a resposta violenta e DESPROPORCIONAL por parte dos homens so me fez ter vontade de nao mais defender que nao necessitamos o feminismo.

    Homens, vcs conseguiram me transformar numa quase feminista, so nao totalmente porque sou de direitas.

    Abçs.

  23. Li TODAS as “respostas” da rita e percebi algo bem claro, rita, você NÃO responde diretamente as objeções contra o feminismo.
    Vou tentar te explicar em poucas linhas: você escreve muito e não diz absolutamente nada, escreve de maneira confusa, fazendo voltas e reviravoltas de raciocínio ilógicas e sem pontuação coerente.

    Sobre a violência: rita, homens sofrem MUITO mais violência que as mulheres, não importa quem são os agressor/agressora o que importa é quem é a VÍTIMA.
    Veja: http://www.youtube.com/watch?v=hxH7ZPEgjY8

    Estupros: rita, quem são os mais estuprados são os homens, não as mulheres.
    Nas prisões quase todos os presidiários já foram estuprados nos EUA. Não importa quem o estuprou, o que importa é a violação CONTRA O HOMEM, o que importa é a vítima, não o violador/violadora. Não importa que é um preso, ele possui direitos humanos invioláveis.
    http://omarxismocultural.blogspot.com.br/2013/11/a-verdadeira-cultura-de-estupro-aflige.html

    Sobre os empregos: rita, se as mulheres recebem menos e existem poucas mulheres no mercado de trabalho, é completamente ilógico (é ilógico, porque não é verdade mesmo).
    As mulheres estão em maior número no mercado de trabalho e ganham menos EM MÉDIA, mas agora que vem o às da questão, quando ela entra em uma empresa, ela ganha exatamente igual a todos que ocupam o mesmo cargo e possuem a mesma graduação. Somente depois de avançar na carreira, por conta da PRODUTIVIDADE que há diferenciações dos salários. Entre os homens, por exemplo, homens mais velhos ganham mais que mais novos. Como vê não é devido à “discriminação” e sim por causa da lei de oferta e procura, produtividade e meritocracia.
    Pela sua lógica, existiriam milhares de empresários que somente contratariam mulheres e quebrariam todos seus rivais, pois se elas tivessem a mesma produtividade, a mesma graduação e ainda ganhassem menos, é lógico que o empresário somente contrataria mulheres, pois não há nenhuma lei que force os empresários a contratarem algum homem para sua empresa.

    Sobre as vagas nas faculdades/universidades, há algo a se considerar: as mulheres ganham menos em média pois escolhem cursos, em geral, (repare em geral e em média) bem diferentes dos homens. E a maioria dos cursos masculinos são mais valorizados pelo mercado (ou seja, a lei de oferta e procura pode ser mudada ao longo dos anos), por isso os homens ganham mais EM MÉDIA, mesmo as mulheres estando em maior número nas faculdades.
    Cursos de MAIORIA absoluta masculina: Todas as Engenharias, Física, Matemática, Paleontologia, Ciência da Computação.
    Cursos de MAIORIA absoluta feminina: Moda, Culinária, Design e Moda, Artes.

    Não consegue encontrar notícias de homens sendo violentados pela a mulher? Eu te ajudo:

    http://www.opopular.com.br/editorias/cidades/mulher-esfaqueia-e-mata-marido-1.255774

    http://www.fmanha.com.br/geral/ambulante-e-morto-a-facadas-no-farol

    http://www.liberdade96fm.com.br/noticia/mulher+mata+companheiro+a+golpes+de+faca+peixeira+em+brejo+do+cruz-7049

    http://g1.globo.com/bahia/noticia/2013/01/homem-agredido-facadas-por-ex-mulher-tem-alta-medica-diz-sesab.html

    http://www.ptjornal.com/201204247268/insolito/chinesa-mata-homem-ao-apertar-lhe-os-testiculos-durante-uma-discussao.html

    http://www.saocarlosagora.com.br/policia/noticia/2013/01/03/37422/caminhoneiro-e-agredido-pela-mulher-em-agua-vermelha/

    http://coximagora.com.br/index.php/policial/homem-aciona-a-pm-depois-de-ser-agredido-pela-ex-convivente-em-coxim

    http://www.tribunahoje.com/noticia/50851/policia/2013/01/03/presa-mulher-que-tentou-matar-companheiro-com-um-golpe-de-faca.html

    http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2013/01/03/interna_cidadesdf,342211/mulher-rouba-varios-objetos-de-posto-policial-vazio-em-sobradinho.shtml

    http://www.passeiaki.com/noticias/mulher-tenta-matar-marido-diz-amor-selvagem

    http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2013/01/04/interna_gerais,341187/presa-mulher-que-matou-crianca-que-se-recusou-a-comer-em-teofilo-otoni.shtml

    http://atarde.uol.com.br/bahia/materias/1476344-mulher-agride-companheira-por-traicao-com-um-homem

    http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2013/01/04/interna_cidadesdf,342414/mulher-com-18-passagens-agride-policial-durante-prisao-por-trafico.shtml

    http://www.patoshoje.com.br/noticias/patos-de-minas/17433-mulher-furta-apos-ter-dinheiro-de-prostituicao-levado-por-traficante.html

    http://www.jn.pt/paginainicial/pais/concelho.aspx?Distrito=Santar%E9m&Concelho=Abrantes&Option=Interior&content_id=2977060

    http://portalagora.com/noticias/mostrar/id/2281/titulo/Mulher%2Bmata%2Birmao%2Benquanto%2Btirava%2Bfoto%2Bpara%2Bpostar%2Bno%2BFacebook%2B

    http://www.msrecord.com.br/noticia/ver/88266/mulher-mata-ex-marido-a-facadas-e-alega-legitima-defesa-em-agua-clara

    http://bandab.pron.com.br/jornalismo/policia/jovem-embriagado-agride-animal-de-estimacao-e-leva-facada-na-perna-da-dona-do-cao-47946/

    http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2013/01/06/interna_cidadesdf,342648/mulher-mata-namorado-a-facadas-depois-de-festa-em-samambaia-sul.shtml

    http://noticias.terra.com.br/brasil/policia/ms-mulher-mata-o-ex-companheiro-a-facada-apos-ser-agredida,9e182a2ef101c310VgnVCM3000009acceb0aRCRD.html

    http://g1.globo.com/sp/piracicaba-regiao/noticia/2013/01/mulher-da-facada-no-marido-e-chama-guarda-aos-prantos-em-piracicaba.html

    http://www.midiamax.com.br/noticias/832374-mulher+mata+ex+marido+golpes+faca+caarapo.html#.UqFkb_SshcY

    http://www1.folha.uol.com.br/mundo/1211211-tribunal-condena-mulher-que-matou-filho-por-nao-decorar-alcorao.shtml

    http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2013/01/noticias/cidades/gazeta_online_sul/1387797-cansada-de-brigas-mulher-mata-o-marido-na-frente-do-filho.html

    http://noticias.r7.com/rio-de-janeiro/noticias/mulher-e-presa-por-sequestrar-e-dopar-crianca-no-rio-diz-policia-20130107.html

    http://www.correio24horas.com.br/detalhe/noticia/mulher-mata-a-sogra-a-facadas-dentro-de-casa-em-paratinga/

    http://www.905fm.com.br/regional/111-mulher-mata-marido-em-anchieta

    http://terratv.terra.com.br/Noticias/Brasil/Baba-flagrada-agredindo-crianca-deficiente-e-presa_4194-419027.htm

    http://www.atribunanet.com/noticia/mulher-que-matou-marido-vai-a-juri-popular-em-marco-87867

    http://terratv.terra.com.br/Diversao/Hits-da-Web/Homem-vestido-de-Bob-Esponja-e-agredido-por-2-mulheres_4184-381037.htm

    http://www.fatimanews.com.br/noticias/mulher-bate-em-namorado-apos-sexo-oral-ruim_142684/

    http://www.opovo.com.br/app/ceara/jaguaruana/2013/01/12/notjaguaruana,2987298/mulher-mata-companheiro-a-facadas.shtml

    http://www.bastosja.com.br/noticias/ver/noticia/1102/casal-desacata-e-agride-policiais-em-patrulhamento

    http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/regional/noticia/2013/01/14/mulher-esfaqueia-o-proprio-marido-em-pesqueira-69943.php

    http://www.teixeiranews.com.br/news2/news.php?id=16893&sess=40

    http://www.ojornalms.com.br/policial/apos-discussao-mulher-crava-martelo-na-cabeca-de-namorado/

    http://www.gazetadotriangulo.com.br/novo/index.php?option=com_content&view=article&id=23662:mulher-mata-amasio-com-facada-no-pescoco-&catid=17:pola&Itemid=158
    http://uipi.tv.br/musicvideo.php?vid=878f07326 )

    http://tnh1.ne10.uol.com.br/noticia/policia/2013/01/17/225725/mulher-matou-filho-e-marido-queimados-e-se-suicidou-diz-policia

    http://www.coximagora.com.br/index.php/policial/item/2587-mulher-tenta-matar-o-ex-marido-em-dourados

    http://www.portaldecanoinhas.com.br/noticias/11550

    http://rederecord.r7.com/video/mulher-mata-marido-durante-briga-e-foge-com-o-filho-do-casal-em-sp-510456e3b61cf8e62a67151f/
    (MULHER MATA HOMEM, seu próprio marido, com um TIRO NA NUCA, e TV Record faz matéria usando esforço descomunal para justificar o assassinato da mulher)

    http://paracatunews.com.br/index.php?section=item&id=2712

    http://www.correio24horas.com.br/noticias/detalhes/detalhes-1/artigo/mulher-e-acusada-de-matar-marido-com-tiro-na-boca-em-placaford/

    http://unisultv.blogspot.com.br/2013/09/mulher-mata-homem-com-cinco-facadas-em.html

    http://www.alagoas24horas.com.br/conteudo/?vCod=158906

    http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1330975

    EXISTEM MUITO MAIS CASOS, MAS JÁ ESTÁ BOM PARA PROVAR PARA VOCÊ QUE MULHERES TAMBÉM MATAM E FAZEM ATROCIDADES, NÃO É?

    Sabe o que as feministas vão fazer sobre a violência contra o homem? N-A-D-A.

    Você disse claramente em uma de suas respostas (até tirei print) “FEMINISTAS LUTAM PELAS MULHERES”, “O FEMINISMO É O MOVIMENTO PELAS MULHERES”, “SE HOMENS QUISEREM ALGO PRECISAM APRENDER A LUTAR POR SEUS DIREITOS”, ou seja, você própria admitiu com todas as letras, “o feminismo não busca direitos iguais, o feminismo é um movimento sexista que busca direitos exclusivistas para mulheres e para resolver os problemas femininos, e nunca fez nada e nem fará nada pelos homens”.
    Então para “balancear” o Feminismo, os homens criaram um movimento chamado Masculinismo para lutar pelo direito dos homens e ter leis específicas (IGUAL POSSUEM AS MULHERES) sabe o que acontece? Isso: http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2012/05/o-masculinismo-como-ele-e.html
    Lola diz com todas as letras: “Eu creio que os masculinistas devam ser considerados um grupo de ódio”.

    Resumindo, você e a Lola conseguiram dizer em poucas postagens que: o feminismo não luta pelos homens, então não luta por direitos iguais. Se há alguma resposta a esse movimento que você disse antes (“qualquer debate sobre o movimento, qualquer questionamento de ideias é bem-vindo, estou aqui respondendo a você não é a toa”) como o Masculinismo, imediatamente é taxado como “grupo de ódio”.

    Você diz que o Feminismo luta pelos direitos das mulheres, logo não luta por direito iguais.
    Se queremos montar um movimento igual o Feminismo, como o Masculinismo, para lutarmos pelos direitos dos homens, a Lola e inúmeras outras feministas dizem que é algo desnecessário, pois o feminismo já luta por igualdade, mas você disse em um de suas postagens (novembro 28, 2013 às 11:52) que o Feminismo luta pelas mulheres, é um movimento das mulheres, se os homens quiserem algum direito que lutem por ele.
    Se o masculinismo é um “grupo de ódio”, o feminismo também é um “grupo de ódio” pela lógica da Lola.

    Ou seja, o feminismo atual é completamente inútil, é um movimento sexista que busca leis exclusivistas e sexistas APENAS para as mulheres, ENTÃO NÃO LUTA PELA IGUALDADE E PELO BALANÇO DE LEIS E DIREITOS ENTRE OS SEXOS. E não admite os homens criarem o Masculinismo para lutarem pelos seus direitos, mesmo o Feminismo não lutando pelos direitos dos homens (algo que você própria disse).
    “Feminismo é a ideia confusa de que você está lutando por direitos iguais ao lutar por direito diferenciados.”
    “O Feminismo é a ideia de que podemos fazer ambos os sexos iguais, concentrando-se apenas nas questões e problemas de um deles.”
    Feminismo possui um nome sexista não é por acaso mesmo.

    • Vou escrever assim tudo bonitinho, maiúscula, minúscula, parágrafo porque fiquei sentida que você disse que eu escrevo mal. Ganho minha vida com isso, sabe? Sempre fui aquela aluna nota 10 em Português e Redação, ganhei prêmio, sou bem vista pela qualidade do meu texto no mundo do jornalismo. Será que eu tô perdendo o jeito? Fiquei preocupada agora.

      Eu acho que eu devo ter escrito muito mal mesmo porque você entendeu tudo errado. Mas vejamos se consigo ser mais clara agora. Quando homicídios são direcionados a um grupo por sua raça, crença, etc, eles são chamados de genocídios. Na Europa, durante a Segunda Guerra Mundial, morreram 6 milhões de judeus, aproximadamente 17 milhões de civis e ainda vários milhões de soldados. Mesmo assim, sentiu-se a necessidade de separar os judeus, entre todas essas mortes, no crime de genocídio. Isso porque ao contrário dos demais assassinatos, decorrência de uma guerra, os judeus estavam sendo mortos especificamente porque eram judeus. Isso é um motivo torpe, um crime de ódio, precisa ser diferenciado.

      De modo análogo, ainda que milhares de homens e mulheres sejam assassinados todos os dias vítimas da violência urbana, no que se assemelham aos civis e soldados, existem mulheres sendo mortas diariamente e em grande escala somente por serem mulheres. Em analogia com o genocídio, nomeou-se esses homicídios de feminicídio. As mortes dessas mulheres, por vezes torturadas por seus parceiros, deixam nítido o caráter odioso dos assassinatos. Isso não sou eu que estou dizendo. Você pode conferir nessa pesquisa feita pelo governo: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2012/MapaViolencia2012_atual_mulheres.pdf. O assunto é tão sério que, como eu falei, o feminicídio deve se tornar crime hediondo. Então, não sei se você tem conhecimento do códio penal, mas importa, sim, quem é o agressor e, principalmente, importa a motivação.

      Segundo, eu já vi essas informações sobre o número de estupros femininos serem inferiores ao número de estupros masculinos em outros sites anti-feministas como esse que você linkou. Antes de tudo, gostaria de ressaltar que a violência contra a mulher nos EUA é bem menor que aqui no Brasil. Eles estão em 24º enquanto a gente está em 7°. Entendo que na falta de fontes aqui, seja preciso recorrer ao que é publicado lá fora. Ainda assim, mesmo se esses dados fossem reais, os EUA seriam o primeiro país do mundo a ter o número de estupros de homens superando o número de mulheres. Depois, é importante ressaltar que lá, nos números oficiais, 91% dos estupros têm mulheres como vítimas. Finalmente, eu não sei se isso foi realmente um desconhecimento de quem traduziu ou uma manipulação de informação. Mas o que essa pessoa fez foi classificar como “inmates” apenas os homens, quando na verdade essa palavra serve tanto para prisioneiros quanto para prisoneiras. Este é o relatório oficial sobre a pesquisa: http://www.nybooks.com/articles/archives/2011/mar/24/prison-rape-and-government/?pagination=false Você pode observar que ele inicia logo com um exemplo de uma prisioneira. No texto, é evidente que se trata de todos os prisioneiros dos EUA, mencionando homens, mulheres, gays, lésbicas, transsexuais e crossdressers. De modo que essa informação sobre a maioria de estupros masculinos não procede. Por fim, o feminismo não nega o estupro de homens. É importante, aliás, conscientizar homens vítimas de estupros a procurar ajuda tanto quanto as mulheres.

