O post feminista com estatísticas feministas, o pinto rosa e a perereca brasileira

Padrão

perereca brasileira pinto rosa

Embora o título deste texto possa soar como um piada o assunto é sério e vai ser dividido em duas partes que são relacionadas.

Recebemos de feministas ou de leitoras curiosas um texto feminista escrito por uma feminista de um blog formado por feministas. Neste texto a autora afirma algumas coisas baseando-se em si mesma.

Ela fala sobre como se sente oprimida e com medo ao caminhar na rua em lugares como aeroportos. Ela fala sobre as cantadas que recebe na rua. E enxerga isso como violência. Depois ela cita sobre o patriarcado e o privilégio de ser homem. Ela também cita os cinco mil anos em que fomos oprimidas e nos foram negadas oportunidades de sermos cientistas, físicas, chefes de polícia, matemáticas, astronautas, médicas, advogadas, atrizes, generais e nenhuma representante do gênero feminismo esteve em destaque, na televisão, no teatro, no cinema, nas artes, história, a ciência, etc. Depois ela cita sobre de um mundo feito por e para mulheres

Ela também cita que foi estuprada e que em todas outras mulheres que conhecemos, 2/3  foram estupradas. Ela também comenta sobre o estupro, que somos sempre estupradas e que não podemos fazer nada por sermos mulheres ou somos vistas como objeto.  Ela se nega a ser vista assim e se nega a ser “escrava da depilação” ou de como é vista pelo mundo.

Ela comenta sobre as minorias e guerra entre classes (homem x mulher, brancos x negros). Finaliza dizendo que em qualquer lugar do planeta, desde a Noruega até o Brasil, somos oprimidas pelo patriarcado. Em resumo,o texto é feminista assim como todo o blog.

Dividindo por partes o que pensamos:

a) A autora usa do EUPIRISMO /EGOPIRISMO para praticamente totalizar tudo e todos baseando-se em si mesma com um tom amargo e sinais de Esquizofrenia. Cantadas de rua em geral são deprimentes, toscas mas existe quem goste e existem cantadas boas ou no mínimo engraçadas. Não entendemos o motivo de quem goste mas enfim… Iremos desenvolver mais isso na segunda parte do post. Também é um tanto hipócrita ver o texto deste blog agora falar sobre o machismo de cantadas quando o mesmo blog teve textos exaltando Mc Catra como sendo o modelo de homem a ser seguido e um outro autor homem feminista relatando como transou com uma leitora.

b) Esta autora feminista possui um trauma, medo e aqui existe um motivo: ela diz que foi estuprada. Precisa de tratamento com alguma pessoa especializada. Embora existam estupradores (e falamos como lidar com eles aqui no blog em posts seguidos) começar a ter medo em qualquer lugar ou de qualquer homem é sinal de Esquizofrenia. Isso serve para ajudar a fazer propaganda feminista,  terrorismo psicológico e tornar a vida amarga. Nada mais. O tratamento é uma necessidade para uma vida melhor pelo abuso que ela diz ter sofrido;

c) Como boa feminista a autora sente uma certa inveja de ser homem e acha que todo homem tem privilégios por nascer homem. Ninguém aqui consegue enxergar que existem também privilégios em ser mulher? Claro, existem dificuldades para ambos também. A vida perfeita é uma utopia, ok? Mas como toda ideologia marxista se baseia em utopia, nada nunca é bom e “viver é um inferno”. A vida melhor é sempre a do outro.

d) Patriarcado durante 5 mil anos que nos oprime? Hum, agora mudaram o tempo. Antes o patriarcado era de 10 mil anos e isso varia conforme a feminista que usa isso para nos assustar. Pensem meninas, pensem. Se o tal patriarcado existe mesmo, de verdade, nós mulheres provavelmente já estaríamos mortas, assim como os homens e isso é muito simples de explicar.

Imaginem um mundo dominado pelo que feministas enxergam como realidade aonde o homem é o opressor (99%) com poder. Estes homens  dominariam o 1% dos homens outros homens virando 100% . Agora eles nos maltratariam e nos enviariam para fazer o trabalho pesado, para guerras, nos estuprariam todos os dias, não se relacionariam conosco, não nos deixariam estudar, nunca nos tratariam bem e tudo o mais. Nenhuma mulher aguentaria viver assim um dia, 5 mil, 100 mil anos. Quem iria querer ter filhos com seres assim?  Nossa vida seria estupro, trabalho pesado, trabalho doméstico, guerras, apanhar e tudo o mais de filhos, pais, maridos e de qualquer outro homem. Ao mesmo tempo, por a mulher ter o capacidade de carregar  filhos e o homem não o ser humano teria deixado de existir, afinal quem suporta uma gravidez assim se fôssemos realmente violentadas desta maneira? As feministas enxergam o mundo assim quando a verdade é que homens precisam das mulheres assim como precisamos dos homens. A necessidade fez homens terem um papel e a mulheres tendo outro e se complementando desde a época das cavernas. Houveram atos violentos e absurdos entre homens x mulheres, mulheres x homens, homens x homens e mulheres x mulheres por n motivos.