      Para você ver Wolf, também acho que é ilógico as mulheres serem preteridas nos salários e nos empregos. Seria lindo se o critério fosse meritocracia como você diz. Mas infelizmente não é. Inclusive, quanto mais qualificadas nós somos, mais díspares ficam os nossos salários. Outros dados para você conferir: http://www.ebc.com.br/noticias/brasil/2013/11/diferenca-salarial-entre-generos-aumenta-conforme-grau-de-escolaridade

      Não há nenhuma lei que force empresários a contrataram só homens para sua empresa! Ainda bem, né? Porque seria absurda. Mas, infelizmente, há o machismo que você nega existir. Já expliquei, mas reescrevo. As mulheres são preteridas, além do preconceito, pela obrigação que existe (assim sim é uma lei) de permitir que a funcionária tire licença maternidade. Se uma mulher fica grávida duas vezes durante seu tempo de serviço em uma empresa, ela vai trabalhar, de certeza, 6 meses a menos que um homem, recebendo durante seu tempo afastada. Além disso, existe o consenso de mulheres faltam mais o emprego por causa dos filhos durante toda sua vida, por exemplo quando eles adoecem. Então existe um homem e uma mulher equiparados quanto a currículo, o empregador prefere contratar o homem. Como a lei funciona hoje, nesse mesmo tempo, se o homem tem dois filhos, ele só faltará 10 dias ao trabalho. Entendeu? Nossa aposentadoria antecipada é, ainda, um bônus.

      Quando eu falei sobre a diferença de salários entre homens e mulheres nem estava me referindo ao prestígio das profissões. Meu ponto era para o mesmo emprego, mesmo currículo. Você deve ter visto o experimento que linkei em outro comentário. Não é lenda. Sobre o prestígio das profissões, o dado de que o rendimento da mulher é apenas 70% do rendimento dos homens (mesmo a gente passando mais em concursos públicos) deixa bem claro. Não sei de onde você tirou que os homens são maioria dos desempregados: http://g1.globo.com/concursos-e-emprego/noticia/2012/12/desemprego-atinge-mais-mulheres-do-que-homens-diz-relatorio-da-oit.html
      Também somos maioria em trabalhos não remunerados.

      Sobre as notícias de homens violentados por mulheres, eu nunca disse que não existia. Se você prestar atenção, disse que o contrário é absurdamente mais recorrente. Por sinal, entre os teus links escaparam uns “mulher mata sogra”, “mulher mata filho”, “mulher agride policiais”, “casal desacata policiais”, “babá agride criança”, “mulher agride criança” que são coisas bem diferentes de violência de gênero.

      E, sim, eu não disse com essas palavras porque mesmo você dizendo que não, eu escrevo mais bonitinho do que isso. Mas, sim. O FEMINISMO É UM MOVIMENTO PELAS MULHERES. Isso não significa que o feminismo não busque direitos iguais. Acontece que os direitos que as mulheres buscam – andar à noite na rua sem medo de ser estuprada; não ouvir propostas sexuais ao sair de casa para comprar pão na padaria; não ser assediada no transporte público; sermos donas dos nossos próprios corpos; não morremos por conta do gênero a que pertencemos; não sermos condenadas a morrer porque estamos grávidas e não queremos um filho – todos esses direitos os homens já têm. Até temos causas que beneficiam o homem também, como a licença paternidade mencionada anteriormente. Para o homem, é o seu direito de ficar mais tempo com o filho. Para a mulher, é ajuda na criação da criança e também menos diferenciação no mercado de trabalho – ainda que a amamentação, por exemplo, nos obrigue a ficar muito mais tempo ausente do emprego do que o homem. Mas defendemos essa causa porque é boa para ambos.

      Enquanto nossos direitos forem tão diferentes, não faz sentido para o feminismo deixar de lutar por causas que matam mulheres diariamente para lutarmos pelo direito do homem de não ser obrigado a ser reservista no exército. Afinal, não estamos em guerra. Principalmente, porque nada impede os homens de se organizarem e lutarem por suas causas como as feministas fazem. Eu tenho 100% que quando os movimentos organizados pelos homens pararem de centrar suas forças no “anti-feminismo” ou em ficarem ricos para conquistar as gostosas, e focarem em lutar por causas justas, eles vão ganhar a simpatia da maioria das feministas. Mas o que eu vi até hoje do masculinismo, principalmente no Brasil, não era isso. Me aponte uma luta pelo direito do homem defendida nesses movimentos, por favor, um momento em que eles tenham se organizado para gritar por algo como a guarda dos filhos. Não presenciei isso nunca. No mais, o feminismo não tem essa capacidade de admitir ou não os homens criarem o movimento que eles quiserem, né? Vocês colocam muito poder em nossas costas. O fardo tá pesado?

    • Vou escrever assim tudo bonitinho, maiúscula, minúscula, parágrafo porque fiquei sentida que você disse que eu escrevo mal. Ganho minha vida com isso, sabe? Sempre fui aquela aluna nota 10 em Português e Redação, ganhei prêmio, sou bem vista pela qualidade do meu texto no mundo do jornalismo. Será que eu tô perdendo o jeito? Fiquei preocupada agora.

      Eu acho que eu devo ter escrito muito mal mesmo porque você entendeu tudo errado. Mas vejamos se consigo ser mais clara agora. Quando homicídios são direcionados a um grupo por sua raça, crença, etc, eles são chamados de genocídios. Na Europa, durante a Segunda Guerra Mundial, morreram 6 milhões de judeus, aproximadamente 17 milhões de civis e ainda vários milhões de soldados. Mesmo assim, sentiu-se a necessidade de separar os judeus, entre todas essas mortes, no crime de genocídio. Isso porque ao contrário dos demais assassinatos, decorrência de uma guerra, os judeus estavam sendo mortos especificamente porque eram judeus. Isso é um motivo torpe, um crime de ódio, precisa ser diferenciado.

      De modo análogo, ainda que milhares de homens e mulheres sejam assassinados todos os dias vítimas da violência urbana, no que se assemelham aos civis e soldados, existem mulheres sendo mortas diariamente e em grande escala somente por serem mulheres. Em analogia com o genocídio, nomeou-se esses homicídios de feminicídio. As mortes dessas mulheres, por vezes torturadas por seus parceiros, deixam nítido o caráter odioso dos assassinatos. Isso não sou eu que estou dizendo. Você pode conferir nessa pesquisa feita pelo governo: http: // www. mapadaviolencia. org.br/pdf2012/MapaViolencia2012_atual_mulheres. pdf. O assunto é tão sério que, como eu falei, o feminicídio deve se tornar crime hediondo. Então, não sei se você tem conhecimento do códio penal, mas importa, sim, quem é o agressor e, principalmente, importa a motivação.

      Segundo, eu já vi essas informações sobre o número de estupros femininos serem inferiores ao número de estupros masculinos em outros sites anti-feministas como esse que você linkou. Antes de tudo, gostaria de ressaltar que a violência contra a mulher nos EUA é bem menor que aqui no Brasil. Eles estão em 24º enquanto a gente está em 7°. Entendo que na falta de fontes aqui, seja preciso recorrer ao que é publicado lá fora. Ainda assim, mesmo se esses dados fossem reais, os EUA seriam o primeiro país do mundo a ter o número de estupros de homens superando o número de mulheres. Depois, é importante ressaltar que lá, nos números oficiais, 91% dos estupros têm mulheres como vítimas. Finalmente, eu não sei se isso foi realmente um desconhecimento de quem traduziu ou uma manipulação de informação. Mas o que essa pessoa fez foi classificar como “inmates” apenas os homens, quando na verdade essa palavra serve tanto para prisioneiros quanto para prisoneiras. Este é o relatório oficial sobre a pesquisa: http: // www. nybooks. com/articles/archives/2011/mar/24/prison-rape-and-government/?pagination=false Você pode observar que ele inicia logo com um exemplo de uma prisioneira. No texto, é evidente que se trata de todos os prisioneiros dos EUA, mencionando homens, mulheres, gays, lésbicas, transsexuais e crossdressers. De modo que essa informação sobre a maioria de estupros masculinos não procede. Por fim, o feminismo não nega o estupro de homens. É importante, aliás, conscientizar homens vítimas de estupros a procurar ajuda tanto quanto as mulheres.

      Para você ver Wolf, também acho que é ilógico as mulheres serem preteridas nos salários e nos empregos. Seria lindo se o critério fosse meritocracia como você diz. Mas infelizmente não é. Inclusive, quanto mais qualificadas nós somos, mais díspares ficam os nossos salários. Outros dados para você conferir: http:// www. ebc. com.br/noticias/brasil/2013/11/diferenca-salarial-entre-generos-aumenta-conforme-grau-de-escolaridade

      Não há nenhuma lei que force empresários a contrataram só homens para sua empresa! Ainda bem, né? Porque seria absurda. Mas, infelizmente, há o machismo que você nega existir. Já expliquei, mas reescrevo. As mulheres são preteridas, além do preconceito, pela obrigação que existe (assim sim é uma lei) de permitir que a funcionária tire licença maternidade. Se uma mulher fica grávida duas vezes durante seu tempo de serviço em uma empresa, ela vai trabalhar, de certeza, 6 meses a menos que um homem, recebendo durante seu tempo afastada. Além disso, existe o consenso de mulheres faltam mais o emprego por causa dos filhos durante toda sua vida, por exemplo quando eles adoecem. Então existe um homem e uma mulher equiparados quanto a currículo, o empregador prefere contratar o homem. Como a lei funciona hoje, nesse mesmo tempo, se o homem tem dois filhos, ele só faltará 10 dias ao trabalho. Entendeu? Nossa aposentadoria antecipada é, ainda, um bônus.

      Quando eu falei sobre a diferença de salários entre homens e mulheres nem estava me referindo ao prestígio das profissões. Meu ponto era para o mesmo emprego, mesmo currículo. Você deve ter visto o experimento que linkei em outro comentário. Não é lenda. Sobre o prestígio das profissões, o dado de que o rendimento da mulher é apenas 70% do rendimento dos homens (mesmo a gente passando mais em concursos públicos) deixa bem claro. Não sei de onde você tirou que os homens são maioria dos desempregados: http :// g1. globo. com/concursos-e-emprego/noticia/2012/12/desemprego-atinge-mais-mulheres-do-que-homens-diz-relatorio-da-oit.html
      Também somos maioria em trabalhos não remunerados.

      Sobre as notícias de homens violentados por mulheres, eu nunca disse que não existia. Se você prestar atenção, disse que o contrário é absurdamente mais recorrente. Por sinal, entre os teus links escaparam uns “mulher mata sogra”, “mulher mata filho”, “mulher agride policiais”, “casal desacata policiais”, “babá agride criança”, “mulher agride criança” que são coisas bem diferentes de violência de gênero.

      E, sim, eu não disse com essas palavras porque mesmo você dizendo que não, eu escrevo mais bonitinho do que isso. Mas, sim. O FEMINISMO É UM MOVIMENTO PELAS MULHERES. Isso não significa que o feminismo não busque direitos iguais. Acontece que os direitos que as mulheres buscam – andar à noite na rua sem medo de ser estuprada; não ouvir propostas sexuais ao sair de casa para comprar pão na padaria; não ser assediada no transporte público; sermos donas dos nossos próprios corpos; não morremos por conta do gênero a que pertencemos; não sermos condenadas a morrer porque estamos grávidas e não queremos um filho – todos esses direitos os homens já têm. Até temos causas que beneficiam o homem também, como a licença paternidade mencionada anteriormente. Para o homem, é o seu direito de ficar mais tempo com o filho. Para a mulher, é ajuda na criação da criança e também menos diferenciação no mercado de trabalho – ainda que a amamentação, por exemplo, nos obrigue a ficar muito mais tempo ausente do emprego do que o homem. Mas defendemos essa causa porque é boa para ambos.

      Enquanto nossos direitos forem tão diferentes, não faz sentido para o feminismo deixar de lutar por causas que matam mulheres diariamente para lutarmos pelo direito do homem de não ser obrigado a ser reservista no exército. Afinal, não estamos em guerra. Principalmente, porque nada impede os homens de se organizarem e lutarem por suas causas como as feministas fazem. Eu tenho 100% que quando os movimentos organizados pelos homens pararem de centrar suas forças no “anti-feminismo” ou em ficarem ricos para conquistar as gostosas, e focarem em lutar por causas justas, eles vão ganhar a simpatia da maioria das feministas. Mas o que eu vi até hoje do masculinismo, principalmente no Brasil, não era isso. Me aponte uma luta pelo direito do homem defendida nesses movimentos, por favor, um momento em que eles tenham se organizado para gritar por algo como a guarda dos filhos. Não presenciei isso nunca. No mais, o feminismo não tem essa capacidade de admitir ou não os homens criarem o movimento que eles quiserem, né? Vocês colocam muito poder em nossas costas. O fardo tá pesado?

      • onde que há direitos iguais na hora do homem decidir n querer filho? vcs lutam pelo direito de abortar a hora que bem entenderem sem se importar com a opinião do pai,como se o filho fosse só de vcs e tudo isso sem responder a justiça.
        mas vai o homem virar a cara para a paternidade,se recusar a pagar pensão,o que acontece mesmo? vai preso.
        hahahhah se isso é igualdade ,a gente tá ferrado mesmo.

      • vc agora diz que o feminismo luta só pelas mulheres e seu direitos mas eu já vi várias dizendo que lutam pelo bem de TODOS.
        eu acho que os homens devem lutar pelo que incomoda eles,como o serviço militar obrigatório , mas a incoerência é de vocês, uma hora falam que querem o bem do mundo inteiro,outra hora é só das mulheres.
        n podem reclamar se a gente vê hipocrisia no discurso feminista.

        e sobre o que o pedro falou eu tb vi,para feministas o homem tem que calar a boca pq a mulher é que está grávida e o que o pai quer ou deixa de querer,pouco importa
        nesse caso para realmente haver justiça,o homem deveria ter o direito de abandonar a mulher grávida,se lixar para o filho que nasceu,sem sofrer nada legalmente,achou absurdo? pq eu acho,se fez filho tem se responsabilizar,seja homem ou mulher.

      • Tu acha que um aborto é igual a um espirro é, criatura? Abortar é um sofrimento grande. Ainda a mulher mais sem apego ao filho, sem nenhum resquício de dúvida sobre se um feto de 4 semanas tem ou não ‘personalidade’, mesmo essa mulher sofre ao menos a dor física. O direito de abortar não é sinônimo de fazer um aborto todo mês como se fosse menstruação. Acontece que têm mulheres fazendo abortos clandestinos e morrendo. A novidade é que mulheres que fazem esses abortos não fazem porque os parceiros querem muito esses filhos, não. Algumas vezes, o parceiro vai embora. Outra vezes, a mulher não conta. Em outras, os dois decidem juntos. Os abortos vão continuar existindo. A luta do feminismo é para que essas mulheres não morram por falta de assistência médica.

        No mais, não confunda o direito da mulher decidir sobre se vai ter um filho ou não com o fato do pai do filho participar dessa decisão, caso ele seja presente na vida da mulher. Quando se fala em direito da mulher tomar a decisão sobre seu corpo, é de ela poder interromper uma gravidez sem ser julgada pela sociedade, condenada pela lei e vista como menos importante que a vida que ainda não nasceu. Você que tá preocupado com pensão, pelo menos teria mais uma opção caso não quisesse assumir o filho, sem precisar fugir da polícia.

      • Elen,

        O feminismo luta pelos DIREITOS das mulheres. É um movimento PELAS MULHERES. Mas, consequentemente, isso influencia toda a sociedade, já que não existem só mulheres no mundo. E como ao libertar o oprimido, se liberta também o opressor, a melhoria é comum. Imagine que os homens poderiam morrer menos de câncer de próstata ou acidentes de automóveis porque precisam ser machos viris; ou morreriam menos vítima de suicídio se entendessem que não cabe só a eles carregar todo o sustento da família, que fracassar não é ser menos homem; ou ainda ficar mais tempo com os filhos porque isso não é obrigação apenas da mulher; ou que se ele não está interessado em uma menina, ele tem que ficar com ela mesmo assim só porque o papel dele é ser o predador… Mas o FOCO do feminismo é e sempre foi libertar A MULHER da condição de inferioridade social.

      • Engraçado, vcs sempre usam esse argumento de que a mulher é discriminada no mercado de trabalho, por causa do tal do ”patriarcado machista opressor”. Só que esse argumento vcs só usam para quando uma mulher está disputando uma vaga NAS GRANDES CORPORAÇÕES, DEBAIXO DO AR-CONDICIONADO TENDO ÓTIMOS SALÁRIOS!!

        Por que vcs não lutam pelo direito da mulher trabalhar na construção civil CARREGANDO CIMENTO E PEDRA DE 50 K NAS COSTAS, MEXENDO MASSA DEBAIXO DE UM SOL ESCALDANTE DE 40 GRAUS???

        Aquela famosa placa que vemos em obra ”HOMENS TRABALHANDO”, não é preconceito contra a mulher não é? Essa pode. Só é preconceito do ”patriarcado machista e opressor” quando o trabalho é nas GRANDES EMPRESAS.

        Ficar reclamando DEBAIXO DA SOMBRA E AGUÁ FRESCA É MOLE. Eu quero ver é ”BOTAR AS CARAS NA PISTA” e fazer o que os homens fazem!!!

      • Ahahaha! Esse ganhou no argumento ignorante, viu? AHAHHAHAHAHAA!!! Nem em trollagem dá pra aguentar um desses.

        A mulher vinha há tempos tentando ingressar nessa área e esbarrando no preconceito. Até que começou a faltar mão de obra masculina e SACA SÓ!!!! De acordo com dados do Ministério de Trabalho e Emprego (MTE), o número de mulheres que exercem atividades na construção civil aumentou 65% na última década. Até a Veja já deu matéria sobre isso! Tás muito por fora, viu?

        http: // vejasp. abril. com.br /materia/mulheres-construcao-civil

        E olha só como é bem tranqs pra mulher trabalhar em obra!

        ‘Divorciada e mãe de dois filhos adolescentes, Elizângela abandonou o namorado quando decidiu trocar o emprego de auxiliar administrativa, pelo qual ganhava 850 reais, para trabalhar na construção civil, onde recebe 1.200. “Ele ficou com ciúme porque eu iria passar o dia todo cercada de homens.” Num universo majoritariamente masculino, as cantadas como “que esquadro bonito” são recorrentes.’

        :):):):) 🙂

        E só uma das iniciativas feministas para isso você encontra aqui, parceria com o governo e tudo: http: //www. projetomaonamassa. org. br/

      • Pô, legal. Essa eu não sabia mesmo. Agente fica vendo esse mimimi todo de que são descriminadas nas grandes empresas que esses detalhes passam despercebidos. Até porque, eu nunca tinha visto essa noticia em grandes blogues feministas.

        Mesmo assim, o homem continua sendo os grandes trabalhadores braçais, dos trabalhos reconhecidamente pesados. Particularmente na minha cidade eu nunca vi uma pedreira (apesar de eu sempre ter ciência de que elas existem, que fique claro)

        OK. Pode retirar parcialmente a minha critica sobre o trabalho na construção civil. Quando eu erro tenho a humildade de reconhecer o erro.

        Quanto a minha critica da placa ”homens trabalhando”, continua valendo. Nunca vi nenhuma feminista reclamando sobre ela.

        Olha, lá atras eu já fui igual a vc. Me metia em blogues feministas e ficava tentando discutir com elas, mostrar meu ponto de vista. Na realidade se vc não concorda com tudo que elas dizem vc é MALTRATADO,RIDICULARIZADO E CENSURADO.

        As donas desse blog, estão sendo super honestas com vc em deixar vc exercer a sua LIBERDADE DE EXPRESSÃO. Que vindo de umas pessoas que pregam a liberdade de todos os povos, negros,brancos,hetéro,homo etc… o minimo que podia se esperar era que existisse democracia em blogues feministas.

      • Hyoga,

        Os homens continuam sendo os grandes trabalhadores braçais por conta de uma construção da sociedade machista. Eles que não permitem as mulheres participarem desses empregos. A gente vai conquistando esses espaços aos pouquinhos, por mais que muitas mulheres que não têm conhecimento do feminismo acreditem que porque elas puderam fazer uma faculdade, escolher o curso que queriam, ficar com um cara só por uma noite e beber uísque no barzinho não têm mais motivo pra irem gritar nas ruas. Cada blog feminista que você vê, cada encontro em universidades, cada protesto é uma crítica a essa placa “Homens Trabalhando”.

        Sobre você nunca ter visto falarem especificamente nessas profissões, acho que o vício é dos seus olhos, não do discurso. Todos os dados sobre salários, vagas, desemprego, possibilidades de promoção, possibilidades de chefia, licença maternidade, aposentadoria. Todos esses números são conseguidos por meio de pesquisas de instituições como o IBGE e o MTE que levam em consideração todos os setores, não apenas as grandes empresas que você menciona. Nesses números estão pedreiras, garis, seguranças, policiais, caminhoneiras contratadas por empresas, carteiras, mecânicas, domésticas, etc, etc, etc.

        Eu acredito que a gente aprende mais ouvindo quem pensa diferente do que quem pensa como a gente. Nos blogs de feminismo, como no da Lola, eu aprendi e continuo aprendendo muita coisa principalmente porque o feminismo é muitíssimo plural. Contudo, apesar de tantas opiniões divergentes que encontro por lá, um dos grandes insights que eu tive sobre o feminismo, eu tive por conta de uma conversa doida de Facebook com um cara que até tem um pé nessa coisa de sejamos todos iguais, paz e amor e tal, mas pensa MUITO diferente de mim sobre muitas coisas.

        Ele me falou que a ironia, a agressividade e a irreverência da Marcha das Vadias eram pouco eficientes. Que a sociedade olha e não entende nada – ou entende errado. Eu SEMPRE defendi a Marcha das Vadias e fui pra todas que eu pude. Achava que a mensagem tava muito clara e só não entendia quem era cabeça fechada. Mas então percebi que eu tava pensando como uma pessoa esclarecida sobre o feminismo. Tentei me colocar no lugar de um homem que nunca teve contato com uma ideia feminista, que não faz ideia da opressão do machismo para as mulheres e muito menos para ele, que não entende como é escrota a ideia de que ele pode andar sem camisa, mas eu não. Para ele, a Marcha é só um Carnaval com um monte de peitinho de fora. Não creio que ele leia 1 cartaz, preste atenção em 1 grito. E, bom, eu não sou contra a Marcha das Vadias por isso. Ainda acho muito dos conceitos dela muito interessantes, inclusive o de chocar com a ausência de camisetas. Mas, definitivamente, tenho refletido como tornar isso mais instrutivo e já discuti sobre o assunto inclusive com as organizadoras da Marcha na minha cidade.

        Eu sei que algumas feministas podem ser bem agressivas. No blog da Lola mesmo você encontra o tempo inteiro feministas discordando entre si por conta disso. Eu mesma sou agressiva algumas vezes porque não dá, por exemplo, para ter paciência com mascu. Também é difícil ficar de boa quando você está apenas mostrando uma ideia e defendendo porque você acredita numa coisa, sem impor nada e tal, e vem uma pessoa lhe retrucando com um monte de preconceitos, sem se desarmar um segundo, sem parar para pensar em nenhum instante. Bom, daí só resta tirar onda pra fazer valer o tempo perdido pelo menos um pouquinho.

        Mas eu tendo a manter a paciência quando vejo que a pessoa está interessada, mesmo que ela esteja falando coisas que não fazem nenhum sentido para mim. Isso é importante não só quando quero aprender algo, quando também quero ensinar. Sobre o machismo, por exemplo, como é que um cara vai entender que ele também se ferra por conta disso se os privilégios dele são tão mais proeminentes que as opressões? Tenho que ter paciência e explicar. Quando um cara – não um mascu – vem reclamar comigo que não é assim tão fácil para ele porque cobram que ele seja isso, aquilo ou aquilo outro, eu escuto tudo, então eu digo: “quer parar de sofrer essas coisas? então pare de ser machista!”. Na minha cabeça de feminista, sabendo tudo que eu sofro, tudo que mulheres menos privilegiadas do que eu que sou branca, hetero, clase média sofrem, é muito difícil não ouvir só um monte de “mimimi” na fala dele. Mas é sofrimento, né? Nunca sou a favor.

        Enfim… Eu vejo muitos comentários discordantes em blogs feministas, incluindo trolls e mascus o tempo inteiro. Muito doido na minha cabeça alguém ser censurado. Se você diz, porém, acredito e lamento. Eu tive alguns problemas com comentários aqui no começo, mas depois eles só ficam pendentes se coloco algum link. E as donas do blog tentaram me ridicularizar algumas vezes, mas eu retruquei. Não me acanho com deboche nenhum. Já lidei e ainda terei que lidar com vários deles durante toda a minha vida. E é ótimo que quando sou vítima de um, posso retrucar na mesma moeda e amo ironia <3333

        Mas pensei em parar de escrever aqui várias vezes. Porque esse blog às vezes é mais mascu que muito site mascu. Só que aí aparecem umas coisinhas que merecem resposta e eu não consigo ficar quieta.

        Sobre os blogs feministas, você nunca vai ser aceito se quiser impor seu pensamento por lá ou ficar questionando o tempo inteiro: "Mas, e os homens?". Porque o feminismo não é sobre homens. Pode até ser interessante para vocês, mas não é sobre vocês. O feminismo aceita homens e é muito importante para nós termos vocês como simpatizantes, mas o movimento é nosso. Então, imagine que é você chegar em um blog sobre racismo, ser branco, e questionar no meio de um debate sobre o que fazer para que mais negros consigam se formar em medicina, por exemplo: "Mas, e os brancos?". Não faz muito sentido, não é? Você como branco pode ir lá, aprender, questionar se alguma dúvida surgir e depois debater sobre isso em outro espaço. Mas não tem autoridade para dar sua opinião, exercer sua "liberdade de expressão", sobre uma opressão que você não sente. Pode até fazê-lo, mas não deve se surpreender se isso chatear os outros.

        É chato passar por isso, eu entendo. Mas acho que você também consegue entender que é compreensível que aconteça.

      • Aceito acima se refere a não ser retrucado delicada ou não-delicadamente. Sobre censura, ainda acho uma pena que aconteça. Acho até que os comentários mais machistas que existem podem ser aproveitados para serem completamente desconstruídos e, assim, esclarecer o que diz o feminismo para quem tá lendo o blog tentando entender na boa vontade e tal, que reconhece o machismo, mas não enxerga por não vivenciá-lo tão fortemente no seu cotidiano.

      • Rita, entenda isso de uma vez por todas, você falar que o ”mundo é machista”, que os homens também se ”ferram com o machismo”, é a mesma coisa de um sujeito chegar pra mim e falar ”olha, acorde e saia da ”MATRIX”!!! Ou então um religioso falar ”você tem vários demônios no seu corpo, e vc só vai ser feliz se vc entrar na minha religião (sério, já falaram isso pra mim).

        Todos esses exemplos que eu te dei, são de grupos fanáticos que SE ACHAM DONOS DA VERDADE E NÃO GOSTAM DE SER CONTRARIADOS. No caso do argumento feminista, que o mundo é machista, eu já expliquei lá em cima, que pra mim isso é PURO PRECONCEITO.

        Imagine vc se a classe média alta Carioca da Barra,Ipanema,Copa Cabana fizessem cartazes e fossem gritando pela rua ”NÃO ENSINEM A SOCIEDADE A TEMER, ENSINEM OS FAVELADOS A NÃO ROUBAR”. De fato, se formos analisar bem a MAIORIA dos assaltantes são de comunidades carentes, porém A MAIORIA DOS MORADORES DE COMUNIDADES CARENTES, SÃO COMPOSTAS DE GENTE HONESTA E TRABALHADORA.

        Agora me diz aí se isso ocorresse não seria preconceito contra moradores de comunidades carentes???

        O mesmo vale pro homem. Infelizmente a MAIORIA dos estupradores são do sexo masculino, mas a MAIORIA dos homens não estupram e a MAIORIA dos homens condenam esse tipo de crime.

        É como eu falei lá em cima, o estupro é algo sério e tem que ser discutido pela sociedade. Não pela ótica feminista que criam TEORIAS LOUCAS sobre o assunto, como a tal da ”cultura do estupro” e só criam preconceito para quem possui os cromossomos xy.

        Eu tive a humildade de reconhecer um erro (se bem que eu tenho lá minhas duvidas se realmente essas mulheres pegam no pesado mesmo) sobre as mulheres na construção civil.

        Agora se vc não tiver a humildade de reconhecer alguma coisa desse meu post, e ainda querer insinuar que eu sou mentiroso ou não sei o que estou falando, na boa, paro por aqui.

        Eu posso até não ter o estudo que vc tem. Não tenho phd,mestrado ou doutorado EM PORRA NENHUMA. Mas não é preciso ser muito estudioso pra perceber que o feminismo não quer igualdade porcaria nenhuma e sim PRIVILÉGIOS, e tem preconceitos contra os homens.

        Passar bem e boas melhoras.

      • os argumentos das feministas são profundos mesmo,como um post que acabei de ver agora,de uma feminista irritada pq seu namorado não gosta de transar com ela menstruada e qual era a razão disso? machismo hahahahhha
        o cara é machista porque não quis lamber sangue,se sujar todo para atender seus desejos sexuais e ignorou completamente o fato de haver homens que n veem problema nisso,cadê o machismo agora?

        nossa,algumas já estão beirando a insanidade,do mesmo jeito que ela tem direito de n gostar de certas coisas,ele tb tem.
        e quanto as mulheres que tem nojo de fazer sexo oral,é um direito delas ou elas odeiam os homens só por isso?
        essa foi pior do que dizer q amamentar é opressão.

        rita,sinceramente eu n sei como vc n vê as loucuras que várias feministas falam.

      • Se for o que eu tô pensando, eu achei interessante a análise da menina sobre a menstruação além do sexo e, principalmente, ter tocado num assunto que eu nunca acho demais que é a importância de se dar atenção também ao orgasmo feminino na relação sexual. Mas, especificamente a parte de questionar o namorado não querer fazer sexo com ela justo quando ela tem mais tesão, eu entendo a frustração, mas achei injusto. Cada um tem suas barreiras – ou total ausência delas – com o sexo. O menino não gostar de fazer sexo quando a parceira tá menstruada é um direito dele, né? Forçar é que não pode. Mas depois espero que ele trabalhe bem pra compensar o orgasmo facinho que ele perdeu de dar à menina. 🙂

        O feminismo tem um papel diferente para cada feminista, assim como para cada mulher. Por isso, se fala mais em feminismos do que em um feminismo só. O mote, como eu disse antes, é se livrar de algumas opressões que nos acompanham quanto gênero feminino. As opressões são diferentes para cada uma de nós, principalmente quando somamos à condição de mulher fatores como raça e renda. As opressões vividas pela mulher brasileira também são diferentes do que é sofrido por uma americana, uma egípica, uma africana ou uma russa. O ponto comum é que todas somos vítimas de algumas delas apenas por sermos mulheres.

  24. ”(o marido chama a esposa de ‘minha mulher’, a esposa jamais o chama de ‘meu homem’. a posse é só dele) ”

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK é por isso que eu não levo esse feminismo moderno a sério, porque simplesmente NÃO DÁ pra levar á sério.

      • obviamente, foco é no ‘mulher’, não no ‘minha’. minha mulher = a mulher que pertence a ele.

      • “obviamente, foco é no ‘mulher’, não no ‘minha’. minha mulher = a mulher que pertence a ele.” >>>> Empirismo detected.

      • Oxente! E qual é o problema do empirismo? Chegar a uma “verdade” a partir da observação é extremamente aceitável. Inclusive, na maioria gritante das pesquisas científicas é até exigido. Aliás, sem o empirismo, só metafísica né, querido? E a questão aqui não é saber se Deus existe, se a gente tem alma, se a morte é o fim…

      • O problema é que essa “verdade” é baseada exclusivamente na sua experiência isolada, ou seja, vc não vê a coisa em si, mas sim como ela aparece na sua mente, totalmente deturpada,não tem embasamento algum. A não ser que vc viva no século xv ou em uma sociedade escravista, “meu marido”, “minha mulher” etc etc, são termos possessivos usados para denominar uma pessoa que se tem um relacionamento íntimo ou algum tipo de compromisso, nunca possuirá o sentido de posse, ao menos na maioria esmagadora dos casos. Na sua lógica, um marido que apresenta a esposa a uma outra pessoa tipo ” deixe-me apresentar-lhe, essa daqui é minha mulher”, submete a ideia de posse, agora se for o contrário, uma mulher apresenta o marido a outra pessoa: “deixe-me apresentar-lhe, esse daqui é meu marido”, nesse caso não é nada né? hahaha amo a lógica feminista, analítica nunca fez parte da sua agenda, né?

      • Um homem falar “Deixa-me apresentar-lhe, esta aqui é minha mulher” não é sinal de posse. Por sinal, se esse homem existir, me apresenta porque tô apaixonada pela colocação dos pronomes. Mas voltando ao assunto…. O sinal de posse é existir a expressão “minha mulher” para designar esposa e não existir uma equivalente para designar o marido. Afinal, não é tão comum [na verdade, nunca ouvi falar, mas como o mundo é vasto, né?] uma esposa chegar em um ambiente e dizer: “Deixa-me apresentar-lhe, este aqui é o meu homem”. Compreende? Isso remete à origem do casamento, como te expliquei no outro comentário e tô morta de preguiça de repetir aqui. Nada contra casamentos ou contra a expressão, que eu mesma uso muito mais “mulher” que “esposa”. Ela apenas é sintomática dessa naturalização da ideia de posse da mulher pelo marido que, ainda bem, não é tão forte como antigamente, mas que ainda persiste, em diferentes escalas, dependendo do grau de machismo do homem e da mulher envolvidos na relação.

    • Em público? Em eventos sociais? “Meu macho” eu nunca ouvi. Agora meu marido é totalmente diferente e, se você ainda questiona isso, é porque não entendeu o ponto.