e) Nenhuma mulher obteve sucesso nenhum em 5 mil anos no cinema, nas artes, história, a ciência, etc. Mas hein? Em que mundo paralelo esta garota vive? Leiam mais aqui. Isto é um terrorismo mentiroso. E sobre governo de por mulheres e para mulheres deixamos Ayn Rand falar, além da Karen Straughan desmascarar as teorias feministas.

f) 2/3 das mulheres que existem sofrem estupro? Traduzindo em números, 6 entre 9 foram estupradas. Em números maiores, 60 entre 90. Duvidamos destas  estatísticas feministas assim como aquelas sobre aborto.  Segundo estes números praticamente toda mulher foi estuprada ou morreu por aborto. Terrorismo  psicológico puro. ( Claro que existem casos assim, mas são bem menores que estes dados feminista com segundas intenções). Faltou dizer aquela frase feminista que todo homem é um estuprador. Puro terrorismo mental.

g) Somos vistas como objeto? Sim e não. Existem homens que olham a mulher como objeto sim. Outros não. O mesmo vale para as mulheres que olham o homem como objeto. Outras pessoas querem ser vistas como objeto. Este vai ser o assunto da segunda parte do post.

h) Nenhum lugar do mundo trata as mulheres o suficiente pois nós que somos oprimidas e não podemos fazer nada. Mas hein? Existem leis que foram feitas para ajudar a mulher e sem dever nada as feministas. Foi bom senso. Existem outros casos na sociedade em que somos mais bem tratadas que homens. E vice-versa. Se o patriarcado existisse ninguém estaria nem pensando na gente. Mas as feministas são estranhas: se as leis ajudam a mulher a sociedade é machista porque nos enxerga como incapazes e elas dizem lutar para nos libertar disso. Se a sociedade não nos ajuda somos exploradas e elas querem lutar para  termos leis especiais. Elas acreditam no que falam realmente? Cheirando a hipocrisia.

i) Sobre se depilar e ser escrava da beleza. Postamos sobre isso neste post aqui. Tudo varia muita da época e dos costumes locais. Sem teorias do patriarcado nisso, please. Além disso, a autora deveria saber que quem enfatiza a tal onda da beleza é o ser humano pois SEMPRE o bonito foi mais importante que o feio ao longo da história com modelos de beleza que mudam. Para finalizar, quem comanda as empresas de beleza e faz propaganda disso? Muitas vezes outras mulheres assim como homens (estes em geral gays) que usam de propaganda como as feministas usam também.

j) Minorias, guerra entre classes sendo aqui a chamada ” o feminismo liberta as mulheres oprimidas do homem opressor” e citando negros x brancos, etc. Puro marxismo cultural. Feministas adoram pregar estas idéias e isto é moda principalmente entre adolescentes aonde escolas e professores ensinam elas/les a serem “modernas/os”. A neurose aumenta e hoje podemos ver meninas de 10, 11 anos doutrinadas por grupos feministas que acham que todo homem/menino é um bandido e outras coisas. Ao mesmo tempo podemos ver garotas beijando ou ficando com meninas cada vez mais cedo e outras coisas consideradas “modernas” para um mundo “melhor”. O único homem/garoto/ bom é o menino nada masculino ou gay. Logo, mulher x homem mais afastados. Novamente, mais um objetivo do marxismo cultural sendo atingido.

 A segunda parte do post é sobre a vulgaridade, cantadas, frases vulgares, ver pessoas como objeto e alguns blogs que outras leitoras nos enviaram e em especial  este blog do qual foram tiradas expressões como pinto rosa e perereca brasileira. Estes blogs em geral falam sobre os relacionamentos de mulher brasileira e homem estrangeiro. As expressões foram criadas e faladas por outras mulheres (infelizmente) que provavelmente reclamem da mulher objeto mas usam de vulgaridade e querem usar a sexualidade como quiserem sendo que quem discorda delas é taxada/o como machista, escrava, submissas e outras ofensas feministas.

Estas blogueiras se apegam as frases da blogueira feminista (primeira parte) acima em muitos casos, mas agem de modo inverso.  Elas que talvez reclamem de serem vistas como a “mulher brasileira objeto” e do turismo sexual na frente de conhecidos, na internet se orgulham de terem casado, pegado, ficado com uns  ou muitos homens estrangeiros. Se orgulham de terem dado a perereca brasileira para o pinto rosa. Expressão delas.