      • “Mi hombre” se usa em alguns países de fala espanhola. Acho q nao tem nada a ver coisas da lingua

  25. Rita, você se esquivou novamente das objeções contra o feminismo, como era de se esperar.

    Vamos repetir para você entender: quem são as maiores vítimas da violência são os Homens, não as Mulheres. Não viu o vídeo que passei na resposta?

    Como não viu o vídeo, esse relatório mostra muito claramente que são os homens que sofrem mais violência, é só abrir o site e vai ver na primeira página:
    http://www.clam.org.br/uploads/conteudo/Violencia%20e%20genero_Artigo%20Sonia_Taquinho.pdf

    Mais notícias mostrando que os homens que sofrem mais violência que as mulheres.

    http://www.medclick.com.br/saude-homem/homens-sao-a-maioria-das-vitimas-de-violencia-urbana.html

    http://www.sinprocampinas.org.br/?q=node/5049

    http://amaivos.uol.com.br/amaivos09/noticia/noticia.asp?cod_noticia=9614&cod_canal=38

    http://www.bemparana.com.br/noticia/268306/homens-sao-as-maiores-vitimas-do-transito-e-da-violencia-alerta-campanha

    http://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/2013/01/homens-sao-maioria-entre-vitimas-de-violencia-encaminhadas-ao-hge.html

    Agora, como você sabe que são feitos homicídios contra mulheres somente por serem mulheres? No relatório que você passou no site “www.mapadaviolencia.org.br/‎” não há NENHUM trecho que prova isso. NENHUMA prova.
    Sabe por quê? Porque isso é mentira. Isso é uma mentira criada pelas feministas para criarem leis sexistas.
    Você, ou alguém, perguntou para TODOS os assassinos isso? Não, não perguntou.
    Tem algum depoimento deles dizendo que ele matou uma mulher aleatória na rua ou a namorada ou uma conhecida simplesmente porque ela era uma mulher? Não, com certeza não possui. Ele possui outros motivos que injustificam tais atrocidades, o motivo não foi simplesmente “por ela ser mulher”.

    Como percebi que é desonesta, vou criar uma mentira igual a que você e as feministas criam:
    AI MEU DEUS, MAIS HOMENS SÃO MORTOS DO QUE MULHERES SOMENTE POR SEREM HOMENS!
    MAS QUE ABSURDO! PRECISAMOS DE MAIS LEIS EXCLUSIVAS PARA HOMENS PARA ELES SEREM PROTEGIDOS!
    ISSO É UM GENOCÍDIO CONTRA HOMENS! ISSO É MASCULINICÍDIO!
    MASCULINICÍDIO DEVE SE TORNAR CRIME HEDIONDO!

    Você pode desprovar que esses homens foram mortos somente por serem homens?
    Não, não pode. Então, usando sua lógica maravilhosa: mais homens são mortos do que mulheres simplesmente por serem homens.
    Como mais homens são mortos do que mulheres pelo mesmo motivo (de pertencer a determinado sexo), precisamos de leis exclusivas para proteger os homens por serem as maiores vítimas de discriminação sexual.
    Olha como sua linha de raciocínio é maravilhosa quando levada ao lado masculino.

    Assassinato e violência são crimes, independente de qual sexo ou etnia sofra disso.

    Sobre os estupros: o artigo do site que passei resumiu bem ao falar:
    “Segundo evidências que levam em conta os incidentes que ocorrem dentro das prisões, mais homens que mulheres são vítimas de abuso sexual nos EUA. Dados provenientes do Departamento de Justiça Americano (DJA) revelam que em 2008 estima-se que 216,000 homens foram abusados sexualmente enquanto se encontravam na prisão. Fora das prisões o número total de violações foi de 90,479.”

    Você não percebe que o número de homens estuprados é maior que o número de mulheres estupradas, porque você escreve sob forma de porcentagem, não na forma de números.

    Nesse site diz que o número de estupros no Brasil em 2012 foi 50.617:
    http://g1.globo.com/brasil/noticia/2013/11/numero-de-estupros-no-pais-supera-o-de-homicidios-dolosos-diz-estudo.html

    Mesmo se considerarmos que todos os estupros foram contra mulheres (o que não foi), o números de homens estuprados em 2008 nas prisões americanas é QUATRO VEZES MAIS do que as mulheres estupradas aqui no Brasil.

    Onde estão as feministas para lutarem contra isso. Onde estão as feministas para ajudarem os homens a terem os mesmos direitos das mulheres (terem o direito ao próprio corpo e não serem estuprados)?

    Que tal você (uma feminista que está bem informada agora e sabe o que realmente está acontecendo) for em um grupo feminista do facebook e dizer para elas a começarem a militar, fazer cartazes, gritar peladas em causa de mais leis para proteger os homens contra a violência e o estupro?
    Mas como qualquer um já sabe, lógico que isso não vai acontecer.

    Mesmo o número de estupros de homens sendo maior que o número de estupros contra a mulher, vocês feministas somente se focam nos estupros contra a mulher.
    Estupro é crime, sendo contra a mulher ou contra o homem, mas mesmo o número de estupros de homens sendo maior, vocês nem sequer tocam no assunto.

    Sobre os salários: parece que você não entende sobre mercado de trabalho e lei da oferta e procura, Rita: veja esse vídeo para entender um pouco:

    Vou reescrever o trecho que escrevi que acho que você passou por cima quando leu:
    “Somente depois de avançar na carreira, por conta da PRODUTIVIDADE que há diferenciações dos salários. Entre os homens, por exemplo, homens mais velhos ganham mais que mais novos. Como vê não é devido à “discriminação” e sim por causa da lei de oferta e procura, produtividade e meritocracia.”

    As MAIORIA das mulheres com a mesma graduação que os homens da sua empresa e que fazem o mesmo serviço e trabalham o mesmo período falham no quesito “produtividade”, por isso o salário dos homens e das mulheres (em geral) com o tempo se distanciar.
    Depois de entrar na empresa em uma função, mais graduações pouco ajudarão os funcionários, mas a sua produtividade faz muito mais peso do que graduações adquiridas. As graduações e a produtividade devem aumentarem juntos, não uma aumentar e a outra continuar na mesma. Como disse antes, geralmente (repare, geralmente) as mulheres perdem para os homens no quesito “produtividade” e não no quesito graduação.

    Espere um pouco, onde eu disse sobre a uma lei que force o empresário a contratar SOMENTE homens para sua empresa? Vou reescreve o que realmente disse em minha postagem.

    “Pela sua lógica, existiriam milhares de empresários que somente contratariam mulheres e quebrariam todos seus rivais, pois se elas tivessem a mesma produtividade, a mesma graduação e ainda ganhassem menos, é lógico que o empresário somente contrataria mulheres, pois não há nenhuma lei que force os empresários a contratarem ALGUM homem para sua empresa.”

    Repare nas palavras “ALGUM homem”.

    Rita, pare de ser desonesta, por favor.

    Eu que eu quis dizer é que se o empresário quiser contratar somente homens ou somente mulheres para sua empresa não há nenhuma lei que o proíba disso. Não há leis para “cotas” para homens ou “cotas” para mulheres nas empresas.

    Isso da Licença Maternidade é algo justo, mas seria algo mais justo se vocês feministas militassem, fizessem campanhas, fizessem passeatas, fizessem cartazes para a Marcha das Vadias e cobrassem dos políticos para que o Estado alterasse a Licença Maternidade para que o homem que teve o filho também tirasse a licença do trabalho pelo mesmo tempo que a sua mulher tira. Afinal, o bebê é dos dois e os dois precisam cuidar dele, não é mesmo?

    Se quer realmente acabar com o suposto preconceito e o receio do empresário em contratar mulheres, vocês feministas deveriam lutar para que os homens tenham esses mesmos privilégios que as mulheres possuem da Licença Maternidade. Então, como consequência, o empresário iria ter o mesmo receio em contratar um homem.
    Você criam os motivos para os problemas e ainda depois reclamam dos problemas. Não percebem que as consequências são resultados de suas próprias criações?
    Precisamos de igualdade, onde está vocês feministas para lutarem por esse direito dos homens?

    Ah lembrei, vocês não lutam pelo direito dos homens, feminismo é a luta pelos direitos das mulheres. Mas também o masculinismo não pode lutar pelo direito dos homens no congresso ou em público, que logo é taxado de “grupo de ódio” sem nenhum motivo e é chamado de “movimento inútil” por já existir o feminismo, mas o feminismo somente luta pelo direito das mulheres, então, onde fica a mudança de algumas leis para igualar os direitos dos homens com os das mulheres?
    Vocês não lutam pelo direito dos homens, mas lutam por igualdade?
    HAHAHAHA Vocês são uma piada mesmo.

    Engraçado que você, ainda depois de não querer mudar a Licença Maternidade (algo que beneficia as mulheres, comparado ao homem) ainda defender a aposentadoria mais cedo para as mulheres. Seu sobrenome deve ser Rita Desonestidade ou Rita Falta de Lógica. Não é possível algo você dizer algo tão absurdo e ilógico.

    Tocando nesse assunto, tem algo relacionado: Alistamento Militar.
    Não adianta absolutamente NADA vocês feministas disserem: “Nós ACHAMOS que o alistamento militar ser algo voluntário para ambos ou sexos” ou “Nós ACHAMOS que o alistamento militar deve ser obrigatório para ambos os sexos”.
    Repare que eu coloquei “achamos” em letras maiúsculas para destacar e você perceber.
    Vocês não lutam por igualdade? Então onde estão vocês para LUTAREM, MILITAREM, fazerem passeatas, fazerem campanhas, fazerem cartazes, fazerem slogans, gritarem na Marcha das Vadias para: 1) obrigar o sexo feminino a ter alistamento militar obrigatório OU 2) abolir o alistamento militar masculino.
    Onde estão você lutando para mudarem isso nas leis?

    Vocês escreverem textos e mais textos e disserem em discussões para defender a ilogicidade do feminismo que “são a favor do alistamento militar voluntário” ou “são a favor do alistamento militar obrigatório para ambos os sexos” não muda o fato de que não estão fazendo NADA para mudar isso.
    As feministas não estão levantando uma palha sequer para lutar pelos deveres das mulheres de ter alistamento militar obrigatório ou para abolir o alistamento militar masculino obrigatório.

    Essa pesquisa do desemprego das mulheres em relação com os homens é engraçada, por um motivo bem simples. Não sei se você sabe, mas muitas mulheres são Donas de Casa, isso não conta como emprego formal, mas ainda sim continua sendo uma função muito importante.

    Da matéria: “Em relação ao Brasil, o relatório indica que 80% homens trabalham, enquanto a taxa de emprego das mulheres é de 60%.”
    Essas estatísticas podem muito bem serem justificadas por existir muito mais Donas de Casa que não trabalham fora, e não são remuneradas formalmente, do que “Donos de Casa” (se é que isso existe).

    Outra coisa, isso do desemprego das mulheres, levanta outra questão que NUNCA vi uma feminista discutir: 92% dos sem-tetos e dos mendigos são HOMENS,

    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/ribeiraopreto/2013/08/1331884-maioria-dos-moradores-de-rua-sao-homens-desiludidos-com-o-amor.shtml

    Onde estão vocês para se levantarem e resolverem esse problema masculino?
    Onde estão vocês para criarem uma “Organização para pedir políticas de inclusão dos sem tetos no mercado de trabalho ou em programas sociais do tipo “Minha casa, minha vida”?

    Isso de “Também somos maioria em trabalhos não remunerados.” é algo engraçado, nenhum ser humano é obrigado à trabalhar sem ser remunerado por isso. Ninguém é obrigado a trabalhar sem ganhar nada. Escravidão é crime, para qualquer um.
    Os empresários não são obrigados a pagarem quem somente cuida de sua casa ou que fazem essas atividades fora de seu horário de trabalho.
    Se essas mulheres escolhem trabalhos voluntários é mérito delas, ninguém é obrigado a fazer trabalho voluntário, mesmo sendo algo bom a ser feito.

    Percebo que você quer mudar seu discurso sobre a violência agora, algo típico de feministas desonestas igual a você.
    Agora é “violência de gênero”, ou seja, se um homem é morto por uma mulher (a maioria dos links que eu passei eram EXATAMENTE sobre homens mortos por mulheres) é somente violência, não há problemas, é somente um número, apenas mais um homem morto.
    Agora se uma mulher é morta, é algo crítico, é algo que devemos combater com mais urgência do que quando um homem é morto.
    As coisas que vocês falam são simplesmente ridículas e absurdas.

    Se o Feminismo luta pelos direitos das mulheres, ele não luta por direitos iguais.
    Se o Feminismo lutasse por direitos iguais, ele lutaria pelos direitos dos homens também.

    Depois da primeira onda feminista

    Vamos lá:

    -“andar à noite na rua sem medo de ser estuprada”

    Eu já fui assaltado 3 vezes e as três vezes foram de noite. Em uma vez delas, eu fui espancado por um grupinho, mesmo depois de ter dado minha carteira e meu relógio. A culpa foi minha? Lógico que não, mas eu pudia ter me prevenido disso. Essa é a questão.
    Quando dizemos para alguém não sair de noite, pois pode ser roubado ou violentado, estamos dizendo isso para qualquer um, não exclusivamente para as mulheres. As chances de acontecer alguma coisa ruim contra você de noite são maiores do que de dia,quando as ruas são mais movimentadas.
    Qualquer homem sabe que estuprar e roubar é errado, mas mesmo assim fazem tais coisas.
    A questão não é “ensinar o homem a não estuprar” (como se todos fossem estupradores) e sim aumentar o policiamento de noite e você se prevenir para isso evitar.

    -“não ouvir propostas sexuais ao sair de casa para comprar pão na padaria” e
    -“não ser assediada no transporte público”

    Minha cara, isso é inevitável. É algo “normal” na dinâmica do relacionamento humano.
    Isso é “antiético”? Sim, lógico que isso é antiético. Mas não podemos evitar tais coisas.
    Existem pessoas que não possuem senso do ridículo.
    Enquanto ele não a tocar para fazer algo sexual sem a aprovação e o consentimento da moça, a Justiça não pode fazer nada para puni-lo. A mesma coisa se alguém me xingar, sem me tocar fisicamente, em público.

    -“sermos donas dos nossos próprios corpos”

    Não sei se você sabe, mas todo ser humano é dono de seu próprio corpo, não precisa de um movimento sexista dizendo “toda mulher é dona de seu próprio corpo”, porque, todo homem é dono de seu próprio corpo também, todo feto é dono de seu próprio corpo, mesmo não sabendo disso e todo bebê é dono de seu próprio corpo, mesmo não sabendo disso.

    -“não morremos por conta do gênero a que pertencemos”

    Alguém já perguntou para todos os assassinos de mulheres se eles mataram a mulher vítima somente “por ser mulher”? Lógico que não. Isso é uma invenção sem lógica das feministas.

    -“não sermos condenadas a morrer porque estamos grávidas e não queremos um filho”

    As duas vidas precisam ser salvas, o feto é um ser humano distinto da mãe.
    Se você não quer uma filha espere ela sair de sua barriga e doe para um orfanato, mesmo você não querendo uma filha você não possui o direito de matar sua filha. Abortar não faz com que você não seja uma mãe, faz com que você seja a mãe de um bebê morto.

    –”todos esses direitos os homens já têm”

    Minha cara, não seja vitimista e não distorça a realidade. Tudo o que você disse anteriormente são Direitos Humanos, qualquer humano os possui.

    A Licença Maternidade, como já disse em minha resposta acima, dá um período de folga para o homem cuidar do filho muito mais curto do que para a mulher, esse tempo a mais é um privilégio para a mulher que dá muito bem para ser copiado para o homem.
    Então o receio do empresário (um receio até justificável) que você disse, seria copiado contra o homem também. Seu problema do receio do empresário seria contra os homens também.
    Teríamos uma verdadeira igualdade para os dois lados, se vocês copiassem esse tempo para os homens também.

    “Enquanto nossos direitos forem tão diferentes”
    Concordo.
    — As penas de prisão para as mulheres pelo mesmo crime são menores do que para homens.
    — Os testes físicos para as mulheres soldados, policiais e bombeiras são mais leves do que para os homens soldados, policiais e bombeiros.
    — A aposentadoria das mulheres é mais cedo do que a aposentadoria dos homens.
    — As mulheres pagam meia entrada na maioria das festas e baladas por causa do machismo, mas vocês não fazem nada para acabar com isso. Não querem acabar com o machismo?
    — O Governo gasta mais dinheiro com câncer de mama do que com câncer de próstata.
    — As mulheres possuem um vagão de metrô exclusivo para as mulheres. Cadê o vagão exclusivo para os homens ou alguma ONG feminista para militar e acabar com os vagões exclusivos para as mulheres?
    — O alistamento militar obrigatório é somente para os homens. Feministas precisam fazer campanhas e militâncias para abolir o alistamento militar obrigatório masculino OU fazer campanhas para fazer obrigar as mulheres a terem alistamento militar obrigatório. Mas como qualquer um já percebeu, não fazem absolutamente NADA para mudar tal fato. Terem “opiniões” na internet não produz nada. Quando as ONGs feministas irão mudar isso?
    — A licença maternidade dá um tempo muito maior de licença para a mulher do que para o homem. Não custa nada as feministas igualarem o tempo de licença dos homens com o das mulheres para o homem cuidar e curtir o filho. Afinal o bebê é dos dois.
    — As mulheres possuem uma lei exclusiva para combater a violência contra a mulher, mesmo os homens serem as maiores vítimas da violência.

    Rita, o masculinismo já existe, existe alguns grupos principalmente nos EUA, mas por causa das ONGs feministas, eles não possuem nenhuma voz ou espaço para mudar nada nas Leis.
    O ideal seria feminismo e masculinismo se unirem para formarem o “Igualitarismo” ou qualquer coisa assim.

    No último parágrafo, em poucas linhas você admitiu novamente: “Feminismo não luta pelo direito dos homens, então não luta por direitos iguais.” Que tal abolirmos um movimento sexista como esse? E fundarmos um novo como “Igualitarismo” ou com algum nome do tipo?

    “eles vão ganhar a simpatia da maioria das feministas”

    Você só pode estar brincando.
    As feministas dizem direto que o “Masculinismo” é um grupo de ódio e um movimento inútil, pois o Feminismo já luta por “direitos iguais”.
    Mas como pode lutar por direitos iguais se SOMENTE lutam pelos direitos das mulheres?
    E ainda por cima não deixa os grupos masculinistas terem voz ou espaço porque os grupos feministas já dizem lutam por direitos iguais, mas SOMENTE se focam nos problemas das mulheres?
    Se você quer realmente igualdade dos sexos, deveria começar abolindo movimentos e grupos sexistas como o Masculinismo e o Feminismo.

    • Imagino que Douglas e Wolf sejam a mesma pessoa, já que é o mesmo texto. Vou responder tudo no mesmo lugar, ok? Meus apontamentos estão como resposta ao texto de Wolf.

    • pra você ver como tem muita gente babaca no mundo!

      e olha só o que eu achei! o cara brigou com a mulher e por vingança resolveu estuprar a sobrinha dela, de 7 anos, depois espancou a menina e jogou num matagal.

      http:// www. correio24horas. com.br/detalhe/noticia/homem-estupra-sobrinha-de-7-anos-da-namorada-e-tenta-matar-crianca-em-porto-alegre/?cHash=d2932a49cb46b96c470ff3dafdbdfb79

  26. rita eu li sobre a marcha das vadias e até entendi pq usam o nome “vadias”, dizem que querem tirar a conotação ofensiva mas eu não concordo porque sempre vou ver isso como ofensa e é sinônimo de promiscuidade e além do mais o restante das pessoas não sabem dessa intenção,para todo mundo vocês só tem orgulho de serem promíscuas.
    outra coisa, a incoerência de lutar contra objetificação das mulheres e ao mesmo tempo marchar semi nuas e algumas até totalmente nuas,mulheres não conseguem se fazer ouvir se não estiverem peladas,tem que usar o corpo para tudo?

    e aquelas meninas do femen que se dizem feministas,um movimento que luta contra padrões de beleza mas que só utilizam mulheres dentro do padrão brancas,loiras e magras? mais hipocrisia e incoerência.
    e ao mesmo tempo elas são atacadas por outras feministas que dizem ser feministas de verdade e o que o femen é falso,que elas não sabem de nada,cada uma fala uma coisa e diz que as idéias dela é que estão certas quanto a feminismo e o restante tá errado.
    um movimento bagunçado e totalmente incoerente.

    quanto a lola ser bode expiatório,a culpa é simplesmente dela, você está comentando bastante aqui,se fosse a gente no blog dela,seriamos ridicularizados e grande parte dos nossos comentários não iriam aparecer.

    • Rita e as feministas dizem lutar contra o Machismo, mas não fazem nada quando o Machismo prejudica os homens.
      Toda feminista é “igualitarista de ocasião”.

      Como disse em minha resposta, vou repetir novamente para a Rita:
      “Lutar” contra o machismo é completamente diferente de escrever textos na internet e dizer opiniões no Facebook sobre alistamento militar e serviços braçais.
      Lutar contra o machismo é sair pelada e gritar na Marcha das Vadias com cartazes e slogans do tipo:
      “Abolir o Serviço Militar Obrigatório para os homens JÁ!” /OU/ “Serviço Militar Obrigatório para as Mulheres JÁ!”
      “Homens são as maiores vítimas da violência doméstica e da violência urbana, diga NÃO a violência contra o Homem! Violência contra o homem é crime! Revogação da lei sexista da Maria da Penha!”
      “As profissões mais perigosas e os acidentes de trabalho mais violentos são contra os homens. VAMOS mulheres mostrem suas forças e vamos fazer os trabalhos mais pesados e mais perigosos!”.
      “Aposentadoria 5 anos mais tarde para as Mulheres já! Não precisamos dos seus privilégios machistas!”

      Como qualquer pessoa já sabe, isso N-U-N-C-A vai acontecer.

      Feminismo é a ideia incoerente de que podemos fazer ambos os sexos iguais, concentrando-se apenas nas questões e nos problemas de apenas um deles.

      • Não acho, Wolf. Acho que os homens podem fazer isso em um movimento deles que terá todo o apoio de feministas, mas onde nós seremos apenas coadjuvantes como os homens feministas são no nosso. Em um movimento feito por homens contra o machismo eu iria com todo o prazer com um cartaz “O HOMEM SOFRE COM O MACHISMO. LUTE PELA SUA LIBERDADE!”. Veja que não iria usar o espaço de vocês para dizer: “Mulheres morrem a cada 2h no Brasil por conta do machismo”. Isso eu digo no feminismo! Acredito que o mal é comum, mas como as opressões são distintas. Por isso, os movimentos também devem ser distintos.
        A mulher ainda está anos-luz mais oprimida que o homem. Simplesmente não faz sentido largamos nossas causas para abraçarmos as de vocês NO NOSSO MOVIMENTO que nem o espaço dele conseguiu ainda.
        Aliás, acredito no que você disse sobre as questões só de um sexo. Por isso dentro do feminismo temos homens feministas que lutam por causas como a licença paternidade e a maior participação do pai na educação dos filhos.
        Se você enxerga a opressão machista, acho que no lugar de ser contra o feminismo, que também a combate, você deveria lutar contra o machismo.
        Agora se você não consegue reconhecer seus privilégios, apenas o ônus dele, então você realmente não entendeu nada do é o machismo e é você que não quer a igualdade.

      • Aliás, nas suas frases há duas inverdades gritantes, que inclusive eu já retruquei no seu outro post.Os homens não são as maiores vítimas da violência doméstica e, por isso, a Maria da Penha não é sexista.
        Aposentadoria antecipada para as mulheres não é um privilégio. É uma compensação que acaba se tornando um ônus.
        E as profissões de trabalho mais perigosas são ocupadas por homens porque eles ainda não nos permitiram ocupá-las. Tanto é que somos maioria de desempregadas e maioria em trabalhos não remunerados.
        Seja, ao menos, honesto.

    • Selena,

      Não há nenhuma incoerência no feminismo quanto ao seu princípio básico: atingir a igualdade de direitos entre homens e mulheres por meio da luta pelos direitos das mulheres. O que há, assim como em qualquer movimento, são divergências, porque cada cabeça é um mundo. Ou por que que você acha que na esquerda existem tantas correntes, na direita outras tantas, gente que mistura as duas coisas? Agora isso não quer dizer que os pontos básicos de direita e esquerda não estejam definidos. É por isso que sou contra usar a expressão “de verdade”. Quem determina isso? Não há uma só verdade para nada nessa vida. Sempre se deve falar em “verdades”, assim como se deve falar em “feminismos”.

      O Femen é aceito por pouquíssimas correntes do feminismo, mas há quem se identifique com ele. Eu discordo de praticamente todas as ações e de quase tudo que ele diz fora esses princípios básicos em comum. Acontece que o feminismo não é só o Femen.

      Selena, você pode não querer ser promíscua, não gostar de mulheres promíscuas e não querer conviver com nenhuma delas, mas você não pode negar o direito de uma mulher ser promíscua se ela quiser. Mas o “vadias” não remete apenas às mulheres promíscuas. O “vadias” se refere a todas aquelas mulheres que quebram a regra normativa e são xingadas por isso. Quando um cara quer diminuir uma mulher, ela pode ser a mais correta do mundo, ele vai chamá-la de “vadia” ou coisa parecida. A ideia do nome é dizer isso: se eu fazer o que eu tenho direito é ser vadia, então eu sou vadia. Entende? Uma das frases da Marcha é exatamente essa: “Se ser livre é ser vadia, somos todas vadias”. Talvez você não concorde, mas quem faz a marcha e participa dela acredita que tirando o peso do xingamento ao nos apropriarmos dele, desarmamos alguns opressores.

      Eu acho que é muito importante contestar porque o corpo da mulher é tão alvo de censura e avaliações e, por isso, acho muito interessante que na Marcha as meninas mostrem os seios desnudos, apenas coberto de tinta. Eu tava numa praia da França e vi uma mãe e uma filha de uns 4 anos caminhando. A mãe tava de topless, mas a menina tava com a parte de cima do biquíni. Vê que coisa doida! É muito institucionalizado isso! Mas, como afirmei acima, tenho questões sobre a eficiência da Marcha e preciso trabalhá-las na minha cabeça.

      Sobre Lola, como disse, eu não sou a favor de censura, embora compreenda. Ou seja, é perdoável, mas não considero certo. Vê a diferença? É perdoável porque existe todo um universo para se falar contra o feminismo. Você pode falar contra ele em casa, na internet, no elevador, no taxi com o taxista, na parada de ônibus, na escola, na fila do supermercado. Na maior parte do mundo, as pessoas pensam como quem fez esse blog. Vocês vão encontrar eco ao que vocês acreditam em todo lugar. Então, indo lá para criticar agressivamente, tentar impor uma opinião ou defender homem e tal, você está invadindo um dos poucos espaços destinados a promover o feminismo com uma ideia que, para ele, é justo a opressão que ele quer combater. As feministas escutam essas coisas o tempo todo, elas não precisam ouvi-las também no espaço dela. É diferente, contudo, de um questionamento genuíno. Acredito que nenhuma dúvida realmente interessada em compreender o movimento é agressiva. Enfim, dito isso, sou da posição de que mesmo trolls e machistas podem ter suas falas aproveitadas para esclarecer as ideias do feminismo. Porém, entendo em depois de anos de blog a Lola não tenha mais paciência para fazer isso o tempo inteiro. Eu mesma já perdi minha paciência nessa página e estou aqui há uma semana.

      Dito isso, sim, reconheço que ainda que nem sempre respeitosos, vocês estão me aturando por aqui. Contudo, não é a mesma coisa. Eu continuo sendo a minoria que sempre fui e vocês a maioria que sempre foram. 🙂

      • Não sei se você é desonesta ou não entende mesmo, Rita.
        Vou repetir para ver se você finalmente entende:

        Se o Feminismo quer realmente acabar com o Machismo, são VOCÊS (repito VOCÊS) feministas que precisam lutar pelos homens oprimidos pelo Machismo. Se REALMENTE o Feminismo quisesse acabar com o Machismo dos dois lados e ter igualdade (e não privilégios), o Masculinismo (que nem possui força por causa das feministas norte americanas) nem mesmo existiria.

        Mas não, como eu disse e acho que você não entendeu, vocês feministas somente lutam contra o machismo quando convêm e deixa ele como está quando são beneficiadas.

        A velha máxima “Direitos iguais somente quando convém” sempre esteve certa.

        A maior prova da sua desonestidade foi quando você disse “Os homens não são as maiores vítimas da violência doméstica”
        EU já passei um vídeo mostrando as estatísticas de SÃO OS HOMENS AS MAIORES VÍTIMAS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA.
        Vou passar novamente, por favor assista até o final e preste bastante atenção:

      • E sobre essa história de “opressão” que você disse, isso é uma mentira descarada das feministas, não acredite nessa historinha.
        Sempre a relação de Homem e Mulher foi de COOPERAÇÃO, nunca Opressão ou Competição.
        As mulheres já podiam trabalhar fora na Revolução Industrial, não depois da primeira onda do Feminismo na década de 60.
        Quando os Homens iam para as Guerras, advinha quem trabalhava no lugar? Sim, as Mulheres.

        Veja esse vídeo e entenda que nunca os homens oprimiram as mulheres e sim que ambos possuíam papéis diferentes e complementares: (Assista o vídeo antes de responder abobrinha) http://www.youtube.com/watch?v=mRmdvqf3n60

        Sobre a parte dos empregos: Vamos fazer o seguinte então, nós homens continuaremos sendo mais de 90% dos mendigos e vocês continuam sendo a maior parte dos serviços voluntários. Certo?
        Só pare de ser vitimista em dizer que são as mulheres que mais estão no fundo do poço, porque, como eu já mostrei, ser morador de rua é MUITO pior do que “fazer trabalho voluntário”.

        Você ainda não conseguiu perceber sua ilogicidade e egoísmo?
        Você levanta um “problema” em dizer que a maior parte dos trabalhos voluntários são femininos e eu levanto um problema muito pior que de que mais de 90% dos sem-tetos são homens e você continua batendo na tecla de “trabalho voluntário”. Ah, enxergue a realidade e tenha senso de proporções.

        OBS: Acho que você não viu sobre a minha resposta dos empregos e sobre as estatísticas dos sem-tetos, porque a admin do site não aprovou meu comentário de dezembro 8, 2013 às 3:18 pm.
        Se ela aprovar, irá ver a resposta inteira e as estatísticas.

      • Essa questão da Licença Maternidade eu já respondi em minha resposta, mas a admin ainda não aprovou meu comentário.

        Vou copiar aqui:

        “Isso da Licença Maternidade é algo justo, mas seria algo mais justo se vocês feministas militassem, fizessem campanhas, fizessem passeatas, fizessem cartazes para a Marcha das Vadias e cobrassem dos políticos para que o Estado alterasse a Licença Maternidade para que o homem que teve o filho também tirasse a licença do trabalho pelo mesmo tempo que a sua mulher tira. Afinal, o bebê é dos dois e os dois precisam cuidar dele, não é mesmo?

        Se quer realmente acabar com o suposto preconceito e o receio do empresário em contratar mulheres, vocês feministas deveriam lutar para que os homens tenham esses mesmos privilégios que as mulheres possuem da Licença Maternidade. Então, como consequência, o empresário iria ter o mesmo receio em contratar um homem.
        Você criam os motivos para os problemas e ainda depois reclamam dos problemas. Não percebem que as consequências são resultados de suas próprias criações?”

        Tomara que ela aprove meu comentário.

      • Wolf, vou responder primeiro sobre a Licença Maternidade e Violência Doméstica porque onde eu moro já são 4h30 da manhã e eu preciso acordar cedo, ok? O resto respondo depois.

        Sobre a Licença Maternidade, eu disse diversas vezes que a Licença Paternidade ampliada é uma das pautas do feminismo. Essa tentativa de ampliar de 5 para 15 dias a Licença de vocês foi com campanha feminista. É bem pouco e tem sido muitíssimo difícil conseguir levar adiante. Imagina o modelo que se discute no movimento, que é importado de outros países (Cuba e Japão), e propõe um número maior de meses dividido em comum acordo entre o casal. Por exemplo: licença maternidade/paternidade de 6 meses. Há propostas de licença paternidade inclusive em casos de adoção. Tudo isso pauta feminista. Vocês que não se preocupam em se inteirar sobre o assunto.

        Sobre a violência doméstica. Primeiro queria dizer que já analisei esse relatório e eles deixam bem claro que a quantidade de homicídios masculinos é muito superior aos femininos. Segundo que eles não mostram tabelas para tudo que é coisa, só para quando precisa análise. Por exemplo, entre negros e brancos, houve uma imensa queda entre homicídios de brancos e um grande aumento de homicídios de negros, por isso a tabela comparando, por ano, esses números lado a lado. Enquanto em 2002 morria 45,8% mais negros que brancos no Brasil, em 2010 esse número passou para 139%!!!!! Quanto aos homicídios de gênero, enquanto os masculinos continuaram sempre elevados no Brasil, os homicídios femininos alternaram entre elevações e quedas e é isso que é analisado na tabela. Veja que ele não contrapõe mortes de homens e mulheres, como contrapõe negros e brancos, porque apenas um deles sofre variação. É bom avisar ao rapaz do vídeo que a fala da estatística tá caindo como luva para ele e que talvez ele falasse menos besteira se no lugar de procurar corroborar com o que ele já acredita, se dignasse a analisar o todo.