Podemos notar que hoje existem mulheres que tanto reclamam dos homens que fazem cantadas grosseiras mas se comportam de modo igual, que pegaram muitos, que pegariam este ou aquele. Isto pode ser visto em novelas, na TV, nas baladas, no dia-a-dia, etc. Ou seja, estas garotas copiam o que deveria ser evitado e o que elas dizem odiar. E taxam de qualquer coisa quem discorde delas, que nestas horas também falam do “meu corpo, minhas regras”, uso a minha sexualidade com quem quiser e fazem a mesma coisa que o canalha que tanto reclamam. Isto é incoerente totalmente. Muito mais corajosas seriam se assumissem.

Nestes blogs podemos ver infelizmente outras mulheres que reclamam do turismo sexual sendo que por livre escolha fazem sexo com homens (cujo fator de atração para elas em geral e é ser estrangeiro) que elas escolheram (se fosse forçado seria estupro, algo que é já crime) e depois reclamam do turismo sexual. Vamos combinar, né? Isto também é feminismo e pensamos que seja o tipo mais comum de atitudes feministas.

O feminismo apoia funkeiras como Valesca Popozuda e outras figuras que cantam “hoje eu não vou dar, vou distribuir” e “hoje eu sou puta” , “vou dar isso, aquilo, chupo, mas não quer ser julgada pois o modelo Mc Catra também canta . Criam marchas como o nome marchas das vadias, mas se ofendem quando chamada de vadias e querem dar aula sobre moralidade e mulher objeto?

Podemos escrever um livro com atitudes de feministas e suas frases prontas que entram em choque quando confrontadas. Sem querer fiscalizar a vagina alheia mas aonde anda o bom senso da coisa? Querer reclamar de “isto é machismo, aquilo é machismo”, “isto é o patriarcado” é o fim. Pior é justificar ou manipular tudo com teorias sem fundamento e longe da realidade, coisa afinal que toda feminista adora fazer.

»

  1. O problema dessa feministinhas é que exigem um respeito que nem elas sabem dar aos outros.Vc posta um comentário num blog dito feminista e se sua opinião de alguma forma agride ,todos do alto de sua grandeza e superioridade fazem questão de pisar,de fazer piada,chacota.Isso é respeito?O que querem receber em troca?As feministas são farsantes,Só tem pose,por trás da máscara são criaturas asquerosas,ridículas.Um bando gente sem educação que querem ganhar no grito.

  2. Verdade essas reflexões. Eu tb li o post dessa mulher e também pensei que ela ainda carrega na alma e no coração essa violência horrível que aconteceu aos seus 8 anos de idade fazendo com que, claro, veja um estuprador em todo homem que esteja vivo.
    Nunca fui estuprada (devo fazer parte da minoria do 1% das mulheres segundo as feministas) mas imagino que nao exista violência pior que essa. E distorce toda a visão que uma pessoa pode ter do que é ser mulher.
    Eu tenho que viajar muito por causa do meu trabalho, vivo em aeroporto. Ninguém nunca me olha. É verdade que quando eu tinha 11 anos foi quando comecei a receber cantadas (vulgares) na rua e me sentia muito mal. Era muito violento para mim que era so uma criança. E mais que sempre me vestia de jeans e camiseta larga. Eu nao sei se naquela epoca os homens eram mais grosseiros ou os pedreiros e homens do gênero se sentem poderosos ao ficar incomodando uma menina. Nisso sim concordo com as feministas, é um abuso de poder. Agora, já aos meus 34 anos, raramente me falam alguma grosseria na rua. Ainda bem.
    Termina parte no texto da autora que eu achei tremendo: ela passa mais de uma pagina falando que se sente obrigada a se maquiar, que perde muito tempo mas que a sociedade e o trabalho exigem isso dela…. Porque mulher de cara lavada é feia e menos mulher. Etc.
    Olha….. Eu, a exceção dos dias em que estou afim de me sentir mais bonita, eu SEMPRE estou de cara lavada. Pode ate ser que tenho um emprego privilegiado que nao me exija maquiagem, mas nao me sinto menos mulher ou mais feia por ir de cara lavada. Que bobagem. E muito menos me sinto escravizada pelos homens quando decido me maquiar. Me maquio se e quando quero. Ninguém é obrigado, nao sei.
    Aquele post esteve cheio de lamurias e lamentações, nao foi um post justo porque é a voz de uma mulher que esta com a alma e o coração destrocados pela violência que sofreu,
    Quanto aos vídeos desse post sao todos muito interessantes. Mas a da “resposta a danielle”, bom, muito interessante bem documentado, bacana, so achei que ela fala da mulher como se fosse uma manipuladora extrema e nao é bem assim. Bom, a mulher tinha que usar as suas ferramentas para sobreviver, conseguir o que queria. Nao vejo nada de ilegítimo nisso.
    Bom no demais o blog de vcs é ótimo. Tb estou cansada das feministas e das suas mentiras e lamurias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s