        Terceiro, não foi sempre que teve caderno especial para a violência contra mulheres. Esse caderno foi especialmente encomendado para analisar os efeitos da Lei Maria da Penha. Primeira linha da introdução do relatório e ele descobre. Quarto que na análise, além do “só”, que ele achou que valia a pena destacar, tem outras informações quanto às circunstâncias dos homicídios. No caso das mulheres é mais expressivo do que no caso dos homens o uso de armas que exigem contato direto, como objetos cortantes e contundentes, e também os casos de estrangulamento – isso indica uma maior probabilidade de crimes passionais quando a vítima é mulher. Afinal, ter morrido em casa não significa ter sido vítima de violência doméstica. Um assalto pode tirar a vida de alguém dentro de casa. Nessa análise o que interessa é esse número aqui:

        “Nesse sistema foram registrados no país 107.572 atendimentos relativos a
        Violência Doméstica, Sexual e/ou outras Violências: 70.285 (65,4%) mulheres e 37.213 (34,6%) homens (74 não tem indicação de sexo da vítima). Em todas as faixas etárias, a residência da mulher é o que prepondera nos casos de violência. Esse dado, 71,8% dos incidentes acontecendo na própria residência da vítima, permite entender que é no âmbito doméstico onde se gera a maior parte das situações de violência vividas pelas mulheres. No sexo masculino, a residência, apesar de também ser elevado, representa 45% dos atendimentos por violência”.

        Para saber os números exatos de morte por violência doméstica, você deve consultar a pesquisa do IPEA, especificamente sobre feminicídio, que tem dados de mortes resultante de agressões: http:// www. ipea. gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=19931&catid=159&Itemid=75

        “os parceiros íntimos são os principais assassinos de mulheres, sendo responsáveis por aproximadamente 40% de todos os homicídios no mundo. Essa proporção é de 6% entre os homens assassinados pelas parceiras”.

        Isso mostrado, acho que não preciso esclarecer que a conta feita pelo rapaz não tem nem pé nem cabeça e que você já pode parar de espalhar mentiras por aí. A PRINCIPAL VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA É A MULHER!!!!

      • Tá bem difícil assistir 57 minutos de burrice, viu? Parei em 10. Se tiver algo importante depois disso, faz o favor de comentar aqui porque eu não consigo mas lidar com como esse cara é idiota.

        Achei bem interessante que o recorte desse rapaz esqueceu completamente de mencionar todas as sociedades matriarcais da história, né? Lá no Paleolítico e Neolítico mesmo, a Deusa Mãe; de Nidaba, na Suméria, que inventou a escrita cuneiforme; as Elvens na Escandinávia que eram, pasme!, guerreiras. De povos como os tuaregs (descendentes de uma rainha guerreira, ainda hoje adeptos da linhagem materna), os iroqueses (índios. mas não eram todos os índios chefiados por homens? não!), os mingans, que mantêm viva a matrilinearidade na Indonésia e na Malásia.

        Esse cara subestima a inteligência de qualquer um que sabe que a História é contada sob a ótica masculina e ocidental. Pouco nos é dito sobre o matriarcado, não sabemos quase nada dos povos nativos além dos Maias, Incas e Astecas, a história Asiática e a Africana (tão importante para entendermos nosso povo) é completamente esquecida. Mas ainda essa história viciada é capaz de nos fazer entender como o patriarcalismo teve início, quando estudamos a Grécia e a Roma Antiga. Se quiser entender melhor a transição do matriarcado pro patriarcado, sugiro a leitura de Apolo e Piton, na mitologia grega. Interessante conhecer Priapo também.

        Foi aí que a mulher passou a ser vista apenas como reprodutora ou escrava sexual. O homem estipulou que ela deveria ficar em casa, com a família, e que a ele caberia o resto do mundo. O homem também estipulou que a função dele era mais importante. E que heroico o homem, né? Indo para guerra, matando o inimigo e estuprando suas mulheres. Que protetor o homem, né? Impedindo a mulher de explorar o mundo, de compartilhar seus pensamentos, de ampliar seu conhecimento, de exercitar sua curiosidade, de por em prática seus desejos, de decidir o que elas acreditavam ser melhor para elas.

        E então vocês falam das guerras [decidas pelos homens] e esquecem de comentar que eram deles também as vitórias; que só a eles estava destinados os louros conquistados. Esquecem de dizer que em todos os inventos, em toda a política, nas artes durante a maior parte dos séculos, assinando todos os livros, só constam nomes de homens. Mas a mulher, mal-agradecida, de que estava reclamando se ela tava lá podendo ser dona de casa, mãe e puta, né? Para que estudar, para que votar, para que ser ouvida em qualquer decisão?

        E tentando ignorar toda a história querem tornar o patriarcado um mito, como se todos esses vestígios não fossem suficientes. Mas um mito só quanto a questão de gênero, né? Porque como se explicam os engenhos feudais e seus desdobramentos até hoje em dia, desde o coronelismo até a concentração de poder econômico e político? Que o patriarca [e isso está em todos os livros] tinha o direito de decidir quando a mulher e os filhos morriam não importa. Que o único papel da esposa era obedecer e se calar enquanto o marido se aventurava com criadas não interessa. Que ela tinha que fazer de tudo para agradar o marido e manter-se viva para que contar? Que isso foi extremamente vigoroso até os primeiros anos da república ninguém mais lembra. Que ele mudou da casa-grande para cidade mas trouxe consigo todos os seus costumes é mero detalhe.

        Daí agora o homem vem reclamar que ele é obrigado a se alistar no exército e esquece que isso é consequência de uma escolha feita por ele mesmo. E diz que ele é vítima da violência urbana e esquece que isso é consequência de uma escolha feita por ele mesmo. O homem fica puto que o feminismo quer acabar com a violência contra a mulher e com a ideia de que mulher é apenas um pedaço de carne andando por aí. Esquece que a mulher, até muito pouco tempo atrás, não tinha nenhuma escolha. Daí vem o homem e acha injusto que a mulher está gritando por ela e não por ele. Ele não tá acostumado com isso, sabe? Pouco importa para ele que ela está tentando se livrar de armadilhas que ele armou. O que importa é que ela esqueça dela e o livre das armadilhas que ele não viu e caiu.

        Wolf, esse cara desse vídeo é um idiota sem tamanho. Qualquer pessoa com o mínimo de senso crítico e conhecimento histórico percebe. Esse cara desse vídeo repete o mesmo discurso de todos os anti-feministas, cujo masculinismo é representante – por mais que não seja a proposta inicial, foi isso que ele se tornou em várias partes do mundo e principalmente aqui no Brasil. Não é esse o caminho para os homens se livrarem das armadilhas que eles caíram, se eles realmente quiserem. O caminho é parar de cobrar que as mulheres voltem todas suas atenções para eles e tentem dialogar conosco. Que entendam que não estamos querendo tirar nada do que eles têm, só conseguir o que nunca nos foi dado. Que não queremos que eles continuem vítimas do machismo, morrendo de câncer de próstata ou acidentes automobilísticos. Que não queremos que eles sejam secundários na criação dos filhos e que sintam obrigados a prover todas as necessidades financeiras da família. Que vamos apoiá-los assim que esse for o foco, mas não vamos deixar de lutar por nossos direitos. Que tudo que queremos é, sim, uma sociedade igualitária, mas que nunca a teremos enquanto o machismo for conveniente para tantos que tentam fingir que ele nunca existiu e que não persiste até hoje tentando nos manter submissas às suas vontades.

        Se você faz parte dos que pensam como esse cara, então não adianta continuarmos essa conversa. Para você, sim, eu sou o inimigo.

      • Só uma coisa que eu fiquei tão impressionada com a idiotice do rapaz do vídeo que esqueci de comentar. Eu tenho plena noção de que as mulheres trabalhavam na época da Revolução Industrial. Qualquer feminista que diga o contrário não entende nem de história nem de feminismo. Esse é o princípio da luta das mulheres, reivindicando melhores condições de trabalho. As mulheres, nessa época, eram submetidas a jornadas de 12h de trabalho, espancamentos e assédios sexuais. Foi graças a elas que o feminismo tomou corpo em 1848, na convenção dos direitos da mulher, em Nova York, e culminou em nossas primeiras conquistas com o direito ao voto em 1919, nos EUA; e em 1934, no Brasil. Essa foi a primeira onda feminista, ao contrário do que você disse. As lutas feministas da década de 1960 englobam a segunda onda, mais focada na liberdade da mulher.

  27. Rita, você se esquivou novamente das objeções contra o feminismo, como era de se esperar.

    Vamos repetir para você entender: quem são as maiores vítimas da violência são os Homens, não as Mulheres. Não viu o vídeo que passei na resposta?

    Como não viu o vídeo, esse relatório mostra muito claramente que são os homens que sofrem mais violência, é só abrir o site e vai ver na primeira página:
    http://www.clam.org.br/uploads/conteudo/Violencia%20e%20genero_Artigo%20Sonia_Taquinho.pdf
    Mais notícias mostrando que os homens que sofrem mais violência que as mulheres.

    http://www.medclick.com.br/saude-homem/homens-sao-a-maioria-das-vitimas-de-violencia-urbana.html

    http://www.sinprocampinas.org.br/?q=node/5049

    http://amaivos.uol.com.br/amaivos09/noticia/noticia.asp?cod_noticia=9614&cod_canal=38

    http://www.bemparana.com.br/noticia/268306/homens-sao-as-maiores-vitimas-do-transito-e-da-violencia-alerta-campanha

    http://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/2013/01/homens-sao-maioria-entre-vitimas-de-violencia-encaminhadas-ao-hge.html

    Agora, como você sabe que são feitos homicídios contra mulheres somente por serem mulheres? No relatório que você passou no site “www.mapadaviolencia.org.br/‎” não há NENHUM trecho que prova isso. NENHUMA prova.
    Sabe por quê? Porque isso é mentira. Isso é uma mentira criada pelas feministas para criarem leis sexistas.

    Você, ou alguém, perguntou para TODOS os assassinos isso? Não, não perguntou.
    Tem algum depoimento deles dizendo que ele matou uma mulher aleatória na rua ou a namorada ou uma conhecida simplesmente porque ela era uma mulher? Não, com certeza não possui. Ele possui outros motivos que injustificam tais atrocidades, o motivo não foi simplesmente “por ela ser mulher”.

    Como percebi que é desonesta, vou criar uma mentira igual a que você e as feministas criam:
    AI MEU DEUS, MAIS HOMENS SÃO MORTOS DO QUE MULHERES SOMENTE POR SEREM HOMENS!
    MAS QUE ABSURDO! PRECISAMOS DE MAIS LEIS EXCLUSIVAS PARA HOMENS PARA ELES SEREM PROTEGIDOS!
    ISSO É UM GENOCÍDIO CONTRA HOMENS! ISSO É MASCULINICÍDIO!
    MASCULINICÍDIO DEVE SE TORNAR CRIME HEDIONDO!

    Você pode desprovar que esses homens foram mortos somente por serem homens?
    Não, não pode. Então, usando sua lógica maravilhosa: mais homens são mortos do que mulheres simplesmente por serem homens.
    Como mais homens são mortos do que mulheres pelo mesmo motivo (de pertencer a determinado sexo), precisamos de leis exclusivas para proteger os homens por serem as maiores vítimas de discriminação sexual.
    Olha como sua linha de raciocínio é maravilhosa quando levada ao lado masculino.

    Assassinato e violência são crimes, independente de qual sexo ou etnia sofra disso.

    Sobre os estupros: o artigo do site que passei resumiu bem ao falar:
    “Segundo evidências que levam em conta os incidentes que ocorrem dentro das prisões, mais homens que mulheres são vítimas de abuso sexual nos EUA. Dados provenientes do Departamento de Justiça Americano (DJA) revelam que em 2008 estima-se que 216,000 homens foram abusados sexualmente enquanto se encontravam na prisão. Fora das prisões o número total de violações foi de 90,479.”

    Você não percebe que o número de homens estuprados é maior que o número de mulheres estupradas, porque você escreve sob forma de porcentagem, não na forma de números.
    Nesse site diz que o número de estupros no Brasil em 2012 foi 50.617:
    http://g1.globo.com/brasil/noticia/2013/11/numero-de-estupros-no-pais-supera-o-de-homicidios-dolosos-diz-estudo.html

    Mesmo se considerarmos que todos os estupros foram contra mulheres (o que não foi), o números de homens estuprados em 2008 nas prisões americanas é QUATRO VEZES MAIS do que as mulheres estupradas aqui no Brasil.
    Onde estão as feministas para lutarem contra isso. Onde estão as feministas para ajudarem os homens a terem os mesmos direitos das mulheres (terem o direito ao próprio corpo e não serem estuprados)?

    Que tal você (uma feminista que está bem informada agora e sabe o que realmente está acontecendo) for em um grupo feminista do facebook e dizer para elas a começarem a militar, fazer cartazes, gritar peladas em causa de mais leis para proteger os homens contra a violência e o estupro?
    Mas como qualquer um já sabe, lógico que isso não vai acontecer.

    Mesmo o número de estupros de homens sendo maior que o número de estupros contra a mulher, vocês feministas somente se focam nos estupros contra a mulher.
    Estupro é crime, sendo contra a mulher ou contra o homem, mas mesmo o número de estupros de homens sendo maior, vocês nem sequer tocam no assunto.

    Sobre os salários: parece que você não entende sobre mercado de trabalho e lei da oferta e procura, Rita: veja esse vídeo para entender um pouco:

    Vou reescrever o trecho que escrevi que acho que você passou por cima quando leu:
    “Somente depois de avançar na carreira, por conta da PRODUTIVIDADE que há diferenciações dos salários. Entre os homens, por exemplo, homens mais velhos ganham mais que mais novos. Como vê não é devido à “discriminação” e sim por causa da lei de oferta e procura, produtividade e meritocracia.”

    As MAIORIA das mulheres com a mesma graduação que os homens da sua empresa e que fazem o mesmo serviço e trabalham o mesmo período falham no quesito “produtividade”, por isso o salário dos homens e das mulheres (em geral) com o tempo se distanciar.

    Depois de entrar na empresa em uma função, mais graduações pouco ajudarão os funcionários, mas a sua produtividade faz muito mais peso do que graduações adquiridas. As graduações e a produtividade devem aumentarem juntos, não uma aumentar e a outra continuar na mesma. Como disse antes, geralmente (repare, geralmente) as mulheres perdem para os homens no quesito “produtividade” e não no quesito graduação.

    Espere um pouco, onde eu disse sobre a uma lei que force o empresário a contratar SOMENTE homens para sua empresa? Vou reescreve o que realmente disse em minha postagem.
    “Pela sua lógica, existiriam milhares de empresários que somente contratariam mulheres e quebrariam todos seus rivais, pois se elas tivessem a mesma produtividade, a mesma graduação e ainda ganhassem menos, é lógico que o empresário somente contrataria mulheres, pois não há nenhuma lei que force os empresários a contratarem ALGUM homem para sua empresa.”
    Repare nas palavras “ALGUM homem”.
    Rita, pare de ser desonesta, por favor.
    Eu que eu quis dizer é que se o empresário quiser contratar somente homens ou somente mulheres para sua empresa não há nenhuma lei que o proíba disso. Não há leis para “cotas” para homens ou “cotas” para mulheres nas empresas.

    Isso da Licença Maternidade é algo justo, mas seria algo mais justo se vocês feministas militassem, fizessem campanhas, fizessem passeatas, fizessem cartazes para a Marcha das Vadias e cobrassem dos políticos para que o Estado alterasse a Licença Maternidade para que o homem que teve o filho também tirasse a licença do trabalho pelo mesmo tempo que a sua mulher tira. Afinal, o bebê é dos dois e os dois precisam cuidar dele, não é mesmo?

    Se quer realmente acabar com o suposto preconceito e o receio do empresário em contratar mulheres, vocês feministas deveriam lutar para que os homens tenham esses mesmos privilégios que as mulheres possuem da Licença Maternidade. Então, como consequência, o empresário iria ter o mesmo receio em contratar um homem.
    Você criam os motivos para os problemas e ainda depois reclamam dos problemas. Não percebem que as consequências são resultados de suas próprias criações?

    Precisamos de igualdade, onde está vocês feministas para lutarem por esse direito dos homens?
    Ah lembrei, vocês não lutam pelo direito dos homens, feminismo é a luta pelos direitos das mulheres. Mas também o masculinismo não pode lutar pelo direito dos homens no congresso ou em público, que logo é taxado de “grupo de ódio” sem nenhum motivo e é chamado de “movimento inútil” por já existir o feminismo, mas o feminismo somente luta pelo direito das mulheres, então, onde fica a mudança de algumas leis para igualar os direitos dos homens com os das mulheres?
    Vocês não lutam pelo direito dos homens, mas lutam por igualdade?
    HAHAHAHA Vocês são uma piada mesmo.

    Engraçado que você, ainda depois de não querer mudar a Licença Maternidade (algo que beneficia as mulheres, comparado ao homem) ainda defender a aposentadoria mais cedo para as mulheres. Seu sobrenome deve ser Rita Desonestidade ou Rita Falta de Lógica. Não é possível algo você dizer algo tão absurdo e ilógico.

    Tocando nesse assunto, tem algo relacionado: Alistamento Militar.
    Não adianta absolutamente NADA vocês feministas disserem: “Nós ACHAMOS que o alistamento militar ser algo voluntário para ambos ou sexos” ou “Nós ACHAMOS que o alistamento militar deve ser obrigatório para ambos os sexos”.
    Repare que eu coloquei “achamos” em letras maiúsculas para destacar e você perceber.
    Vocês não lutam por igualdade? Então onde estão vocês para LUTAREM, MILITAREM, fazerem passeatas, fazerem campanhas, fazerem cartazes, fazerem slogans, gritarem na Marcha das Vadias, pedirem para os políticos do congresso para: 1) obrigar o sexo feminino a ter alistamento militar obrigatório OU 2) abolir o alistamento militar masculino.
    Onde estão você lutando para mudarem isso nas leis?

    Vocês escreverem textos e mais textos e disserem em discussões para defender a ilogicidade do feminismo que “são a favor do alistamento militar voluntário” ou “são a favor do alistamento militar obrigatório para ambos os sexos” não muda o fato de que não estão fazendo NADA para mudar isso.
    As feministas não estão levantando uma palha sequer para lutar pelos deveres das mulheres de ter alistamento militar obrigatório ou para abolir o alistamento militar masculino obrigatório.

    Essa pesquisa do desemprego das mulheres em relação com os homens é engraçada, por um motivo bem simples. Não sei se você sabe, mas muitas mulheres são Donas de Casa, isso não conta como emprego formal, mas ainda sim continua sendo uma função muito importante.

    Da matéria: “Em relação ao Brasil, o relatório indica que 80% homens trabalham, enquanto a taxa de emprego das mulheres é de 60%.”
    Essas estatísticas podem muito bem serem justificadas por existir muito mais Donas de Casa que não trabalham fora, e não são remuneradas formalmente, do que “Donos de Casa” (se é que isso existe).

    Outra coisa, isso do desemprego das mulheres, levanta outra questão que NUNCA vi uma feminista discutir: 92% dos sem-tetos e dos mendigos são HOMENS,
    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/ribeiraopreto/2013/08/1331884-maioria-dos-moradores-de-rua-sao-homens-desiludidos-com-o-amor.shtml

    Onde estão vocês para se levantarem e resolverem esse problema masculino?
    Onde estão vocês para criarem uma “Organização para pedir políticas de inclusão dos sem tetos no mercado de trabalho ou em programas sociais do tipo “Minha casa, minha vida”?

    Isso de “Também somos maioria em trabalhos não remunerados.” é algo engraçado, nenhum ser humano é obrigado à trabalhar sem ser remunerado por isso. Ninguém é obrigado a trabalhar sem ganhar nada. Escravidão é crime, para qualquer ser humano.
    Os empresários não são obrigados a pagarem quem somente cuida de sua casa ou que fazem essas atividades fora de seu horário de trabalho.
    Se essas mulheres escolhem trabalhos voluntários é mérito delas, ninguém é obrigado a fazer trabalho voluntário, mesmo sendo algo bom a ser feito.

    Percebo que você quer mudar seu discurso sobre a violência agora, algo típico de feministas desonestas igual a você.
    Agora é “violência de gênero”, ou seja, se um homem é morto por uma mulher (a maioria dos links que eu passei eram EXATAMENTE sobre homens mortos por mulheres) é somente violência, não há problemas, é somente um número, apenas mais um homem morto.
    Agora se uma mulher é morta, é algo crítico, é algo que devemos combater com mais urgência do que quando um homem é morto.
    As coisas que vocês falam são simplesmente ridículas e absurdas.

    Se o Feminismo luta pelos direitos das mulheres, ele não luta por direitos iguais.
    Se o Feminismo lutasse por direitos iguais, ele lutaria pelos direitos dos homens também.

    Vamos lá:

    -”andar à noite na rua sem medo de ser estuprada”
    Eu já fui assaltado 3 vezes e as três vezes foram de noite. Em uma vez delas, eu fui espancado por um grupinho, mesmo depois de ter dado minha carteira e meu relógio. A culpa foi minha? Lógico que não, mas eu pudia ter me prevenido disso. Essa é a questão.
    Quando dizemos para alguém não sair de noite, pois pode ser roubado ou violentado, estamos dizendo isso para qualquer um, não exclusivamente para as mulheres. As chances de acontecer alguma coisa ruim contra você de noite são maiores do que de dia,quando as ruas são mais movimentadas.
    Qualquer homem sabe que estuprar e roubar é errado, mas mesmo assim fazem tais coisas.
    A questão não é “ensinar o homem a não estuprar” (como se todos fossem estupradores) e sim aumentar o policiamento de noite e você se prevenir para isso evitar.

    -”não ouvir propostas sexuais ao sair de casa para comprar pão na padaria” e
    -”não ser assediada no transporte público”
    Minha cara, isso é inevitável. É algo “normal” na dinâmica do relacionamento humano.
    Isso é “antiético”? Sim, lógico que isso é antiético. Mas não podemos evitar tais coisas.
    Existem pessoas que não possuem senso do ridículo.
    Enquanto ele não a tocar para fazer algo sexual sem a aprovação e o consentimento da moça, a Justiça não pode fazer nada para puni-lo. A mesma coisa se alguém me xingar, sem me tocar fisicamente, em público.

    -”sermos donas dos nossos próprios corpos”
    Não sei se você sabe, mas todo ser humano é dono de seu próprio corpo, não precisa de um movimento sexista dizendo “toda mulher é dona de seu próprio corpo”, porque, todo homem é dono de seu próprio corpo também, todo feto é dono de seu próprio corpo, mesmo não sabendo disso e todo bebê é dono de seu próprio corpo, mesmo não sabendo disso.

    -”não morremos por conta do gênero a que pertencemos”
    Alguém já perguntou para todos os assassinos de mulheres se eles mataram a mulher vítima somente “por ser mulher”? Lógico que não. Isso é uma invenção sem lógica das feministas.

    -”não sermos condenadas a morrer porque estamos grávidas e não queremos um filho”
    As duas vidas precisam ser salvas, o feto é um ser humano distinto da mãe.
    Se você não quer uma filha espere ela sair de sua barriga e doe para um orfanato, mesmo você não querendo uma filha você não possui o direito de matar sua filha. Abortar não faz com que você não seja uma mãe, faz com que você seja a mãe de um bebê morto.

    –”todos esses direitos os homens já têm”
    Minha cara, não seja vitimista e não distorça a realidade. Tudo o que você disse anteriormente são Direitos Humanos, qualquer humano os possui.
    A Licença Maternidade, como já disse em minha resposta acima, dá um período de folga para o homem cuidar do filho muito mais curto do que para a mulher, esse tempo a mais é um privilégio para a mulher que dá muito bem para ser copiado para o homem.
    Então o receio do empresário (um receio até justificável) que você disse, seria copiado contra o homem também. Seu problema do receio do empresário seria contra os homens também.
    Teríamos uma verdadeira igualdade para os dois lados, se vocês copiassem esse tempo para os homens também.

    “Enquanto nossos direitos forem tão diferentes”
    Concordo.
    – As penas de prisão para as mulheres pelo mesmo crime são menores do que para homens.
    – Os testes físicos para as mulheres soldados, policiais e bombeiras são mais leves do que para os homens soldados, policiais e bombeiros.
    – A aposentadoria das mulheres é mais cedo do que a aposentadoria dos homens.
    – As mulheres pagam meia entrada na maioria das festas e baladas por causa do machismo, mas vocês não fazem nada para acabar com isso. Não querem acabar com o machismo?
    – O Governo gasta mais dinheiro com câncer de mama do que com câncer de próstata.
    – As mulheres possuem um vagão de metrô exclusivo para as mulheres. Cadê o vagão exclusivo para os homens ou alguma ONG feminista para militar e acabar com os vagões exclusivos para as mulheres?
    – O alistamento militar obrigatório é somente para os homens. Feministas precisam fazer campanhas e militâncias para abolir o alistamento militar obrigatório masculino OU fazer campanhas para fazer obrigar as mulheres a terem alistamento militar obrigatório. Mas como qualquer um já percebeu, não fazem absolutamente NADA para mudar tal fato. Terem “opiniões” na internet não produz nada. Quando as ONGs feministas irão mudar isso?
    – A licença maternidade dá um tempo muito maior de licença para a mulher do que para o homem. Não custa nada as feministas igualarem o tempo de licença dos homens com o das mulheres para o homem cuidar e curtir o filho. Afinal o bebê é dos dois.
    – As mulheres possuem uma lei exclusiva para combater a violência contra a mulher, mesmo os homens serem as maiores vítimas da violência.

    Rita, o masculinismo já existe, existe alguns grupos principalmente nos EUA, mas por causa das ONGs feministas, eles não possuem nenhuma voz ou espaço para mudar nada nas Leis.
    O ideal seria feminismo e masculinismo se unirem para formarem o “Igualitarismo” ou qualquer coisa assim.

    No último parágrafo, em poucas linhas você admitiu novamente: “Feminismo não luta pelo direito dos homens”, então não luta por direitos iguais. Que tal abolirmos um movimento sexista como esse? E fundarmos um novo como “Igualitarismo” ou com algum nome do tipo.

    “eles vão ganhar a simpatia da maioria das feministas”

    Você só pode estar brincando.
    As feministas dizem direto que o “Masculinismo” é um grupo de ódio e um movimento inútil, pois o Feminismo já luta por “direitos iguais”.
    Mas como pode lutar por direitos iguais se SOMENTE lutam pelos direitos das mulheres?
    E ainda por cima não deixa os grupos masculinistas terem voz ou espaço porque os grupos feministas já dizem lutam por direitos iguais, mas SOMENTE se focam nos problemas das mulheres?

    Se você quer realmente igualdade dos sexos, deveria começar abolindo movimentos e grupos sexistas como o Masculinismo e o Feminismo.

    • No final quando disse que elas odeiam o Masculinismo, esse vídeo prova bem isso:

      Perceba que era somente uma palestra sobre Masculinismo, veja que senso “democrático” de suas parceiras feministas.

    • Wolf,

      Eu sempre falei de violência contra a mulher. Isso é violência de gênero. Acho que a única saída aqui é ser o mais didática possível. Suas ideias estão confundindo um monte de coisas. Vamos por partes.

      VIOLÊNCIA DE GÊNERO: Não se pode entender um conceito, sem entender como se chegou nele. O gênero é a construção psicossocial do masculino e do feminino. Em sua definição, não se explicita uma desigualdade [não confundir com diferença] entre homem e mulher. Essa hierarquia masculina é transmitida culturalmente por meio de resquícios do patriarcalismo, desde a Roma Antiga, quando o patriarca tinha poder de vida e morte sobre sua esposa e seus filhos.

      Durante os séculos, esse poder foi-se atenuando, mas ele ainda está muito presente nos dias de hoje. Até a década de 1940, havia uma brecha no nosso código penal que permitia assassinatos em “legítima defesa da honra”. É o mesmo conceito usado para legítima defesa, sendo que uma traição feminina ou uma filha que perdia a virgindade ou uma esposa que dizia ser virgem sem ser nem de longe se comparam a por em risco a vida do marido/pai. Mas isso era permitido.

      Quando o código foi reformulado, a brecha foi reparada, mas o hábito permaneceu. Ainda hoje, a honra é usada frequentemente como atenuante para assassinatos e agressões, partindo do suposto da autoridade masculina sobre a feminina. Entre os casos mais famosos, está o de Pimenta Neves, que matou a namorada em 2000, foi condenado apenas em 2006 e só foi realmente preso em 2011. Esse ano, ele ganhou o benefício do regime semi-aberto. Mas sabe qual foi o motivo de Pimenta Neves para dar dois tiros a queima-roupa na namorada? Ela terminou o namoro.

      Não foi por acaso que Pimenta Neves foi condenado em 2006. Foi nesse ano que foi criada a Lei Maria da Penha, uma tentativa de frear essa ideia de “crime em defesa da honra”. A Lei precisou ser criada para deixar claro que agredir e matar uma companheira não era justificável por nenhum motivo e para proteger essas mulheres que não sabiam como se livrarem das agressões dos companheiros, visto que moravam na mesma casa, tinham os filhos, eram dependentes deles. Ela não substitui o que o código penal aplica para toda sociedade como punição para agressões. Ela oferece apoio psicossocial às mulheres agredidas e aos seus filhos, proteção contra novas agressões e dados para entender como se evolui o fenômeno da violência de gênero.

      Violência de gênero é quando um homem se vale de sua condição de dominador para agredir física, moral ou sexualmente uma mulher. Uma prova clara dessa violência de gênero é que, ao contrário de outras violências oriundas, por exemplo, do tráfico de drogas, de abismais desigualdades sociais ou de guerras, a violência contra a mulher está presente na quase totalidade dos países. É por conta disso que se diz que essa violência decorre única e exclusivamente do fato da vítima ser uma mulher: não importa a classe social, a cultura ou a crença, as mulheres são vítimas dessa violência. O que conta é somente seu gênero.

      É por isso que se distingue a violência de gênero da violência urbana. A imensa quantidade de homicídios masculinos no nosso País, e principalmente de jovens rapazes negros, é uma mazela da nossa sociedade que precisa ser combatida ferozmente, mas o movimento político é outro. Essa violência é decorrente da desigualdade social, não da desigualdade de gênero. E ela mazela essa maioria homens, infelizmente, em decorrência do machismo. Não são as mulheres que estão nos confrontos entre gangues, entre gangues e polícia, porque elas estão em casa cuidando dos filhos desses bandidos e desses policiais. Papel que foi determinado para elas pelos próprios homens.

      VIOLÊNCIA URBANA: Ainda que totalmente condenável, como eu disse, essa violência presume uma igualdade entre vítima e assassino. É uma zona de confronto. Esses homens escolheram fazer parte dela e tanto morreram como poderiam ter matado. A classificação penal para esse tipo de crime é totalmente diferente de assassinato de vulnerável ou por motivo torpe.

      Espero que você tenha entendido a diferenciação. A luta pelo fim da violência de gênero não exclui a luta pelo fim da violência em geral. Apenas a segunda não é objeto do movimento feminista, que é um movimento pelos direitos do gênero feminino em busca de igualdade. Eu, como feminista e cidadã, luto pelo fim da violência urbana quando invisto em minha consciência política, voto nos meus representantes, cobro resultados. Eu, como feminista e cidadã, estive nos protestos de junho, com cartazes, gritos, respirando spray de pimenta e pedindo por reforma política, investimento em educação, esportes e cultura. Eu, como feminista e cidadã, defendo cotas sociais para oferecer uma nova perspectiva a esses jovens além da morte prematura. Eu, como feminista e cidadã, fiz parte durante muito tempo de um projeto em minha cidade chamado Coque Vive, que promove debates, cursos, oficinas, seminários e ações culturais em uma das comunidades mais violentas de lá para motivar seus moradores a superarem esse estigma e buscarem rotas alternativas.

      Talvez no lugar de combater uma iniciativa tão justa como a tentativa de redução dos feminicídios com essa triste expressividade de homicídios decorrentes da violência urbana, as pessoas devessem se mobilizar pra combater essa violência. Talvez assim o mundo seria mais justo para todo mundo.

      ———————————-

      Eu já expliquei porque a violência doméstica vitima mais mulheres e como é possível chegar a esses resultados. Além dos números de atendimentos hospitalares decorrentes de violência doméstica serem muitíssimo mais expressivos no caso feminino, para se calcular o número de homicídios leva-se em conta características de agressão, não apenas armas e local da morte.

      ———————————-

      Sobre o estupro, eu expliquei tudo perfeitamente claro na outra resposta. Você leu a pesquisa de onde a matéria tirou os dados? Eu mandei o link para você. Está separado com espaços para que não fique em forma de link e esse comentário não precise ser aprovado, mas basta remover os espaços e abrirá. Nesses números das prisões, estão não apenas homens, como também mulheres. O que a pessoa que espalhou essa notícia fez foi classificar “inmates” apenas os homens, quando na verdade essa palavra serve tanto para prisioneiros quanto para prisoneiras.

      Vou copiar aqui para você como diz no original, tá?

      ” […] In 2008, it now says, more than 216,600 people were sexually abused in prisons and jails and, in the case of at least 17,100 of them, in juvenile detention. Overall, that’s almost six hundred people a day—twenty-five an hour.

      The department divides sexual abuse in detention into four categories. Most straightforward, and most common, is rape by force or the threat of force. An estimated 69,800 inmates suffered this in 2008.3 The second category, “nonconsensual sexual acts involving pressure,” includes 36,100 inmates coerced by such means as blackmail, offers of protection, and demanded payment of a jailhouse “debt.” This is still rape by any reasonable standard.

      An estimated 65,700 inmates, including 6,800 juveniles, had sex with staff “willingly.” But it is illegal in all fifty states […] 4 Finally, the department estimates that there were 45,000 victims of “abusive sexual contacts” in 2008: unwanted touching by another inmate “of the inmate’s buttocks, thigh, penis, breasts, or vagina in a sexual way.[…]”

      “Em 2008, agora é dito, mais de 216,600 pessoas foram sexualmente abusadas em prisões e cadeias e, cerca de pelo menos 17,100 delas, em detenções juvenis. Somando tudo, isso são quase seiscentas pessoas por dia – um dia de 24 horas.

      O departamento divide abuso sexual em detenção em quatro categorias. A mais comum é estupro por força ou ameaça de força. Uma estimativa de 69,800 prisioneiros (as) sofreram isso em 2008. A segunda categoria, “atos sexuais não consensuais envolvendo pressão” inclui 36,100 prisoneiros (as) coagidos por chantagem, oferta de proteção e pagamento de dívidas da prisão. Isso ainda é estupro por qualquer padrão razoável.

      Uma estimativa de 65,700 prisioneiros (as), incluindo 6,800 juvenis, fizeram sexo com funcionários “de bom grado”. Mas isso é ilegal em todos os 50 estados. […] Finalmente, o departamento estima que havia 45,00 vítimas de “contato sexual abusivo” em 2008: como tocar outro preso sem seu consentimento nas nádegas, pênis, coxas, seios ou vagina de de modo sexual. […]”

      Compreende? Eram homens e mulheres nesse total de 216,600 divulgado. Como eu disse, o próprio artigo começa com o exemplo de uma presa, Jan. Ainda é possível achar referências a “inmates” transexuais, bissexuais, lésbicas e homossexuais. Como seria possível prisioneiras lésbicas numa prisão masculina?

      “And it has expanded the commission’s training requirements, adding, for the first time, that corrections staff must now receive instruction on appropriate professional boundaries and on effective and professional communication with lesbian, gay, bisexual, transgender, and intersex (persons whose biological sex is ambiguous) inmates—obvious enough measures to take, but extremely important ones”

      Volto a dizer que estupro masculino é um assunto que merece atenção, principalmente por ser tão pouco abordado, mas a maioria ostensiva de estupros continuam tendo mulheres como vítimas. Por isso, é por elas que temos que gritar, não só nós feministas como qualquer homem que não concorde com essa cultura do estupro tão enraizada em nossa sociedade. Se você quiser, posso falar sobre ela para você e você checa as informações.

      —————————————–

      Sobre salários, mostrei um experimento do mesmo currículo, para a mesma vaga, em que o masculino teve melhores avaliações somente porque era um homem. Sobre as profissões, as principais diferenças entre escolhas entre homens e mulheres estão nas engenharias e tecnologias. E você quer saber por que? Porque é muito difícil viver nesses ambientes de estudo e trabalho extremamente masculinos. Converse com meninas dos cursos de Engenharia. Elas escutam brincadeiras diariamente e geralmente têm 2 ou 3 meninas por sala. Tenho uma amiga que começou a fazer terapia depois de entrar na universidade, porque desenvolveu um quadro de excessiva baixa-estima. E sabe por que esses ambientes são tão masculinos? Mesmo depois do progressivo ingresso das mulheres no curso superior, ainda havia um esteriótipo de que engenharia não é profissão de menina, porque ela tem origem militar. Ainda hoje, é difícil escutar uma menina dizendo que quer ser engenheira; os pais desejam que os filhos sejam engenheiros, mas as meninas devem ser médicas ou advogadas. Nos livros da escola, quando somos crianças, sempre que tem uma figura de um engenheiro, ele é homem. Se uma menina adora números, melhor ela fazer contabilidade ou matemática, quem sabe arquitetura. Se adora física e química, melhor usar pra passar no vestibular de medicina. E as que enfrentam tudo isso e seguem na engenharia, ainda se deparam, sim, com salários díspares.

      Recomendo essa matéria sobre o assunto: http://www. sengedf. com. br/mulheres. html

      Eu concordo com a dinâmica analisada no vídeo sobre o mercado de trabalho, mas não entendo como ele pode dizer tudo aquilo e depois falar que não é discriminação. A culpa não é do modelo “capitalismo”, logo quem discrimina não é o mercado, é a sociedade, ao carregar esse modelo discriminatório de que lugar da mulher é em casa com a família e o lugar do homem é no emprego. Se eu e meu marido estamos ambos nos nossos empregos dos sonhos, ganhando salários equivalentes e gozando de igual prestígio e o nosso filho começa a se tornar problemático, faltar a escola, brigar com os amiguinhos e a psicóloga diz que a solução para isso é ter um dos pais mais presentes, todo mundo vai esperar que eu renuncie à minha carreira pelo meu filho, não que o meu marido o faça. E, na maioria das vezes, minha única opção de me tornar bem sucedida na minha carreira é adiando ao máximo a maternidade, porque não existe a noção de que o pai do meu filho possa dividir as tarefas comigo. Então eu preciso escolher entre ser mãe ou ser bem sucedida? Isso é ter liberdade? Por que um homem não precisa escolher entre ser pai e ser bem sucedido? Isso é igualdade?

      A falta de produtividade da mulher que você menciona e o cara menciona no vídeo dificilmente está relacionada à incompetência. Essa produtividade inferior existe por motivo que eu havia lhe relacionado anteriormente: maior ausência no trabalho. Isso porque a mãe tem licença maternidade, a mãe que falta para ir na reunião de pais e mestres no colégio, a mãe que falta quando o filho está doente. Mas isso é muito mais uma imposição do que uma escolha.

      Que mania que vocês têm de me acusar de desonestidade! Se tem algo que eu tô sendo em todos esses comentários é honesta!!! Não foi desonestidade ter trocado o SOMENTE por ALGUM, eu realmente li daquele jeito e desculpa se lhe incomodou. Mas não importa, né? Porque eu não fiquei me demorando em comentários sobre cotas, eu falei de como o machismo influencia a carreira profissional da mulher.

      ————————

      Sobre a Licença Maternidade, eu também já lhe expliquei. Licença Paternidade é e sempre foi uma demanda feminista, desde a década de 1980. Na minha cidade natal tem esse instituto que eu morro de orgulho e acho que você deveria conhecer para entender um pouco mais sobre o homem no feminismo: http :// institutopapai. blogspot. ie/

      ————————-

      Eu nunca defendi a aposentadoria antecipada para as mulheres, eu apenas expliquei a razão dela existir. Muito pelo contrário, eu disse que ela acabou se tornando mais negativa do que positiva para gente, porque contribui para nossos dias ausentes no mercado de trabalho. Contudo, você há de convir que enquanto os dados forem iguais a esses revelados pelo Data Popular esse ano:
      64% das brasileiras responderam que marido dá mais trabalho do que ajuda em casa
      98% trabalham fora e também cuidam da tarefas domésticas
      29% disseram têm ajuda dos maridos
      5% dos homens casados disseram cozinhar ou lavar louça
      5% limpa móveis e varre
      1% lava e passa roupa
      Ou a mulher se aposenta mais cedo ou ela vai pra um sanatório aos 55 anos.

      ————————-

      Eu sei que as mulheres são donas de casa, isso conta inclusive nos dados de empregos não remunerados. Mas quantas mulheres são donas de casa por opção?

      ————————-

      O feminismo é contra a meia entrada. Meia entrada só quem paga é idoso, deficiente e estudante, que teoricamente não tem renda. Colocam a mulher na mesma categoria para que sirvam de atração na festa, mais que a banda ou o DJ. O machismo em toda sua história só destinou duas posições a mulher: enfeite ou produto. A esposa que procria está na primeira; a prostituta que sacia está na segunda. O machismo continua só permitindo as duas coisas: a dona de casa e mãe dos filhos; os objetos sexuais na televisão, publicidade e festas com meia entrada. O feminismo luta contra isso quando prega a valorização da mulher. Contudo, prefere centrar suas pautas nas que estão sendo mortas, agredidas e estupradas.

      ————————-

      Primeira vez que vi essa matéria da Folha. Que triste. E que triste que esses homens não conseguem superar uma mulher indo embora. Tantas mulheres superam homens indo embora, né? Muitas superam até com filhos. Talvez seja pelos filhos que elas não se tornam moradoras de rua consumidoras de álcool e drogas tanto quanto os homens.

      ———————————

      Wolf, por que você não tem medo de ser estuprado quando está andando nas ruas?
      Wolf, por que eu já cheguei tantas vezes com raiva, com indignação, com nojo no trabalho porque escolhi ir andando e não de ônibus e ouvi “cantadas” como “um dia ainda vou chupar sua buceta” e você não?
      Wolf, por que quando é verão, tá calor de 30ºC, eu troco a calça comprida por um short e quase todo carro que passa por mim buzina e pra você não?
      Wolf, por que desde que eu tenho 11 anos eu preciso abaixar a cabeça e olhar para o chão quando entro em um ambiente predominantemente masculino e você não?
      Wolf, por que quando eu escolho ir de ônibus e não andando pro trabalho vez ou outra tem um cara que decide parar logo atrás de mim e ficar me pressionando e de você não?
      Wolf, por que o governo precisou criar um vagão só pra mim no metrô e pra você não?
      Wolf, por que eu sou cobrada se tem 2kg a mais ou a menos no meu corpo e você não?
      Wolf, por que eu preciso tirar todos os pelos do meu corpo e você não?
      Wolf, por que eu preciso cobrir ao máximo meu corpo e você não?
      Wolf, por que eu preciso restringir ao máximo o número de homens a quem entrego meu corpo e você não?
      Wolf, por que tem tanta gente preocupada com a vida de um monte de células sem atividade nervosa e com a minha não?
      Wolf, por que se nós dois decidirmos juntos abortar um filho eu sou condenada e você não?
      Wolf, por que essa “dinâmica do relacionamento humano” é inevitável para mim e pra você não?
      Wolf, por que eu questionar essas coisas é vitimismo e você perguntar sobre alistamento obrigatório e penas reduzidas não?
      Wolf, por que você tem direito a todos esses direitos humanos e eu não?

      ————————————————

      Novamente, o feminismo luta pelos direitos das mulheres porque os direitos dos homens já existem. O feminismo luta pelo empoderamento da mulher porque o machismo prega a inferioridade da mulher. O feminismo é um movimento pela igualdade porque não defende que o homem seja inferior. O feminismo é um movimento pela igualdade e, apesar de dois séculos de luta, ainda temos um grande caminho a percorrer para chegar até ela. O feminismo liberta mulheres, mas também liberta homens, porque enfraquece o machismo. O machismo sempre trouxe ônus para os homens, mas eles nunca lutaram contra ele porque os privilégios se sobressaem. O masculinismo, tal qual está, não tem apoio das feministas porque quer destruí-las e garantir sua posição privilegiada. O masculinismo, tal qual está, em nada difere do machismo, reservando à mulher as posições de dona de casa ou prostitutas e acredita que nosso único valor é o sexo. O feminismo acolhe homens que queiram lutar por seus direitos que condizem com nossa pauta, como o maior envolvimento na criação dos filhos. O feminismo apoiaria um movimento que, tal qual a gente, reconhecesse os males do machismo e lutasse para combatê-lo.

  28. ainda não faz sentido , vc disse que nosso corpo é sempre avaliado,o que é verdade mas dai acha certo sairem semi nuas,o que só vai aumentar a avaliação,não há necessidade nenhuma de ficar nu para se protestar.
    já pensei no porque do homem poder ficar sem camisa e a mulher não mas mesmo assim homens n ficam sem camisa em qualquer lugar e protesto é lugar de se ouvir as idéias não de ficar exibindo o corpo.
    acho que o termo vadia deveria ser abolido,eu pelo menos nunca vou ver isso como algo bom,sei bem da hipocrisia de alguns homens que pegam todas mas acham que mulher deve ser virgem e se n for é vadia,machismo puro.
    o único ponto que eu vi feministas concordarem é quanto a violência contra mulher,de resto cada uma fala uma coisa,sinceramente não dá para confiar muito.
    e sobre ser feminista de verdade,são as próprias feministas que dizem isso,já vi várias acusando as outras de serem falsas feministas por não concordarem com elas.

    e vi o video que o wolf indicou sobre estatísticas e é manipulação pura,o número de mulheres mortas é ridiculo quando comparado com o dos homens e a midia ajuda em tudo isso.

    • leia meu comentário em resposta a wolf sobre a violência doméstica. o cara lá pirou na batatinha.

      e sobre a marcha das vadias, você tem o direito de não curtir o modelo. eu escuto isso de feminista de verdade. também tá cheio de gente dizendo “aaaah! a esquerda de verdade não é assim”. mas quem determina como a esquerda de verdade tem que ser? não concordo com essa classificação. o que me importa é que se mantenham os princípios.

  29. o número de agressões contra mulheres pode ateh ser maior, mas isso acontece pelo fato de muitas se relacionarem com bandidos, homens briguentos, traficantes…

      • Rita, vc leu o que eu disse? Eu falei que MUITAS gostam de bandidos e não que TODAS gostam. Se a mulher escolheu se relacionar com marginal, não justifica o cara agredi-lá, mas parte disso eh culpa dela SIM! Por acaso vc acha que o bandido obrigou ela a se relacionar com ele ou ela fez isso porque eh burra mesmo? Eu sei que voces feministas adoram defender vagabunda, mas não custa nada aceitar a realidade assumir que existe mulher de malandro né?

      • Li o que você disse, Juliana. e faria sentido se, em muitas dessas agressões, as vítimas não fossem oriundas de famílias modelo classe média/alta. Essas não vão ao SUS, é claro. Muitas vezes também não vão à Delegacia da Mulher. Têm mais vergonha e medo de denunciar.

        “Jefferson Drezet, médico do hospital da mulher Pérola Byington, costuma dizer que as paredes das mansões são bem mais espessas do que as dos barracos. É preciso um trator de denúncia para que o problema seja visto, já que dentro das residências é onde acontecem 90% dos casos.”

        63% de pessoas da classe alta declararam conhecer uma mulher vítima de violência doméstica
        54% da classe média declararam conhecer uma mulher vítima de violência doméstica
        53% da classe baixa declararam conhecer uma mulher vítima de violência doméstica

        http :// blogdofavre. ig. com. br/2009/03/violencia-contra-mulher-explode-na-classe-media/
        http : // www. spm. gov. br/publicacoes-teste/publicacoes/2013/livro_pesquisa_violencia.pdf
        http :// www. istoe. com. br/reportagens/29457_LAR+DURO+LAR

        Então não é por isso que o número de agressões contra as mulheres é maior. E não é afirmando coisas como essas que se vai diminuir esses números e conscientizar as pessoas que a culpa da agressão é do agressor e que nenhuma mulher está livre de sofrer desse mal enquanto ele não for devidamente combatido.

    • mulheres assim existem,lembra da filha da gloria perez assassinada brutalmente? o babaca tá casado hj,que merda uma mulher tem na cabeça para casar com um assassino?

  30. sobre as cantadas que a rita falou é verdade,já ouvi muita nojeira dos homens na rua,eles acham que tem todo direito de falar essas merdas para a gente e nós ainda temos que gostar.
    mas vejo muitas feministas que dizem sair em pânico na rua com medo de ser estuprada,eu sinceramente não sinto isso,acho que vocês ficam tão paranóicas que acham que vão ser atacadas a qualquer momento.

    • selena, eu morro de medo de ser estuprada quando volto pra casa de madrugada e pego uma carona que me deixa na esquina, por exemplo. cinco casas até chegar em casa e vou correndo, respiração ofegante, pra ficar a salvo logo.

      mas isso é pelo que me fizeram acreditar: que andando sozinha à noite eu “estou pedindo para ser estuprada”. eu, que sou feminista e sei dos dados, esqueço que em 80% dos casos, os estupros são praticados por alguém conhecido. em 40% dos casos, esse alguém é íntimo da mulher. em 7% dos casos é o próprio parceiro. (http :// www. fris. org/SexualViolence/SexualViolence. html) aquela dica que minha mãe sempre deu: “cuidado com seu copo, podem colocar algo na sua bebida” não surgiu à toa.

      então, na verdade, talvez eu esteja até mais segura no caminho dessas cinco casas até minha casa do que no meu cotidiano. mas na minha mente ainda há aquele mito que estuprador é um psicopata escondido à noite no escuro, esperando a chapeuzinho vermelho passar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s